sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

-Os Clãs da Bruxaria na Antiguidade


"Bruxaria genuína não é paganismo [ou seja, Bruxaria não é sinônimo de paganismo, paganismo é apenas uma característica da Bruxaria], embora mantenha a memória das antigas crenças. [A Bruxaria é] o último verdadeiro culto de Mistérios que sobreviveu, com uma filosofia muito complexa e evoluída e com forte afinidade com muitas crenças Cristãs. O conceito de um Deus sacrificial não era novidade para o mundo antigo e que não é novo para a bruxa" (COCHRANE, Robert, "Genuine Witchcraft is Defended", 1963).
**************************************************************
"As Bruxas eram as descendentes das Mulheres Selvagens que tinham sacrificado o Rei Divino, quando seu mandato de governo tinha sido completado, para que assim seu sangue pudesse fertilizar a terra. Sua magia era tanto oculta como forte, assim como a Deusa da Lua a que elas serviam"  (VALIENTE, Doreen, "A Enciclopédia da Bruxaria").
**************************************************************
"[...] quando visitei a Villa dos Mistérios em Pompéia percebi grandes semelhanças no culto [Culto das Bruxas medievais]. Aparentemente, essas pessoas usavam os mesmos processos das Bruxas. Eu sei, é claro, que os antigos e modernos escritores concordaram que os Mistérios gregos de Dionísio, Zeus, Orfeu, Zagreu e Elêusis eram similares; então, cada Mistério tinha diferentes ritos e mitos, mas eram os mesmos, o que deve significar que eles tinham algum segredo interno." (GARDNER, Gerald B., "A Bruxaria Hoje"). As antigas Bruxas e Iniciados — as/os "witches" (mystikos afirmavam: "Todos os Mistérios são o mesmo!", fazendo alusão às crenças e práticas que apresentava-se dentro de cada Clã da Bruxaria na Antiguidade.
*************************************************************
"As coisas mais antigas e mais profundas da religião encontraram seu caminho para os Cultos de Mistérios. Esses cultos perseveraram porque eles apelavam para algo dentro da alma humana que tinha uma afinidade com a magia e com o mistério [...]. Com a chegada do Cristianismo, de acordo com São Paulo, o domínio estava completo. As mulheres receberam a ordem de ficar caladas nas igrejas, e diziam que elas deveriam se sentir envergonhadas de serem do sexo feminino e que o seu sexo era algo impuro. Os Mistérios pagãos foram proibidos no século IV d.C., e seus sacerdotes e sacerdotisas eram denunciados como bruxos. Daquele momento em diante, a organização às escondidas da Bruxaria começou a tomar forma. Assim como também as diversas abominações das quais as bruxas eram acusadas" (VALIENTE, Doreen, "A Enciclopédia da Bruxaria").
**************************************************************
"[...] a antiga linguagem sobreviveu com bastante pureza nos secretos cultos Místicos de Elêusis, de Corinto, da Samotrácia e alhures. Quando esses foram proibidos pelos primeiros Imperadores Cristãos, ela continuou sendo ensinada nas escolas poéticas da Irlanda e de Gales, bem como nos conventículos de Bruxas da Europa Ocidental" (GRAVES, Robert, "A Deusa Branca").
**************************************************************
Entre os anos de 150 à 215 d.e.c., Titus Flavius Clemens, um teólogo Cristão Gnóstico da Escola Catequética de Alexandria, condenou e satanizou os Mistérios ou Clãs da Mystíria, afirmando que tratavam-se de zombarias, enganações e práticas diabólicas dos pagãos. Em período posterior, no século 2, Flavius Iustinus, um sacerdote Cristão que outrora havia recebido iniciação na Mystíria Pitagórica e na Mystíria Platônica, escreveu dirigindo-se à Antonino Pio e seus filhos e ao Senado Romano que os ritos da Mystíria tratavam-se de supostas "imitações demoníacas" da verdadeira fé. No decorrer da Idade Média, as Bruxas foram acusadas constantemente de 'sacrilégio' e 'imitações diabólicas dos rituais eclesiásticos'. Justino Mártir, o caluniador que instiga a perseguição romana da Mystíria, também afirma que "O Demônio, à imitação do que foi dito por intermédio de Moisés, afirma que Proserpina era filha de Jupiter, e instigou as pessoas a criar imagens dela com o nome de Kore". Justino Mártir é um exemplo de traidor, por sua deslealdade à Mystíria: após tornar-se iniciado e obter o conhecimento antigo, condena-a à perseguição pela Igreja Cristã Romana. Contudo, as bruxas foram mencionadas por autores clássicos como adoradoras de Diana e Proserpina. A Mystíria/Bruxaria foi uma das religiões principais que teve concorrência, na Idade Média, com o Cristianismo. Neste sentido, "Eles [os Mistérios ou clãs da Bruxaria] vinham, na maioria das vezes, de um submundo bárbaro [pagão, campesino]. Eles eram singularmente persistentes. Os Mistérios Eleusinos, por exemplo, perto de Atenas durou mil anos [...]. E não há razão para acreditar que eles mudaram pouco durante esse longo período" (BARNES, William E., "The Rise of Christianity", 1947, p. 50).
**************************************************************


"Por ser uma religião amplamente popular que se espalhou por todo o Império Romano, os cultos dessas Deusas da Lua, como Isis e Diana, eventualmente mergulharam em uma obscuridade forçada com a tomada de poder do Cristianismo. Ao contrário da crença geral, os Mistérios religiosos pagãos não morreram. Eles foram forçosamente oprimidos; mas de uma maneira clandestina e oculta eles continuaram vivos, por causa de seu apelo emocional, principalmente das mulheres. Uma forma que com o tempo eles assumiram foi o da Antiga Religião, o culto da Bruxaria" (VALIENTE, Doreen, "A Enciclopédia da Bruxaria").


- Mysteria¹ Dionisíaca ou Bassáride, também chamada de Bacante:
Período e local: Na Idade Antiga, na Tessália, na Grécia em geral, em Roma e na França.
Descrição: Muitas vezes, este Clã fora proibido pelas autoridades, principalmente na Roma Antiga, pois, em todos as províncias em que se instalava, sofria perseguições. No entanto, foi permitida em determinados momentos, no caso de Bruxas Bacantes não-tessalianas (vide Kallikantzaroi). O Uno ou Grande Imanifestável era chamado, neste Clã, de Zeus ou Jove/Yahuh. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Ariadna/Demeter/Libera ou Angerona e Dionysos/Bacchus/Liber Pater o Zagreus ("o Sagrado", em referência ao Seu Sangue, que fora esvaído pelos titãs/atlantes para criar a humanidade ou estado de mortal; ao Seu Coração, que havia sido resgatado pela arcanja Sophia/Atena; e ao Seu Falo, que fora preservado pela Deusa para a geração do Filho Divino) e os seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia mais para o Deus. Phanos ou Eros Comus era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Filho da Prosperidade. Neste Clã, Hecate/Heket, a donzela turco-tessaliana amante de Hermes Trismegistos, intitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd/Thoth. Tubalcain/Hephaistos era lembrado como um anjo lucífero transformado em anjo semi-vespertino que caíra dos céus e, mais tarde, fora aproximado do Olimpos pelo próprio Deus Cornífero Dionysos Kadmos, sob a vontade do Altíssimo Uno (Zeus/Jove). O Clã Dionisíaco teve origem com um alto-sacerdote chamado Seilenus (ou Cyllenus ou Silvanus, o Bes), além de seu companheiro Titius, possuía iniciação no Clã Metragirta ou Gálico, o qual estava relacionado também ao Clã Cábiro, ao Clã Telquino e ao Clã Mitraico. Dentre as principais linhagens do Clã Dionisíaco estavam: a Tessálide ou Tessaliana, a Tíade ou Limneida ou Limnatide, a Trácio-cícone, a Turco-nisíade ou Lidiense, a Egípcio-nisíade ou Sinaíta, a Colquidense, a Romano-peligna e a Samnita ou GaulesaHavia uma "Batalha de Bruxas" entre o Clã Dionisíaco e o Clã Metragirta (talvez, porque o primeiro Clã permitia a entrada de feiticeiros e charlatões, enquanto o último era um tanto mais hermético e tradicionalista). As Bruxas de Linhagem Greco-romana traçavam sua iniciação até Arcturos/Icarios, dos Clãs Eleusino e Panatenaico, a criança misteriosa que se tornaria o rei do futuro de Atenas. As Bruxas de Linhagem Gaulesa cultuavam a Deusa Ariadna/Demeter Sito/Abundia sob o título de "Adgagsona", uma corruptela céltico-gaulesa do romano "Angerona", a céltica "Satiada" ou "Arduinna" (adorada junto à Deusa Diana na região francesa de Ardennes), assim como Dionysos ficara conhecido popularmente como "Dusios" ou "Baco" entre os celtas gauleses, como atestam as incrições célticas das localidades francesas de Eauze e de Chalon-sur-Saône que o Deus "Baco" era adorado entre os celtas. Também, em todo Sabá e em toda Missa/Ido do Clã Dionisíaco era dedicado um cântico em adoração ao Deus Cornífero (Dionysos ou Pan) que, caracteristicamente, era conhecido como "Ditirambo" ou, no latim vulgar, "Triunfo", a antiga "Tragédia" (literalmente "A Canção do Bode" que, aproximando o adorador ao Deus ou entusiasmando-se, tornava-o um sacerdote ou ritualista do "Teatro" ou Atos Divinos, em grande e indescritível pleroma ou plenitude que, por sua condição santa ou heroica, não deve ser confundido com as profanas encenações teatristas da atualidade).

As Bruxas de Linhagem Tessálide ou Tessaliana, como Aglaonike, Photis e Pamphyle, ficaram famosas ao se corromperem na prática de envenenamentos e feitiços, bem como quando Aglaonike conseguiu convencer os Trácios Cícanes a se aliarem às tropas de feiticeiros, de modo a organizarem uma "Batalha de Bruxas" corrupta contra as Bruxas de Linhagem Limneida e de outros Clãs na Grécia. Com estes ataques de feiticeiros, um Magister de Bruxas, antes de ser cruelmente dilacerado pelos molestadores, teve a visão de que iriam ocorrer "caças-às-Bruxas" em um momento posterior e a esposa deste Magister, que fora envenenada por uma feiticeira, deu origem à um mito presente na velha Bruxaria que, na idade média, ficou conhecida popularmente, na versão dos Irmãos Grimm, como O conto da Bela Adormecida ou O conto da Rosa do Espinheiro ("
Dornröschen"), onde narra o enfeitiçamento da princesa e o renascimento desta pelo encantamento do Bom Cavalheiro com as doze Bruxas da corte (cujas lendas, por influência do Sacro Império Romano de Nação Germânica, misturarando-se aos mitos da Dama Venus/Halia, da bruxesca caverna secreta de "Venusberg" da Alemanha medieval, principal local onde ocorriam os sentenciamentos de uma ordem bruxesca que desencadeou a Inquisição, a "Santa Veemeou "Liga da Corte Sagrada", instituída na antiguidade tardia pelo Clã Telquino). Paculla Annia, 
Magistra do Clã Dionisíaco de Linhagem Romano-peligna e que operava em um têmenos da Campânia na Itália, ficou famosa ao praticar assassinatos ritualísticos no Clã, levando à proibição da prática do Sabá (Sabazia/Bacchanalia) pelo Senado romano após a acusação pública de uma mulher recém Iniciada conhecida como Hispala Faecenia, a qual temia ser castigada por ter burlado as Leis da Bruxaria, de modo que, em 186 a.e.c., relata Titus Livius, foi proibida a realização de Sabás e, aproximadamente, sete mil Iniciados de toda a Itália, a partir de uma pré-medieval "caça-às-Bruxas", foram exilados e executados pelo Senado Romano, o que, em consequência disso, levou à uma considerável diminuição do número de Iniciados e, somente retornara, com o bruxo Caius Iulius Caesar (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano, que reencarnaria, em seguida, como Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e que instituiu a Bruxaria Medieval Pentárquica; como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola)


A Linhagem Colquidense estava centrada em Aeaea na Cólquida, cujas Bruxas incluíam-se Kirke e sua sobrinha Medea, as quais ficaram famosas por apelarem à envenenamentos e feitiços, do mesmo modo que as Bruxas Bacantes da Tessália, da Grécia e de Roma e, mais tarde, da Gália. Também, deve lembrar que, as Iniciadas ou Bruxas do antigo Clã Dionisíaco faziam uso de um grande vaso em seus rituais, o "Krater" que, mais tarde, ficou conhecido como "Graalou "Caldeirão", como alegoria à caldeira de Tubalcain/Hephaistos onde se podia misturar a água ou sêmen e o vinho ou sangue menstrual para, posteriormente, fermentar ou queimar as substâncias alquímicas ou sacramentais; da mesma forma que faziam as Bruxas Medievais. Na antiguidade tardia, uma tradição da Linhagem Colquidense do Clã Dionisíaco, famosa por sua habilidade de cura e encantamento de serpentes, migrou para Abruzzo no Vale Peligna e para Campânia na Itália, onde deu origem à Linhagem Romano-peligna, cujo Deus Cornífero Dionysos era adorado pelo título de "Cerfomou "Cerfo", isto é, um "cervus" ou cervo na língua mestiça, e manteve contato harmônico com a Linhagem Samnita ou Gaulesa deste mesmo Clã, sendo que, no início da era cristã, os padres da Igreja Católica declararam que na "terra dos habitantes marsos ou úmbrios" — ou seja, dos antigos italianos Pelignos de origem pelásgica — era "o centro da Bruxaria" (cujo velho costume festivo reminiscente de coletar serpentes inofensivas, a "Festa dei Serpari", foi cristianizado pela Igreja de Santa Maria de Abruzzo para os fieis de São Domenico). Em Roma, haviam os grandes falos eretos do Deus ou Fascínios ("fascinus"), chamado Mutunus Tutunus, onde as Bruxas Bacantes, incluindo matronas e noivas romanas, sentavam e "cavalgavam" em relações sexuais com a estátua do Deus, entoando a evocação mística "Evoi Sabai!", assim como as Bruxas Medievais foram acusadas pela Inquisição de ter relações sexuais com o pênis frio do Demônio (o termo "Daemonos" ou "Agathos Daimon" ou "Daimonion", trata-se de um título pré-cristão do Deus de Chifres Dionysos, associado equivocadamente pela Igreja Católica ao Satã, da mesma forma que "Lucifer", a deidade pagã do alvorecer). Ainda em Roma, o grande falo ou fascínio era levado à noite até uma encruzilhada do campo e adorado pelas Bruxas deste Clã, de modo a assegurar a germinação e o crescimento das sementes e afugentar os mau-olhados e feitiços ("fascinatio") dos campos e plantações, para que se obtivesse uma boa colheita, tal como expõe santo Agostinho. 

Em Pompeia, o Clã Dionisíaco era famoso e lá havia a chamada "Vila da Mysteria" ("Villa dei Misteri", na língua italiana), onde existiam Câmaras de Iniciação/Pastofórios e seus Cubículos nos fundos de casas populares da vila, possivelmente em decorrência da necessidade de clandestinidade e de manter-se em segredo das autoridades do Estado, pois caso fosse permitido teria Templos próprios e Sala dos Senhores ligada ao poder real da província. Na 
"Vila da Mysteria" ou Vila da Bruxaria, foram encontrados pela arqueologia diversos caldeirões ritualísticos e pinturas de caldeirões (vide a imagem abaixo) sendo utilizados pelos Iniciados deste Clã, além de um afresco com uma psiquê alma voando com um grande Báculo ou Bastão Priápico (vide o tópico da galeria: "Reflexões Etimológicas do Termo 'Bruxa' "), ambos do período romano pré-cristão. Porém, em Pompeia a magia sexual e a sexualidade passaram a ser profanados de tal modo que deu origem aos Lupanários, prostíbulos onde a sexualidade era banalizada pelos lupinos e lupinas, o que, mais tarde, levou à catástrofe da cidade pelo vulcão vesúvio. Haviam famílias greco-romanas que, no passado, reivindicavam linhagem até as primeiras sacerdotisas deste Clã, da mesma forma que, na modernidade, algumas famílias europeias e euro-descendentes afirmaram possuir descendência até a Bruxaria Medieval. Em um dos festivais sazonais do Clã Dionisíaco, era um velho costume que as sacerdotisas e iniciados da Arte dos Sábios realizassem danças em adros, assim como as Bruxas Medievais Pentárquicas foram acusadas nos julgamentos da Inquisição. Era considerado perigoso para os antigos distritos onde os imperadores ou governantes não aceitassem a presença e reconhecimento do Clã Dionisíaco, pois, as mulheres que não respeitassem os dias sagrados e, em compensação, não participasse dos Sabás ou Sabázias/Bacanálias, acreditava-se que o Deus Dionysos as transformaria em morcegos e as deixaria à mercê da loucura ou da prática degradante de feitiços, como cita o romano Publius Ovidius Naso. A característica principal deste Clã é o apelo à libertação dos pobres e oprimidos da escravidão promovida pela alta sociedade e pela elite, de modo que o Clã Dionisíaco possuía maior foco e habilidade no desfazimento e eliminação de "Estigmas" ou Selos maléficos postos às pessoas pelo controle arcôntico da alta sociedade plutocrática e profana, o que levou os governantes patriarcais a desprezarem a influência social semi-matriarcal deste Clã na antiguidade. Posteriormente, este e também outros Clãs, são acusados de lançar feitiços e malfazejos sobre as plantações para destruir as colheitas, a mesma acusação equivocada levantada contra as Bruxas na idade média. 


- Mysteria Cabíride, também chamada de Mysteria Cariana ou Caftorita
Período e local: Na Idade Antiga, em Caria na Anatólia, na Ilha de Imbros, na Ilha de Lemnos e, principalmente, na Ilha de Samotrácia.
Descrição: Reconhecida oficialmente, no Templo da Samotrácia, pelas Leis Civis dos reis locais. O Clã Cábiro era uma das congregações mais antigas e herméticas da Bruxaria, descendeu do Monte Ida (o qual situa-se próximo ao Monte Kabirion), instituindo sua sede em Caria na Anatólia e, mais tarde, na Ilha de Samotrácia. Os Cábiros ou as Cabírides não eram "Deuses", mas, sim, Iniciados e Imortais de baixa estatura e, portanto, alguns eram honrados como Heróis. O demiurgos Tubalcain/Hephaestos encarnou na terra na Era de Leão para derrubar o caos e o imperialismo dos Reis Sacrificados da Atlântida, o que levou ao afundamento no mar e o adoecimento de Tubalcain, ao passo que, antes de ocorrer efetivamente o dilúvio, encarnou seu filho-irmão, o arcanjo Hermes Trismegistos, para trazer o despertar da consciência no surgimento de uma nova era: a Era de Caranguejo (por este motivo "Khepere" ou "Kabeiro" é representada por um caranguejo ou o que as lendas chamam atualmente de "escaravelho", cujo símbolo é a numeração 69, a união dos pólos masculino e feminino), do Advento de Hermes, cuja característica é o desenvolvimento de uma sensibilidade mágico-espiritual aumentada e um harmônico-pacifismo em contraposição ao imperialismo arcôntico, trazendo o florescimento da Era Dourada (vide o tópico da galeria: "Nova Ordem Mundial versus Era Dourada da Bruxaria"). Como nos demais Clãs, honrava-se quatro (mais três) Guardiães da Bruxaria (ou seja, sete), porém, uma outra inteligência ou força potente encarnou na terra, nas últimas eras da antiguidade e, assim, foi adicionado para honraria na maioria dos Clãs da Bruxaria devido o seu sacerdócio ser consagrado ao Deus Cornífero dos Céus no Clã Amonita através da descendência bruxesca egípcia e, também, pelo seu poder miraculoso de cura que possuía (de modo que este ser, também chamado de "o Oitavo Guardião", ficou célebre na antiguidade entre as Bruxas). Neste Clã, o Grande Imanifestável ou Uno, era chamado de Zeus. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Axierus/Ceres/Demeter e Kadmilos/Karabazmos/Dionysos, além dos Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para a Grande Mãe. No Clã Cabíride, a donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd/Thoth. Uma das sacerdotisas ou Bruxas do Clã Cábiro foi Carminia Ammia. Haviam um Ante-grau e três Graus de iniciação na Mysteria Cabíride, assim como na maioria dos demais Clãs antigos, cujos nomes de cada grau, por ordem, eram: o Iniciante, um ante-grau de aprendiz ou aspirante à iniciação, que dura um tempo de um ano e um dia, que nem sempre foi contado como grau; o Místico, o grau de iniciado ou bruxo; o Sacerdote, grau de sacerdote ou sacerdotisa; e, por último, o Epopta ou Dríade, o grau de contemplador e de heroína ou santo. 



- Mysteria Metragirta, também chamada de Mysteria Gálica ou Gálata:
Período e local: Na Idade Antiga, na Anatólia, em Creta, na Grécia, em Roma e na Espanha.
Descrição: Reconhecida na Grécia, na Anatólia ou atual Turquia e em Roma. Neste Clã, o Grande Imanifestável ou Uno, era chamado de Agdistis ou Agade (que, por sua vez, significa "uno" ou "unidade"). A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Rheia/Cybele/Magna Mater ou Adraste/Ananke e Khronus e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para a Grande Mãe. Neste Clã, a donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada e honrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd/Thoth. Attis (referido como "Aditya" nas lendas indianas) ou Zeus Kronidas (também chamado de Heracles Melikertes ou Palaemon) era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Filho da Luz ou Grande Herói. O Clã Metragirta também era chamado de "Gálico" em função de que possuía descendência na região da Anatólia onde havia a antiga Troia, local que era denominado de "Galácia do Oriente", em que descenderam também os Povos Celtas Gauleses (que criaram sua nova Gália na Europa Ocidental, da mesma forma que, as Bruxas, com a queda de Troia, haviam o projeto de criar a "Nova Troia" nas Ilhas Britânicas, fundando a corte de Camelot ou Camalet, atualmente Castelo Cadbury, a partir do nome do Deus da Bruxaria cultuado na Ilha da Samotrácia, Kadmylos/Camillus, e depois pelos Templários; pois, Merlin, Morgana e Arthur eram adeptos da Bruxaria, através da linhagem romana até a bruxa Rowena!). As Bruxas e Iniciados do Clã Metragirta, durante seus cultos, entoavam a exclamação "Hyes Attes! Attes Hyes!" ou "Hu Adir! Adir Hu!" (utilizada na Bruxaria Medieval Pentárquica nos tempos de Carlos Magno, atualmente em uso pelos Judeus alemães), para saudar o Filho Divino Attis. O Clã Metragirta ou Gálico se tornou célebre e afamado, principalmente, pela prática da Magia Manual, onde seus Iniciados com determinada frequência eram temidos em Creta, de maneira análoga ao Clã Sabático/Órfico na Trácia. 


Neste Clã haviam três linhagens: a Dátila ou dos descendentes Dátilos, a Curete e a Coribante. Haviam dois bruxos e sacerdotes, os quais possuíam descendência bruxesca misturada ao Clã Cábiro e ao Clã Telquino/Egeu, que deram origem à linhagem Dátila do Clã Metragirta/Gálico que viveu primeiramente em Dindymon na Frígia ou atual Monte Murat e que, em seguida, transferiu-se para o Monte Ida anatoliano (próximo ao Monte Kabirion) e, depois, foi levado para o Monte Ida cretense, espalhando pelas antigas ilhas gregas; todavia, os alto-sacerdotes irmãos Dardanos/Kouros/Karen e Iasion/Iasus/Eetion (e sua irmã, Harmonia), que haviam instituído uma linhagem do Clã Cábiro na Ilha de Samotrácia, deram surgimento à outra linhagem, agora do Clã Metragirta: os descendentes Curetes; a seguir, Corybas, filho de Iasion do Clã Cábiro e deste, foi também Iniciado no Clã Metragirta, dando início à mais uma linhagem do Clã Metragirta ou Gálico: os descendentes Coribantes, que operaram por vários locais da Grécia e na Roma Antiga. Com o passar do tempo, esses dois iniciados ficaram conhecidos, mitologicamente, como Gêmeos ditos "Dioscuros" ou "Castor" ou "Cautes" ('Jovem Divino' ou 'Jovem') e "Pálicos" ou "Pollux" ou "Cautopates" ('Pequeno' ou 'Pequeno Ferido'), também comum nos antigos Clãs Eleusino, Cábiro, Metragirta, Telquino, Mitraico, Doliqueno, Dionisíaco, etc., eram lembrados pelos nomes de "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasus" ou "Eetion" (chamado na língua egípcia de Atum/Aton/Adam e, em grego, de Prometheus). A Linhagem Coribante do Clã Metragirta, sobrevivente até a antiguidade tardia, se espalhou pela Anatólia e Grécia Antiga e, por fim, foi para Roma, na companhia dos demais Clãs da Bruxaria. Atualmente, existe um grupo na Bruxaria contemporânea, a Irmandade Minoica ("Minoan Brotherhood"), que busca preservar os antigos costumes do Clã Metragirta/Gálico.


- Mysteria Despoínica, mais conhecida como Mysteria Eleusina:
Período e local: Na Idade Antiga, em Creta, em Elêusis na Grécia, em Megalópolis e Roma.
Descrição: Reconhecida oficialmente, no Templo de Elêusis, pelas Leis Civis dos reis. Este clã teve origem com uma alto-sacerdotisa da Mysteria Isíaco-osiriana chamada Callithyia ou Callithoe a Rainha Meganeira, a qual fez Iniciação deu seu filho e príncipe conhecido como Triptolemus, filho do rei Keleus ou Trochilus, na perspectiva de que seu filho se torna-se um sacerdote e, utilizando a linguagem bruxesca, "ensinasse aos gregos os Segredos dos campos, para que soubessem como plantar e colher os Frutos na terra", bem como recebera incumbência de ensinar Lyncus ou Lynceus, o esposo da sacerdotisa Bryce/Brygindis ou Brigantia/Beroe Amymone (chamada de "Berchta" ou "Brigid", a Santa Brigid, na língua céltica) e rei da antiga Céltica/Cítia que, possuindo baixa receptividade para receber os ensinamentos da Arte dos Sábios ministrados por Triptolemus, tentou atacar este príncipe no intuito de matá-lo, o que, em contrapartida, o sacerdote Triptolemus realizou ritos mágicos à Deusa para transformar a força de Lyncus na força de um felino, o gato selvagem que, mais tarde, recebeu o nome de "lince". Dentro deste Clã, haviam duas famílias responsáveis por perpetuar a linhagem de Triptolemus: Eumólpidas e Cérices. Publius Herennius Dexippus era um sacerdote da Linhagem Cérice do Clã Eleusino. O Uno ou Grande Imanifestável era chamado, neste Clã, de Zeus ou Jove/Yahuh. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Demeter/Axieros/Ceres/Despoina e Dionysos/Iakkhe/Iacchus (Zeus Keraunos ou Sabazius, em forma de Touro do Mar Poseidon ou Okeanos, que descera dos céus e atravessou o mar até a antiga Céltica/Cítia, com as quatro cores bruxescas do processo alquímico, para salvar a Deusa Demeter Europa/Euryphaessa, cujo título fora dado ao continente europeu enquanto simbologia dos argonautas que buscam obter o "Caput Galeatum" ou Velocino Dourado) e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para a Grande Virgem-Mãe. Artemis ou Diana também era adorada, neste Clã, como a tripla face da Deusa Estelar. Horus ou Eros, o Ploutos, era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Filho da Luz ou da Prosperidade. Ningishzidda/Hermes também era lembrado como Fundador da Arte dos Sábios. Neste Clã, a donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd.

Os Gêmeos Rivais, mais conhecidos como "Dioscuros('Jovem Divino') e "Palici" ('Pequeno'), também comum nos antigos Clãs Doliqueno, Cábiro, Metragirta, Telquino, Mitraico, Sálio, Dionisíaco, etc., em que eram chamados por "Castor" e "Pollux" e, às vezes, por "Cautes" e "Cautopates", eram homenageados neste Clã pelos nomes de "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasusou "Eetion", chamado na língua egípcia de Atum/Aton/Adam e que ficou conhecido como Prometheus. Os felinos linces, uma espécie de gatos selvagens, eram considerados animais sagrados especiais para este Clã, da mesma forma que outras espécies de felinos eram vistos como que possuindo habilidades sagradas especiais para o Clã Dátilo, Dionisíaco e Isíaco-osiriano. A Deusa Demeter/Axieros/Ceres, associada à Ceridween dos contos galeses, está relacionada aos suínos, pois, como velho costume, sacrificava-se uma porca ou leitão para a Deusa na perspectiva de que trouxesse através do sangue jorrado a purificação almejada pelos Iniciados. Diz um mito eleusino que, certa vez, um homem de linhagem real chamado Tantalos foi fazer um sacrifício aos Deuses no Monte Sipylus e, devido ter revelado ao povo os segredos dos Deuses e roubado ou trocado a oferenda de ambrosia aos Deuses pelos membros despedaçados de seu próprio filho Pelops assassinado, deixou todos horrorizados ao notarem a matança ritualística macabra e a Deusa Ceres, juntamente com a Divindade Suprema Zeus Olympios, tratou de recuperar todas as partes do corpo do menino, fervendo-as dentro de um caldeirão do renascimento e ressuscitando-o magicamente, enquanto isso Tantalos foi expulso como feiticeiro, como punição pelo seu crime, para a região do tártaro no Submundo, onde também foi Prometheus, porém a sentença de Tantalos foi tão grande que uma execração caiu sobre seu filho descendente. Segundo Robert Graves, o "Tuatha-Dé-Danann" céltico foi o mesmo povo que a pré-helênica "Dinastia de Danaan" que constituíam os Povos Medos, famosos pelo culto à Deusa Mãe. Tal aspecto justifica o fato de que a Canção de Amergin, da idade média, cita o Povo do Mar: 

“Sou um vento do mar; Sou uma onda do mar; Sou um veado de sete pontas; Sou um falcão num penhasco; Sou uma lágrima da Luz; Sou a beleza entre as flores; Sou um javali; Sou um salmão num lago; Sou um lago numa planície; Sou uma colina de poesia; Sou uma lança combatente; Sou um deus criador do fogo sagrado. Quem senão eu conhece as reuniões da casa do dólmen na colina? Quem senão eu sabe onde ocorre o anoitecer? Quem prediz as fases da Lua? Quem traz o gado da casa de Tethra e o separa? Quem senão eu dá as boas-vindas ao gado de Tethra? Quem dá formas às colinas? Invocai, Povo do Mar, invocai o poeta, para que possa fazer-vos um encanto. Pois eu, o Druida, que pus as letras no Ogham; Eu, que separo os combatentes; Hei de abordar a Fortaleza ou Corte das Bruxas em busca de um poeta hábil, para que juntos possamos fazer encantamentos. Eu sou um vento do mar”

Além disso, o medieval Livro das Invasões afirma que os "Milesianos" célticos, que segundo as lendas eram um povo opositor aos "Tuatha-Dé-Danann" e que invadiu a Irlanda, eram na realidade os Milesianos citas ou turcos de Mileto, que eram opositores da pré-helênica "Dinastia de Danaans" ou das Danaides. O carvalho, para os Clãs Eleusino, Cabíride, Órfico e Plêiade, era considerado uma árvore sagrada. Neste clã eram utilizadas poções herbológicas, mostos de cereais ou de uva e filtros eufóricos ou enteogênicos nos festivais sazonais e nas Iniciações deste Clã, assim como também usava-se no Clã Dionisíaco, no Clã Isíaco-osiriano, etc. Haviam um Ante-grau e Três Graus de Iniciação na Mysteria Eleusina, assim como na maioria dos demais Clãs antigos, cujos nomes de cada grau, por ordem, eram: o Iniciante, um ante-grau de aprendiz ou neófito aspirante à iniciação, por um período de tempo de um ano e um dia, que nem sempre foi contado como grau; o Místico, o grau de Iniciado ou Bruxo; o Epopta, grau de contemplador ou adivinho; e, por último, o Sacerdote, o grau de heroína ou santo; analogamente aos demais Clãs da Bruxaria Clássica. O último imperador pagão romano Flavius Claudius Iulianus (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano, e de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; que reencarnaria, depois, como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica, como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola) — chamado de "Apostata" pelos Cristãos — era Iniciado neste Clã, assim como, também, no Clã Platônico e que, mais tarde, com a oficialização do Cristianismo no Império Romano e o fechamento ou destruição dos templos pagãos e perseguição às Bruxas e Iniciados da Arte dos Sábios, promoveu os antigos Clãs da Bruxaria que ainda sobreviviam, assim como, juntamente com o filósofo Flavius Sallustius, reconfigurou a Bruxaria em Pentarquia ou cortes de Cinco Clãs, que viria a ser chamada de Bruxaria Medieval Pentárquica e temida pelos Padres por toda a Europa medieval. 



Ademais, o jovem esbelto Antinous, amante do imperador romano e bruxo Publius Aelius Hadrianus Augustus, era Inciado deste Clã que, com seu afogamento no rio Nilo em Hermópolis Magna durante o Sabá de final de outono ao Deus Osiris/Dionysos, passou a receber honrarias como um Santo ou Herói (apesar de não o ser de fato), por sua afeição pelo imperador. 
No início da era cristã, Hippolytus, um bispo da Igreja Católica, no livro "Refutação de Todas as Heresias", declarou que a Arte dos Sábios Eleusina tratava-se de heresia dos pagãos, mas, no entanto, descreveu este Clã em Atenas a partir de uma visão inteligível: "Ao mesmo tempo tempo que iniciavam o povo nos Ritos Eleusinos, os atenienses descortinavam aos admitidos ao grau mais elevado desses Mistérios o poderoso, maravilhoso e mais perfeito segredo adequado a um Iniciado nas mais elevadas verdades místicas: refiro-me a uma Espiga de Trigo [um símbolo alegórico de Magia Sexual ou "Orgia", como era chamada] silenciosamente colhida. Entre os atenienses também se considerava que esta Espiga constituía a perfeita e grandiosa iluminação [isto é, a iluminação alquímico-espiritual, na Bruxaria ou Arte dos Sábios, é obtida por meio da Magia Sexual, a partir da sacralidade sexual] que descia do indescritível Uno, como o próprio Magister ou Mestre o declara" (HIPPOLYTUS)Na idade média, a Igreja Ortodoxa Grega, utilizou-se do título "Despoina" ("A Senhora") para atribuir à "Mãe de Deus", no Cristianismo Ortodoxo, como bem cita Lois Bourne. Raven Grimassi, em "Bruxaria Hereditária: segredos da antiga religião", conta que no antigo Clã Eleusino, além de possuir também a Lenda da Descida da Deusa ao Submundo e as assembleias mágico-religiosas serem realizadas à meia-noite, fazia-se igualmente uso do Círculo Ritualístico, do Triângulo de Manifestação e do Cone de Poder, bem como os ritos eram direcionados pela Magistra e pelo Magister com uma assistente, a Donzela; exatamente como ocorre nas cerimonias das Bruxas medievais e das Bruxas modernas. Atualmente, há a Tradição Eleusiana, de Edu Scarfon, que busca reviver no Brasil o culto do antigo Clã Eleusino.


- Mysteria Plêiade, mais conhecida como Mysteria Dodônide ou Apolínea:
Período e local: Na Idade Antiga, em Dodona, no Monte Cilene, no Monte Parnaso e, principalmente, na Cítia ou Céltia.
Descrição: Reconhecida oficialmente, em Dodona, pelas Leis Civis dos reis, ligada, também, à região argiva do Peloponeso. O Clã Plêiade/Dodônide fora o Clã mais antigo da Bruxaria e que teve origem com a avó de Hermes Trismegistos que era conhecida como Pleione (ou, às vezes, chamada de Aethra), a qual fora casada com o rei Atlas e que, ao vir do egípcio Monte Nysa/Sinai para o grego Monte Cilene, passou a noite na cidade de Dodona em cima de uma grande árvore de Carvalho — tida pelos pré-helênicos Povos Danaides como árvore sagrada —, onde, realizando adivinhação por meio do sussurro das folhas do carvalho, teve como discípula Coronis (vide: lendas britânicas de "Crone" ou "Hag" e de "Annie"), a qual, esta última, fora mãe de Aesculapius ou Asclepios ou Imhotep (o discípulo de Hermes e de Kheíron, o libertador de Prometheus/Atum/Aton/Adam do Tártaro ou Inferno). Dodona foi um dos principais locais em que havia maior concentração geográfica clássica da descendência aqueia dos Povos Celtas ou Cito-cimérios, cuja "Dinastia de Danaans" ou "Tuatha-Dé-Danann" (chamada de "Tribo de Dã" ou "Denyen" entre os Hebreus e de "Danavas" entre os Indianos) em que seus membros eram conhecidos como "Filhos de Danae(chamada de "Danu" nas lendas Celtas e Indianas), no entanto, eram chamados assim por serem descendentes do rei Danaus/Daganu/Dagda (referido como "Dugdammê" pelos Céltico-cimérios, como "Daksha" pelos Indianos e "Targitaus" pelos historiadores clássicos), o bisneto do rei hicso ou egípcio-aqueu A-User-Re Apis/Serapis (instituidor do Clã Menfita) e, portanto, mantinham acesa no templo a chama eterna do hermético fogo sagrado que, através da heroína e sacerdotisa danaide Bryce/Brygindis ou Brigantia/Beroe Amymone ou Berchta (chamada de "Brigid" ou "Santa Brigid" pelos Celtas), esposa do rei celta ou cito-cimério Lyncus/Lynceus (o "gato lince"), descobriu o truque iniciático do rei da "Tuatha-Dé-Danann" ou "Dinastia de Danaan" conhecido como Danaus/Daganu e, sabiamente, Brigantia/Berchta rejeitou a prática de assassinato ao seu marido ou de libertinagem, em prol da preservação da Antiga Religião, a Bruxaria. Dentre as principais linhagens do Clã Dodônide, estavam: a Híade (que descendia do sacerdote Hyas/Hylas), e a Pegeia ou Iônide (que, na antiguidade romana tardia, Albunea, a bruxa e sibila de Tibur ou atual Tivoli, era integrante). No Clã Dodônide havia, também, uma Ordem que atuava como tribunal dicastério tripartido em Dodona e no Monte Parnaso, em que os Heliastas ou Justiceiros, juntamente com os Praxídicas ou Presidentes referidos às vezes como "Tômarosou "Têmaros", conduziam as pessoas acusadas de atos de injustiças sociais até o "Egrégio Têmideou "Dicastério Tríade", para serem julgados pelo tribunal dos Dicastas ou Juízes referidos neste Clã como "Furiae" ou "Dirae" e "Prítanes" (chamados de "Brehon" ou "Brigantes" entre os Celtas e de "Berezaiti" entre os Iranianos)os quais faziam uso de hidromel e de um vaso de cobre para adivinhação, como um desdobramento análogo ao tribunal tripartido co-atuante ao Clã Telquino (a Liga da Corte Sagrada ou Santa Veeme) que se espalhou pela Europa na antiguidade tardia. 

Além disso, há palavras que eram usadas para designar um conventículo ou reunião das Bruxas na antiguidade, como 
"Thiasos" ou reunião dos  (RICHARD S. ASCOUGH. "Paul's Apocolypticism' and the Jesus Associations at Thessalonica and Corinth". In: Redescribing Paul and the Corinthians, Inscriptiones Graecae, 2011, p. 164; KLOPPENBORG & ASCOUGH. Greco-Roman Associations, p. 373)  em referência à conventículos (geralmente dos antigos Clãs Dionisíaco e Metragirta) que celebravam os Sabás, como o Rosalia (o festival Beltane), e estavam subordinadas aos "Dryophoroi" ou Dríades ('bruxas ou bardos do carvalho', do Grego "Dry", carvalho, "Aedos", Bruxas ou Bardos), mais tarde chamados de Druidas, os quais, estes últimos, constituíam-se títulos às Bruxas que já haviam conquistado o último grau da Bruxaria (chamado de "Primeiro Grau", em lógica decrescente, pois, o "Terceiro Grau" era a primeira Iniciação e, o "Primeiro Grau", a última; ao passo que, quem havia apenas um Grau Iniciático na Bruxaria, recebia o nome de Bruxa ou Bardo/Aedo), cuja característica do grau é a contemplação entusiástica e a santidade ou heroísmo. Na antiguidade tardia, o geógrafo Pausanias conta que o Povo Hiperbóreo — que o gramático Antimachus, o filósofo Herakleides de Pontos e os historiadores Hecateus de Abdera, Lucius Mestrius Plutarchus e Strabōn identificaram como sendo os Celtas ou "Keltoi" das Ilhas Britânicas e/ou da Gália, isto é, os Povos "Citas" ("Skolotoi") ou "Cimérios" ("Kimmerioi"), visto que muitos Celtas, incluindo os da Germânia, chamavam-se entre si de "Cimbri" e "Cymry" e habitavam uma região ao norte da Trácia referida pelos gregos como "Hiperbórea, anualmente (no Solstício de Verão, quando a Roda do Ano da Bruxaria celebrava o Deus Cornífero na face vernal de Apollon ou Belus), enviavam misteriosos presentes embalados em palha (através de uma procissão apolínea) até Dodona, um dos maiores centros dos "Povos de Danaans" ou "Tuatha-Dé-Danann" ou Danaides e que, depois, eram passados tais presentes à Delfos (vide o tópico da galeria: "A Bruxaria e o Glastonbury Tor").

Pois, a "Terra de Verão da Juventude Eterna" não se trata de mera lenda, mas, sim, de uma alusão ou simbologia mais profunda, visto que, em Delfos, encontrava-se o "Omphalos", o Umbigo do Mundo, também chamado de "Benben", a Pedra Negra ou "Petra Genetrix", que era a relíquia danaide ou pelásgica, isto é, o Caldeirão da Deusa ou Santo Graal; o que, em consequência, levava a peregrinações até a Ilha de Avalon ou Glastonbury Tor. No Clã Dodônide, o Grande Imanifestável ou Uno era chamado de Zeus Naos ou Zeus Neuos. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Dione/Arthemis ou Rhea e Anpu/Apollon
 Karneios e seus Nomes Secretos, e a adoração, às vezes, pendia mais para a Deusa Virgem-Mãe e, noutras vezes, pendia mais para o Deus de Chifres. Heracles era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Filho da Luz. Achelous, o Homem Verde (cuja adoração, assim como Dionysos, também estava presente entre os Celtas franceses, como apontam descobertas arqueológicas físicas) representante do Deus que rege a metade obscura do ano, era lembrado enquanto herói ou santo que foi, juntamente com Heracles (vide o Labirinto do Taurus de Minos ou Taruos Trigaranus no tópico da galeria: "Os Principais Símbolos da Bruxaria"). Aphrodite/Naamah/Ninmah era honrada pelos iniciados e sacerdotisas, através da sagrada pomba ou pardal e, geralmente, pelo título de "Melia" ou "Halia" ou "Maia", enquanto parteira de Hermes. O mago ferreiro e anjo Tubalcain, sob o nome de "Phoroneusou "Phoronius", também era honrado, assim como, igualmente, Hermes em seu aspecto de psicopompo. As Bruxas do Clã Dodônide ficaram famosas por suas habilidades mágico-espirituais de trazer tempestades e torrenciais de chuva, símbolo feérico da fertilidade, tanto da terra quanto da capacidade de perpetuar vida em seu caldeirão. Todavia, no início da idade média, os Cristãos cortaram a árvore do grande carvalho sob o qual realizavam-se as divinações e rituais pagãos do Clã Dodônide. Na modernidade, o filósofo e poeta William Shakespeare (vide o tópico da galeria: "William Shakespeare e a Bruxaria e Ordem Rosacruz"), em um de seus poemas (III, 1, p. 180-187), diz: “[...] despachei como mensageiros para a sagrada Delfos, para o Templo de Apollo, Cleomenes e Dion... agora do Oráculo, eles trarão tudo; a partir de seu aconselhamento espiritual, me deterão ou me incentivarão”.


- Mysteria Artemisiana, às vezes referida como Mysteria Diânica:
Período e local: Na Idade Antiga, em Creta, em Delos na Grécia, em Éfeso e Antioquia na Turquia, na Síria filisteia, na Arícia e no Lago Nemi em Roma, e na Etrúria ou Tirrênia ou atual Toscana e Lácio e Úmbria, na Itália.
Descrição: Reconhecida oficialmente, no Templo dos Efésios, na Turquia, e no Templo de Nemi, na Itália. O Clã Artemisiano possuía linhagens como: a Efésia, a Antioquiense, a Oréade ou Cretense, a Filisteia, e a Nemorense ou Toscana. Neste clã haviam tanto sacerdotes homens quanto sacerdotisas mulheres, porém, a presença feminina era predominante. Outrossim, tendo em vista tais aspectos citados e demais fatores a seguir, é importante lembrar que, na antiguidade, as sacerdotisas do Clã Artemisiano e do Clã Vestal foram referidas como "Virgens", ou "Dziewica" na língua eslava, em função de que tais iniciadas apenas se relacionavam entre os membros do Clã (assim como, também, ocorria de forma similar no Clã Telquino) para não misturar com energias de não-membros e, na falta de sacerdotes homens ou vedação de maioria destes, realizavam Magia Sexual com a Baqueta ou Báculo, também chamado de Bastão Priápico ou Liknites Dionisíaco. Assim como no Clã Lupercal, neste Clã havia o uso do açoitamento ritualístico, chamado de Diamastigose ou "Diamastigosis", como forma de pré-purificação e tomada de consciência, antes da cerimônia ou rito. Os antigos Filisteus pagãos eram Pelasgos de Creta e adeptos do Clã Artemisiano, da Bruxaria Clássica, que se refugiaram à uma região de Canaã, onde eram vistos com ódio e menosprezo pelos antigos Judeus de Israel. Em cerca de 600 a.e.c., o rei etrusco-romano Servius Tullius estabeleceu um Templo Artemisiano no Monte Aventino, onde Diana intitulada de Trivia pelos romanos e, em consequência, passou-se a realizar um festejo lunar à Diana Trivia no dia treze de agosto (conforme o hemisfério norte), mantido até hoje entre as Bruxas modernas (a tradicional Oferenda no final da Lua Minguante de cada mês ou lunação, entre as Bruxas Medievais e Clássicas, era o tremoço ou bolo de milho, geralmente ofertado em encruzilhadas).  Os festivais deste Clã dedicados ao Deus Apollon eram referidos em língua hitita como "Sibutu", o protótipo do Sabá das Bruxas Medievais. No Clã Artemisiano, fazia-se maior uso de Alta Magia, por meio do sistema da Filosofia, a "Árvore da Lua" e sua Linguagem Prateada, cujas fórmulas mágicas geralmente eram chamadas de Evocações Místicas ("Voces Mysticaes") ou Gramática Encantatória ("Ephesia Grammata"). 

O Rei do Clã, na Linhagem Etrusco-nemorense, era denominado por "Rei Nemorense("Rex Nemorensis"), que habitava em um Têmenos ou Nemeton na floresta de carvalho, onde possuía o "Espelho de Dianaou "Espelho Diânico("Speculum Dianae"), um lago famoso de Nemi por suas fadas ou ninfas, da mesma forma que a réplica francesa de Broceliande denominada por "Espelho das Fadas(vide o tópico da galeria: "O que é um Conventículo?"). Assim como no Clã Metragirta ou Gálico, neste clã havia a prática da castração destinada aos sacerdotes masculinos, como estratégia para que a prática da Magia Sexual, ocorrente em cada lunação, não debilitasse as sacerdotisas com a parição ou reprodução frequente de crianças; Afinal, naquela época não existia preservativos e, desta forma, como poderia dar conta de alimentar trocentas crianças frutos de Arte ou sagrada Orgia? Se pudessem ter ampliado os seus territórios, talvez, saberiam que os antigos egípcios mais eruditos usavam tripas de elefante. O Uno ou Grande Imanifestável era chamado, neste Clã, de Zeus/Jove/Yahuh. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Arthemis/Diana/Dione/Britomartis ou Ishtar/Hestia e Apollon Karneios/Baal/Apollon e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para a Deusa Virgem-Mãe. Actaeon/Tammuz ou Virbius era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Filho da Prosperidade ou da Luz. Hermes sob o título de Tages/Taautus era honrado como Fundador da Arte dos Sábios ou Mistérios, assim como a virgem Sophia/Atena Agoreia, sob o título de "Egeria" ou "Vegoia", era lembrada como Égide pela qual a Bruxaria ou Arte dos Sábios fora fundada; ao passo que a donzela tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, fora chamada de "Herodias" ou Aradia, era lembrada como primeira iniciada. A bruxa e anjo feminino ou anjana Iris, a Roscida ou Thaumantias iniciada por Hermes Trismegistos, era chamada na língua italiana ou romana de "Iride" ou, mais raramente, "Iridea". O filósofo crítico Herakleitos, de Éfeso, era um ermitão Iniciado do Clã Artemisiano. Também, outro Iniciado famoso, fora Alexandre III Magno. 
Na antiguidade tardia, quando São Paulos fora enviado à Éfeso (na Turquia) por Simon Pedro para realizar pregações evangélicas ao povo, o discípulo de São Paulos conhecido como São Loukas relata o que viu e ouviu São Paulos em sua estada em Éfeso: 
"[...] Todos unanimemente levantaram a voz, clamando por espaço de quase duas horas: 'Grande é a Diana dos Efésios!'." (ATOS DOS APÓSTOLOS; 19, 34), assim como o escritor polonês e cristão, Sholem Asch, relata aprazente no início da Era Cristã:


"Em dado momento, abrem-se par em par as portas de cipreste do Templo: as multidões que convergiam de todas as partes da Ásia Menor [ou Anatólia], da Galácia, da Capadócia, da Macedônia e da Acaia, tanto sãos como enfermos, aleijados com as suas muletas, cegos guiados por crianças, paralíticos carregados em padiolas, se comprimem entre as colunas de fronteiras à fachada. Todos esperam o momento de erguer-se o Véu da Deusa. O véu de seda é lentamente retirado. Sobre o pedestal de mármore negro, cercado de misteriosos hieroglíficos indecifráveis, ergue-se a Deusa Diana de Éfeso, que Apollon enviou dos céus à terra. No momento em que foi desvendado, um brado comovido se propagou do Santuário para o Átrio e do Átrio para a praça, onde milhares de adoradores estavam prostrados em terra: 'Viva a Grandiosa Diana dos Efésios!'. 'Milagre! Milagre! O manco está caminhando! O enfermo se levantou!'. A esses brados, saía do Templo um grupo de sacerdotes e, atravessando a multidão, reuniam as muletas jogadas fora, para pendurá-las como troféus nas paredes do Templo em reverência à Grande Deusa Diana". (ASCH, Sholem).

Na transição entre a antiguidade tardia e a idade média, um menino chamado Cipriano de Antioquia, da Turquia, foi enviado por seus pais, aos sete anos de idade, à um Templo Artemisiano para venerar o Deus Apollon e a Deusa Artemis e aprender a Bruxaria, onde usou seus poderes de cura e, três anos mais tarde, foi levado para o Monte Olimpos da Grécia para participar de um rito sagrado; com vinte anos de idade, fora para o Egito para receber iniciação no antigo Clã Menfita e, com trinta anos de idade, viajou para a Caldeia para aprender a magia caldaica, conhecendo uma sacerdotisa, a bruxa Yeborath ou Evora; porém, em decorrência da fraqueza e da condição mortal que ainda subsistia em Cipriano, foi convertido pelos padres ao Cristianismo, cujos seus poderes miraculosos ganharam fama o suficiente na Europa para ser santificado como "São Cipriano" pela Igreja Católica, surgindo, em consequência, uma névoa de estereótipos em torno de sua figura e, na modernidade, livros maléficos de feiticeiro e de goétia que, com a propaganda supersticiosa Cristã anti-bruxesca, são erroneamente atribuídos à Cipriano, já que os Deuses antigos em que Cipriano adorava foram, por ele próprio, ao se tornar Cristão, taxados de "demônios". Na modernidade, Alex Sanders, Iniciado da Tradição Gardneriana, fez ressurgir, juntamente com o bruxo Derek Taylor, um conventículo de 328 d.e.c., da Bruxaria Clássica em Constantinopla, chamado "Ordem da Lua" ("Ordine Della Luna") e, depois, renomeado como "Ordem da Nova" ("Ordine Della Nova"), cuja tradição havia sido mantida pela família Paleogus ou Palaiologos, com descendência até a linhagem Efésia do antigo Clã Artemisiano, onde reconfirma que a Bruxaria havia sido fundada pelos Anjos em um tempo remoto quando estes haviam descido à terra. Na idade média, as Bruxas foram acusadas, na carta do Concílio de Nicéia, de cavalgarem à noite em um círculo de mulheres para servir sacerdotalmente à Deusa Diana (e, às vezes, à "Aradia", uma corruptela italiana do título que era atribuído à donzela turco-tessaliana Hecate/Heket dito Erodia ou, na gradia medieval, "Herodias" ou Aradia, a Primeira Bruxa e amante de Hermes Trismegistos). Na atualidade, há também os medievais Clãs Triádicos Fraticelo-guglielmitas (Janarra, Fanarra e Tanarra: vide o tópico da galeria, "Quem foi 'Aradia' a Bela Peregrina?"), a "Tradição Ariciana", de Raven Grimassi, e a "Ordem das Serpentes" (presente no Brasil), que visam reavivar a Linhagem Etrusco-nemorense do antigo Clã Artemisiano; assim como a "Tradição Diânica Nemorensis", de Claudiney Prieto, e a "Tradição Diânica do Brasil", de Marcia Bianchi Prates.



- Mysteria Panatenaica ou Minerval:
Período e local: Na Idade Antiga, em Atenas, na Grécia.
Descrição: Reconhecida popularmente na Grécia, como fala Gerald Brosseau Gardner em "A Bruxaria Hoje", onde tanto pessoas livres quanto escravas, crianças e mulheres eram iniciados no culto. Este Clã teve origem no Clã Isíaco-osiriano. A encenação ritualística era baseada na recusa da Virgem Sophia/Atena ao coito mortal e, também, a cópula de Tubalcain/Hephaistos com a Dama Gaea ou Aphrodite Pandemos (também chamada de Ninhursag, cujo significado é "dama do Monte Sagrado"), dando origem ao nascimento de seu misterioso filho serpentino Erichtonius ou Hermes Chthonios, uma face do Filho Divino ou Saoshyant que recebeu o encargo de Tubalcain para ministrar o "Magistério da Bruxaria" aos patriotas da terra. O Clã Panatenaico era formado completamente por sacerdotisas virgens, onde mantinham-se castas fora do Templo, para manterem a pureza de modo a não misturarem-se as energias mágico-espirituais com as energias do povo comum e, quando necessário Magia Sexual, realizava-se através do Liknites Dionisíaco, também chamado de Bastão Priápico, ou Baqueta ou Báculo (como no Clã Telquino). Enquanto a esposa do rei Kelleus estabeleceu o Clã Isíaco-osiriano em Elêusis e seu filho Triptolemus ajudou-a em transformar no que ficou conhecido como Clã Eleusino, Icarios/Arcturos estabeleceu o Clã Isíaco-osiriano em Atenas e transformou no Clã Panatenaico. Icarios foi chamado pelos romanos por Arcturos e os seus mitos, no século 6 da idade média, se tornaram comum na corte de Camelot (nomeada de acordo com um dos nomes do Deus Cornífero adorado na Ilha da Samotrácia, Camulos) e Ilha de Avalon que, juntamente com Londres e a localidade de São Albano, delimitavam-se o trio britânico da fundação da "Nova Troianas Ilhas Britânicas com o encargo da Deusa Diana à Brutus, daí o motivo pelo qual o filho de Uther Pendragon recebeu o nome de Arthur; ao passo que Icarios/Arcturos era lembrado nas adorações aos Deuses como instrutor do de um rito do Sabá Apatouria/Samhain chamado, na velha Bruxaria, de "Haloaou "Haloniaou "Haloaín" ou "Haloaíe", o qual, na Europa medieval, deu origem às lendas supersticiosas e comemorações populares do chamado "Halloween" (que, etimologicamente, não tem nada a ver com a Véspera de Todos os Santos, a qual surgiu posterior ao início da idade média e, muito mais, ao rito Halloween ou Haloaíe). 

A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Demeter Sito/Isis e Apollon ou Poseidon (Sabazius/Zeus Keraunos em forma de Touro do mar, no rapto de Europa), sendo que a adoração pendia mais para a Deusa Virgem Mãe. Com a permissão grega de vinda do Clã Órfico/Zamolxiano para Atenas, o Clã Panatenaico, em contrapartida, fora instalado na Trácia também. As principais linhagens deste Clã estavam: a Ateniense e a Trácia ou Coliridiana. Haviam um Ante-grau e Três Graus de Iniciação na Mysteria Panatenaica, assim como na maioria dos demais Clãs antigos, cujos nomes de cada grau, por ordem, eram: a Arréfora, a aprendiz ou iniciante que, após passar pelo período tradicional de um ano (ou três anos no Clã Pitagórico, o que, em consequência, reduzia-se dois dos sete anos da Iniciação de Bruxa ou Bardo/Matemático), pode ser eleita para a Iniciação, como se procede; a Aletra ou Alétrida, o grau de Iniciada ou Bruxa; Árctoa ou Agirta, o grau de contempladora e companheira; e, por último, a Canéfora, o grau de heroína ou santa, da mesma forma que nos demais Clãs da Bruxaria Clássica. Segundo Ovidius, Medousa ou Medusa, das lendas folclóricas gregas, era uma bruxa ou iniciada do Clã Panatenaico e que fora punida pela matrona Athena por romper as Leis do Templo Panatenaico; posteriormente, a face grosseira de Medousa, foi usada como símbolo nos lugares sagrados ou importantes como demonstração do que poderia acontecer com todo aquele que trai as Leis as quais se compactuou; por isso, recomendava-se manter sempre o cálice cheio de vinho e cuidar para que não fosse transformado em pedra e a cabeça cheia de serpentes (ou seja, preservar sua energia vital, não se tornar um mero objeto e não deixar-se levar à estados caóticos ou de confusionismo mental que impedem que vivamos em totalidade cada momento, de modo a manter-se pleno em suas possibilidades, puro em seu eu mais profundo e íntegro de coração em seus ideais mais elevados). Na contemporaneidade, há a "Tradição Atena Pronaia" no Brasil, que visa reavivar a tradição do antigo Clã Minerval/Panatenaico.


- Mysteria Isíaco-osiriana, mais conhecida como Mysteria Isíaca:
Período e local: Na Idade Antiga, no Egito, em Roma, na Inglaterra e na Alemanha.

Descrição: Reconhecida popularmente no Egito, em Filas, em Dendera, no Alto Egito, e em Behbeit El-Hagar, no delta do Rio Nilo. Em Roma, este Clã não era reconhecido oficialmente e muitas sacerdotisas foram expulsas dos territórios romanos e declaradas feiticeiras, após as acusações populares de que praticavam envenenamentos e malfazejos. O Clã teve origem com Thoth/Hermes, filho-irmão de Tubalcain/Hephaestos, e constituía-se uma das mais antigas congregações da Bruxaria que, juntamente com o Clã Cábiro, viveram um tempo entre o Povo Egípcio (motivo pelo qual Gerald Brosseau Gardner afirma, em "A Bruxaria Hoje", que a tradição secreta da Bruxaria havia vindo do Egito). Este Clã era subdividido em duas corporações: um destinados aos homens, à obterem o conhecimento dos segredos do Deus; e outro, destinado às virgens, até os segredos da Deusa. A prática dos sacerdotes masculinos em paralelo raramente era aceita, com algumas exceções no Egito e na Grécia. O Clã havia três linhagens: a Egípcia, a Greco-romana e a Britânica. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Isis/Tana e Osiris/Ra, cuja adoração pendia hora mais para a Deusa e hora, mais para o Deus. Horus era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Filho da Luz. Também, Ares/Ahriman/Seth era lembrado por ter conduzido a guerra atlante contra Tubalcain/Ptah, ao aliciar a esposa cipriota do demiurgos chamada Naamah/Ninmah/Nemesis/Nephthys a Aphrodite Pandemos/Zerynthia Kale/Sarah Kali, causando à Tubalcain/Ptah sete ferimentos e demônios e uma perturbação ou ira. Neste Clã, a donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd/Thoth. Por fim, esse Clã foi para Roma, juntamente com os demais Clãs da Bruxaria que restaram. Este Clã perdurou na região de Benevento na Itália, onde perdurou as reuniões de Sabá das Bruxas e Iniciados na grande beneventana Árvore de Nozes. Doreen Valiente fala deste Clã com determinada frequência em "Enciclopédia da Bruxaria"


- Mysteria Horusiana, mais raramente conhecida como Apolonopolita:
Período e local: Na Idade Antiga, no Egito, em Mendes, em Hieracômpolis ou Nekhen e, principalmente, em Apolonópolis ou Edfu.
Descrição: Reconhecida popularmente no Egito, bem como pelo poderio real egípcio tardio, pois, estava intimamente ligada à Linhagem Egípcio-ptolomaica do Clã Menfita ou Serápico, onde possuíam encargo no cuidado da ordenação real dos faraós, enquanto espíritos orientados de outros astros, principalmente de Orion, para reencarnar na terra, do mesmo modo que os Anjos ou Gênios Antigos ou Guardiães da Bruxaria, motivo pelo qual os antigos pagãos egípcios acreditavam que os faraós eram "Filhos de Horus" (já que os chamados "Quatro Filhos de Horuseram os próprios Guardiães da Bruxaria). A Deusa Estelar e o Deus Cornífero eram adorados sob os nomes de Isis Hatmehit e Osiris Banebdjedet/Pan ou Apollon e seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia, às vezes, mais para o Deus e, noutras vezes, mais para a Deusa. Anubis ou Horus era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Criança da Luz. Tubalcain/Ptah era lembrado como aquele que criara o mundo físico e que, em seguida, descera à terra e se tornara pai-irmão de Thoth/Hermes Trismegistos junto com Atena/Sophia. Neste Clã, a donzela turco-tessaliana chamada Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, ficara conhecida como "Herodias" ou Aradia, era lembrada como "primeira bruxa" ou primeira iniciada de Hermes/Hormazd/Thoth. No Clã Horusiano ou Apolonopolita, assim como no Clã Menfita e no Clã Telquino, as Bruxas e Inciados recebiam, após a Iniciação, um anel de poder chamado de "Anel da Artee, também, um misterioso catalizador com a finalidade de distribuir o poder mágico-espiritual do Clã às suas Bruxas e Iniciados independente do tempo e do espaço, seja em ritos sagrados seja em encantamentos. Além disso, o Deus Osiris-Banebdjedet também era chamado de Pan/Apollon Paion em Apolonópolis e, ademais, era representado possuindo Chifres de Carneiro ou Bode, o que, por sua vez, tornou-se conhecido como "O Bode de Mendes", também associado à Pan e à Baphomet e, diferentemente do Clã Menfita ou Serápico, havia maior predomínio de mulheres sacerdotisas neste Clã. O historiador grego Herodotus diz que: 

"
[...] ao passo que qualquer pessoa em um Templo de Mendes ou quem vem à província de Mendes, não terá nada a ver com [sacrifício de] cabras, mas usa  ovelhas como seus animais de sacrifício [...]. Eles dizem que o desejo primordial de Heracles [o Filho Divino Horus helenizado] era ver Zeus [Ammon, a Divindade Suprema ou Uno, pois, para as Bruxas Zeus era tanto masculino quanto feminino], mas Zeus se recusava a deixá-lo fazer isso. Eventualmente, como resultado do pleito de Heracles, Zeus [Ammon quando manifestado o Ra] veio com um plano. Ele esfolou um carneiro e cortou-lhe a cabeça, em seguida, ele segurou a cabeça na frente de si mesmo, que usava o velo, e mostrou-se à Heracles assim. É por isso que as estátuas egípcias de Zeus tem uma cabeça de carneiro, é por isso que carneiros são sagrados para os tebanos, e não usam-os como animais de sacrifício. No entanto, há apenas um dia do ano-dia, no Festival de Zeus, quando eles picam um único carneiro e vestem sua pele à estátua de Zeus no caminho mencionado e, em seguida, trazem a estátua de Hercules até perto a estátua de Zeus. Então, todo mundo ao redor do Templo lamenta a morte do carneiro e, finalmente, enterram-o em um túmulo sagrado." (HERODOTUS).

O ocultista Eliphas Levi, ao descrever o Deus de Chifres das Bruxas Medievais, bem como Baphomet, buscou recordar o passado histórico do Deus Osiris-Banebdjedet/Pan que, neste sentido, suas sacerdotisas focavam-se na prática de Orgia ou Magia Sexual, assim como também fazia a Bruxaria Medieval. Entretanto, no final da idade média e início da modernidade, teólogos e ocultistas Cristãos, como foi o caso de Eliphas Levi, persistiram em associar o antigo Deus Cornífero das Bruxas com o personagem malévolo pagão-amarniano "Satã" ou "Satanás", o chamado Seth dos antigos pagãos egípcios ou Ares/Ahriman dos pagãos gregos e persas que, embora seja um ser maligno que aliciou perversamente a dama traidora Naamah/Ninmah/Niamh/Nemesis/Nephthys a Aphrodite Pandemos/Zerynthia Kale/Sarah Kali/Sekhmet para a Queda da Atlântida, a maldade entre as Bruxas, em contraposição, não é vista como algo próprio de um único ser, mas, a maldade, de fato, faz-se presente em todas as coisas, isto é, a cosmovisão bruxesca é focada mais no monismo e na importância de visualizarmos o cosmos a partir de uma visão total, não apenas focada nos fatalismos e nos malfazejos que propagam os seres inferiores, ou seja, o dualismo absoluto vê o mundo como classificável entre "Bem Absoluto" ou "Mal Absoluto", todavia, embora o cosmos seja dualístico, a Divindade que se manifesta no cosmos transcende a dualidade. Contanto, é importante lembrar que os verdadeiros filósofos ou ocultistas, diferentemente de Eliphas Levi, não associam o Deus Cornífero, seja em sua face superior (Apollon Karneios/Paion) seja na inferior (Osiris Banebdjedet/Dionysos), com o terrível Satanás/Satã, visto que o próprio Seth dos antigos pagãos era tido como um ser titânico obscuro e opositor ao Deus Cornífero e que, pela maldade de Seth/Ares/Ahriman, os mitos bruxescos afirmam que este ser corrompeu o Corpo do Deus Cornífero e feriu o demiurgos Tubalcain com sete pragas e demônios e uma perturbação ou ira, resultando nas guerras atlantes de magia maléfica e, consequentemente, a definitiva queda ontológica dos seres, e acarretando no estado obscuro de mortais: a humanidade ou mortalidade ontológica. Na antiguidade tardia, o Clã Horusiano integrou-se ao Clã Menfita e, por fim, foi para Roma junto com os demais Clãs que haviam sobrevivido, reconfigurando, mais tarde, a organização secreta dos Clãs da Bruxaria Medieval Pentárquica por toda a Europa.


- Mysteria Telquina ou Vêneda, conhecida, às vezes, como Síntia ou Teucrina:
Período e local: Na Idade Antiga, na região do Mar Egeu, na Ilha de Creta, na Ilha de Lemnos, em Corfu, na Floresta de Carvalho de Foloi ou Dryodásos Folóis e, principalmente, no Peloponeso e na Ilha de Rodes; e mais tarde, por diversos países do Oriente próximo cujo centro estava na Báctria do Império Heftalita, como Turquia, Pérsia ou Média, Irã, Afeganistão, Paquistão e norte da Índia, e da Europa ocidental ítalo-balcânica, como Récia ou atual Tirol, Trento e Vêneto (incluindo parte de Friul-Venécia Júlia) ao norte da Itália, Etrúria ou Tirrênia dos Etruscos ao centro da Itália, nas Terras Altas da Escócia, na França, ao norte da Espanha, na Áustria e na Húngria dos ciganos.
Descrição: Reconhecida popularmente na Ilha de Rodes e no Peloponeso, onde seus Iniciados possuíam fama de praticar magia e alquimia, bem como para produzir torrenciais de chuva. O Clã Telquino fora instituído pelo alto-sacerdote e rei egípcio-danaide ou hicso (da região do Mar Egeu, incluindo Rodes, Creta, Peloponeso, Corfu e Floresta de Carvalho de Foloi, o "Pequeno Egito") chamado Teucros ou Telchis/Telchin/Tarchunus ou Telos Khyan, o Souser-En-Re (que reencarnou, depois, como Romulus, instituidor dos Clãs Vestal e Arval em Alba Longa) e seu companheiro real Thelxion/Tarchies o Mágico ou Kandy (o qual, segundo Isaac Newton, sucedeu o reinado de seu próprio pai A-User-Re Apis ou Serapis ou, nas lendas italianas, "Sorapiss", o instituidor do Clã Serápico e sucessor de Telchin), sendo que, recebia-se iniciação neste Clã, apenas os descendentes diretos até os antigos Egípcio-danaides ou membros da "Tuatha-Dé-Danann" e de Hermes Trismegistos. Neste Clã, Atena/Sophia/Iris, sob o título de Rhodos ou Rhode, era tida como a Égide pela qual a Arte dos Sábios fora fundada. O Clã Telquino possuía diversas linhagens, como: a Halíade ou Melíade ou Epimelíade, a Haliaruna ou Hiléora, a Heftalita ou Cidarita, e a Caledônica ou Picto-manesaTodavia, as Bruxas da Linhagem Haliaruna, que foram expulsas de Rodes — após impedir a entrada do Clã Adonista em terras rodienses —, passaram a viver com os povos estrangeiros por toda a região da Turquia e da Caldeia, Irã, Paquistão e norte da Índia, assim como também por todos os países da Europa, na antiguidade tardia e início da idade média. O "Casamento Bruxesco" ou "Casamento Misterioso" das Bruxas, era realizado através do velho costume de "atar das mãos" ("handfasting", em inglês) e que, por sua vez, durava por um período de um ano. Neste Clã, assim como no Clã Panatenaico e no Clã Artemisiano, as Bruxas costumavam fazer o uso do Bastão Priápico ou Licnites Dionisíaco (também chamado de Báculo ou Tirso), na prática da Magia Sexual, sendo que a maior característica do Clã Telquino era o uso comum da Magia Manual, da Magia Onírica e da Alquimia. Também, o Filho Divino Attis/Adonis/Dumuzi era tido como a luz enviada pelo Deus Cornífero de Sirius à terra e tinha o javali ou porco como um animal impuro, em decorrência de que Ares/Ahriman havia mandado como uma praga este animal, símbolo de impureza, para destruí-lo e, portanto, na Europa antiga e medieval mantinha-se o velho costume turco-calidônio de caça de um javali no período do Sabá invernal ou natalino, o "Sacrifício do Porco ou Javali"; assim, a Árvore do Abeto ou Pinheiro que produz a pinha ou "Pinus" era sagrada para Attis/Adonis. 

Deste modo, os praticantes masculinos de Linhagem Haliaruna do Clã Telquino eram socialmente vistos como efeminados pelos patriarcais Povos Germânicos, da mesma forma que os praticantes masculinos do Clã Metragirta ou Gálico que, muitas vezes, castravam-se, como precaução para não gerar filhos há cada lunação em que ocorria a Missa (pois, o uso de ervas abortivas era proibido entre as Bruxas por subentendê-las que seria um ato contra a fertilidade que tanto almejavam; caso soubessem dos métodos egípcios de tripas de elefantes, talvez não houvesse necessidade da castração, embora atualmente haja métodos mais eficazes). 
Os Iniciados deste Clã viviam por toda a Europa, na transição da antiguidade tardia ao início da idade média e, com a colonização étnica da região do Reno e do norte da Itália, integraram o reino da Récia (que incluíam: região do Tirol, sul da Baviera e de Baden-Wurttemberg ou Floresta Negra, Suíça Central e Oriental, Vorarlberg, Vêneto e norte do Friul) acima das Colinas Brancas/Alpes ao Monte Kandel, onde  com o enfraquecimento medieval tardio do Sacro Império Romano e da sede franco-alemã no "Domo/Catedral Aquisgrana" e sua "Santa Capela"  formou-se a nova sede-oculta real da Bruxaria, a partir do templo dito "Domo/Ermida da Alma Santa" (vide: "Benandanti"), surgindo lendas populares de que a Floresta Negra ou o Monte Kandel seria um local habitado por bruxas, magos e duendes; sendo que a maioria fora expelida do Clã Turlupin ou Amauriciano/Proto-valdense (com a reconfiguração em Igreja Evangélica Pós-Calvinista, no Sínodo Valdense de Chanforan em 1532) e, ganhando a vida como construtor, ferreiro e/ou camponês até o ápice da crise italiana, tal descendência migrou, entre 1880 e 1930, ao sul do Brasil, como Santa Catarina, bem como Água Doce e Treze Tílias (vide o tópico da galeria: "Lenda Tirolesa de Treze Tílias"), e Sudoeste Paranaense. Na província de Cadore, ao norte da Itália, há o "Lagole de Calalzo" em que as Bruxas e Iniciados deste Clã prestavam honrarias à donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada de Erodia que, na grafia medieval, fora chamada de "Herodias" ou Aradia, a "primeira bruxa" que propiciava as curas e o parto das mulheres no lago. Em 1575, durante os julgamentos das Bruxas pela Inquisição na Itália, os bruxos Gasparotto e Battista Moduco, habitantes do Friul que, em contraposição à feiticeiros e estriges ou malfeitores, relataram: 

"Às vezes, eles [os Feiticeiros e Estriges ou Malfeitores] saem para uma região do país e, às vezes, para outras [regiões], talvez para Gradisca [Gradisca d'Isonzo] ou mesmo tão distante como Verona; e eles [os Feiticeiros e Estriges ou Malfeitores] aparecem juntos [às Bruxas e Iniciados] nas Batalhas [as "Batalhas-de-Bruxas", popularmente conhecidas como "Caçada Selvagem" ou "Caçada de Qayn/Kadmon", a Procissão da "Santa Compaña" ou "Santa Veeme" ou "Liga da Corte Sagrada" contra feiticeiros ou malfeitores e espíritos de vampiros e lâmias, geralmente realizada ao redor do perímetro do Têmenos] e Jogos [os iniciático-provatórios "Jogos Tailteanos ou dos Tálti/Táltos" ou "Meditação dos Hermetistas ou Masdeístas", a versão bruxesco-danaide dos Jogos Olímpicos em que acendia-se a Fogueira de Tubalcain/Hephaistos, ministrava-se os Ensinamentos Secretos de Hermes Trismegistos/Taautus e realizava-se a Provação Mágica de Heket/Hecate a Erodia/Aradia, que iniciava-se no Sabá de fim do verão durante Um Ano e Um Dia], e... os homens e mulheres que são os Malfeitores [ou Feiticeiros] transportam e usam talos de sorgo que crescem nos campos; e os homens e mulheres que são Caminhantes do Bem ["Benandanti"] usam feixes de erva-doce, e vão agora um dia e agora o outro, mas sempre às quintas-feiras e... quando fazem seus grandes festejos, [as Bruxas e Iniciados] vão para as fazendas maiores, e possuem dias fixos para isso; e, quando as Estriges e Feiticeiros planejam fazer o mal, eles [os Feiticeiros e Estriges ou Malfeitores] devem ser prosseguidos pelos Caminhantes do Bem para frustrá-los e, também, para impedi-los de entrar nas casas, porque, caso eles [os Feiticeiros e Estriges ou Malfeitores] não encontrar água limpa nos baldes, vão para os porões e estragam o vinho com certas coisas, jogando sujeira [arruinando com venenos ou mijando] nos baris." (GASPAROTTO). 
"Eu sou Caminhante do Bem ["Benandanti"] porque eu vou com os outros [as Bruxas e Iniciados] para lutar quatro vezes por ano, ou seja, durante as Quatro Têmporas à noite, eu vou invisivelmente em espírito e o corpo fica para trás; nós saímos no Serviço de Cristo [isto é, Jesus Cristo também foi adepto da Bruxaria: vide o Clã Mitraico] e com as Estriges do Diabo; nós lutamos uns contra os outros com os feixes de erva-doce e os talos de sorgo." (BATTISTA MODUCO).

[Assim como, também, houve alguns relatos inquisitoriais anônimos ou sem descrição precisa de nome dos relatantes em que, ao ser interrogados acerca das Bruxas e da prática ilegal da Bruxaria ao norte da Itália, afirmaram que:] 

"[...] seu marido, várias vezes durante à noite, chamava e com remédios o ministrava, e ela [a Bruxa] estava como morta, porque disse que o espírito tinha ido à sua viagem e o corpo ficava para traz como morto..." (RELATO INQUISITORIAL ANÔNIMO).
"Nós não vamos fazer o contrário do que combater... Vamos todos [as Bruxas e Iniciados] juntos combater contra todos os Feiticeiros; e possuímos nossos líderes ou capitães, e quando nós portamos bem os Estriges ou Feiticeiros, eles nos dão um bom fim: quando as plantações crescem boas, que são coisas puras e belas, que este ano os Caminhantes do Bem ["Benandati"] tiveram a vitória! (RELATO INQUISITORIAL ANÔNIMO).
"Senhor, eu vou dizer a verdade: eu estive em três temporadas, ou seja, três vezes durante o ano em um prado... o que eu quis dizer para aqueles de meus companheiros, que não sabem (porque você não sabe, porque é o sopro que vai, e o corpo ainda permanece na cama) que é o Prado de Jehosaphat [o Vale que divide os Montes Sião e das Oliveiras onde se realizou o Julgamento profetizado pela bruxa e sibila Albunea e que outrora fora promovido pelo trineto do bruxo e rei Salomon dito Jehosaphat, cuja região, em conjunto com a Arábia, operava o Clã do Bode da Bruxaria Medieval Pentárquica], como esses companheiros me disseram [neste Prado] pelo tempo de São Johannes [o Solstício de Verão], do corpo de Nosso Senhor para São Mattiyahu, e à noite" (RELATO INQUISITORIAL ANÔNIMO).
[Ao passo que, em 1599, o filósofo italiano e bruxo Domenico Scandella o Menocchio, também habitante do Friul, fora torturado pela Inquisição Cristã, o que, em consequência, antes de a Igreja ordenar a queima de tal bruxo, este declarou suas crenças diante da Inquisição:]

"Eu disse que, segundo meu pensamento e minha crença, tudo [o que pertence ao mundo em condensação] era um caos, ou seja, terra, ar, água e fogo foram misturados, e de todo aquele volume, em movimento, formou-se uma massa [o éter], da mesma forma que o queijo [a terra] é feito do leite [o astral], e do qual surgem os vermes [os anjos e os daimones], e estes formam os Anjos. A santíssima majestade [o Padre inquisidor] quis que aquilo [o leite ou caos] fosse Deus e os outros [o éter e os vermes], Anjos; [mas,] dentre todos aqueles Anjos estava Deus, Ele também desenvolvido daquela massa [o éter], naquele mesmo momento e, assim, foi nomeado Senhor com os Quatro Vigilantes: Lucífero [título geralmente dado ao demiurgos ou arquiteto do mundo Tubalcain/Hephaistos, entretanto, com as sete chagas e uma perturbação lançadas à Tubalcain pelo corrupto Ares/Ahriman/Seth que aliciou a esposa do demiurgos chamada Naamah/Ninmah/Niamh/Nemesis a Aphrodite Pandemos/Zerynthia Kale/Sarah Kali, Tubalcain, com seu corpo ferido, recusou o auto-sacrifício à Divindade Suprema em prol da reparação física de seu sofrimento, o que levou a ser expulso dos céus e, por fim, reaproximou-se parcialmente do Olimpos com o auxílio do Deus Dionysos/Osiris Bakha, a manifestação terrena do Uno, isto é, Zeus/Jove e Tubalcain constituem dois princípios herméticos opostos: o da essencial unidade não-autônoma e da perfeição sutil/sobrenatural e desmaterializadora/assexuada versus o da posterior multiplicidade voluntária e da criação condensada/natural e materializadora/sexual; pois, a unidade original, sendo perfeita, não cria nada, e é por este motivo que existe o Deus, a díade, e a Deusa, a tríade que, unidos, criam o quarteto Filho Divino Lucifer/Mitras e sua contraparte inferior ao ser enviado ao mundo como pontífice, Vesper; Tubalcain, com os ferimentos atlantes causados por Ares/Ahriman/Seth, tornou-se um anjo vigilante ao descer, como Dragão, até a terra ou mundo em que criou, convertendo-se na Esfinge do Mundo, por isso foi chamado Tubal/Typhoeus/Duval, o anjo Daeva-el], Michael [Mitras/Mica, o verdadeiro Lucifer], Gabriel [Zephyros, o Geburah-el] e Raphael [Resheph/Euros, com a adição El]. Assim, Lucífero [Tubalcain] buscou se tornar rei igual ao Senhor, como se fosse majestade de Deus, e por esta ousadia, Deus expulsou dos céus com todo o seu exército e sua companhia, e esta deidade, mais tarde, criou Adam [isto é, Atum/Aton/Prometheus] e, grande multidão de pessoas, ocupou o lugar [terreno] destes Anjos conjuntamente expulsos não seguindo os ensinamentos de Deus [Zeus/Jove, o Vigésimo Quarto Arcano da Divindade Suprema ou Altíssimo Uno Agnostos Theos]; Este, então, enviou seu Filho [o novo Prometheus/Atum/Aton/Adam/Eetion que, após o hierofante Kheíron libertar o Ego Superior daquele e em Chariclo 'a Graça Circundante' dar vida à Carystos, ressurgira em Electra 'a Ilustre' como Iasus ou, na língua hebraica, Joshua/Yehoshua 'o Salvador de Yah', ou seja, o exterminador de bárbaros e de muitos povos não hebreus e que, mais tarde, fora esperado e ensinado pelos Reis Magos como 'Saoshyant' em que baniria a si mesmo em justiça, isto é, Yeshua Ben Panthera/Jesus Cristos, o Aberamentho dos Templários ou "descendente de Hyperion/Hiram Abiff"] que, capturado pelos Judeus [os traidores adeptos do Judaísmo taxados por "Sicarii" ou feiticeiros, expiados nos tempos gauleses e carolíngios como "Sorciere", ditos na linguagem bruxesca e maçônica por "Juwes", que seguiam as leis bárbaras e mosaicas incitadoras do pecado], fora crucificado" (DOMENICO SCANDELLA).

Deste modo, os praticantes masculinos do Clã Telquino eram socialmente vistos como efeminados pelos patriarcais e opressores Povos Germânicos, da mesma forma que os praticantes masculinos do Clã Metragirta ou Gálico que, muitas vezes, castravam-se, como precaução para não gerar crianças há cada fase lunar em que ocorria a prática da Magia Sexual (por não ter conhecimento de métodos anticoncepcionais). Também, entre os membros deste Clã, assim como também na Bruxaria Medieval Pentárquica, acreditava-se que uma Bruxa nascia com o "Caput Galeatum" ou "Chrysómallon Deras", isto é, um halo áurico ou auréola de magia na gálea (tido, nas superstições populares, como uma capa física, como "camisa" ou "membrana do saco amniótico") que envolve a cabeça da Bruxa, em decorrência do Selo da Bruxaria, o qual se faz presente na aura e/ou na contraparte etérica do sangue, que faz conexão com o poder angélico e divino de Hermes Trismegistos e dos Deuses. Em 1839, o erudito Franz Josef Mone afirmou que as Bruxas da Alemanha — cujo culto na Alemanha medieval estava presente na caverna secreta de "Venusberg", onde a Deusa das Bruxas também era adorada sob o nome de "Habondiaou "Abundia" — eram integrantes de uma religião pagã pré-cristã, que não havia origem germânica ou entre hunos, mas, sim, fora trazida no início da era cristã por camponeses gregos na costa norte do Mar Negro, que adoravam Deuses helênicos, como Hecate e Dionysos que, mais tarde, instituiu-se em secretíssima organização para celebrar o culto e magia do Deus Cornífero  e, ao mesmo tempo, sobreviver às perseguições da Igreja Católica. Não obstante, o alquimista, professor de física e dialética e médico psiquiátra suíço-germânico Heinrich Pantaleon (1522-1595), cuja sua descendência familiar adivinha do rei peloponense Pantaleon de Pisa (600 a.e.c.) e de seus "Panthialaei" ou "Panthialaioi" que tornaram difusa no Friul, era membro deste Clã de linhagem haliaruna. 
O Triângulo de Manifestação ou Tétrade (do Clã Pitagórico) era usado pelas Bruxas e Iniciados do Clã Telquino ainda na antiguidade, assim como outros conhecimentos e instrumentos bruxescos de magia ritualística, como atestam descobertas arqueológicas que, apesar de os "cientificistas" ter descoberto, não o reconheceram. O uso de caldeirões de cobre e sítulas ou santos graais, eram comuns no Clã Telquino. No Clã Telquino, a Deusa Mãe e o Deus Cornífero eram adorados sob os nomes de Demeter Thalassa ou Reitia/Rhea ou Ishtar/Isis e Apollon Karneios ou Poseidon, sendo que a adoração pendia mais para a Deusa.

Quando os celtas/cito-cimérios venceram a guerra contra os integrantes medas da "Tuatha-Dé-Danann", submeteram tais povos às leis célticas e estes compartilharam com os celtas os Quatro Tesouros Danaides: a Lança de Lugh (a "Areadbhair" que, nas lendas célticas, pertencia ao rei pérsico Pisear), o Caldeirão de Dagda (o "Undry"), a Pedra do Destino "Lia Fáil" (replicada, na idade média, pelo bruxo e rei inglês Edward I Longshanks), que passou a residir um templo céltico no topo da colina conhecida como "Monte de Tara" ("Tara" era o Grifo, motivo pelo qual se coroavam os reis neste templo através deste oráculo), e a trina Espada de Nuada referida como "Claidheamh Soluis" (o "Athame"
a Égide de Defesa ou Gládio de Luz usado originalmente por Tubalcain/Hephaistos contra as forças arcônticas do imperialista Vigésimo Quarto Arcano e sua titânica Troia do maligno Ares/Ahriman/Seth), a qual, incrustada na Pedra do Destino, foi removida pelo bruxo e rei britânico Aurelius Ambrosius ou Arthur Emrys, na idade média, antes de ser ordenado reiCom a chegada dos Povos Celtas na Irlanda, Escócia e Ilha de Man, muitos destes prestavam culto ao Deus Apollon Karneios, o Carnonos/Kernunnos ou Karabazmos cita/céltico ou Kumbha-Karna Pashupati dravídico (também chamado de "Zibelthiurdos" ou "Zibelthurdos" em Dácio ou "Belatu-cadros" ou "Balatucauro" no Britânico), também representado como Akerbeltz em um prendedor húngaro do século nove depois da era cristã; porém, com o infiltramento de feiticeiros ou malfeitores no Clã Órfico, estes passaram a realizar, através da divinatória Cabeça Órfica chamada por são Patrick de "Cenncroithi", sacrifícios de matança ritualística humanasendo que, assim como o bruxo e rei Caius Iulius Caesar e o Antigo Senado Romano em que proibiram a presença de tais feiticeiros ou malfeitores em Roma, são Patrick tentou de todas as formas extinguir tal prática maléfica e ilícita (que, por sua condição corrupta, contraria a bruxesca Lei de Hermes Trismegistos). O Deus Poseidon havia como título "Nuada" ou "Nauta" e, em função das fonéticas linguísticas, ficou conhecido, nas lendas populares e superstições, como "Nuadu" entre os integrantes da "Tuatha-Dé-Danann" na Irlanda, Escócia e Ilha de Man, e como "Noden" ou "Neptunus" entre os romanos de Roma e da Grã-Bretanha. Particularmente, os membros da "Tuatha-Dé-Danann" na Irlanda e na Escócia, os quais, como mencionado, eram integrantes do Clã Telquino, possuíam a crença de que eram "Filhos de Lir" ou "Filhos do Mar", como também cita a medieval Canção de Amergin


“Sou um vento do mar; Sou uma onda do mar; Sou um veado de sete pontas; Sou um falcão num penhasco; Sou uma lágrima da Luz; Sou a beleza entre as flores; Sou um javali; Sou um salmão num lago; Sou um lago numa planície; Sou uma colina de poesia; Sou uma lança combatente; Sou um deus criador do fogo sagrado. Quem senão eu conhece as reuniões da casa do dólmen na colina? Quem senão eu sabe onde o anoitecer ocorre? Quem prediz as fases da Lua? Quem traz o gado da casa de Tethra e o separa? Quem senão eu dá as boas-vindas ao gado de Tethra? Quem dá formas às colinas? Invocai, Povo do Mar, invocai o poeta, para que possa fazer-vos um encanto. Pois eu, o Druida, que pus as letras no Ogham; Eu, que separo os combatentes; Hei de abordar a Fortaleza ou Corte das Bruxas em busca de um poeta hábil, para que juntos possamos fazer encantamentos. Eu sou um vento do mar”.  


Além disso, os Iniciados ao último Grau da Bruxaria, tanto no Clã Telquino como no Clã Cábiro e em outros afins, recebiam o título de "Dríade(às vezes, também grafado como "Drude" ou "Druadou "Dryophoroi") — ou Druidas — que, conforme tal titulação iniciática, os Bruxos deste grau ficaram famosos, na Alemanha medieval, ao participarem de "Batalhas de Bruxas" (prática de expiação aos feiticeiros mantida, pelas Bruxas, em determinados tempos), onde a Marca da Bruxa ou pentagrama, sob o nome de "Pé da Dríade" ("Drudenfuss") ou "Símbolo Élfico", também fazia-se uso (vide o tópico da galeria: "Os Principais Símbolos da Bruxaria"). Em Rodes, a Linhagem Haliaruna de Bruxas era chamada de "Hiléora" ("Hyleoroi") que, após se aliar aos estrangeiros, recebeu a terminologia linguística étnica destes últimos. O historiador romano Jordanes, equivocadamente, afirmou que um grupo de Bruxas que "haviam dado origem" aos Povos Hunos, referidas como "Haliarunas" ou "Haliurunas" (perdurando "Hellrúna" no Inglês Antigo e "Volur" ou "Vila" no Antigo Islandês, Nórdico, Estoniano e Eslavo, assim como legou a palavra indiana "Ullurai" em referência à metáfora), as quais infiltraram-se em um exército germânico e que, pela opressão patriarcal dos Povos Germânicos, foram rejeitadas por ser mulheres pigmeias, expulsando-as para retornarem ao seu povo que, na época, havia parcialmente se aliado aos Povos Hunos; pois, as Bruxas deste Clã — de origem Hicsa ou Egípcio-danaide, de dinastia Síntio-vêneda ou Vêneta (que significa "Reverente de Devas" ou "Devoto" ou "Fanático" ou "Venostes", ou seja, um compactuado dos "Wanassa" ou "Wanax" ou "Enarei" ou "Anazzah" de que cita Lois Bourne, título greco-cita e árabe 
que significa "Senhora" ou "Senhor" e que, respeitosamente, dirige-se à Rainha das Bruxas, ao Magus, à Magistra e ao Magister), co-aliado também aos Povos Celtas e Etruscos — existiam antes de seus semi-aliados Povos Hunos, os quais, estes últimos, conviviam na Caldeia, no Irã, no Paquistão, no Afeganistão e no norte da Índia, cujo centro estava na Báctria (o Pilar Central das Viagens Dionisíacas) do Império Heftalita e que, uma parcela, fora para a Europa ocidental ítalo-balcânicaAs Bruxas do Clã Telquino, bem como as de Linhagem Haliaruna, utilizavam um alfabeto turco-danaide, cujos símbolos possuem similitude inigualável com os símbolos do Alfabeto Angelical ou "Malachim", o qual fora publicado pelo mago e bruxo Heinrich Cornelius Agrippa.

Enquanto isso, os Iniciados deste Clã ficaram famosos por presidirem os secretos tribunais dicastérios tripartidos, chamados de "Liga da Corte Sagradaou "Santa Veeme", também chamada de "Helieia", onde os acusados de injustiças passavam pelo ritual do "Julgamento da Espadapor sentenças dos "Franco-Juízesou "Juízes-Livres(chamados de "Dicastas" as Dirae/Fúrias ou "Prítanes" no Clã Dodônide) em que formavam o Concelho de Anciãos ou Conciliábulo Druídico da Santa Veeme, para punir os crimes cometidos socialmente e como uma extensão dos ideais de Justiça de Hermes, segundo as ordens da Magistra e/ou do Magister de cada conventículo e subordinados à Rainha das Bruxas e/ou ao Magus de seu Clã da Bruxaria, acompanhado de Sacerdotes Vermelhos, Sacerdotes Negros e Escribas. Todos os membros da Santa Veeme eram, antes disso, Bruxas e Iniciados da Bruxaria e, portanto, portadores da Bolline ou Athame com o código bruxesco "SSGG", sendo que os julgamentos das Santas Veemes se pautavam nas antigas Leis da Bruxaria (cuja base é as Quarenta e Duas Confissões de Justiça e a Lei dos Gentios ou Gregos do Sacro Império Romano), calcadas na Justiça, preceito defendido por Hermes Trismegistos. Quando a Santa Veeme tomava nota de criminosos e feiticeiros ou malfeitores de uma província ou condado, os Heliastas ou Justiceiros do(s) Sacerdote(s) Negro(s), por meio da espionagem, pregavam secretamente a temível placa da sentença na casa do acusado e, dentro de três dias, os Praxídicas ou Presidentes mascarados do(s) Sacerdote(s) Vermelho(s) eram enviados à meia noite para raptar secretamente o acusado, de modo a levá-lo para o Dicastério secreto onde ocorria a sentença, geralmente nas terças-feiras ou Dias de Marte (para as "Batalhas de Bruxas" contra feiticeiros e forças caóticas de Ares/Ahriman) e nas quintas-feiras ou Dias de Jupiter (para a restauração da Lei das Leis), ao passo que, na transição entre o sábado ou Dia de Saturno e o domingo ou Dia do Senhor/Sirius, era dedicado à lunar Missa das Bruxas (ou, quando em temporada, ao Sabá). Assim, caso o acusado fosse declarado como parcialmente culpado e merecedor de expulsão, o cálice era quebrado; ao passo que se fosse declarado totalmente culpado e merecedor de castigo, a espada era quebrada (atos derivados do velho costume grego de quebrar pratos). Entretanto, como as Santas Veemes eram Ordens da "Colmeia de Rainhasda Bruxaria, as damas, com tal poderio, passaram a negligenciar a sentença dos Franco-juízes, o que levou ao ódio entre os Cristãos e, em consequência, motivou a criação da Inquisição. Um manuscrito descoberto na Alemanha, datando a idade média, entre o século 9 ou 10, chamado "Encantamentos de Merseburg", em um canto dito "Libertação dos Prisioneiros", descreve brevemente os julgamentos realizados pela Santa Veeme ao povo: 

"Uma vez que as 'Idisi' [as Praxídicas ou Presidentes que, por meio dos Heliastas ou Justiceiros enviados, arquitetavam o rapto dos criminosos até os Dicastas ou Juízes-Livres da Liga da Corte Sagrada ou Santa Veeme ou Helieia e aplicavam o decreto: isto é, o sistema oculto de executivo, judiciário e legislativo na concretização da Lei Hermética] pousaram aqui, resolveram aqui e lá. Algumas prender grilhões, Algumas obstruir os grupos na guerra, Algumas afrouxar os vínculos dos bravos: Saltem por adiante dos grilhões, escapem dos grilhões".  

Em cerca de 800 d.e.c., o bruxo Carlos Magno (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano; de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; de Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e que instituiu os Cinco Clãs Medievais Pentárquicos; e que reencarnaria, depois, como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), rei franco que instituiu privilégios às Santas Veemes, depois de abolir, em 797, a lei Cristã de pena de morte aos adeptos de religiões pagãs (apesar de condenar pagãos bárbaros e hereges do ponto de vista bruxesco; em conjunção com a punição à feiticeiros ou malfeitores). Neste aspecto, a Ordem Rosacruz original renunciava a autoridade do Papado da Igreja Católica e de qualquer outro rei sob a terra que não fosse o soberano do trono cesarista ou "sella curulis/karalius" do Sacro Império Romano, o qual havia sido restaurado pelo próprio instituidor da Bruxaria Medieval Pentárquica: o misterioso Carlos Magno, "Pai da Europa" e "Christus Domini" (o "Divus Iulianus" ou "Divus Iulius", profetizado pela sibila e bruxa Albunea como descendente Danaide ou da "Tribo de Dan", cujo seu filho e amante homossexual, dito "Divi Filius", fora o primeiro a prestar honraria no Mausoléu em frente à Régia que, através do seu enteado Nero Claudius Drusus Germanicus o Ancião Decimus com o celta Vercondaridubnus, instituiu-se as Três Gálias em Lyon), um Magus ou Majestade 
de Bruxas (aconselhado pelo bruxo Santo Alcuinus Nemias ou Naymus Flaccus, o Zorobabel amante de Delia e, sendo correligionário de Santo Wigbert da bruxesca Abadia de Glastonbury ou Avalon, tornou-se filósofo da Academia Palatina) que deu origem aos doze Paladinos do mestre Hruodland/Robilant o Robin (esposo de Aude, da qual surgiu o "Condado Cátaro") e à dinastia carolíngia ao receber a coroa do antigo Império Romano na véspera do Sabá natalino — data em que também o rei britânico Aurelius Ambrosius ou Arthur Emrys fora coroado em Camelot — pelo próprio Papado iludido e que, após se reconciliar com seu servo Huon/Holger/Hu-Gadarn, co-peregrinou até o reino do profeta das amazonas/amazigues Ishaq-Ismail L'Atahiyya no Oriente; resultando na tentativa de reconstruir o "Templo de Salomon" (isto é, a forma real dos Templos Egípcios) sob o nome de Domo/Catedral Aquisgrana, onde guardou-se em segredo as relíquias pagãs "Sarcófago de Proserpina" e "Lupa Capitolina" (dos antigos Clãs Vestal, Arval, Lupercal e Sálio), e partia a peregrinação da Via Régia do Sacro Império Romano até Santiago de Compostela ou Costa da Morte, a diocese do oeste céltico-romano da Torre de Hercules, o Farol Prítane; porém, dois anos após Napoléon Bonaparte se tornar imperador, seu futuro sogro Francisco I e II da Áustria (da Ordem Antiga e Iluminata dos Profetas ou Perfeccionistas da Baviera) dissolveu, em 1806, o Sacro Império Romano, em função das guerras napoleônicas na Europa em nome do arconte Helios que ocasionaram a crise financeira e as imigrações alemã e italiana para a América e, assim, à anulação do título de Deva pelo próprio Velho Donzel ou Paráclito da Bruxaria.

Na idade média, a Santa Veeme fora reconfigurada pelos Bruxos do "Templo Negro", isto é, os Templários, cujo ideal foi imortalizado no anglo-londrino "Templo Médio("Middle Temple") e o "Templo Interior" ("Inner Temple") e sua "Igreja do Templo" ("Temple Church"). Todavia, como forma de revolta das Santas Veemes à "caça-às-Bruxas", estas passaram a dar sentenças rígidas aos culpados de crimes sociais (a corda ritualística envolta do pescoço do iniciante na Maçonaria advém da sentença das Santas Veemes), como ocorreu séculos depois, por exemplo, com o inquisidor e feiticeiro Konrad von Marburg, ao ser enviado pelo Papado Cristão (1227-1233) à Alemanha para eliminar as heresias pagãs e a bruxaria na Turíngia. Contudo, com a degradação da Santa Veeme franco-alemã e a dissolução do Sacro Império Romano, Jérônime-Napoléon Bonaparte, o irmão de Napoléon Bonaparte que governava Vestfália, aboliu a Santa Veeme na Alemanha; apesar de que a Liga da Corte Sagrada ou Santa Veeme continuou a existir, seja como Santa Companhia ("Santa Hermandad") seja sob outros nomes
Os Gêmeos ditos Dioscuros ou "Castor" ou "Cautes" ('Jovem Divino' ou 'Jovem') e Pálicos ou "Pollux" ou "Cautopates" ('Pequeno' ou 'Pequeno Ferido'), também comum nos antigos Clãs Eleusino, Cábiro, Metragirta, Sálio, Mitraico, Doliqueno, Dionisíaco, etc., eram lembrados pelos nomes de "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasus" ou "Eetion" (chamado na língua egípcia de Atum/Aton/Adam e, em grego, de Prometheus). Deste Clã surgiu, atualmente, as modernas "Tradição Correlliana Nativista" (cuja égide foi a publicação do livro "Os Cinco Segredos Místicos", de LaVeda Lewis Highcorrell), "Tradição Caledoniana" (a qual é caracteristicamente eclética), "Povo Justo" ("Tylwith Teg") ou "Tradição Dynion Mwyn" (da qual Raven Grimassi tornou-se um membro), "Tradição Mackenzie Georgiana" ou "Tradição Georgiana" (instaurada por George Eliott Patterson III, que afirmava possuir também iniciação na Tradição Gardneriana, e por seus discípulos) e "Tradição Anderson Feri" (que ensina, também, que a Bruxaria havia se originado na raça do Povo Pequeno, a "nossa antiga raça, a pigmeia e escura", isto é, a raça dos Povos Medos de Dinastia Danaide na antiga Céltica/Cítia indo-egípcia: vide o tópico da galeria, "A Moderna Tradição Feri Anderson"), nos Estados Unidos, na tentativa de preservar a Linhagem Caledônia deste Clã.


- Mysteria Afrodisíaca, mais conhecida como Mysteria Adonista:
Período e local: Na Idade Antiga, na Síria, na Suméria, na Babilônia, em Tiro, no Oriente Médio, em Chipre, na Grécia e na Península Balcânica.
Descrição: Na Ilha de Chipre, era reconhecida pelas leis civis dos reis. Este Clã possuía origem nos Clãs Artemisiano e Isíaco-osiriano. Haviam três linhagens principais responsáveis por preservar o Clã: a Sumeriana ou Babilônica, a Síria ou Setiana e a Greco-cipriota. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Atargatis/Astarte ou Inanna/Anat/Myrrha e Belus/Baal/Shamash ou Yarikh/Jorah/Iakkhe e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para a Grande Mãe. Adonis ou Tammuz/Dumuzi (chamado, inegavelmente, de "Adonai" na língua hebraica que, apesar de os monoteístas negarem, basta fazer um teste para evidenciar que, ao invocar, quem vêm ao chamado e atende-o é Adonis, não Yehowáh) era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Filho da Luz ou Grande Herói. Tubalcain/Enki era lembrado como pai-irmão do Fundador da Arte dos Sábios (Hermes Trismegistos), e Aphrodite Pandemos/Syria Kale/Sarah Kali a Naamah/Ninmah/Niamh/Nerio era lembrada como esposa de Tubalcain que fora aliciada pelo maligno Ares/Ahriman/Seth e, assim, Ares/Ahriman/Seth lançou ao próprio Tubalcain com sete chagas e demônios e uma perturbação ou ira. Hermes/Ningishzidda, filho-irmão de Tubalcain, também era honrado enquanto um dos primeiros Sábios ou Iniciados. Também, deve-se lembrar que os Salmos 93 e 29 do Mikrá ou Tanakh Judaico e da Bíblia Cristã constituem cópias distorcidas dos pagãos Hinos de Baal deste Clã (assim como o "Kohelet" ou Coleções e o Cântico dos Cânticos foram escritos pelo bruxo Salomon, sendo que o "Livro dos Provérbios de Salomon" é plagio dos Ensinamentos de Amenemopet, obtidos no Egito por meio de Salomon e que, quando os Judeus foram a Babilônia ou Caldeia, apropriaram-se não apenas destes Hinos pagão-bruxescos, mas, também, da Linguagem Prateada de magia angélica da antiga Filosofia que daria origem à Cabalá), além de que o Salmo 104 é cópia mosaica do Grande Hino à Aton, da religião Atonística aprendida por Moises no egípcio Monte Sinai (local onde o Deus Dionysos/Osiris se manifestou ao arcanjo Thoth/Hermes). O rei e bruxo Salomon o Azazel/Azizos (que reencarnaria, posteriormente, como Alexandre III Magno, iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano; como Caius Iulius Caesar, iniciado do Clã Lupercal; como Flavius Claudius Iulianus, iniciado dos Clãs Eleusino e Platônico e instituidor dos Cinco Clãs Pentárquicos; como Carlos Magno, iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), que os povos hebreus prestavam honraria, era iniciado no próprio Clã Adonista, todavia, Salomon — que lhe fora ilusoriamente atribuído, na modernidade, livros ilícitos de feiticeiros ou malfeitores — além de ter iniciação neste Clã, possuía iniciação, também, no Clã Amonita. A reainha Semiramis ou Shammuramat (atualmente reencarnada no Brasil), fora Iniciada deste Clã.


No Clã Adonista, da mesma forma que na Bruxaria Medieval Pentárquica, acreditava-se que, ao norte do mundo e do Círculo Mágico, havia uma fonte que jorrava uma corrente de energia da Deusa (a "Agathe Tyche"), enquanto que, ao leste, uma fonte que jorrava uma corrente de energia do Deus (o "Agathos Daimon"), formando dois rios ("Lethe" e "Mnemosine") que atravessavam o universo em forma de cruz grega sazonal (adotada alternativamente, mais tarde, pelos Templários) que, no caso deste Clã, dispunha-se acima destes dois rios, intercruzadamente, uma Rosa dos Ventos (signo de Naamah, a tecelã), de modo a formar um anel óctuplo da Roda do Ano de Sirius. A Deusa Myrrha, o Deus Yarikh/Jorah e o Filho Divino Dumuzi no Leste Europeu, com a expansão do Clã Mitraico de Linhagem Cainita ou Khlysta e do Clã Telquino de Linhagem Haliaruna, ficaram conhecidos nas fábulas e lendas populares como "Mora", "Yarilo" ou "Jura" e "Domaci". Em 1925, o Ocultista e Bruxo alemão, Franz Sättler, tentou reavivar o antigo Clã Adonista, depois de descobrir que uma antiga religião secreta que fora marginalizada pelo Cristianismo e acusada de adorar o "Demônio" — isto é, a Bruxaria — havia tido origem na região do Oriente Médio em um tempo remoto da antiguidade e que, não obstante, esta religião antiga possuía foco na prática da Magia Sexual, declarando que centrava-se na adoração de dois Deuses que haviam surgido do grande vazio, o Deus Cornífero Belus e a Deusa Estelar Biltis, assim como no Filho Divino Adonis que, real e metaforicamente, possui um irmão rival chamado Molchos (vide: os Gêmeos Rivais), e na honraria à sua esposa-irmã, a Donzela do Mar (Dido). Neste sentido, Franz Sattler fundou um Clã moderno de Bruxas, a "Sociedade Adonística" ("Adonistischen Gesellschaft"), levando a publicar diversos livros pela Europa, principalmente na Alemanha, onde contou com discípulos, como Friedrich Wilhelm Quintscher e Franz Bardon (reencarnação de Apollonios de Tiana, do antigo Clã Pitagórico), influenciando o sofista Friedrich Wilhelm Nietzsche que, por sua vez, utilizou-se de doxas gnosiológicas para justificar a prática de libertinagem e influenciar o surgimento do nazismo. Todavia, o pensamento de Franz Sattler se deixou influenciar pelo rivalismo das religiões amarnianas, ao introduzir a crença fundamentalista de que o Filho Divino em sua face de Molchos seria definitivamente um ser malévolo, isto é, sem evolução, pois, o simbolismo pagão deste mito entre Molchos/Molek Zedek e Adonis/Adonai concerne uma antiga sabedoria oculta e profunda, muito diferente da superficial e fraudulenta justificativa de rivalismo religioso alegada por Franz Sattler que, além de dar margens para interpretações falsas e corruptas, como prática de libertinagem, feitiços ou goétia e satanismo, está aberrantemente equivocada e anti-bruxesca. 



Mysteria Zamolxiana ou Sabática, mais conhecida como Mysteria Órfica:
Período e local: Na Idade Antiga, na Trácia cimério-céltica, em Creta, na Grécia e em Roma.
Descrição: Reconhecida popularmente na Grécia e, principalmente, na Trácia cimério-céltica. O Clã Zamolxiano/Órfico teve origem com Orpheus (descrito nas lendas romanas como "Dis Pater", cuja sua consorte era "Aerecura"), um alto-sacerdote edônio na Trácia, esposo de Eurydike/Heurodis e Iniciado pelo alto-sacerdote Musaios no Clã Eleusino, também foi iniciado, quando criança, por sua própria mãe no Clã Dionisíaco e, mais tarde, obteve iniciação no Clã Cábiro, no Clã Isíaco-osiriano, no Clã Zurvanita, etc. A mãe de Orpheus chamada Kalliope, esposa do rei Oeagrus/Oengus e que era alta-sacerdotisa da Linhagem Tessaliana do Clã Dionisíaco, acreditava-se que, também, teria sido uma das primeiras iniciadas da Linhagem Coribante do Clã Metragirta ou Gálico; porém, Orpheus, que muito amava sua mãe, perdeu-a em sua mocidade e, para compensar a falta de sua mãe, encontrou Eurydice por quem amou e, não obstante, perdera também (o que levou, na antiguidade tardia, ao uso da terminologia "órfão" em referência à uma pessoa que não possui pai e/ou mãe vivos). Com o ataque mortífero de feiticeiras ou malfeitores à Orpheus, este deu ordem aos seus discípulos para que fossem ensinar a disciplina druídica em Delfos, dando origem ao Oráculo de Delfos (saqueado, em 279 a. e. c., pelos celtas gálatas do bárbaro rei Breno), o qual, sendo portador do "Omphalos" ou Umbigo do Mundo, também chamado de "Petra Genetrix" ou Pedra Negra ou Caldeirão do Renascimento, atuava conjuntamente ao Oráculo de Dodona (tutelado pelo Clã Dodônide), ambos os oráculos eram dirigidos pelos Profetas ("Prophetai") e Sibilas ("Sybilla"), isto é, os "Cabalistas" pagãos ou Filósofos inspirados. Também, o Clã Zamolxiano/Órfico se assemelhava consideravelmente ao Clã Pitagórico, pois o Clã Pitagórico havia surgido por meio do Clã Órfico. No Monte Parnaso, ao lado do Oráculo de Delfos, haviam dois penhascos, conhecidos como "Phaedríades" ou "Phaidríades", isto é, "as luzes das Dríades" ou "fama das Dríades" que, a partir das cinzas que surgiram dos raios lançados pelas Dríades ou Druidas e pelas Baptes ou Pítias através das forças do Deus Apollon, formou-se grandes blocos de pedras que caíram sobre os exércitos pérsicos e sobre todo homem comum que ousasse profanar o têmenos de Delfos, bem como do Oráculo de Delfos e do Sinédrio ou Conselho de Anciãos e Prítanes (chamados de "Brehon" ou "Brigantes" na língua céltica). Os Três Graus Iniciáticos no Clã Órfico, da Bruxaria Clássica, eram: a Brichtu ou Bardo, o grau de Bruxa e Iniciado ou pessoa que é incumbida em decorar e relembrar de encantamentos; a Baptes ou Bakis ou Boukoloi, mais conhecido como Vates ou Pítia ou Pitonisa (chamada de "Epopta" no Clã Eleusino), o grau de sacerdotisa ou pessoa que fora purificada para receber o poder e a visão dos Deuses; e a Dríade ou Driyophoroi ou Dryas ou Druida, o grau de heroína ou santo, da mesma forma que nos demais Clãs da Bruxaria Clássica. 

Entretanto, Pythagoras tinha como Magister ou alto-sacerdote Abaris Hyperboreos ou Anacharsis, Iniciado do Clã Órfico/Sabático da Trácia, que ficou famoso na antiguidade por voar magicamente pelos ares através de uma lança com poderes mágicos e por sua origem hiperbórea, isto é, era descendente dos antigos Povos Celtas ou Cito-cimérios da região do norte da Trácia conhecida como "Hiperbórea". Como diz Robert Graves, Pythagoras ensinava uma versão de Beth-Luis-Nion, o Alfabeto das Árvores, também utilizado na idade média pelos Cristãos da Igreja Católica Céltica (ou Culdee) nas Ilhas Britânicas e que, como demonstram as pesquisas arqueológicas, tal alfabeto está ligado à região geográfica do Mar Negro ao Mar Cáspio. Desta forma, compreendendo que Pythagoras foi quem cunhou o termo "Filosofia", Diogenes Laertius fala que: "Alguns dizem que o estudo da Filosofia se originou com os bárbaros. Entre os persas, existiam os Magos; entre os babilônicos ou assírios, os Caldeus; entre os indianos, os Gimnosofistas; e entre os celtas e gauleses, foram chamados de Druidas e Samnitas, como Aristoteles se refere em seu livro sobre Magia, e Sotion no vigésimo terceiro livro de sua sucessão de Filósofos ", isto é, se a Filosofia ou estudo das leis secretas do cosmos nasceu entre os sacerdotes de povos bárbaros não-gregos ou pré-helênicos, tal como os Caldeus, os Gimnosofistas, os Magos ou Masságetas/Magoguitas/Magiares, os Samnitas, os Druidas e outras classes sacerdotais, sugere-se que o trácio Abaris Hyperboreos ou Anacharsis tenha ensinado Pythagoras e, como no período da vida de Pythagoras os Povos Getas ou Dácios da Trácia estabeleceram contato econômico e cultural com os gregos (pois, Herodotus declara que os "Citas" ou "Cimérios" estavam relacionados aos povos da Trácia, como os Getas ou Dácios, visto que os Povos Celtas incluindo os da Germânia referiam-se entre si como "Cimbri" e "Cymry"); enquanto que, Zamolxis, sugere-se que tenha sido uma corruptela ao profeta trácio e sacerdote do Deus Shamash ou Apollon e que, assim como Pythagoras, viajou pelas antigas províncias pré-helênicas pelásgicas, egípcias e sírias onde os Clãs da Bruxaria ainda restavam e, em consequência, instituiu o Clã Órfico ou Sabático/Zamolxiano, isto é, era ninguém mais que o adivinho Aristeas/Aristaios Epimenides ou Orpheus que, sendo Abaris Hyperboreos ou Anacharsis adepto do Clã Órfico, ensinou Pythagoras. 

Dentre as principais linhagens do Clã Zamolxiano/Órfico estavam linhagens como: a Edônio-céltica ou Auloníade, a Ilíria, a Cretense, a Ateniense, a Delfina e a Romana. A Linhagem Ateniense do Clã Órfico, ao ser estabelecida em Pireu na Grécia, Socrates participou, segundo Platon, da procissão de tochas e do festival Bendideia, para fazer orações à Deusa e adorá-La (vide a obra de Platon: "A República"), porém, para Socrates, a procissão de costume trácio (ou de Linhagem Edônio-céltica) da Deusa era mais bela que a procissão de costume ateniense, o que, por sua vez, sugere que Socrates já teria participado, anteriormente, do festival edônio-cimério do Clã Batesiano, sendo possível pressupor que, em algum momento, Socrates esteve presente em uma região em que os costumes edônio-cimérios do Clã Zamolxiano/Órfico eram praticados como na Trácia. O Grande Imanifestável ou Divindade Única/Uno era chamada pelo nome de Zeus, o "Agnostos Theos" ou Deidade Desconhecida. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Ariadne ou Thetys/Cotyttus/Bendis (chamada de "Bandi" ou "Bandua" na língua céltica) e Dionysos Sabazius/Zegreus ou Akerbeltz/Apollon Karneios ou Belus (chamado de "Belenus" na língua céltica) ou Okeanos e seus Nomes Secretos, sendo que a adoração, às vezes, pendia mais para a Grande Mãe e, majoritariamente, pendia mais para o Deus. Phanos/Phanes ou Attis Gebeleizis era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Filho da Luz. Hermes, assim como no Clã Artemisiano em que era chamado de Taautus e de Thoth na maioria dos Clãs, era honrado neste Clã como Teutates. O Reino da Macedônia ou Antiga Trácia era a região que habitavam os edônios, os quais, por sua vez, era nada mais que uma descendência trácia dos Povos Medos de Dinastia Danaide ou membros da "Dinastia de Danaans" ou "Tuatha-Dé-Danann" (chamada de "Tribo de Dã" ou "Denyen" entre os Hebreus e de "Danavas" entre os Indianos), cujos eram conhecidos como "Filhos de Danae(chamada de "Danu" nas lendas Celtas e Indianas), no entanto, eram chamados assim por serem descendentes do rei Danaus/Daganu/Dagda (referido como "Dugdammê" Cético-cimérios e como "Daksha" pelos Indianos), o bisneto do rei hicso ou egípcio-aqueu A-User-Re Apis/Serapis (instituidor do Clã Menfita) e, portanto, mantinham acesa no templo a chama eterna do hermético fogo sagrado que, através da heroína argiva e sacerdotisa danaide Bryce/Brygindis ou Brigantia/Beroe Amymone ou Berchta (chamada de "Brigid" ou "Santa Brigid" pelos Celtas), esposa do rei celta ou cito-cimério Lyncus/Lynceus (o "gato lince"), fora descoberto o truque iniciático do rei do "Tuatha-Dé-Danann" ou "Dinastia Dian ou Danaan" chamado Danaus/Daganu e, sabiamente, Brigantia/Brigid/Berchta fora a única descendente que rejeitou o assassínio de seu marido (isto é, a libertinagem), em prol da preservação da Antiga Religião, a Bruxaria. 


O Glastonbury Tor ou Ilha de Avalon, próxima à antiga Camelot ou Camalet na Inglaterra, sede da "nova Troia" da antiguidade conforme o encargo da Deusa Diana à Brutus de Troia, foi onde as Bruxas da Itália e das antigas Ilhas Gregas peregrinavam no passado, e seu nome advêm do galês "Ynys Afallon", a Ilha das Macieiras" e, mais especificamente, o termo "Avalon" possui origem no Grego Antigo "Avloniás", para referir-se às Bruxas de Linhagem Auloníade deste Clã entre os celtas ou cimérios que viviam em colinas com vegetação verde. Os Iniciados deste Clã possuíam grandes habilidades em Magia Manual, onde faziam uso considerável do "Passe de Mágica", por meio de imantação manual ou de estalos de dedos, o que levava a ter uma imagem da "Mão do Sábio" no altar, grafada com signos mágicos e a imagem do Deus Cornífero e, às vezes, acompanhava-se pelo sapo, pelo bastão e pela pinha; onde, em cada dedo, possuía um poder ou propriedade mágica e estava associado à uma região do corpo, assim como à um planeta ou astro regente que, portanto, fazia-se uso, assim como nos Cinco Clãs Medievais, dos Cumprimentos e Senhas e Contra-Senhas de Iniciação e nos encontros de Bruxas, de modo a reconhecer secretamente quem fazia parte ou não da Bruxaria. Os membros deste Clã acreditavam, com maior ênfase, que tudo o que enfrentarmos nesta vida aqui na terra, nos tornará melhores na vida seguinte, não se importando se tivessem que se martirizar em prol de um objetivo elevado, o que fazia com que as Bruxas deste clã celebrassem alegremente o momento de morte, pois, a viam como uma libertação deste mundo para encontrar a Luz do Deus Cornífero. Os Sabás eram tradicionalmente realizados à noite, onde uma sacerdotisa donzela se deitava sobre o altar no templo sagrado e recebia oferendas sob o ventre, e no decorrer do ritual, o alto-sacerdote com máscaras e chifres, fecundava-a sob a evocação mágico-filosófica "Io Evoe Sabai" para trazer fertilidade, evocando o raio propulsor da descida da luz celestial à terra (atributo de Tubalcain/Hephaistos). Doreen Valiente costumava falar que: "Aos Iniciados nos antigos Mistérios Pagãos, era ensinado a dizer 'Eu sou o filho da terra e do céu estrelado e não existe parte de mim que não pertença aos Deuses!'.", essa citação era dita pela Bruxa quando falecesse, assim como o Livro das Sombras era escondido junto ao corpo e na lápide gravava-se o grau iniciático que a Bruxa ou Iniciado havia conquistado, geralmente em linguagem romana ou egípcia. No início da modernidade, fora instituída na Inglaterra a "Antiga Ordem dos Druidas" ("Ancient Order of Druids"), a partir da Ordem Rosacruz, que mantêm a Linhagem Edônio-céltica ou Auloníade deste Clã.


- Mysteria Menfita, também chamada de Mysteria Serápica:
Período e local: Na Idade Antiga, em várias regiões do Egito, como em Mênfis (sua sede), Núbia, Per-Ramsés e em diversas localidades de Tebas, como Abidos, Deir El-Medina, Karnak e Kom El-Hettan, também na Síria, na Turquia e em Roma.
Descrição: Reconhecida pelas leis civis no Egito, em Alexandria, na Turquia helênica e em Roma. Todavia, como em uma região próxima ao Monte Sinai — ou "Nysa— havia sido um lendário local onde o Deus Osiris/Dionysos havia descido à Hermes Trismegistos (o primeiro parteiro do Deus), o que, em consequência, o nome egípcio para 'Mênfis' (ou 'Misraim', na língua hebraica) possui o significado de "Casa da Alma de Ptah(ou "Terra de Misr/Misor", na língua fenício-hebraica), pois, seu filho-irmão Hermes/Thoth/Taautus fora para o Egito com a queda da Atlântida, já que, neste lugar, passou-se a ordenar os primeiros faraós ou reis egípcios (enquanto espíritos orientados de outros astros para reencarnarem na terra, do mesmo modo que os Anjos ou Guardiães da Bruxaria, motivo pelo qual os antigos pagãos egípcios acreditavam que os faraós ou reis egípcios eram "filhos de Horus", já que os chamados "Quatro Filhos de Horuseram os próprios Anjos ou Guardiães da Bruxaria liderados pelo Arcanjo Hermes/Hormazd/Thoth). O Clã Serápico teve origem com o alto-sacerdote A-User-Re Apis ou Serapis (que reencarnaria, depois, como Numa Pompilius, o instituidor do Clã Sálio; como Socrates, instituidor do Clã Socrático-platônico; e de Lucius Annaeus Seneca, Iniciado do Clã Socrático-platônico), chamado nos mitos antigos como "Epaphus" ou "Epopeus" ou "Apophis" ou "Ipepi" (que significa, literalmente, "o poeta" ou "o vidente"), que foi um rei que sucedeu o Trono Egípcio-aqueu ou Hicso em Mênfis após o reinado egípcio-aqueu ou hicso de Telchin/Telchis/Teucros/Telos Khyan o Souser-En-Re, o qual, este último, instituiu o Clã Telquino ou Egeu na região do Mar Egeu (que incluíam-se Creta, Rodes e Corfu, o chamado "Pequeno Egito" dos Síntio-vênedos). No Clã Serápico/Menfita, dentre as mais conhecidas linhagens, destacam-se: a Ptolomaica (também presente no Clã Amonita, famosa na antiguidade em decorrência da hereditariedade real que possuía na governança egípcia) e a Romana. É importante lembrar, sobretudo, que o Clã Menfita causou grande impacto no Judaísmo e/ou nas Ordens ocultistas pós-maçônicas. 

Enquanto adendo, é importante lembrar que o iniciado egípcio Moises ("Ms-sw" na língua egípcia
, e "Mousaios" na língua grega) ou Osarseph (reencarnação de Atlas, um dos reis da Atlântida; que reencarnou, depois, como Spartacus; como Abu Al-Qasim Muhammad; como Ioannes Batista; e como Johann Adam Weishaupt; atualmente reencarnado no Brasil), depois de receber Iniciação no Clã Menfita, aprendeu, também, a monoteísta religião Atonista do faraó Akhenaton e, a partir de seu impactante aprendizado obtido no Atonismo, obteve os "Dez Mandamentos de Yehowáh" no egípcio Monte Sinai (colina também santa para as Bruxas, por ter sido o local que, em tempos remotos, desceu dos céus o Deus Osiris/Dionysos à Hermes até a antiga Céltica/Cítia) e retornou à baixo desta montanha com dois chifres luminosos (de carneiro ou "cordeiro") na cabeça: tais mandamentos são, na real, um resumo modificado das "Quarenta e Duas Confissões de Maat", as chamadas antigas Leis da Bruxaria (de Hermes Trismegistos), também ensinadas na Bruxaria Medieval Pentárquica e que, por seu ensino entre as Bruxas e Iniciados egípcios, ficaram socioculturalmente famosas no Antigo Egito, e os próprios chifres luminosos são a conexão de poder com a sinfonia harmônica do cosmos, bem como é o motivo pelo qual o Deus Cornífero (ou, mais raramente, a Deusa e o Filho Divino) possui os Divinos Cornos ou Cornucópia, isto é, a sinfonia cósmica de conexão com o Astro Maior Sirius, a Lua e as Estrelas que se desperta na Iniciação e que se intensificam no decorrer do desenvolvimento mágico-espiritual. O Atonismo fora a primeira religião monoteísta co-fundada por Akhenaton na época do Império Novo Egípcio, cujo foco estava no culto à Aton/Atum/Adam o Prometheus como se este fosse "o próprio Deus" encarnado. Posteriormente, como Moises viveu no Egito, tornou-se adepto da religião Atonista por meio do faraó Tutankhamon, filho de Akhenaton com Kiya, onde a Arca de Tutankhamon — dedicada ao Gênio ou Anjo Apis — passou a ser vista como a "Arca da Aliança" e o próprio Aton/Atum era chamado na língua semítico-hebraica de "Adam" e sua sombra-esposa Tefnut/Pandora de "Heve", isto é, mitos religioso-culturais de uma origem comum. Além do mais, não apenas o Salmo 104 do Mikrá ou Tanakh Judaica e da Bíblia Cristã é cópia do atonista "Grande Hino à Aton", quanto o bíblico "Livro dos Provérbios" é plagio dos egípcio-bruxescos Ensinamentos de Amenemopet, obtidos, estes últimos, por meio do bruxo e rei Salomon no Egito (da mesma forma que os Salmos 93 e 29 constituem cópias distorcidas dos pagãos Hinos de Belenus, do Clã Adonista); sendo que a própria Bíblia atesta que Moises "aprendeu a sabedoria egípcia". Por fim, antes de Moises fugir para a terra que seria chamada de Jerusalém, levou consigo um exército de escravos oprimidos e leprosos em aliança com os antigos Povos Queneus ou Egípcio-aqueus ou Hicsos, os quais, assim como os antigos Egípcios e Romanos, reverenciavam o Altíssimo Uno ou Divindade Suprema Yah/Yahuh/Yahvh/Yaw (chamado de "Jove" ou "Iove" na grafia dos antigos pagãos romanos, bem como entre as Bruxas e Iniciados)
, dando origem ao culto Judaico/hebraico à Yahweh, apesar de esta divindade ser inegavelmente pagã. 

Quanto ao Clã Amonita da Bruxaria Clássica, é interessante lembrar que, quando ocorreu a instituição desta Fraternidade (anterior ao surgimento da religião Atonista), o seu alto-sacerdote incorporava o Deus de Chifres Osiris Apis, tornando-se conhecido como Serapis (o qual reencarnou, depois, como Numa Pompilius, instituidor dos Clãs Vestal, Sálio e Arval, e consecutivamente como Socrates, instituidor do Clã Platônico, e depois como Lucius Annaeus Seneca, Iniciado do Clã Mitraico). A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Isis e Osiris Apis/Agathos Daemon (como o Senhor do Espírito que produz os frutos sobre a terra, a força máscula de Agathe Tyche) e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para o Deus. Horus ou Harpocrates/Abrachaleus/Abraxas era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Criança do Silêncio. Tubalcain/Ptah era lembrado como arquiteto do mundo ou demiurgos e pai-irmão de Hormazd/Hermes/Thoth, a Fênix ou pássaro Bennu que fundara a Bruxaria no final da Atlântida. Os alto-sacerdotes do Clã Menfita ensinavam que "A ciência dos números [isto é, das essências genealógicas, também chamadas de homeomerias, os Daimones monádicos e seus Sub-daimones que estão presentes ocultamente em toda a natureza, e seus valores ou signos/assinaturas simbólicas equivalentes] e a arte da vontade são as duas chaves da Magia". A Lei de Retorno Tríplice, ensinada na modernidade pela Bruxaria, tanto pela antiga quanto pela moderna, era altamente comum seu ensino no Clã Menfita, assim como também nos Clãs Eleusino, Mitraico, etc. O Templo da corte/arca do Clã Menfita, em Alexandria, foi destruído pelos Cristãos, no tempo equivalente em que a dama Hypatia, Magistra do Clã Platônico em Alexandria, que foi assassinada por uma multidão descontrolada de Cristãos, o que levou, em 1843, Soldan e Heppe lembrarem de Hypatia, em 
"História dos Julgamentos de Bruxaria" ("History of the Witchcraft Trials"), como uma das primeiras Bruxas que foram perseguidas pelo Cristianismo. No decorrer do final da antiguidade, o Clã Menfita saiu do Egito e se reuniu com os demais Clãs da Bruxaria em Roma. 

Na transição entre a antiguidade tardia e a idade média, um menino chamado Cipriano de Antioquia, da Turquia, foi enviado por seus pais, aos sete anos de idade, à um Templo Artemisiano para venerar o Deus Apollon e a Deusa Artemis e aprender a Bruxaria, onde usou seus poderes de cura e, três anos mais tarde, foi levado para o Monte Olimpos da Grécia para participar de um rito sagrado; com vinte anos de idade, fora para o Egito para receber iniciação no antigo Clã Menfita e, com trinta anos de idade, viajou para a Caldeia para aprender a magia caldaica, conhecendo uma sacerdotisa célebre, a bruxa Yeborath ou Evora; Porém, em decorrência da fraqueza e da condição mortal que ainda subsistia em Cipriano, foi convertido pelos bispos e padres ao Cristianismo, cujos seus poderes miraculosos ganharam fama o suficiente na Europa para ser santificado como "São Cipriano" pela Igreja Católica, surgindo, na modernidade, livros ilícitos de feiticeiro e goétia que, com a propaganda supersticiosa Cristã anti-bruxesca, são erroneamente atribuídos à Cipriano, já que os Deuses antigos em que Cipriano adorava foram, por ele próprio, ao se tornar Cristão, taxados de "demônios". Também, o "Alfabeto Tebano das Bruxas publicado pela primeira vez por um bruxo disfarçado de monge beneditino, Johannes Trithemius, Magister reencarnado de Pythagoras no final da idade média e início do período do renascimento  tem origem neste Clã, que havia Templos em Tebas, e onde utilizava-se também o "Alfabeto Menfita", o qual trata-se de uma variação mais antiga do Alfabeto Tebano e com detalhes alternantes, que fora publicado pela primeira vez no final da idade média e início do período do renascimento sob o nome de "Alfabeto dos Magos". No início da modernidade, Napoléon Bonaparte (reencarnação de Alexandre o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano; de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; de Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e instituidor dos Cinco Clãs Medievais Pentárquicos; de Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano de Nação Germânica; e de São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo), conjuntamente aos bruxos Saint Germain Rakoczy e Alessandro di Cagliostro (acusado da prática ilegal da Bruxaria pela Igreja Católica), o Clã Menfita fora reavivado no Clã/Fraternidade de Mênfis-Misraim, que surgira em Nápoles na Itália e na França após a expedição napoleônica ao Egito e que fora exposta, mais tarde, por Giuliano Kremmerz o Ciro Formisano. Doreen Valiente fala que, entre as Bruxas, havia uma espécie de ciência cabalística; tal ciência cabalística, entretanto, não é exatamente a Cabalá judaica e, sim, um sistema greco-egípcio pagão, a Filosofia antiga.

A fundadora da Sociedade Teosófica ("Theosophical Society"), Helena Petrovna Blavatsky, em uma de suas vidas passadas no Egito Antigo, havia sido Bruxa ou Iniciada por um alto-sacerdote do Clã Menfita, Ptahhotep (reencarnado atualmente no Brasil), o qual, por corrupção perversa, aprisionou-a, assim como também Elisabeth Haich, e pôs tais damas ao seu serviço degenerado; dando origem, mais tarde, à visões espiritualistas irreais e equivocadas reproduzidas dentro de Ordens Ocultistas modernas, como as opiniões idolátricas que ocasionaram em "venerações de Gurus" e em descriteriosas canalizações de mensagens de quaisquer espíritos ou de um "Ashtar Sheran" (afamado como "ser de luz", quando se tratava de um feiticeiro ou malfeitor enganando) e a de que a magia sexual ou coito sacramental seria uma forma de "magia maléfica"; pois, no caso do coito mágico-alquímico, apenas pode vir a se caracterizar como magia maléfica quando há a excessividade ou libertinagem ou corrupção da sacralidade sexual, haja visto que a sacralidade sexual, quando vulgarizada ou tornada comum e desprovida de valor elevado, esta não produz o Elixir da Longa Vida e, em consequência, sua potência erótica e mágico-espiritual é diminuída, como diz o fráter e filósofo Basilius Valentinus: "É fato que as numerosas chuvas são prejudiciais aos frutos e que as secas excessivas não trazem nenhuma real perfeição". Ademais, as "Instruções de Ptahhotep" são armadilhas para esta mesma finalidade de aprisionamento que, movido por determinado ressentimento acerca da maldade dos mortais ou pessoas comuns, repete-a através de subterfúgios ou artimanhas; no entanto, os ensinamentos da Bruxaria são claros ao afirmar que, sem se purificar totalmente das coisas mortais e terrenas, não há nenhuma ascensão espiritual real; ao passo que, por outro lado, reconhece-se determinado mérito de Helena Petrovna Blavatsky ao revolucionar o Ocidente com a antiga sabedoria rosacruz ou teosofista – que chegou ao coração do Brasil, a Serra do Roncador, através de Percy Harrison Fawcett – e que, não obstante, fez tremer as bases arcônticas do fundamentalismo e da ignorância supersticiosa dos materialistas ou bárbaros e da Igreja Cristã, a começar pelo momento em que fora batizada que, em contraposição, a túnica do padre Cristão parcialmente pegou fogoNeste sentido, Helena Petrovna Blavatsky, por identificação com o conhecimento antigo da Bruxaria, estabeleceu relação com Henry Steel Olcott (vide: Clã Crotoniense e o tópico da galeria: "Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona e seu Conventículo de Nova Floresta"que, sendo restaurador da religião Budista, proporcionou-lhe auxílio.


- Mysteria Amonita ou Auréola, também conhecida como Mysteria Heliopolitana:
Período e local: Na Idade Antiga, na Síria, na região da atual Jordânia, em Karnak e, principalmente, em Heliópolis no Egito.
Descrição: Reconhecida pelas Leis Civis dos reis ou faraós e, às vezes, possuía poderio total sobre a nação. Dentre as linhagens mais conhecidas deste Clã, estão: a Egípcio-ptolomaica (também presente no Clã Menfita, a qual pertencia o sacerdote Pot Amum e as famílias reais do Antigo Egito costumavam ser iniciadas, tanto no Clã Amonita quanto no Clã Menfita ou Serápico), a Selêucida e a Midianita. A terminologia "Branca" ou "Álbica", enquanto um dos nomes em que o Clã Amonita era chamado, refere-se à um alquímico "pó branco" em que era empregado, tradicionalmente, pelos Iniciados deste Clã no desenvolvimento mágico-espiritual para aumento da visão no Pomo da Glabela. Foi a partir deste Clã que surgiram os primeiros 22 Arcanos Maiores do Tarô clássico, denominado, na linguagem bruxesca, por "Vinte e Duas Lâminas" ou "Vinte e Duas Placas" (vide o tópico da galeria: "Os 22 Arcanos Maiores do Tarô e a Bruxaria"). O Grande Imanifestável/Antiga Providência/Uno era chamado pelo nome de Zeus-Ammon e, como o Uno é impossível ser adorado em completude, era contemplado no silêncio e no mais íntimo do ser. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Isis e Osiris Behedet ou Baal Qarnayn/Apollon Karneios e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para o Deus Cornífero, enquanto manifestação ativa do Uno. O misterioso druida Molek Zedek, cujo significado é "Rei da Justiça" ou "Rei da Justiça de El" (mais tarde chamado de "Malkiy-Tzadeq", na língua hebraica), por sua condição de união ao estado pleromático do Filho Divino, era homenageado como tal e, não obstante, Zedek ou Zedekiel fora atribuído à um anjo atlante com parentesco à Tubalcain/Hephaistos/Ptah ou Misor. (Deve-se lembrar que, na religiosidade popular, os corruptos Moabitas e feiticeiros ou malfeitores da Jordânia — dentre eles adeptos da religião Iazdâni advindos da Caldeia, que o-chamavam de "Melek" — faziam sacrifícios de crianças em nome do Filho Divino Molek Zedek, o que levou, em consequência, à demonização de "Moloch" entre os Judeus, que dispensaram a terminologia "Zedek" por considerarem, com determinada razão, injustos os atos de matança humana realizada pelo povo bárbaro e ignorante em nome do Ser Divino que havia tanto tornado Abraham um Iniciado da Bruxaria quanto inspirado o bruxo Salomon durante o exílio dos Povos Hebreus na Babilônia, distinguindo a adoração bárbara de "Malkiy-Tzadeq" e associando-a à Satã, já que tais povos bárbaros, os Moabitas, haviam encontrado "na adoração de Molek Zedek" uma desculpa para concretizar práticas ilícitas de feiticeiros e matanças goéticas e que, não obstante, o próprio Abraham e os povos israelitas sentiram-se atraídos para tal sacrilégio, momento em que Zedekiel o impediu). Também, o escriba egípcio Ani, em determinada ocasião, escreveu:

"Vede, não está escrito neste pergaminho? Lede, vós que descobrirás nas eras futuras, se a Divindade lhe der o poder; Lede, criança do futuro, e aprenda os Mistérios do que é superior a tudo mais e que está tão distante de ti, ainda que, na realidade, esteja tão perto. Os homens não vivem apenas uma vez e depois desaparecem para sempre; vivem inúmeras existências em diferentes lugares, mas, nem sempre, neste mesmo mundo e, em meio a cada existência, há um véu de escuridão. Ao fim, as portas se abrirão e veremos todos os lugares que nossos pés percorreram desde o início dos tempos. Nossa religião nos ensina que vivemos para a eternidade. No entanto, como a eternidade não tem fim, não pode ter um começo, é um círculo. Consequentemente, se a unidade é verdadeira, isto é, vivemos eternamente, o contrário também deve ser verdadeiro, ou seja, sempre vivemos. Aos homens, a Divindade tem muitas faces e cada um jura que viu a verdade e a única Divindade. Mesmo que não seja assim, todas essas faces são apenas faces da Divindade. Nosso Ka, que é o nosso duplo, nos revela estas faces de diferentes maneiras. Das profundezas ilimitadas da fonte de sabedoria, que está oculta na essência de cada homem, percebemos grãos da verdade [chispas ou ideias], que conferem o poder para realizar coisas maravilhosas àqueles dentre nós que têm a sabedoria".

O alto-sacerdote Aesculapius ou Asclepios ou Imhotep, discípulo do velho Kheíron e filho de Coronis (a discípula da sacerdotisa Pleione, a qual instituiu o Clã Dodônide ao sair do egípcio Monte Nysa/Sinai para o grego Monte Cilene), foi adepto do Clã Amonita que ficou famoso no ofício da medicina e, entre os povos Cito-cimérios ou Celtas, tornou-se ilustre na prática da profecia através do Deus/Osiris. 
Os principais arquidruidas Magus ou Majestades e Rainhas das Bruxas, que regeram o Clã Amonita, foram: magus Payankh, magus Herihor, magus Pinedjem I (cujo seu Colar Honorário de Magus ainda sobrevive), magus Tyetkheperre Psusennes II (filho de Pinedjem I), magus Djedkhonsuefankh (filho de Pinedjem I), magus Menkheperre (filho de Pinedjem I), magus Nesbanebdjem II ou Smendes II (filho de Menkheperre), rainha Duathathor-Henuttawy (esposa de Pinedjem I), rainha Masaherta (filha de Pinedjem I e de Duathathor-Henuttawy), magus Pinedjem II (filho de Menkheperre),  magus Hedjkheperre Setepenre Shoshenq I, magus Iuput A (filho de Hedjkheperre Setepenre Shoshenq I), magus Shoshenq C (filho de Maatkare ou Mutemhat), magus Harsiese B (filho de Shoshenq C), rainha Maatkare ou Mutemhat (mãe de Shoshenq C), magus Iuwelot (irmão de Shoshenq C), magus Smendes III (irmão de Shoshenq C e de Iuwelot), magus Nimlot C, magus Hedjkheperre Setepenre Takelot II Si-Ese ou Takelot F (filho de Nimlot C), rainha Karomama Meritmut II (filha de Nimlot C e esposa de Takelot F), magus Usermaatre Setepenamun Osorkon III Si-Ese ou Osorkon B (filho de Takelot F e de Karomama Meritmut II), assim como, também, rainha Ahhotep (mãe de Asmose-Nefertari), rainha Ahmose-Nefertari (filha de Ahhotep e mãe de Ahmose-Meritamun e Ahmose-Sitamun), rainha Ahmose-Meritamun (filha de Ahmose-Nefertari), rainha Ahmose-Sitamun (a "Filha da Lua", que era filha de Ahmose-Nefertari), rainha Ahmose-Sitkamose, rainha Hatshepsut (madrasta de Tutmosis III e que, na modernidade, reencarnou no Brasil), rainha Neferure (filha de Hatshepsut), magus Tutmosis III (que, mais tarde, reencarnou como Pythagoras), rainha Iset (mãe de Tutmosis III), rainha Satiah (a "Filha da Lua", esposa de Tutmosis III), rainha Merytre-Hatshepsut (outra esposa de Tutmosis III), rainha Merytre-Hatshepsut (uma outra esposa de Tutmosis III), rainha Meritamon (filha de Tutmosis III com a rainha Merytre-Hatshepsut), magus Amenhotep II ou Amenophis II (filho de Tutmosis III que lutou contra os crimes dos feiticeiros núbios), rainha Tiaa, e os magus Horemheb, Wenamun, Nesamun I e  Meribast II. 

Também, Amenophis de Hapu, ao se tornar Magus deste Clã no Egito, ficou famoso por sua clarividência de que os leprosos e Judeus expulsos do Egito pelo faraó Akhenaton iriam se aliar aos outros povos (como os Hicsos) e destruir por definitivo o Egito (como a comoção de Hermes, em seus últimos dias atlantes, ao descobrir que os antigos Mistérios gradualmente desapareceriam da terra). O rei Salomon o Azizos/Azazel (que reencarnaria, posteriormente, como Alexandre III Magno, iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano; como Caius Iulius Caesar, iniciado do Clã Lupercal; como Flavius Claudius Iulianus, iniciado dos Clãs Eleusino e Platônico e instituidor dos Cinco Clãs Pentárquicos; como Carlos Magno, iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), que os povos hebreus prestavam honraria, era iniciado deste Clã, assim como, também, possuía iniciação no Clã Adonista. Outro Magus ainda, foi o filósofo Nectanebus II que, em determinada ocasião, aproximou-se de uma bruxa e feiticeira chamada Olympias (que possuía iniciação no Clã Cábiro e no Clã Dionisíaco), declarando que essa dama teria um filho consigo através do qual o Deus de Chifres Baal Qarnayn encarnaria ou incorporaria neste filho. Assim, tal filho, ao nascer, ganhou o nome de Alexandre III o Magno e, ao crescer, tornou-se Magister do Clã Amonita, adorando e servindo ao Deus Baal Qarnayn ou Osiris Behedet, enquanto manifestação da Divindade Suprema (Zeus-Ammon). Alexandre III, o Magno, passou à declarar ao povo que ele poderia ser adorado em teor igual à Baal Qarnayn, uma vez que ele próprio manifestava Baal Qarnayn/Osiris Behedet, tornando-se conhecido como "O Chifrudo" ou "Alexandre De Dois Chifres" ("Zhul-Qarnayn" ou "Dhul-Qarnayn" ou "Tre-Qarnayia"), como atesta o manuscrito eclesiástico "Romance de Alexandre" e o texto sagrado islamita "Alcorão". Além de que Alexandre III Magno
 ter criado a "Biblioteca de Alexandria", o centro de Filosofia ou Ocultismo na antiguidade. O termo "Zhul-Qarnayn" ou "Dhul-Qarnayn" ou "Tre-Qarnayia" é a origem do nome do Deus de Chifres na moderna Tradição Alexandrina, "Karnayana"


- Mysteria Sália:
Período e local: Na Idade Antiga, em Roma.
Descrição: Reconhecida pelas leis civis romanas. Este Clã teve origem com o rei Numa Pompilius (reencarnação de Serapis, do Clã Menfita ou Serápico, que também reencarnou, depois, como Socrates, do Clã Socrático-platônico, e como Lucius Annaeus Seneca, Iniciado do Clã Mitraico), apelidado "Salius". Dentro deste Clã, haviam duas linhagens principais: a Colina ou Agonal e a Palatina. As Bruxas e Iniciados de Linhagem Colina do Clã Sálio, operavam em uma montanha romana, a "Colina dos Sálios" ou "Collini-salii", e os Iniciados de Linhagem Palatina, operavam no Monte Palatino. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Anna Perenna/Ceres/Areatha e Quirinos ou Apollon Janus e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia mais para o Deus e, às vezes, mais para a Deusa. Fons/Phanes era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Grande Herói ou Criança do Silêncio. Tubalcain/Hephaestos era lembrado pelo título de "Mamurius Veturius" que, em contraposição ao corrupto Ares/Ahriman/Seth, era lembrado como Demiurgos ou Arquiteto do Mundo. No Sabá primaveril, dois lictores ou combatentes  um representando Ares/Ahriman/Seth em que atraia os maus espíritos e feiticeiros para dentro de si, e outro representando Enoch/Hermes/Hormazd  entravam em batalha, no intuito de que o Combatente do Bem (vide: "Benandanti" versus "Estriges") conseguisse capturar, com maior facilidade, as criaturas lupinas, demônios e malfeitores. Os Gêmeos ditos "Dioscuros" ou "Castor" ou "Cautes" ('Jovem Divino' ou 'Jovem') e "Pálicos" ou "Pollux" ou "Cautopates" ('Pequeno' ou 'Pequeno Ferido'), também comum nos antigos Clãs Eleusino, Cábiro, Metragirta, Telquino, Mitraico, Doliqueno, Dionisíaco, etc., eram lembrados pelos nomes de "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasus" ou "Eetion" (chamado na língua egípcia de Atum/Aton/Adam e, em grego, de Prometheus). O Clã possuía descendência até a família real de Alba Longa, assim como o Clã Vestal e o Clã Lupercal, quanto através da linhagem do Clã Cábiro. Os Bruxos ou Iniciados do Clã Sálio e do Clã Arval se responsabilizaram por trazer a "Pedra Negra" de Pesimonte (a "Petra Genetrix" ou "Omphalos", que representava o Caldeirão da Deusa ou Santo Graal, chamado simbolicamente de "Número do Cosmos"), da Anatólia ou de Troia, em favor da linhagem Coribante do Clã Metragirta e do Clã Vestal, para Roma. Os costumes remanescentes do Clã Sálio, na idade média, ficaram conhecidas mais tarde por "Calusari" (do romano "Collini-salii", a Colina dos Sálios ou Sálios de Linhagem Colina) e cuja adoração era prestada ao Deus e à uma Deusa "das fadas" chamada "Irodiada" (corruptela da Deusa Diana/Aredvi Anahita/Artemis/Arduinna, cuja sua peregrina ou enviada fora a donzela turco-tessaliana Hecate/Heket, a amante de Hermes Trismegistos entitulada Erodia que, na grafia medieval, fora chamada de "Herodias" ou Aradia/Arada, a primeira bruxa), e sua cavalaria ou milícia da mata, movimento de treinamento militar aos cavaleiros iniciados, se preservou em alguns costumes populares da Romênia. Os Bruxos "Calusari" se caracterizavam, principalmente, pelos saltos e pulos ritualísticos que davam na antiga dança espiral, o "Jogo de Troia", para trazer fertilidade aos campos e livrar os vilarejos da influência de maus espíritos. 


- Mysteria Duliciena ou Doliquena, também conhecida como Emesana:
Período e local: Na Idade Antiga, na Grécia, em Dólicos ou atual Caravola na Turquia, em Roma, na Holanda, nas Ilhas Britânicas e, principalmente, em Emesa na Síria.
Visão pública: Reconhecida popularmente em Dólicos ou atual Caravola na Turquia, em Roma e, também, em Emesa na Síria. O Clã Dulicieno possuía origem na Mysteria Amonita e/ou Mitraica. As principais linhagens deste Clã, eram: a Romana e a Sampsiceramida ou Sampsigerama (as quais, caracteristicamente, eram compostas, uma pela descendência imperial romana de Marcus Aurelius Antoninus Augustus, e outra, pela descendência real síria tradicional de Emesa ou atual Homs). Neste Clã, o Uno ou Divindade Suprema, assim como Zeus-Ammon no Clã Amonita, era denominado de Hammon ou Jupiter-Juno Dolichenus (isto é, de Doliche ou Dólicos, na atual Caravola na Turquia). A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Diana ou Isis/Astarte e Apollon/Baal ou Dionysos Aegobolos/Aelagabalus e seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia mais para o Deus de Chifres. Mitras/Lucifer era homenageado como o Filho Divino, também chamado de Filho da Prosperidade ou Filho da Luz, assim como Mitras/Lucifer no Clã Mitraico. Os Gêmeos Rivais, mais conhecidos como "Dioscuros('Jovem Divino') e "Palici" ('Pequeno'), também comum nos antigos Clãs Eleusino, Cábiro, Metragirta, Telquino, Mitraico, Dionisíaco, Sálio, etc., em que eram chamados por "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasus" ou "Eetion", chamado na língua egípcia de Atum/Aton e que ficou conhecido como Prometheus, sendo que, às vezes, também referidos por "Cautes" e "Cautopates", eram homenageados neste Clã pelos nomes de "Castor" e "Pollux". No final da antiguidade, foi para Roma, juntamente com outros Clãs da Bruxaria que restaram. O imperador romano Flavius Valerius Constantinus  ainda antes de rejeitar o Clã Doliqueno e de se converter ao Cristianismo — era Iniciado deste Clã, ao passo que seu sobrinho Flavius Claudius Iulianus (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre III o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano; e de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; que reencarnaria, mais tarde, como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica, e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola) era Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e que, através da honraria de "Divus Iulianus" (mais tarde estereotipado pelas superstições de que as Bruxas faziam pacto com o "Diabo"), reuniu todos os Clãs da Bruxaria que sobreviviam e instituiu, junto com o filósofo Flavius Sallustius, a Bruxaria Medieval Pentárquica.


- Mysteria Pitagórica ou Crotoniense, chamada, às vezes, de Mysteria Milesiana:
Período e local: Na Idade Antiga, em Crotona na Itália.
Descrição: Na Itália, não era reconhecida oficialmente pelas leis civis e seus ensinamentos despertaram a ira e a intolerância entre o povo comum, incorrendo à assassinatos aos membros do Clã. Teve origem com Pythagoras, um filósofo e alto-sacerdote Iniciado dos Clãs Eleusino, Órfico, Isíaco-osiriano, Cábiro, Menfita, Amonita, Zurvanita, etc., e seu Alto-sacerdote ou Magister foi o filósofo Abaris Hyperboreos ou Anacharsis. O Clã Pitagórico ou Crotoniense possuía poucas linhagens, como por exemplo: a Sâmia e a Romana. Deve-se lembrar que o Clã Pitagórico foi o primeiro Clã de Bruxas, juntamente com o Clã Platônico, a reincorporar a Filosofia ("afeição à sabedoria" obtida, não através do cientificismo, mas, sim, por meio da admiração da natureza que conduz à interrogação ou busca interior) dentro da Mitologia ("estudo das narrações simbólicas dos fatos"), para entendimento maior e compreensão mais refinada da origem dos Deuses e do cosmos, já que a mitologia naquela época estava em degradação em função das superstições e das interpretações equivocadamente literais e falsificadas, as quais tornavam os mitos meras fábulas recontadas ou prescrições impositivas. O historiador clássico Diogenes Laertius fala que a Filosofia — isto é, o estudo dos segredos da natureza e do cosmos e suas leis — data, sua origem, até o hierofante e arcanjo Hermes Trismegistos (o Fundador da Bruxaria ou "Mysteria") que, para os egípcios, era chamado de Thoth. Pythagoras, Socrates e Platon, ao contrário do que muitos pensadores modernos imaginam, não rejeitavam a Mitologia, como faziam os demagogos Sofistas, mas, sim, buscavam, os primeiros, diferenciar a mitologia alegórica, que visa através de narrações simbólicas transmitir antigos conhecimentos, da mitologia supersticiosa, a qual torna as pessoas ignorantes e encoraja-as a agir irracionalmente de forma mecânica. Nos Clãs da Bruxaria ensinava-se que toda Bruxa ou Iniciado deveria trilhar o caminho da "Rosa" (que, no Clã Cábiro, era de oito pétalas), isto é, do equilíbrio (que os orientais o chamam de "caminho do meio" ou "nobre caminho óctuplo"), localizado no Pomo Cardíaco, o qual proporciona o desenvolvimento da sensibilidade mágico-espiritual em que discerne entre a presença ou não da luz oculta, captada apenas pelos sensitivos e, portanto, Pythagoras falava: "Não creias em tudo, nem de tudo duvides. Pois, a Luz da Verdade, brilha e reside na Justa Medida e no Meio-termo".

O Clã Pitagórico mantinha, além dos Graus Iniciáticos, um ante-grau ou período pré-iniciático para o estudo dos ensinamentos por parte dos aprendizes ou neófitos, os Acusmáticos, antes de receber a Iniciação propriamente dita (este período constitui a "noite escura da alma" ou período pré-iniciático do Nigredo e que, na Bruxaria Medieval, nem sempre foi mantido, embora seja considerado um tanto pertinente aos conventiculares ou aprendizes que desejam receber uma base sólida da religião), que constitui-se em um círculo externo (exotérico) de estudos sob a direção do Magister ou da Magistra. Um Bruxo ou Iniciado, isto é, que havia conquistado um Grau da Bruxaria, era chamado de "Matemático" (que significa 'Conhecedor da Sabedoria' ou 'Sábio dos Mistérios'), ao passo que um Bruxo que havia conquistado dois graus era referido como "Sebástico" ou "Sebastos" (ou "Epopta" no Clã Eleusino e "Baptes" no Clã Órfico) e, por fim, um Bruxo ou Iniciado que havia conquistado os Três Graus era designado de "Epifânio", que corresponde à mesma estrutura dos demais Clãs da Bruxaria, em que, depois de um Ante-Grau de estudo, há Três Graus Iniciáticos de escalada. Os alto-sacerdotes do Clã Pitagórico ensinavam que tudo no cosmos é número, ou seja, todas as coisas são essências genealógico-simbólicas que permite uma correlação (vide: Lei Hermética de Correspondência, também ensinada na Bruxaria Medieval) e que, o bruxo que aprender os números ou essências genealógico-simbólicas de cada elemento da natureza, podem interagirem-se mutuamente. O termo "Número" deriva da palavra grega "Nooúmenon", que significa "Lua Nova" ou "Luz Oculta" ("Noumenia"), que trata-se dos Daimones monádicos e seus Sub-daimones numerais que, como sementes ocultas na natureza, constituem a essência genealógica de todo ser vivo ou elemento cósmico e seu valor simbólico equivalentes. Pytagoras ensinava entre os seus iniciados que: 
"Enquanto Leis forem necessárias, os mortais não estarão capacitados para a liberdade", além de ter aprendido o conselho da sacerdotisa de Delfos, Themistoclea, que declarava: "Advirto-te, seja quem fores! Tu, que desejas conhecer os Mistérios da natureza! Se não encontrares dentro de ti mesmo o que procuras, tampouco poderás encontrar fora. Se ignora as excelências de tua própria casa, como pretendes encontrar outras excelências? Em ti está oculto o Tesouro dos Tesouros! Conhece a ti mesmo e conhecerás o universo e os Deuses". 

O Clã Pitagórico possuía três templos em Crotona: um dedicado ao Deus Apollon, outro dedicado à Deusa Demeter e, um terceiro, dedicado às Musas ou Mênades, isto é, almas de imortais que inspiram a sabedoria do Mundo Inteligível e a eloquência do Mundo Sensorial (geralmente associadas ao Deus Duo Cornífero na face de Dionysos, àquelas que inspiram a euforia, ou na face de Apollon, àquelas que inspiram a sabedoria: ou seja, dois ritmos alquímicos, a anábase ou ascensão e a catábase ou descensão, que constituem todo movimento cósmico). Os conceitos ritualísticos da Bruxaria, como os Quatro Elementos da Natureza (terra, fogo, ar, água) e o Éter ou Dínamo/Quintessência, vem dos sábios e sacerdotes da Mysteria Pitagórica, Platônica, Órfica, etc, como Parmenides de Ameinias, Pherekydes de Siro, Hermodamas, Socrates, Archytas, Hierocles de Alexandria (assassinado pelos Cristãos), Empedokles, Philolaus, Archytas, Eudoxus, Apollonios de Tiana (cuja sua discípula romana Julia Domna, com descendência até a Linhagem Sampsigerama do Clã Dulicieno, encomendou à Lucius Flavius Philostratus a obra "Vida de Apollonios de Tiana"), Numenius, Platon, Philolaos, Publius Nigidius Figulus, Pythagoras, Xenophilus, Diodorus de Aspendos o Stratonicus, Epicharmus Comicus, Nicomachus, Lysis, Alkmaeon e Sotion, possivelmente já conhecidos entre os sacerdotes egípcios e caldeus. Pythagoras e seus Iniciados, da mesma forma que o Clã Platônico, ensinavam sobre as sementes elementares, as quais estão combinadas aos cinco elementos e desdobram os conjuntos numerais de daimones em que toda a natureza é ligada até os Deuses e o Uno, formando a Grande Teia do cosmos. Em ambos os Clãs da Bruxaria clássica, fazia-se tanto uso de Alta Magia ou Teurgia quanto de Baixa Magia ou Magia Natural (associadas à Grande Obra e à Pequena Obra), bem como ensinava-se de forma ilustre no Clã Pitagórico, no Clã Menfita e no Clã Platônico. No caso do Clã Pitagórico, assim como no Clã Artemisiano, fazia-se maior uso do sistema filosófico pagão, denominado como "Árvore da Lua" e sua Linguagem Prateada, cujas fórmulas mágicas geralmente eram chamadas de Evocações Místicas ("Voces Mysticaes") ou Gramática Encantatória ("Ephesia Grammata"). Pythagoras, por sua vez, era natural de Samos, da Grécia Antiga e, antes de nascer, segundo Iamblicus, seus pais foram até uma sibila do Oráculo de Delfos, a qual disse: 

“Todos os Deuses do Olimpos percebem o grande amor que vos une e comunicam-me que, como fruto desse amor abençoado, nascerá um menino que reunirá a beleza de Adonis, a força de Hercules e a sabedoria de Zeus. Seu nome será lembrado através dos séculos e dos milênios e seus conhecimentos serão úteis a todos os mortais, em todas as eras. Seu nome será Pythagoras, o eleito de Apollon Python! Tu, Mnesarkus [o pai de Pythagoras], providenciarás para teu filho a mais refinada educação e os mais renomados Mestres, tendo sempre em mente que, se os gregos possuem a ciência dos homens, é no Egito e na Índia que se encontra a Ciência dos Deuses. É, pois, para estes dois países que deverão encaminhá-lo, quando soar a hora [neste sentido, Pythagoras, ao crescer, viajou por todas as províncias em que os Clãs da "Mysteria" ou Arte dos Sábios continuavam vivos: do Clã Dionisíaco ao Clã Cábiro, da Ilha da Samotrácia ao Egito]. Lembra-te também de que, quando a criança completar seu primeiro ano de vida, deverás trazê-la novamente a este templo, para que o próprio Deus Apollon possa batizá-la com fogo [não obstante, ao completar um ano de idade, Pythagoras foi levado novamente até a sibila, a qual batizou com fogo e, posteriormente, sua mãe notou a marca do Deus Apollon na coxa esquerda de Pythagoras, como Hermes Trismegistos]. Tu, Parthemis [a mãe de Pythagoras], educarás teu filho na prudência e na equidade, no zelo e na constância, no amor e na caridade e, antes que a criança nasça, mudarás o teu nome, de Parthemis para Pythia. O mundo conhecerá teu filho pelo nome de Pythagoras, pois este será seu nome profano, entretanto, como todos os escolhidos e enviados dos Deuses, ele terá também um nome misterioso, que somente três pessoas conhecerão: ele mesmo e vocês dois, aproximai-vos para ouvir.” (IAMBLICUS).

Além disso, autores da antiguidade tardia, como Hippolytus (170-235 d.e.c.), descrevem que: "E os Druidas haviam recebido instrução de um discípulo de Pythagoras, Zamolxis, um trácio que fora servo do grande filósofo grego. Após a morte do mestre, Zamolxis fora ao país dos celtas ensinar sua filosofia. Os celtas consideram-nos profetas e videntes em razão de lhes predizerem certos eventos futuros por meio de cálculos e números, conforme a Arte Pitagórica, a respeito de cujos métodos não ficaremos em silêncio, uma vez que alguns neles encontraram inspiração para heresias; os Druidas, no entanto, recorrem também a ritos mágicos" (PHILOSOFHÚMENA, p. 22). Também, o erudito Lucius Cornelius Alexander, escravizado pelo Império Romano, disse que: "A doutrina de Pythagoras prevalece entre os ensinos dos gauleses" (LUCIUS CORNELIUS ALEXANDER, o Polímata). Ademais, o historiador grego Diodorus Siculus, afirmou que os Druidas seguem: "[...] a doutrina de Pythagoras". Também, o historiador romano Amiano Marcelino, declarou que: “[...] os Druidas, homens dos mais refinados dotes, como a autoridade de Pythagoras atestou, entregavam-se à mais completa contemplação do divino e das coisas ocultas, desprezando os gozos terrenos, e afirmavam serem as almas dos homens, imortais” (LIVROS DE AMIANO MARCELINO; Roma Imperial de Julianus). Os historiadores e estudiosos atestam que os Druidas somente apareceram depois da data de 300 a.e.c., momento consecutivo à vida de Pythagoras. Herodotus conta que, tempo depois da vida de Pythagoras, antes de o rei persa Darius I chegar ao Danúbio, as primeiras pessoas que Darius I encontrou foram os Getas, os quais ensinaram que seus espíritos "nunca morrem". Diodorus da Sicília fala que: “Por várias vezes, quando exércitos se aproximavam mutuamente no campo de batalha, com as suas espadas desembainhadas e as suas lanças erguidas para o ataque, estes homens [os Druidas] avançavam entre eles e cessavam o conflito como se tivessem encantado alguma espécie de animais selvagens. Assim, mesmo entre os mais selvagens bárbaros, a fúria rendia-se ante a sabedoria, e Ares prestava homenagem às Musas…”

Entretanto, Pythagoras tinha como Magister ou Alto-sacerdote Abaris Hyperboreos ou Anacharsis, Iniciado do Clã Órfico/Sabático da Trácia, que ficou famoso na antiguidade por voar magicamente pelos ares através de uma lança com poderes mágicos e por sua origem hiperbórea, isto é, era descendente dos antigos Povos Celtas ou Cito-cimérios da região do norte da Trácia conhecida como "Hiperbórea". Como diz Robert Graves, Pythagoras ensinava uma versão de Beth-Luis-Nion, o Alfabeto das Árvores, também utilizado na idade média pelos Cristãos da Igreja Católica Céltica (ou Culdee) nas Ilhas Britânicas e que, como demonstram as pesquisas arqueológicas, tal alfabeto está ligado à região geográfica do Mar Negro ao Mar Cáspio. Desta forma, compreendendo que Pythagoras foi quem cunhou o termo "Filosofia", Diogenes Laertius fala que: "Alguns dizem que o estudo da Filosofia se originou com os bárbaros. Entre os persas, existiam os Magos; entre os babilônicos ou assírios, os Caldeus; entre os indianos, os Gimnosofistas; e entre os celtas e gauleses, foram chamados de Druidas e Samnitas, como Aristoteles se refere em seu livro sobre Magia, e Sotion no vigésimo terceiro livro de sua sucessão de Filósofos ", isto é, se a Filosofia ou estudo das leis ocultas do cosmos nasceu entre os sacerdotes de povos bárbaros não-gregos ou pré-helênicos, tal como os Caldeus, os Gimnosofistas, os Magos ou Masságetas/Magoguitas/Magiares, os Samnitas, os Druidas e outras classes sacerdotais, sugere-se que o trácio Abaris Hyperboreos ou Anacharsis tenha ensinado Pythagoras e, como no período da vida de Pythagoras os Povos Getas ou Dácios da Trácia estabeleceram contato econômico e cultural com os gregos (pois, Herodotus declara que os "Citas" ou "Cimérios" estavam relacionados aos povos da Trácia, como os Getas ou Dácios, visto que os Povos Celtas incluindo os da Germânia referiam-se entre si como "Cimbri" e "Cymry"); enquanto que, Zamolxis, sugere-se que tenha sido uma corruptela ao profeta trácio e sacerdote do Deus Shamash ou Apollon e que, assim como Pythagoras, viajou pelas antigas províncias pré-helênicas pelásgicas, egípcias e sírias onde os Clãs da Bruxaria ainda restavam e, em consequência, instituiu o Clã Órfico ou Sabático/Zamolxiano, isto é, era ninguém mais que o adivinho Aristeas/Aristaios Epimenides ou Orpheus que, sendo Abaris Hyperboreos ou Anacharsis adepto do Clã Órfico, ensinou Pythagoras. 

No Clã Pitagórico, a Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Cybele/Rhea ou Diana e Dionizius ou Apollon e seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia mais para a Grande Mãe. Hermes Trismegistos/Thoth era honrado como um dos primeiros hierofantes da Arte dos Sábios que, com o adoecimento de seu pai-irmão "Poimandres" o Dragão, fundou a Bruxaria ou Arte dos Sábios, tornando-se um ilustre arcanjo 
(É pertinente lembrar que "Anjos" era a denominação pagã bruxesca para os seres Vigilantes, também utilizada por vários autores em tempos pré-cristãos, tal como Platon; Afinal, o verdadeiro nome Cristão para esses seres é "Malach", essa confusão se deu com as traduções da Bíblia para o latim e grego). Com as guerras regionais que existiam na Itália, os políticos de Crotona, invejando a influência política do Clã Pitagórico, organizaram uma revolta popular, onde motivaram o povo a rebelarem-se contra o Clã de Crotona e expulsar Pythagoras juntamente com seus Iniciados, condenando-os em função do poder que possuía sua irmandade, o que representava uma ameaça ao Estado que o colocou fogo nos templos do Clã Pitagórico em Crotona. Trophonios, de Livadeia, era iniciado do Clã Pitagórico que liderava um Templo na Beócia. Haviam conventículos pitagóricos por toda a Itália, os quais tinham sede na oculta e subterrânea Basílica de Porta Maggiore, próximo à Via Praenestina, em Roma, onde ficava secretamente o Magus ou Majestade do Clã Pitagórico e cuja família romana Statilius era adepta e, após o chefe desta família Titus Statilius Taurus de Valeria ser perseguido pelo Senado Romano, com as acusações levantadas de que a família praticava "magia negra" ou "magia" (vista como sendo "malefício" ou "feitiço" na época), este cometeu suicídio para não ser condenado ou assassinado pelo Império Romano (como atestam as descobertas arqueológicas). Em "Vida de Pythagoras", Taylor diz: 

“Dado que Pythagoras, como Iamblicus, nos informa [...] era Iniciado em todos os Mistérios de Biblos e de Tiro, nas operações sagradas dos sírios e nos Mistérios dos fenícios, e também [...] havia passado 22 anos nos Áditos
 [a Casa dos Senhores, ‘House of Lords’ em inglês ou ‘Anaktoron’] dos Templos do Egito, reunido com os Magos da Babilônia, e que fora instruído por eles em seu venerável conhecimento – não é nada surpreendente que ele fosse muito versado em Magia ou Teurgia, e fosse capaz de fazer que ultrapassam o mero poder humano e que parecem ser absolutamente incríveis ao vulgo” (TAYLOR, T; “Vida de Pythagoras”). 

Um dos maiores símbolos utilizados pelos Sábios Pitagóricos era a "Tétrade", conhecida na Bruxaria Medieval como "Triângulo de Manifestação", que constitui-se de um alfa (símbolo grego em forma de "A"), abaixo dois alfas, abaixo três alfas e abaixo quatro alfas, formando um grande triângulo utilizado em manifestações teúrgicas ou manifestações dos Deuses nos corpos dos Magisteres; A simbologia deste grande triângulo é que, o primeiro alfa, representa o Uno ou Grande Imanifestável (o Incognoscível Agnostos Theos, cujo seu Vigésimo Quarto Arcano é Zeus/Jove/Yahuh/Yahvh); os dois alfas abaixo, o Deus Duo Cornífero (Apollon Karneios/Paion ou Dionysos); os três alfas abaixo, a Deusa Tripla (Diana ou Ariadna/Isis ou Rhea); e os quatro alfas abaixo, o Filho Divino, também chamado de Grande Herói (Lucifer/Mitras ou Adonis/Attis ou Phanes/Phanos ou Horus/Harpocrates). Literalmente: 1, 2, 3 e 4 somam-se 10, o grande "Número do Cosmos", que também é a soma total dos pontos-de-conjunção do pentagrama ou marca-da-bruxa; Então, traça-se o grande zero ou círculo ("0"), símbolo geométrico do Atíssimo Uno ou Grande Imanifestável, cuja característica é a ausência de pontos, com seus signos equivalentes e coloca-se o grande um ("1") verticalizado ao meio, simbolizando o falo do Deus Duo Cornífero ou do Triunfo (Apollon Karneios/Carnonos/Paion ou Dionysos/Osiris Bakha), por conter dois pontos correspondentes, e adiciona-se o grande alfa ou triângulo ("A") em cima, que simboliza a Deusa Tripla ou Lunar, já que possui três pontos de equivalência, formando o símbolo chamado Triângulo de Manifestação ou Tétrade ou, ainda, Estrófalo de Hecate (o Delta de Erodia/Aradia, a Primeira Bruxa e amante de Hermes, o Fundador da Bruxaria; a diferença entre o Strophalos/Estófalo de Hecate e a Tétrade propriamente dita é que, o primeiro, não possui o "1" ou um verticalizado em que é o falo do Deus Cornífero, pelo fato de o Estrófalo se tratar do símbolo da Deusa; ao passo que a Tétrade, é o total símbolo cósmico, tanto da Deusa como do Deus), e que, por sua vez, simboliza o movimento cósmico de criação da vida. Assim, adiciona-se um alfa em cada extremidade da Tétrade ou Triângulo de Manifestação para representar a Sacralidade Cósmica ou Grande Mistério e obtêm-se a soma 13, o chamado "Símbolo da Bruxa" ou "Número da Bruxa" e este era gravado, em romano, no altar do Círculo Mágico da Bruxaria, tanto na Clássica quanto na Medieval. A numerologia dos alfas ou esferas do Triângulo de Manifestação (que, por sua vez, estão ligadas às letras do antigo Alfabeto pré-helênico Pelásgico), é delineada pela "Cimaruta" ou Ramo de Arruda: após a máxima esfera, que é a base circular única, expande-se o "1" ou um (símbolo do Falo) em dois (número do Deus Duo Cornífero), em seguida o "2" ou dois (símbolo do Graal) subdivide-se em três (número da Deusa Tripla Estelar) e, por fim, o "3" ou três (símbolo da Cruz Fenícia, o "Tau", cujo número grego é "300" ou trezentos, conjunto à 
"Rho" em que o número é "100" ou cem, surge o termo "Stauros", a Estaca do Filho Divino Tammuz, com a adição "Phallós" no sentido de "germe ou origem da vida": o "Strophalos" ou extensivamente "Cruz Fálica" cujo Uno ou unidade, depois de dotar o Deus Duo, deve se manifestar na Tríade ou criatividade, a Deusa Tripla, para gerar o Filho Divino Lucifer em que é enviado ao mundo) forma o quatro (número do Filho Divino) genealogia atômica, as quais formam a imagem de um Pinheiro e a Lua Cheia ou "Árvore da Lua" com o Reflexo de Sirius e, constituindo o Delta da Arte, produzem a prosperidade desejada (simbolizada pelo Cálice ou Crescente, Estrela ou Rosa, Báculo ou Chave, e Athame ou Punhal) em toda simpatia ou encantamento, na prática de magia. 

O famoso "Teorema de Pythagoras" é nada mais que a descrição numérica dos princípios filosóficos (que Johannes Kepler, filho da bruxa Katharina Kepler, chamou de "empacotamento das esferas") da Tétrade ou Triângulo de Manifestação: a Díade (o quadrado menor dito Cateto), a Tríade (o quadrado médio dito Cateto) e o Quarteto (o quadrado maior dito Hipotenusa), respectivamente o Deus Duo Cornífero, a Deusa Tripla Estelar e o Filho Divino da Arte desabrochando, em forma de espiral ou "Pi", do Uno ou Grande Imanifestável (representado numericamente, este, pelo Triângulo Retângulo ao centro ou núcleo), onde a manifestação divina ou movimento de criação da vida ocorre, sendo que, para que possamos nos religar aos Deuses, iniciamos do mais próximo de nós para chegarmos ao mais distante; portanto, 4, 3 e 2 é a fundamental ordem de imanifestação
, números que, por sua vez, constituem a frequência, em hertz, da Música das Esferas ou Magia, vibração da harmonia cósmica almejada. Por estes motivos apontados, a soma numerológica dos dois Catetos é igual à Hipotenusa, ou seja, esotericamente é através da união da Deusa e do Deus (os Catetos, "Káthetos" do Grego, "descido ou desdobrado") é que reproduz o Filho Divino (Hipotenusa, "Hypotenousa" do Grego, "debaixo ou mais abaixado"), o qual, portanto, possui as essências do Deus e da Deusa combinadas em si mesmo, sendo que os nove triângulos  as Enéadas  que se formam dentro da Tétrade ou Triângulo de Manifestação, quando ligados os pontos-de-conjunção interna entre si, formam três triângulos diferentes entre si: um dos triângulos, proporcionalmente maior, constitui um Tríscele (símbolo bruxesco do Deus, da Deusa e do Filho Divino, enquanto manifestação trina do Uno que dá origem ao Múltiplo, representando, assim, a mais nobre harmonia criativa), cujo valor numérico é um mais três, que simboliza a potência e a criatividade, logo a pureza e a multiplicidade; ao passo que os dois demais triângulos, que são menores, apontam: o direito (símbolo do Od unido ao Uno), para o lado esquerdo, e o esquerdo (símbolo do Ob unido ao Uno), para o lado direito; constituindo o Hexáscele do Estrófalo ou o Hexagrama (símbolo bruxesco do Deus e da Deusa e/ou do Od e do Ob que, como atestam as descobertas arqueológicas de Chipre, era usado nos templos dos antigos Clãs da Bruxaria), cujo valor numérico é três mais três, que simboliza o equilíbrio ou ordem cósmica, logo a verdade, a justiça e a coragem; totalizando a soma 13, o "Símbolo da Bruxa" ou "Número da Bruxa", o qual era marcado, em forma estilizada em romano, no altar do Círculo Mágico da Bruxaria, tanto Clássica quanto Medieval. 
O Triângulo de Manifestação ou Tétrade ou Estrófalo de Hecate não somente é utilizado na Bruxaria Medieval e na Bruxaria Clássica, quanto também é usado na Tradição Gardneriana e em outros Clãs modernos e/ou tradicionais da Bruxaria.


O sistema da Tétrade ou Triângulo de Manifestação foi chamado de "Pirâmide" e sua ciência, de "Filosofia" (tradução feita por Pythagoras à ciência dos Templos egípcios em que era mantida na primal seção reflexiva do Cubículo/Covil/Capela que, na língua céltica e greco-romana antiga, similar à alegação de Fulcanelli, é dita "Kobil" ou "Kybelis" ou "Cubïle", sobrevivente em dialeto tâmil e cujo significado é "casa da divindade" e que, não obstante, fora descrita em Alexandria como "Theosophia" e, mais tarde, "Kybalion", ao explicar o sentido poético-esotérico dos mitos), que constituía-se a interligada Enéada dos Saberes Trívios, como a 1) Lógica ou Logosofia, o saber receptivo-superior do Plano "Máximo" ou Real que se manifesta em Coagulação no Pomo Coronário; a 2) Gramática ou Vidência, o saber inteligível do Plano Heroico (às vezes chamado equivocadamente de "Divino") que se manifesta em Destilação no Pomo Frontal; e 3) a Retórica ou Encantamento, o saber assimilativo-oratório do Plano Espiritual que se manifesta em Fermentação no Pomo Laríngeo; e também dos Saberes Quadrívios, como a 4) Magia ou Música das Esferas, o saber harmônico-voluntário do Plano Mental que se manifesta em Conjunção no Pomo Cardíaco (o qual, por reunir todos os demais saberes da Filosofia à sua volta, trata-se do principal saber que promove o desabrochar da "Flor de Lótus" ou "Flor da Vidaou "Rosa", também chamada de "Flor dos Alpesou "Fiore delle Alpi" e de "Rosa Rodiensee de "Rosa Carolíngia" que, como uma teia, pode sintetizar todo o sistema da Filosofia e o da Cabalá); a 5) Astrologia ou Astronomia, o saber anímico-vibratório do Plano Astral que se manifesta em Separação no Pomo do Abdômen Superior; a 6) Numerologia ou Ontologia Atômica, o saber nuclear do Plano Elemental que se manifesta em Dissolução no Pomo Umbilical ou Sexual (vide: "Omphalos", o Umbigo do Mundo ou "Benben", ou Pedra Negra de Pesimonte ou "Petra Genetrix", ou Caldeirão da Deusa ou Santo Graal, que é o "Número do Cosmos"); e 7) a Geometria ou Direito, o saber impulsivo do Plano Físico que se manifesta em Calcinação no Pomo Básico ou Serpentino; que são, tais Saberes, intermediados pela Alquimia ou Metalurgia ou Siderurgia (que, devido à influência dos povos pré-helênicos, legou as grafias populares "Seidr" ou "Sideros" e "Siddhar" em línguas huno-germânica e indiana, assim como "Sadeh" em iraniano), o saber régio-serpentino do Pomo do Poder ou Estomacal ou Oitavo Pomo (o qual se liga ao mencionado Pomo Básico ou Serpentino), e pela Física antiga/quântica ou Metafísica ou Naturologia, o saber mnemônico-germinativo do Pomo da Nuca Superior ou Nono Pomo, o qual inicia o "Aur" ou Ouro do Caduceu (que, em função de que pode produzir tanto Néctar ou Ambrosia dos Deuses como Toxina ou Veneno, possui o poder de trazer a Longa Vida, de controlar a necessidade fisiológica alimentar e de prosperar a sublime Justiça, com a subida da serpente Ladon; por isso um "Físicono passado era visto como um estudioso da natureza), que ensinou Hermes para o despertar da consciência mágico-espiritual e, assim, obter a ascensão alquímico-espiritual das serpentes feminina e masculina.

Desta forma, os Saberes Trívios (Retórica ou Encantamento, Gramática ou Vidência e Lógica ou Logosofia), enquanto aspectos de manifestação inteligível da Filosofia Original ou Teosofia, manifestam-se no inferior ou sensorial como Saberes Quadrívios (Música das Esferas ou Magia, Astronomia ou Astrologia, Numerologia ou Ontologia Atômica e Geometria ou Direito) e, em ordem contrária para retorno à origem, estão associados ao período pré-iniciático de "noite escura da alma" ou nigredo: a Marcenaria ou Maçonaria (em que ocorre a reflexão intensiva e o estudo de geometria); aos Três Graus Iniciáticos da Bruxaria: Bardaria, Sibilaria e Druidaria; e às Três Comendas Principais: Encargo Negro/Azul, Encargo Vermelho e Magistério ou Alto-sacerdócio. Os Pomos são os frutos do "Jardim de Ladon" (conhecido como "Jardim de Edom" por Moises ao se tornar adepto da religião Atonista, a qual foi influenciada pelos Clãs bruxescos do Egito) que, quando produzidos pelas pessoas comuns ou mortais, torna o Jardim Ladônide possuído por hespérides e decaídos e a serpente Ladon é levada à queda e prisão; ao passo que tais frutos, quando produzidos pelos Sábios ou Bruxas, são ressuscitados e se reconvertem alquimicamente em Maçãs Douradas ou Pomos de Ouro (
"Poma Aurea", no Latim). Assim, para que se possa produzir as Maçãs Douradas dentro do Jardim de Ladon, isto é, dentro do Jardim cuja serpente ou Ladon esteja liberta de prisão e em posição luminal ou luciférica, é necessário que, através de saberes filosóficos como a magia ou música das esferas, tornem-se Sábios ou Bruxas; em outras palavras, é preciso que seja atravessado o grande rio ou pântano do Estige — ou seja, o plano mental, para se purificar das formas inferiores e terrenas — para, somente então, chegar à "Ilha dos Bem-aventurados" ou "Campos Elíseos", o essencial reino de verão da juventude eterna e da beatitude ou felicidade (a poética "Ilha de Avalon"), que é o objetivo ou projeto pelo qual Hermes Trismegistos fundou a Bruxaria. Portanto, é incumbência da autêntica Iniciação bruxesca o atravessamento argonâutico do rio ou pântano Estige no Batismo de Água (e de Ar e de Fogo) para obter o Velocino Dourado do Elmo Cornígero ("Caput Galeatum" ou "Chrysómallon Deras" que, segundo os mitos bruxescos, deveria ser alcançado no alto da Árvore de Maçãs ou Carvalho por meio da porfirogeneta ou linhagem real do roxo, na Roma Antiga), pois, apenas desta forma, a Bruxa ou Iniciado pode se purificar das coisas inferiores, depois de receber sua força sensorial; por este motivo ensinava-se na Bruxaria Clássica que, caso uma pessoa não for Iniciada, esta não poderá entrar nos Campos Elíseos ou Ilha dos Bem-aventurados, haja visto que ainda não percorreu este caminho e, consequentemente, a morte o levará brutalmente para realizar este percurso, mas, no entanto, sem conhecimento e experiência nos planos sobrenaturais ou sutis a pessoa cairá no estado de Tártaro ou Inferno. 


A Iniciação na Bruxaria possui como principal importância assegurar que a pessoa – que transcendeu sua natureza de mortal e se tornou Bruxa ou Iniciado – possa adentrar nos Campos Elíseos ou Ilha dos Bem-aventurados (conhecida, às vezes, como Terra de Verão da Juventude Eterna), isto é, para que possa ter uma boa desencarnação e não mais morrer; caso contrário, a ordem cósmica e divina o levará para o estado tartáreo ou infernal e, no despertar, a alma ou eu personalístico, em decorrência de seu possível desajuste à lei de justiça, será lançado para o próprio Tártaro ou Inferno, ao invés de se unir ao espírito ou eu monádico. Nesta escalada de progressão, é fundamental que as Bruxas ou Iniciados aprendam os saberes da Filosofia ou Ciência dos Deuses, ambos ensinados pelos Clãs Pitagórico, Platônico, Mitraico e por outros Clãs bruxescos da antiguidade que eram mais tradicionais (que deram origem à Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda). Deve-se levar em consideração que os Saberes Quadrívios, juntamente com o Quaternário Hermético (Saber, Querer, Ousar e Calar), compõem a greco-egípcia Linguagem Prateada, o encantamento dionisíaco "Io Evoeh" (que, na língua egípcia original, havia uma pequena variação gráfica), cuja origem etimológico-linguística advém"Iode Iu-piter, o nome pagão latino ou egípcio da Divindade Única e Suprema ou Altíssimo Uno Zeus/Zurvan/Jove/Yah/
Yaw/Yahuh/Yahvh (o protótipo pagão do hebraico Yehowáh/Yahveh/Javeh); "E-de Heh/Apollon, o nome pagão greco-egípcio do Deus primário ou Deus fálico manifestado; "-Vo-de Hauhet ou Aset-Nuit/Isis-Rhea, o nome pagão egípcio da Deusa manifestada e companheira de Heh, visto que as letras "u" e "v" e "w" em determinadas grafias, como egípcia e latina, nem sempre se distinguem; e "-Ehde Hw/Hu/Heos-phoros, o nome pagão egípcio-caldaico e arábico-hebraico do Filho Divino Lucifer, enquanto Logos ou Verbo/Palavra de manifestação (utilizada pelo arcanjo Enoch/Hermes Trismegistos em sua condução dos Imortais para o Domínio dos Deuses, e pelo demiurgos Tubalcain/Hephaistos/Ptah em sua criação do mundo). Esta Palavra de Poder ou Evocação Mística ("Voce Mysticae") ou Gramática Encantatória ("Ephesia Grammata") citada, a partir do Nome do Uno ou Divindade Suprema, do Deus Cornífero, da Deusa Estelar e do Filho Divino, forma o "Tetragrama" (literalmente "Gramática Quaternária"), isto é, a "Linguagem Prateada" da Filosofia antiga da Bruxaria. 

Em consonância com o encantamento dionisíaco "Io Evoeh", o Deus Cornífero (em sua face invernal, Dionysos) recebia o título bruxesco de "Evaster" ou "Euaster", isto é, "E-ba-" ou "Eu-a" em designação greco-egípcia ao "Ba" ou Espírito que é superior ao "Ka" ou Alma, e a terminologia "-ster" em referência à palavra grega "stereós" (que indica "condensar, endurecer ou solidificar"), ou seja, o Deus enquanto "manifestação do grande Espírito" no cosmos. Também, 
uma "Evocação Mística" ou "Gramática Encantatória", da magia caldaico-egípcia, utilizada por maior parte dos Clãs da Bruxaria Clássica e na Bruxaria Medieval Pentárquica, trata-se da encantação de saudação chamada "Eleleu! Iou! Iou!" (pronuncia-se "Elelu! Iao! Iao!", pois, "Iou" ou "Iao" refere-se ao Uno Zeus/Jove/Yahuh/Yahvh que, por sua condição de "Altíssimo" ou Empíreo, recebe o termo "Eleleu") que, quando Abraham recebeu iniciação na Arte dos Sábios na Terra Média ou Caldeia, tal encantamento entrou na língua hebraica como "Hallelu-yah" ou "Aleluia". Enquanto
 o Saber da Geometria está intrinsecamente associado ao período ante-iniciático de nigredo ou "noite escura da alma", os seis demais Saberes estão intimamente associados aos Três Graus Iniciático-bruxescos de Bardaria (Saber de Retórica ou Encantamento), de Sibilaria (Saber de Gramática ou Vidência) e de Druidaria (Saber de Lógica ou Logosofia), e às Comendas de Alto-sacerdócio, de Encargo Vermelho e de Encargo Negro.  A própria "Saudação do Beijo Quíntuplo("Greeting Fivefold Kiss"), sinal pentagramático de saudação à Hermes a Fênix ou Águia Bennu entre as Bruxas análogo ao "Sinal da Cruz" entre os Cristãos, simboliza dois aspectos: um de retorno espiritual e, outro, de manifestação ou condensação; no caso de retorno espiritual, essa simbologia circunscreve geometricamente os pontos do Uno, do Deus e da Deusa (o triângulo que forma a partir dos Lábios e dos Peitos), e os pontos do Filho Divino (a quintessência que forma a partir da Genitália) e os Quatro Anjos ou Guardiães da Bruxaria (os quatro elementos naturais a partir dos Joelhos e dos Pés), seus filhos; ao passo que, no caso de manifestação ou condensação, circunscreve os pontos do Uno ou Divindade Suprema (o mini círculo), nos Lábios, e manifestação trina desta como o Deus, a Deusa e o Filho Divino (o triângulo, apontando para baixo enquanto característica de manifestação), respectivamente nos Peitos e na Genitália e que, portanto, dão origem à toda vida, magia ou música das esferas, criação, amor e equilíbrio ou temperança no cosmos (o quadrado), e respectivamente nos Joelhos e nos Pés, que encerram o segredo do arcanjo hierofante Hermes Trismegistos e seu pai-irmão Tubalcain e a Arte dos Sábios (três símbolos geométricos que, também, são usados na Maçonaria e na Ordem Rosacruz).

Desta maneira, a Filosofia consiste na totalidade dos Saberes Trívios, Alquímicos, Físicos e Quadrívios, ou seja, a sabedoria da Enéada, manifestada a partir do Pomo Estelar ou Décimo Pomo (situado em um ponto tripartido superior ao Pomo Coronário); em outras palavras, trata-se da busca do "VITRIOLUM" (a 'Visita ao Interior da Terra e, Purificando-se, Encontra a Pedra Oculta da Verdadeira Cura') ou interrogação interior que leva à afeição ou identificação com a Ciência Divina (dos "Sábios Antigos", como afirmava Platon), ensinada pelos Clãs mais antigos da Bruxaria Clássica. O sistema da Filosofia e sua Linguagem Prateada constituem o motivo pelo qual os medievais Templários (que externamente eram conhecidos como "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão" e que, internamente, constituíam o "Templo Negro ou Azul" ou sexto Clã da Bruxaria Medieval) acreditavam que Jesus Cristo o havia pego o Nome de Poder dos templos bruxescos e, em consequência, acarretou na profanação dos padres da Igreja ao povo bárbaro. Na antiguidade tardia, a Linguagem Prateada deu origem aos Grimórios conhecidos vulgarmente como "Papiros Gregos de Magia" ("Papyri Graecae Magicae"). Em consequência de uma origem comum, o sistema da Pirâmide e da Filosofia/Kybalion possui equivalência
, em questões de configuração, com o sistema hebraico da "Árvore da Vida" e a sua "Cabalá", embora hajam diferenciações estruturais entre ambos os sistemas; sendo que o sistema bruxesco ou filosófico (que possui considerável influência greco-egípcia) aponta uma ascensão através do falicismo e um monismo, enquanto que o sistema judaico ou cabalístico (que possui grande influência caldaico-hebraica) indica uma queda quanto ao falicismo ou ascensão não-fálica e um dualismo, aspectos que traduzem algumas das principais diferenças existentes entre a Bruxaria e o Judaísmo. Comparativamente, enquanto as "sephiroth" ou esferas da Árvore da Vida — na Cabalá — são descritas pelo Alfabeto Hebraico, as esferas da Pirâmide que compõe a Tétrade ou Triângulo de Manifestação — na Filosofia — são descritas pelo Alfabeto Grego; sendo que, ambos os sistemas, possuem similaridades e, pode-se pressupor acertadamente, desenvolveram-se a partir de uma origem comum. No final da idade média, o sistema da Filosofia passou a ser chamado, por alguns autores medievalistas, de "Misticismo" ou "Filosofia Oculta", onde tanto a Filosofia quanto a Cabalá foram estudadas paralelamente, principalmente na Itália, na Alemanha e na Espanha, tanto por Bruxas e Iniciados quanto por filósofos ou ocultistas em geral. Contanto, muitos fenômenos modernos que as pessoas chamam de "Filosofia", na real não se trata exatamente da "Filosofiapropriamente dita, mas, sim, de de estilos ou doxas ou especulações epistemológicas, sem relação com a Filosofia e, portanto, totalmente desconexos, tanto com a Tradição Oculta Ocidental como com a Bruxaria.


Ademais, no Clã Pitagórico, da Bruxaria Clássica, havia um aprendiz italiano chamado Hippasus e que, depois de aprender, divulgou, em um tratado dos "dogmas divinos", os segredos iniciáticos dos números irracionais ou impuros (as homeomerias de criaturas e anjos caídos que, por característica, estão imersas na impureza), traindo o Juramento de Segredo e, em consequência, poucos dias depois veio à morte no mar enquanto punição mágico-espiritual e/ou divina, da mesma forma que ocorria na Bruxaria Medieval Pentárquica. Porém, é óbvio que os Iniciados, tanto da Bruxaria Medieval Pentárquica como dos Clãs da Bruxaria Clássica, não "matavam" pessoas quando estas o traem a Bruxaria, pois, caso contrário, violariam a Lei de Justiça, o que ocorre, de fato, trata-se de uma ação autoaplicadora da punição de morte iniciática ou iniciático-física pelos próprios traidores, devido ao fato de que a morte é a sentença voluntariamente jurada entre as Bruxas e Iniciados se caso, estes, vir a trair a Bruxaria ou divulgar algum segredo iniciático proibido. Pois, quem possui ciência da gravidade ou intensidade de cada ato mágico-espiritual causado por uma pessoa desperta, possui, igualmente, conhecimento de que a única exceção em que se pode tratar publicamente de conhecimento iniciático e secreto é quando  nem mais nem menos, para quem realmente serve aos Deuses  obtém-se autorização para divulgar, visto que os conhecimentos secretos dos Divinos Mistérios ou Bruxaria não se tratam de mero conhecimento mundano ou individual de determinada pessoa nem sequer de entretenimento de criança, mas, sim, conhecimentos santificados e secretos do cosmos que, caso fossem divulgados, podem gerar eventos precipitados e catástrofes terríveis que, consequentemente, levariam tanto à ruína individual como à coletiva, bem como conflitos e rebeldias similares às da época em que desencadeou o Movimento Nazista na Alemanha sob a influência de sofistas e feiticeiros ou malfeitores (gerando, assim, maior pena ou fatalidade frente à justiça divina, o que, por si só, contraria a Lei de Hermes e a meta da Bruxaria). Enquanto isso, no caso de Iniciados que eram acusados de traição às Leis da Bruxaria e que, após a sentença, fosse considerado culpado, tal ato acarretava em sua expulsão da Bruxaria pelo próprio alto-sacerdote, situação em que as Bruxas e Iniciados construíam um tumulo com o nome do traidor expulso que, por meio de Magia Simpática, retornava ao mundo profano (como também ocorreu com Hippasus). Assim, em torno de Hippasus se desenvolveu uma seita externa e dissidente do Clã Pitagórico para boicotá-lo, em função de que Hippasus possuía conhecimento apenas do período pré-iniciático ou ante-grau de Acusmático ou Aprendiz, o que, nesta perspectiva, sabe-se que quando reencarnamos  evidente em Gerald Brosseau Gardner em que obteve parte ou "totalidade" de um Grau da Bruxaria (como atestou Eleanor Bone, a qual possuía amizade próxima com Edith Rose Woodford Grimes, a Rainha das Bruxas deste Clã)  a tendência em repetir as ações que foram realizadas no passado, por mais falhas que tenham sido, é sempre notável.

Observa-se, todavia, que entre os escritos de George Alexander Sullivan (reencarnação de Pythagoras) disponibilizados aos atuantes do Jardim Teatro, na cidade de Christchurch, e aos aprendizes em ocultismo teosófico ou misticismo rosacruz do "círculo externo" ou "ordem exotérica", da Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona, há clara influência religiosa do que poderíamos chamar de "conteúdo Zurvanita", isto é, nomes de figuras religiosas pérsicas ou aquemênida-sassânidas do antigo Clã Zurvanita/Mitraico. Neste sentido, para que possamos entender tal cenário sociocultural pérsico em que George Alexander Sullivan aparenta se ver em determinados momentos de reflexões em seus escritos, precisamos levar em conta suas encarnações seguintes à vida que teve como Pythagoras. Verifica-se, assim, que muitas de tais influências devem-se ao cenário que havia, na antiguidade tardia, na corte pérsica sassânida — descendente da dinastia aquemênida — quando Balthazar (reencarnação de Pythagoras, do Clã Pitagórico; e de Tutmosis III, Iniciado do Clã Amonita; cujo significado literal de seu nome é "O Protegido de Baal [ou Apollon, também chamado de Belenus]") que, juntamente com Gondophares IV Sases ou Gastaphar da Pérsia e Melchior (que seu nome significa "O Rei de Horus" e que reencarnou como Arthur Pendragon e liderou a Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda) da Arábia, ficaram conhecidos como sendo três "Reis Magose que, assim como Orpheus do Clã Batesiano e Pythagoras, o ancião Balthazar, através do profeta Hillel o Ancião Babilônico (reencarnação de Nimrod ou Ninus, o instituidor do Clã Zurvanita/Mitraico; de Zoroastres ou Zarathustra, Iniciado do Clã Mitraico/Zurvanita e que deu origem à religião Zoroástrica e se infiltrou entre os hebreus para restaurar o Templo de Salomon; de Gautama Sphendadates ou Siddhartha Gautama, do qual surgiu a religião Budista; que, depois, reencarnou como Manichaeus, Magister de linhagem Maniqueia no Clã Zurvanita/Mitraico e que fora morto pelos Zoroastristas; como Eckart Von Hochheim o Meister, Magister de linhagem Maniqueia no Clã Zurvanita/Mitraico e que se infiltrou na Ordem Dominicana para não ser acusado de heresia, apesar de que fora perseguido pela Inquisiçãocomo Johannes Heidenberg Trithemius, Iniciado da Ordem Rosacruz medieval; como John Dee, Iniciado da Ordem Rosacruz moderna; e como Henry Olcott, instituidor da Sociedade Teosófica e restaurador da religião Budista) que havia se infiltrado entre os hebreus, tornou-se Iniciado novamente no Clã Mitraico/Zurvanita pelas mãos deste seu magister, assim como os seus demais irmãos na Etiópia, na Pérsia ou atual Irã que envolvia o norte da Índia e na Arábia; ensinando Jesus em uma peregrinação na região do Irã e do norte da Índia e que, nos séculos seguintes, ao ser oficializado o Cristianismo como religião romana, tal Clã foi proibido em Roma e, em consequência, seus templos-grutas por toda a Europa foram fechados e destruídos ou convertidos em Igrejas Cristãs. 

Nesta transição entre a oficialização do Cristianismo e o crescente abandono dos seguidores e adeptos das antigas religiões pagãs, o imperador pagão de Roma, Flavius Claudius Iulianus (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexander III o Magno, Iniciado do Clã Amonita, e de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; e que reencarnaria, depois, como Carlos Magno, da Bruxaria Medieval Pentárquica; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), referido como "O Apostata" pelos Cristãos, era Iniciado do Clã Platônico e — juntamente com outros Bruxos ou Iniciados, de Clãs da Arte dos Sábios que ainda restavam vivos, como o filósofo Flavius Sallustius — reorganizaram a Bruxaria ou Arte dos Sábios Clássica em Pentarquia ou corte de Cinco Clãs, cujo caráter da Bruxaria, agora mais secreto e fechado que anteriormente, permitiu a fácil propagação e proliferação por toda a Europa desta poderosa organização secreta que viria a ser temida pelos Padres da Igreja e ser conhecida como Bruxaria Medieval. Com a oficialização do Cristianismo e declaração de proibição das antigas religiões pagãs em grande parte da Europa, decretou-se o fechamento e destruição ou conversão de todos os templos pagãos, incluindo as academias de estudo, o que, em consequência, os pagãos que não aceitasse a conversão ao Cristianismo eram expulsos do Império Romano e, nesta situação, os Iniciados e Filósofos da antiga "Mysteria" ou Arte dos Sábios resistiram, sendo que alguns destes adeptos sofriam frequentes atentados religiosos pelos Cristãos — como foi o caso de Sopatros, membro do Clã Platônico morto pela prática proibida de magia, e Hypatia, dama do Clã Platônico que foi despida sua roupa e arrastada nua até uma Igreja por uma multidão descontrolada de Cristãos, onde esfolaram viva sua carne com ostras afiadas até sair sua pele e desmembraram-na e queimaram seu corpo —, ao passo que outros Iniciados, incluindo Simplicius, Damascius, Priscianus Lydos, Ammonius Hermiae e Eulamius, fugiram para a corte sassânida, do Império Persa, onde mantiveram vivos os antigos conhecimentos da Bruxaria e, mais tarde, aglutinaram-se em Constantinopla à religião Islâmica Druso-sufi (da descendência de Ismael) e à religião Mandeísta ou Mazdak-elcesaíta (que se centra em São Johannes Batista), dando origem ao livro árabe "A Meta do Sábio" ou "Picatrix" ("Ghāyat al-Hakim"), sendo que, no ápice da idade média, os Templários (que eram adeptos da Bruxaria) a contataram.

Em vista da ignorância e da superstição medieval que degeneravam a Europa e causavam-lhe guerras e crueldades, principalmente entre bárbaros incultos  como os reis germânicos franco-merovíngios ditos "reis faz-nada"  e fundamentalistas Cristãos, os quais, estes últimos, defendiam crendices e o acúmulo de riquezas materiais aos padres da Igreja enquanto maior parte da sociedade vivia em extrema pobreza; Pythagoras, neste cenário inegável de dementes, considerando que seu antigo mestre Manichaeus há algumas gerações havia sido crucificado pelos fundamentalistas Zoroastristas de Gundesapor, fora responsável por criar uma grande revolução na sociedade medieval, de modo a realizar reformas na religiosidade ocidental, tanto ao Cristianismo quanto à Bruxaria; a qual, esta, por sua vez, com o incentivo sociocultural quanto à presença de magos e filósofos na corte de Carlos Magno e do Sacro Império Romano, houve determinado infiltramento de sofistas, mágicos enganadores e feiticeiros ou malfeitores sarracenos na Bruxaria Medieval Pentárquica, cujos feiticeiros ou malfeitores, em consequência de punições carolíngias aos adeptos de religiões pagãs bárbaras ou à quem quer que fosse injusto ou errante, provocavam frequentes ataques entre os povos ignaros e bárbaros que, em contrapartida, exigiram grande trabalho dos eruditos legisladores da Santa Veeme ou Liga da Corte Sagrada para deter o controle arcôntico maligno e destrutivo que ameaçava tiranicamente o desenvolvimento sociocultural e o bem comum na sociedade europeia. Deste modo, Pythagoras em sua reencarnação, na Itália, como Giovanni di Pietro di Bernardone o São Francesco (a "luz que brilhou sobre o mundo" no Ocidente), decidiu abandonar os costumes próprios do mundo profano ao rejeitar a prática de guerra, comum na época, para fundar uma Ordem de frades e freiras, a Ordem Franciscana dos Frades Menores ("Ordo Fratrum Minorum") e Ordem Clarissa das Damas Pobres ("Ordo Sanctae Clarae"dedicada, tanto espiritual quanto socialmente, à renovação do Cristianismo por grande parte da Europa e pela região do Oriente Médio; pois, no entanto, Giovanni di Pietro di Bernardone o São Francesco reformou, não apenas o Cristianismo, mas, também, a Bruxaria Medieval Pentárquica e Templária que, conjuntamente à sua companheira Chiara Scifi Offreduccio na região italiana da Toscana e Úmbria, inlfuenciou a instituição do bruxesco Clã Joaquimita, composto de Sorores e Fratres que, através de Santa Guglielma, ficara conhecido como Seita Guglielmita ou Joaquimita (surgindo, também, o Clã Turlupin ou Amauriciano/Proto-valdense na França e o Clã Caricio-familista ou Hoffmanita na Holanda, ambos da Bruxaria Medieval Reformada), cujos adeptos, sendo perseguidos por heresia por parte da Igreja, entregaram-se voluntariamente, em 1300, para serem queimados em martírio nas fogueiras da Inquisição.

Entretanto, Pythagoras 
 ao reencarnar na Alemanha como Heinrich Cornelius Agrippa Von Nettesheim  foi acusado de heresia pela Igreja Católica e, embora tenha sido um dos primeiros a defender as Bruxas das acusações da Inquisição em "Os Três Livros de Filosofia Oculta", passou a rejeitar seu passado bruxesco e, em conformidade com seu Mestre Johannes Heidenberg Trithemius, integrou-se à Ordem Rosacruz. Esta, por sua vez, fora uma antiga confraria bruxesca reinstituída pelo último sobrevivente da família Germelshausen, a qual habitava um Castelo da Floresta da Turíngia e, possuindo descendência bruxesca merovíngio-carolíngia até Maria Madalena (iniciada da Linhagem Galileia do Clã Mitraico) e até Carlos Magno (iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano), fora condenada à morte por heresia e paganismo por ordem do inquisidor Konrad Von Marburg, e o único sobrevivente, além do mestre da Capela do Castelo, fora o filho de cinco anos de idade Basilius Valentinus ou "Christian Rosenkreutz", o qual fora levado para um monastério da Ordem Beneditina de influência herética e que, depois, contatou a religião Islâmica Druso-sufi e 
a religião Mandeísta ou Mazdak-elcesaíta como fizeram seus irmãos, os Templários. Assim, Johannes Heidenberg Trithemius — um dos ascetas da Ordem Beneditina no monastério de Sponheim que, por sua heresia e envolvimento com Magia, foi demitido em 1506 e seus livros foram proibidos pela Inquisição, mais tarde associado às lendas de Johannes Georg Faust (reencarnação de Abaris Hyperboreos ou Anacharsis, Iniciado do Clã Órfico) — preservou os segredos druídicos deste clã e, em seu livro "Polygraphia", publicou pela primeira vez o antigo "Alfabeto Tebano das Bruxas"; sendo que tal asceta era Mestre, também, de Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus Von Hohenheim o Paracelsus (reencarnação de Hippocrates, Iniciado do Clã Pitagórico; de Aulus Cornelius Celsus, Iniciado do Clã Socrático-platônico; e de Heinrich Souse o Beato Amandus, Iniciado de linhagem Maniqueia no Clã Zurvanita/Mitraico e que se infiltrou na Ordem Dominicana para não ser acusado de heresia, apesar de ter sido perseguido; que reencarnou, depois, como Christian Friedrich Samuel Hahnemann, que promoveu a medicina homeopática). Heinrich Cornelius Agrippa Von Nettesheim foi mestre ou alto-sacerdote de Johann Weyer, o primeiro homem a vir a público contestar contra a "caça-às-Bruxas"
Também, Heinrich Cornelius Agrippa Von Nettesheim foi de Medici (que, em sua pintura "Rapresentazione di San Giovanni e San Paolo", há apreciação pelo imperador e bruxo Flavius Claudius Iulianus e, apesar de sua bisneta Caterina de Medici distorcer em procedência os ensinamentos iniciáticos, publicara os poemas pagãos chamados "Canti Carnascialeschi"sendo que uma de suas esposas era Clarice Orsini, de descendência etrusca e parente de Vicino Pier Francesco Orsini, o qual criou o pagão Sagrado Bosque de Bomarzo ou Sacro Bosco de Bomarzo)  que, assim como Andrea del Verrocchio, Julius Pomponius Laetus e Konrad Pickel Celtes, participavam discretamente de Ateliês ou Lojas, isto é, oficinas de estudo em Academia ou Colégio de "círculo externo" ou "ordem exotérica", instituídas pelo Alto-sacerdote ou Mestre constantinopolitano Georgius Gemistus Plethon que, por meio das bruxescas Academia Platônica ou Academia Romana e a Confraria Céltica ou Sociedade Literária ("Sodalitas Litteraria"), restaurou-se o antigo Clã Platônico (assim como o Clã Pitagórico e outros afins), numa tentativa de redescobrir os conhecimentos antigos do "Magistério de Hermes" e da verdadeira Filosofia, ou seja, do sistema da Linguagem Prateada, às vezes estudada paralelamente ao análogo sistema da Cabalá, o que levou a família italiana florentina dos Medicis a dedicar um santuário aos Reis Magos no Palácio dos Medicis, a "Capela dos Reis Magos" e, em consequência, Marsilius Ficinus e Julius Pomponius Laetus foram acusados pela Igreja Católica de heresia, conspiração contra o Papado e prática proibida de paganismo e magia.

Na vida consecutiva, Pythagoras reencarnou como Francis Bacon, o qual levou a publicar manifestos pelos países da Europa destinados a reunir àqueles que desejavam se salvar-se das perseguições da Igreja Católica e que, ao mesmo tempo, houvessem alta moralidade espiritual ou agissem conforme a bruxesca Lei das Leis, a Justiça. Até tal momento a Ordem Rosacruz era estritamente secreta em aliança com os Cinco Clãs Medievais Pentárquicos (principalmente com o Clã do Búfalo), pois, em sua origem, era pagão-bruxesca disfarçada e adorava os Deuses pagãos das Bruxas (como a Deusa Diana/Isis, o Deus Apollon e o Filho Divino Cupido/Phoenix, como manifestações do Altíssimo Zeus/Jove/Yahuh/Yahvh dos antigos pagãos ou Javeh/Yehowáh hebraico e, também, Anjos e deidades bruxesco-pagãs, como Sa, Atlas, Hu, Saturnus, Danae e Hermes Trismegistos, o Fundador da Arte dos Sábios) e, da mesma forma que os Templários que se disfarçavam de "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão", surgiu também uma organização britânica discreta, chamada "Sociedade Real" ("Royal Society"— da qual fazia parte Elias Ashmole, filho adotivo de William Backhouse e um dos principais reformuladores da Maçonaria — com o intuito de desmantelar a cultura Cristã medieval e seu moralismo bárbaro-fundamentalista através do estabelecimento dos fundamentos da Ciência Moderna (que, na época, incluía-se secretamente o estudodas superstições e dos ídolos ou fixações imagéticas que distorcem o conhecimento factual; em contraposição à corrupta dedução, defendida pelo Sofismo adotado pela Igreja Católica, que acarreta em autoritarismos e superficialismos, consequentemente, ignóbeis e degenerativos. No entanto, nos tempos que se seguiram, os núcleos modernos da Ordem Rosacruz se configuraram através de um viés Cristão para ganhar maior aceitação e adeptos na Europa, embora que nos núcleos mais tradicionalistas da Ordem Rosacruz ainda permanece, não apenas o conhecimento esotérico dos Clãs da Bruxaria Medieval e da Ordem do Templo, mas, também, ocultadamente o próprio Selo da Bruxaria (vide o tópico da galeria: "A Ordem Rosacruz e suas Origens"). Um dos manifestos publicados secretamente, em 1623, ao alvorecer do dia em Paris, declarava:

"Nós, delegados do Colégio principal dos Irmãos da Rosa-Cruz, estamos fazendo uma visita visível e invisível à esta cidade, pela graça do Altíssimo, para o qual o coração dos Justos se voltam. Nós mostramos e ensinamos, sem livros nem profecias, como falar todas os tipos de línguas dos países onde queremos estar, a fim de libertar os homens, nossos companheiros, dos erros da morte. Se alguém desejar nos encontrar somente por mera curiosidade, jamais se comunicará conosco, entretanto, se de fato a vontade o levar, a inscrever seu nome no registro de nossa fraternidade, nós, que avaliamos pensamentos, faremos com que ele veja a verdade de nossas promessas; por enquanto não estamos estabelecendo nossa casa na cidade, uma vez que os pensamentos somados à vontade sincera do leitor, serão suficientes para nos tornar cientes dele, e ele de nós" (MANIFESTO DE 1623, Paris).

Este manifesto desencadeou na França a ira dos Cristãos e, principalmente, da Igreja Católica, a qual emitiu diversos contra-manifestos acusando os responsáveis por esta publicação de terem emigrado de Lyons e que, nesta província, tais responsáveis haviam feito "pactos horríveis com Satã", o que causou pânico generalizado, bem como em decorrência de que "hóspedes estranhos desapareciam em nuvens de fumaças" e cidadãos que relatavam acordar no meio da noite com aparições flutuantes. Também, nota-se que a alegoria do leão contra a Igreja Católica ficou evidente que tal símbolo referia-se alquimicamente à religiões calcadas em diferentes eras: a Bruxaria, da era de leão, contra o Cristianismo, da era de peixes; para derrubar o domínio opressor e supersticioso, deste último, na sociedade. Neste aspecto, Francis Bacon ficou conhecido como o "poeta escondido", o qual publicou secretamente o conjunto de poesias mitológicas pagãs e de contos de fadas — como de Titania, Oberon, Venus, Adonis, Diana, Demeter/Ceres, Puck, Jack, etc — sob o pseudônimo de "William Shakespeare". Robert Cochrane afirmou, nesta perspectiva, que William Shakespeare pertencia à um Clã de Bruxas. Em determinado ensaio, Francis Bacon enfatizou a diferença entre pessoas superficiais ou mortais versus as pessoas aprofundadas ou despertas ao declarar que: "Um pouco de Filosofia inclina a mente do homem para o ateísmo, mas, profundidade em Filosofia, trás de volta as mentes das pessoas para a religião". Além disso, Francis Bacon pela afinidade com o rei Richard III da Inglaterra (que era descendente do rei Edward Longshanks, Magister de um conventículo de Bruxas), descreveu-o como 
"[...] um bom legislador para a facilidade e conforto das pessoas comuns". Na atualidade, Richard III reencarnou como Madeline Sylvia Royals-Montalban ("Dolores North", "Madeline Alvarez" ou "Nina del Luna"), a Bruxa moderna que instituiu a "Tradição Luciferiana" ("Luciferian Tradition") ou "Ordem da Estrela da Manhã" ("Order of the Morning Star") e que, além de reconfirmar que a Bruxaria foi fundada em tempos remotos no Oriente, tornou-se Mestra ou alta-sacerdotisa (ainda que houvesse diminuída autoridade acerca do tema Bruxaria) do autor contemporâneo Michael Howard (idem Madeline Sylvia Royals-Montalban). 

Entretanto, Maurice Blumenthal (2006, p. 29), no livro 
"Antigos Textos Maçônicos e Rosacruzes", cita os principais sinais de reconhecimento entre os hereges acolhidos na Ordem Rosacruz, tais como: "1. Proibição de exercer profissão alguma, exceto a cura de enfermos a título benévolo [isto é, declarava o ofício terapeutride ou da cura a profissão a ser exercida entre as Bruxas e Iniciados e proibia-se de cobrar por suas práticas mágicas ou terapêuticas de cura, como diz Gerald Brosseau Gardner acerca da Bruxaria]; 2. Proibição de obrigar a levar hábitos especiais [ou seja, proibição de castidade absoluta ou distanciamento monástico em casta das demais pessoas da sociedade comum e, também, não levantar suspeita de Bruxaria entre os Cristãos]: do contrário, deveriam adaptar-se aos costumes do lugar [como, também, ensina-se na Bruxaria, isto é, a adaptação aos costumes de cada local, ocultando, por baixo destes, a Antiga Religião dos Sábios, em decorrência das perseguições aos hereges e, ainda, em decorrência de que a Bruxaria é, em essência, uma religião de segredos e, portanto, a manifestação desta na matéria automaticamente se desliga da sutilidade ou sobrenaturalidade]; 3. Obrigação de cada Irmão apresentar-se no dia C. [aqui refere-se à reunião secreta da Missa bruxesca ou do Sabá, que ocorria, e ainda ocorre, entre o sétimo para o primeiro dia da semana, o "Sábado" ou "Dies Saturni" e o "Domingo" ou "Dia do Senhor/Sirius"] na morada do Espírito Santo [isto é, a "Anima Mundiou "Ruach ha-Qadesh", a Deusa Qatesh enquanto Alma do Mundo ou Sophia], ou de explicar os motivos de sua ausência; 4. Obrigação para cada Irmão de buscar uma pessoa de valor que pudesse vir a sucedê-lo, caso necessário [para manter viva a tradição do Clã ou Fraternidade]; 5. As letras R. C. deveriam servir-lhe de selo, sigla e emblema [a sigla "R.C." refere-se à "Rosa-Cruz", isto é, o signo de Naamah e o signo de Tubalcain, logo as polaridades Ob-Od ou feminino-masculino que, analogicamente, constitui uma potencialidade de, através dos princípios terrenos "Rhea-Chronos", comungar com a Deusa Estelar e com o Deus Cornífero de Sirius até o Altíssimo Uno]; 6. Durante um século a irmandade tinha que permanecer secreta [para que todos pudessem se salvar, isto é, '...a fim de libertar os homens, {que são} nossos companheiros, dos erros da morte', como diz o Manifesto de 1623]". Em procedência, Maurice Blumenthal cita a "Carta V - Os Adeptos", publicada no passado por Karl Von Eckartshausen, em que afirma que: 

"Na contestação à minha última carta, manifestei a opinião de que o expoente de espiritualidade (significando intelectualidade e moralidade combinadas) exigido por nosso sistema de filosofia é excessivamente elevado para que o homem possa alcançá-lo, e duvide se alguém chegou alguma vez a ele. Permita que diga que muitos daqueles a quem a Igreja Cristã chama de santos e outros muitos que nunca pertenceram àquela Igreja e aos quais se costuma chamar 'pagãos' [como, por exemplo, Santa Brigid, Santa Catarina de Alexandria, Santa Guglielma ou Vilelmina Blanchena Premysl, Beato Heinrich Seuse, Santa Jeanne D'Arc e tantos outros que, pelo fato de terem sido integrantes da Bruxaria na antiguidade e/ou na idade média, muitos destes beatos e mulheres foram queimados na fogueira da Inquisição da Igreja Cristã e, depois, declarados santos ou heroínas; assim como, também, São Tiago o Justo, Santa Mariamne/Maria Madalena,
 Santa Margherita de Cássia, Santa Teresa SánchezYzabel a Rainha Santa de Aragão, Giovanni di Pietro di Bernardone o São Francesco, Santo Alcuinus Nemias/Naymus Flaccus e São Louis o Magnus Lyon Christianissimus que, apesar de se manter em segredo diante da Cristandade, foram estereotipados pelos seguidores da Igreja em virtude da maestria que apresentavam], obtiveram aquele estado e, portanto, alcançaram poderes espirituais que lhes permitiram levar a cabo coisas bem extraordinárias chamadas milagres [a taumaturgia chamada, na linguagem bruxesca, de música das esferas ou magia]"

Ainda, Francis Bacon teve como Mestre ou alto-sacerdote o célebre conselheiro da rainha Elizabeth I, John Dee, o qual possuía grande habilidade na espiritualidade com os Anjos Vigilantes das Torres de Observação e os "Malach" Cabalísticos — a partir da sincretização moderna entre Filosofia ou Kybalion e Cabalá — que lhe ensinaram uma antiga língua atlante de Hermes/Enoch, a Linguagem Enochiana, que a Tradição Gardneriana e a Tradição Alexandrina herdaram alguns aspectos. Contudo, antes do surgimento desta fraternidade oculta que conhecemos por "Ordem Rosacruz" — que visava salvar as pessoas heréticas das presas da Inquisição — havia sido construído, no átrio do Castelo Real de Winchester da Inglaterra, durante o reinado de Edward Longshanks (1239-1307), uma réplica em miniatura da famosa Távola Redonda (a qual existiu no reinado de Arthur Emrys/Aurelius Ambrosius), representando os doze signos astrológicos do zodíaco, o nome dos doze membros da Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda e a Roda do Ano sazonal, que delineava a cruz grega ou templária e possuía ao meio uma flor branca e vermelha, formando a rosa-cruz. O rei Edward Longshanks era, não obstante, um Magister (alto-sacerdote) de um conventículo inglês da Bruxaria Medieval e, particularmente, possuía grande admiração e honra pelas personalidades de Merlin e, principalmente, de Arthur, em função de que estes eram adeptos da Bruxaria e que, por seu heroísmo ou santidade, tornaram-se espíritos que também compunham uma confraria teosófica invisível. Além disso, a Rosa dos Ventos, na antiguidade, era utilizada entre os Clãs da Bruxaria Clássica, como no Clã Cábiro, sendo que a cruz, enquanto símbolo pré-cristão, constitui uma alusão ao Caduceu de Hermes que, com a Serpente Masculina e a Serpente Feminina subindo, forma o Selo da Bruxaria, ou mesmo na versão do Bastão de Asclepios, que, quando ascensionadas as serpentes, faz 
florescer a rosa ou recebe a coroa de flores do Deus Cornífero. Por outro lado, a Maçonaria teve origem na Bruxaria Medieval, no entanto, fora instituída depois da Ordem Rosacruz, o que, consequentemente, atesta a similitude entre ambas; pois, Maçonaria, em sua essência, objetivava selecionar os cavaleiros despertos e, portanto, aptos à serem Iniciados ao culto do Deus Cornífero (o qual não é a trevosa figura criada pelo cristão Eliphas Levi, mas, sim, a diviníssima face de Dionysos/Osiris Bakha ou Apollon Paion o 
Behedet/Pan, o Deus de Mendes), isto é, visava recrutar os eleitos e redimensioná-los para dentro da Ordem Rosacruz original, a autêntica continuadora da Bruxaria Medieval Pentárquica e Ordem dos Templários. 

Todavia, em 1620, a moderna Ordem Rosacruz instaurou um plano de reavivar o Atonismo (religião fundada pelo faraó Akhenaton, apesar de que Akhenaton sempre tenha sido contra os Clãs da Arte dos Sábios e, em particular, realizou perseguição à todos os Iniciados do Egito Antigo); ocasionando, nesta mesma geração, a instituição de uma misteriosa secção da Ordem Rosacruz original denominada "Antiga Ordem dos Druidas" ("Ancient Order of Druids"), da qual surgiu a "Fraternidade Universal dos Druidas" ou "Círculo Britânico da União Universal" ("An Druidh Uileach Braithreachas" ou "British Circle of the Universal Bond") e, desta, através de Philip Peter Ross Nichols, a "Ordem dos Bardos, Ovados e Druidas" ("Order of Bards, Ovates & Druids"), visto que a Ordem Rosacruz original era composta fundamentalmente por Bruxas ou Iniciados e Druidas (Bruxas com Três Graus na Bruxaria). Contudo, em reinados egípcios anteriores, o faraó Tutmosis III, por sua vez, era na antiguidade um Iniciado do Clã Amonita que mantinha aliança com os membros da "Tuatha-Dé-Danannou "Dinastia Danaidedos Povos Medos (que estava presente também entre os Povos Celtas ou Cito-cimérios) e que, depois de ser morto por religiosos fanáticos do Império Novo Egípcio, reencarnou posteriormente como ninguém mais que o próprio Pythagoras, de Samos. Desta forma, Pythagoras, em sua viagem ao Egito, deixou os alto-sacerdotes dos Clãs egípcios admirados com sua habilidade e talento natural em magia, devido ao fato que nenhum outro estrangeiro havia conseguido adquirir todos os Graus da Arte dos Sábios como conseguiu Pythagoras em seus vinte e dois anos de iniciação. Neste sentido, Pythagoras  depois de reencarnar como Balthazar, Heinrich Cornelius Agrippa e Francis Bacon  reencarnou também, na contemporaneidade, como George Alexander Sullivan na Inglaterra, onde manteve-se numa confraria continuadora da Bruxaria Medieval: a Ordem Rosacruz (falamos melhor no tópico da galeria: "Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona e seu Conventículo de Nova Floresta"). No entanto, Gerald Brosseau Gardner passou a criticar despontadamente seu Alto-sacerdote ou Magister, George Alexander Sullivan, o que, em consequência, ocasionou, anos mais tarde após o falecimento de George Alexander Sullivan, a expulsão informal de Gerald Brosseau Gardner — taxando seus irmãos de "velhos rabujentos" — do Conventículo de Nova Floresta, da Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona, já que os objetivos de Gerald Brosseau Gardner passaram a sofrer influência do feiticeiro ou malfeitor e satanista Aleister Crowley. 


- Mysteria Mitraica ou Zurvanita, também conhecida por Mysteria Pérsica:
Período e local: Na Idade Antiga, na Pérsia e no norte da Índia; no Oriente Médio e na Caldeia; na Grécia; na Turquia; na Galileia; no Egito; nas Ilhas Britânicas, como em Caernarfon no País de Gales e na Muralha de Adriano e em Londres na Inglaterra; em Martigny na Suíça; em Puente Genil ou Fonte Álamo na Espanha (cuja peregrinação na Via da Prata, do caminho de Santiago de Compostela, parte de Sevilha ou Granada e Córdoba); em Alba Iulia na Romênia; na França, como em Biesheim, em Mackwiller, em Sarrebourg e em Estrasburgo; na Hungria, como em Savária, em Aquinco e em Fertõrákos; na Alemanha, como em Dieburgo-Darmstadt, em Frankfurt-Heddernheim, em Friburgo-Brisgóvia, em Gimmerdingen, em Güglingen, em Hanau, em Heidelberg, na Colônia, em Königsbrunn, na Mogúncia, em Neuss, em Osterburken, em Riegel Am Kaiserstuhl, em Saalburgo, em Saarbrücken, em Schwarzerden e em Wiesloch; e na Itália, como no Circo Máximo, no Palazzo Barberini, nas Termas de Caracala, em Santa Maria Capua Vetere, na Igreja de Santa Prisca, na Igreja Basílica de Santo Stefano Rotondo e na Igreja Basílica de São Clemente.
Descrição: Reconhecida pelas leis civis em Roma. O Clã Mitraico se originou do Clã Amonita, através de um magus ou majestade de bruxas e iniciados chamado Nimrod ou Ninus que, em existências posteriores, reencarnou como Zoroastres ou Zarathustra, o qual, antes de dar origem à religião Zoroástrica, também fizera parte do Clã Zurvanita/Mitraico e, encontrando-se em uma ocasião ritualística no reino dos vates e adivinhos chamado Bactro, um Templo deste Clã fora invadido por feiticeiros ou malfeitores ávidos de sangue que, distorcendo os ensinamentos do Clã Mitraico, ambicionaram realizar matança ritualística em honra à espíritos maléficos e reis persas, os quais, vivendo distanciados da divindade, ostentavam o santo título de "Divus" ou "Daivas" ou "Deva" (estereotipado, mais tarde, pelos Zoroastrianos como "Daebaaman", literalmente "o pensamento de Daeva"), o que, em consequência desta corrupção que advinha dos antecessores reis atlantes ou titãs, haviam frequentes reivindicações entre os mais eruditos e, nesta ocasião ritualística no Templo em Bactro, Zoroastro, resistindo ceder aos atos pecaminosos de perversidade, fora assassinado aos setenta e sete anos de idade juntamente aos sacrilégios cometidos pelas obras ilícitas dos malfeitores (martírios que se repetiram analogamente em existências posteriores como Gautama Sphendadates ou Siddhartha Gautama, como Manichaeus e como Eckart Von Hochheim o Meister)O Clã Zurvanita/Mitraico, por sua facilidade de propagação, fora o Clã da Arte dos Sábios que mais prosperou nos tempos antigos e, por isso, possuía diversas linhagens, como: a Galileia ou Ofita ou Nasi ou Naassena, a Boborita ou Montanista, a Cainita ou Bogomilo-khlysta, a Valentina ou Valentino-marcosiana ou Pauliciana ou Marcionita ou Priscilianista, a Menandriano-basilidiana ou Simoniana, e a Maniqueia ou CátaraA partir da antiguidade tardia e da idade média, a Bruxaria ou "Mysteria" ou Arte dos Sábios na cultura greco-romana fora associada à "Magia" ou "Religião dos Magos", também chamada de "Culto do Fogo". Os tradicionais Um Ante-grau e Três Graus Iniciáticos eram chamados, neste Clã, de Ninfo ou Crífio, o grau de aprendiz ou neófito; Parta ou Bardiya ou Herbods (chamado de "Bardo" no Clã Órfico e que, ao norte da Índia, sobreviveu a palavra "Bardo" para referir-se ao estado iniciático-intermediário entre a morte e o renascimento), o grau de Bruxo ou Iniciado, enquanto descendente do herói danaide Baradan/Bharata/Perseus (o filho de Danae e sacerdote-rei do Deus Dionysos na Bárctria, o Reino dos Bardos/Bruxas e Iniciados e o Pilar Central das Viagens Dionisíacas de Triênias: Monte Nysa/Sinai dos egípcios, Índia indochina, e Céltica/Cítia dos trácios); Helídromo (dito "Filidhean" entre os celtas), o grau de Sacerdote ou concubino; e Leão ou Dravida ou Destur, o grau de contemplador e Herói ou Santo; sendo que os encargos de Sacerdote Negro, Sacerdote Vermelho e Alto-sacerdote também eram tidos como graus neste Clã. Os Iniciados do Clã Mitraico usavam a pedra Anachitis para atrair fadas ou elementais da água.

No Clã Zurvanita/Mitraico, o Uno ou Divindade Suprema, assim como Zeus-Ammon no Clã Amonita ou Hammon no Clã Dulicieno, era denominado como Zurvan ou Jove/Yahuh (ou, na língua hebraica, Yahweh). A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Aredvi-Anahita/Anat/Anaitis/Tanit/Angitia e Abba/Abaeus/Baal/Apollon e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia sempre mais para o Deus. Mitras ou, na língua pérsica, "Mihryazd" ou "Mica"  também referido como Lucifer  era homenageado como Filho Divino, também chamado de Filho da Luz ou Grande Herói. Apesar de que o termo "Lucifer" têm sido atribuído enquanto título à outras Deidades e Anjos pagãos (tal como à Tubalcain/Hephaistos, um anjo lucífero que se tornou Anjo Vigilante), Mitras ou Mica é o verdadeiro "Lucifer" (que a bruxa moderna Madeline Sylvia Royals-Montalban o chamava de "Lumiel", em decorrência da satanização Cristã acerca da palavra "Lucifer"), filho da Deusa Estelar e do Deus Cornífero e que, enquanto reflexo de Sirius que incide sobre o interior das criaturas, renasce ou desabrocha no coração das Bruxas e Iniciados. O nome "Mitras" possui origem em Mitani no Império Hitita, onde é citado pela primeira vez em 1400 a.e.c., local em que se originou a tradição da Bruxaria, isto é, a adoração pagão-bruxesca à Mitras existia antes de novecentos anos da fundação da religião Zoroástrica, tanto é que, além do culto hitita do Clã Mitraico, Mitras fora adorado entre os indianos, como é descrito nos textos védico-hindus "Rigveda" e "Brahmanas". Mitras, na língua pérsica, era chamado também de "Mica", nome pelo qual os Caldeus antigos, vendo como instrutor do velho donzel El ou Saturnus, aglutinaram com El, formando a palavra "Micha-el" que, no período em que os Judeus ficaram em exílio na Babilônia, tomaram-lhes emprestado e, no sistema caldaico-hebreu da Cabalá, denominaram-no de "Metatron"Neste Clã, ensinava-se que o Deus Cornífero Abba/Apollon, possuía cinco facetas ditas "Cinco Parúsias ou Faces do Deus Cornífero" (Nous, a Razão; Ennoia, a Mente; Phronesis, a Inteligência; Enthymisis, o Pensamento; e Logismos, a Compreensão) que, relacionadas aos "Cinco Pontos da Irmandade", refletiram na "Quinque Provinciae" dos "Vicarii" ou Cinco Ducados ou Jurisdições do Sacro Império Romano e dos Cinco Clãs (representados pelos animais de maior poder: Touro, Carneiro, Veado, Bode e Búfalo), da Bruxaria Medieval Pentárquica. Também, Tubalcain, o pai-irmão de Hermes, era lembrado como dragão sob o título de "Kaveh-ye-Ahangar" ou "Hushang" ou "Atharvan" (helenizado como "Adranus"), assim como sua esposa tecelã Naamah/Ninmah/Niamh/Nephthys a Aphrodite Pandemos/Syria Kale/Sarah Kali sob os títulos de "Nerio" ou "Norea"; ao passo que Hermes, o hierofante que fundara a Bruxaria e estabeleceu o Magistério da Bruxaria era honrado como "Ahura Mazda" ou "Hormazd" ou "Hurmuz" ou "Ohrmazd".

Os Iniciados deste Clã, da mesma forma que Hermes e os membros de outros Clãs, como o Clã Sálio, usavam o "chapéu-de-Bruxa", na versão píleo frígio-romano ou pétaso grego, em determinadas cerimonias. As assembleias ou reuniões de Bruxas e Iniciados do Clã Mitraico  bem como as Iniciações  ocorriam, assim como nos demais Clãs da Bruxaria Clássica e da Bruxaria Medieval Pentárquica, no período da meia-noite. Os ritos sagrados do Clã Mitraico da Bruxaria Clássica, altamente influenciados pela Filosofia ou Cabala caldaico-fenícia, foram utilizados, posteriormente, pelos Cinco Clãs da Bruxaria Medieval Pentárquica, bem como alguns são descritos por Gerald Brosseau Gardner, em "Com o Auxílio da Alta Magia". Neste Clã, de forma semelhante ao Clã Sálio e ao Clã Arval, seus iniciados participavam, também, das Legiões Romanas para lutar por justiça social e estabelecimento do pacifismo ou harmonia entre os diversos povoados bárbaros, guerrilheiros e invasores. Os Gêmeos Rivais, mais conhecidos como "Dioscuros('Jovem Divino') e "Pálicos" ('Pequeno'), também comum nos antigos Clãs Eleusino, Cábiro, Metragirta, Telquino, Sálio, Dionisíaco, Doliqueno, etc., em que eram chamados por "Dardanos" e "Iasion" ou "Iasus" ou "Eetion", sendo que ambos, às vezes, foram referidos como "Castor" e "Pollux", eram homenageados neste Clã pelos nomes de "Cautes" e "Cautopates" ('ferido por Cautes'), que representam o Ego Superior e o Ego Inferior, isto é, o Espírito, que é o aspecto superior e profundo de nosso ser, e a Alma, que é o aspecto externo e personalístico, portanto inferior, que veste nosso Espírito cada vez que este encarna, devido à densidade do plano físico: o herói Bellerophon que, cuja simbologia pode ser comparado à Perseus, derrota o degenerado monstro Caineus, também chamado de Chimaira, a quimera, isto é, Caineus, mais conhecido como Chimaira, que é o Ego Inferior ou a Alma, é derrotado pelo herói Bellerophon, que é o Ego Superior ou o Espírito e que, após tal ato de coragem, Bellerophon ganha o cavalo Pégasos para aprender o ofício santo ou heroico de montá-lo e de voar livremente até os céus, isto é, a conquista da verdadeira religação ontológica com os Deuses e, também, a obtenção da gigantesca espada Crysaor para, uma vez aproximado da Mansão ou Domínio dos Deuses, operar a magia ou os miráculos. Este mito bruxesco, comum na Bruxaria Medieval, enfatiza que devemos nos pautar sempre no Eu Superior e viver em prol de coisas nobres e maiores.

O Clã Mitraico era formado em grande parte por Bruxos masculinos, pois, realizavam majoritariamente Magia Sexual na via ígnea — como apontava a Filosofia do Clã Socrático-platônico — apresenta maior inflamamento interior ou euforia divina, assim como possui o domínio de um dos principais segredos da Alquimia ligado ao Pomo Básico ou Serpentino e, contrapondo a via aquosa, resulta em maior empoderamento e conexão divina (da mesma forma que, posteriormente, fizeram os seus descendentes Templários, em que cada casal de homens fazia uso de um único cavalo como forma de intensificar o poder cavalheiresco do Santo Graal). O rei Kurus II o Grande, assim como seu filho o mago Bardyia, eram Iniciados do Clã Mitraico/Zurvanita. Também, Nero Claudius Caesar Augustus Germanicus, o qual fora chamado de "A Besta" ou "666" pelos primeiros Cristãos, era iniciado do Clã Mitraico e, não obstante, praticava Magia Sexual junto com um varão conhecido como Pythagoras Doryphorus e, mais tarde, com o erômeno "dama" Sporus Sabina; sendo que, em cerca de 53 d.e.c., tornou Tiridates I  que também era Bruxo  o rei do trono da Armênia, o que levou à construção do "Templo de Garni". Na antiguidade tardia, Balthazar (reencarnação de Pythagoras, do Clã Pitagórico; e de Tutmosis III, do Clã Amonita; cujo significado literal de seu nome é "O Protegido de Baal [ou Apollon, também chamado de Belenus]") que, juntamente com Gondophares IV Sases ou Gastaphar da Pérsia e Melchior da Arábia (que seu nome significa "O Rei de Horus" e que reencarnou como Arthur Pendragon e liderou a Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda), ficaram conhecidos como sendo três "Reis Magose que, assim como Orpheus do Clã Zamolxiano e Pythagoras, o ancião Balthazar, através do profeta Hillel o Ancião Babilônico (reencarnação de Nimrod ou Ninus, o instituidor do Clã Zurvanita/Mitraico; de Zoroastres ou Zarathustra, Iniciado do Clã Mitraico/Zurvanita e que deu origem à religião Zoroástrica e se infiltrou entre os hebreus para restaurar o Templo de Salomon; de Gautama Sphendadates ou Siddhartha Gautama, do qual surgiu a religião Budista; que, depois, reencarnou como Manichaeus, Magister de linhagem Maniqueia no Clã Zurvanita/Mitraico e que fora morto pelos Zoroastristas; como Eckart Von Hochheim o Meister, Magister de linhagem Maniqueia no Clã Zurvanita/Mitraico e que se infiltrou na Ordem Dominicana para não ser acusado de heresia, apesar de que fora perseguido pela Inquisiçãocomo Johannes Heidenberg Trithemius, Iniciado da Ordem Rosacruz medieval; como John Dee, Iniciado da Ordem Rosacruz moderna; e como Henry Olcott, instituidor da Sociedade Teosófica e restaurador da religião Budista) que havia se infiltrado entre os hebreus, tornou-se Iniciado novamente no Clã Mitraico/Zurvanita pelas mãos deste seu magister, assim como os seus demais irmãos na Etiópia, na Pérsia ou atual Irã que envolvia o norte da Índia e na Arábia; ensinando Jesus em uma peregrinação na região do Irã e do norte da Índia e que, nos séculos seguintes, ao ser oficializado o Cristianismo como religião romana, tal Clã foi proibido em Roma e, em consequência, seus templos-grutas por toda a Europa foram fechados e destruídos ou convertidos em Igrejas Cristãs. 

Apesar disso, os Reis Magos, que eram adeptos do Clã Mitraico/Zurvanita da Arte dos Sábios ou Bruxaria Clássica, ensinaram Yeshua/Jesus Cristos o Galileu (reencarnação de Yehoshua ou Yoshua, o judeu matador descrito no Livro de Yehoshua ou Josué, da Bíblia Judaica) dentro de Templos pagão-bruxescos, tanto do Egito quanto do norte da Índia em Caxemira, para que pudesse dar início ao seu projeto de romper com a corrupção sociocultural dos materialistas ou bárbaros e dos idólatras ou animistas
, principalmente do Império Romano (em prol dos despertos ou pneumáticos) e, consequentemente, trazer uma boa anunciação aos homens ou mortais de uma nova era, a Era de Peixes. Com a morte de Jesus Cristo, Simon Pedro, passando a liderar a Igreja de Jesus Cristo, 
proclamou a "salvação pela fé"; ao passo que São Ya'akov ou Tiago o Justo (reencarnação de Zephyros/Geburah ou Gabriel; atualmente reencarnado no Brasil), membro da de Linhagem Galileia do Clã Mitraico em Cesareia Marítima, declarou que os Cristãos eram correligionários superficiais e que a salvação, em conformidade com o Quaternário Hermético, ocorria através da "sabedoria prática" ou concretização total da "fé em Sophia" no sacerdócio ou serviço aos doentes e aflitos, bem como aos pobres ou necessitados, órfãos e viúvas (vide: "Epístola de Tiago"). São Ya'akov ou Tiago o Justo possuía determinada proximidade com Mariamne ou Maria Madalena (reencarnação de Sophia/Atena/Iris [vide Eros e Psyche, o Amor e a Alma no "Apócrifo de Maria Madalena"]; que, depois, reencarnou como Margherita ou Rita de Cássia, Santa gnóstica na cristã Ordem Agostiniana dita "Defensora dos Desesperados" e que, na Bruxaria, seu nome era usualmente dado às novas Bruxas após o Batismo de Água-Ar-e-Fogo; e como Teresa Sánchez de Cepeda y Ahumada, Santa tanto Bruxa quanto Cristã de que cita Lois Bourne [vide o tópico da galeria: "O Corpo e o Espírito: O Livro da Vida de Santa Teresa"], que levantou suspeita pela Inquisição Espanhola durante as "caças-às-bruxas" ou bruxomanias e que, integrando o Clã Turlupin ou Amauriciano/Proto-valdense junto com seu companheiro São Juan de la Cruz, descrevera brilhantemente o processo alquímico-espiritual da Iniciação na Bruxaria e o "caminho do meio" ou Caminho da Rosa-cruz), cujos seus discípulos foram declarados "Bruxos" na obra de teólogos cristãos "Contra os Hereges", era uma dama branca que não pertencia à raça hebraica e, ao casar-se com um homem hebreu, fora apedrejada e expulsa de sua casa pelos Judeus em função de se tratar de uma mulher estéril que, em desacordo com as falsas leis Judaicas, seu ex-esposo lhe abandonou, o que levou Maria Madalena a viver como andarilha e, sob a chance de ter um novo lar, teve casos amorosos com outros varões.


Neste aspecto, Simon Pedro, por outro lado, via Maria Madalena como "pecadora" e "pagã indigna" e, proibindo ao povo o uso de Ciências Ocultas e Magia, co-fundou o Cristianismo no Império Romano (surgindo a crença Cristã de que Simon Pedro, juntamente com São Paulos, seriam "os porteiros da Chave dos Céus"; apesar de ambos possuir rivalidades entre si, pois, ao contrário de Simon Pedro em que era partidário dos hebreus, São Paulos era natural de Tarso que, após obter cidadania romana, protegeu os turcos pagãos das acusações de Simon Pedro). Além disso, Simon Pedro havia rejeitado a sabedoria de Maria Madalena acerca de Jesus (sendo que Simon Pedro, ao morrer, foi crucificado de cabeça para baixo e, em encarnações posteriores como Henry II da Inglaterra e Henry VIII Plantagenet, fora responsável por extinguir a bruxesca Abadia de Glastonbury ou Avalon, além de decretar assassinatos e matanças de pessoas e instituir o Cristianismo Anglicano, evento profetizado pela bruxa Ursula Southeil, e desencadeou o fundamentalismo Cristão e o falso puritanismo para suplantar o estudo das ciências). Pois, em decorrência da proibição dirigida ao povo quanto à prática de Magia e Ciências Ocultas por parte do Cristianismo, Simon o Mago havia declarado guerra contra Simon Pedro, em decorrência de que Simon Pedro se recusou a transmitir seus poderes à Simon o Mago nem por meio de trabalho no Ministério Cristão classificado por Simon Pedro como "suborno", o que levou Simon o Mago a levitar em frente ao público em Roma, ao passo que Simon Pedro derrubou-o ao chão por meio de magia. Ademais, a partir do dogmatismo judeu, Simon Pedro possuía receio de que o povo o visse Jesus Cristos como mais um mago ou um filósofo pagão e, desta forma, escondeu a Bruxaria e vedou a prática de Magia e Ciências Ocultas ao povo ignaro que não fosse parte dos Eleitos, no intuito de ressaltar a sobrenaturalidade divina de Jesus Cristos sem atribuir à intervenções humanas e, com a degeneração petrina, a Igreja criou o ignóbil "Credo dos Apóstolos" para ser orado pelos fiéis do Cristianismo que, por meio do sofístico e maléfico controle mágico-autossugestivo, subordinou arconticamente o povo à própria Igreja Cristã e, em compensação, continuou a ensinar crenças malignas como "boa nova" ou "evangelho" de Jesus Cristos e da Era de Peixes; corrompendo, em parte, a própria boa nova ou evangelho popular da Era de Peixes ou "Cristianismo" que seria anunciado aos homens ou mortais que vivem distantes dos princípios divinos básicos. 
Todavia, Joseph de Arimateia, com o Santo Graal, foi às Ilhas Britânicas e, como diz São Mattityahu:

"Entre os Magos, o Santo Graal é o segredo maior. Somente ele pode salvar os casais do dilúvio dos sofrimentos. No cálice de Cristos está contido o maior segredo do universo. No entanto, nada que está oculto que não venha a ser revelado, nem tão secreto que não venha a se saber (MATTITYAHU).

Posteriormente, Maria Madalena, vivendo entre os andarilhos, refugiou-se em "Santas Marias do Mar" ("Saintes-Maries-de-la-Mer"), no sul da França, cuja "Igreja de Notre-Dame-de-la-Mer" ("L'église de Notre-Dame-de-la-Mer"), anteriormente um Templo do Clã Mitraico, fora dedicada posteriormente à Michael (assim como os povos ciganos passaram a prestar honrarias à Naamah/Ninmah/Niamh/Nephthys a Aphrodite Pandemos/Syria Kale/Sarah Kali). 
O Clã Mitraico possuía uma enciclopédica sabedoria dos antigos Clãs Metragirta, Isíaco-osiriano, Órfico e Eleusino, da Bruxaria Clássica; assim como o próprio Jesus Cristo e seus discípulos eram representados artisticamente com as misteriosas Gesticulações Manuais da Bruxaria conhecidas apenas entre as Bruxas e Iniciados da Bruxaria. Em sequência à história dos Iniciados do Clã Mitraico no início da era cristã, a Linhagem Cátara ou Maniqueia, que era fundamentalmente pagã pró-Cristo e adorava os Deuses bruxescos, opunha-se mais intensamente à falsa "deidade" Judaica e que, com a crucificação de Manichaeus pelos fundamentalistas Zoroástricos de Gundesapor, fora levada, a seguir, ao norte da França na província da Bretanha e ao sudoeste da Inglaterra em Somerset na corte de Camelot; migrando novamente ao sul da França, onde persistiram as perseguições de heresia e prática ilegal da Bruxaria em que fora acusada pela Igreja, e os seus descendentes foram obrigados à sair da França e se refugiar no Sacro Império Romano (em proximidades do Domo/Catedral Aquisgrana, o medievo centro oculto da Bruxaria, e a região da Floresta da Turíngia), em que emergiu a Ordem Rosacruz. Mais tarde, a dama francesa Béatrice Planissoles, fora acusada de prática ilegal da Bruxaria e de pertencer à Linhagem Cátara. Contanto, em período antecedente, Hillel o Ancião Babilônico (Mestre de Balthazar) teve como neto Barnabe Gamaliel I, o qual era um Rabino Judeu que passou a ensinar São Paulos (que reencarnou como Hilarion e como Iamblichus, Iniciado do Clã Platônico), porém, São Paulos, descontente com tais ensinos judaicos, rejeitou o Judaísmo e opôs-se tanto à Barnabe Gamaliel I quanto à Simon Pedro de Roma, tornando-se discípulo de Tiago o Justo e que, através de seus discípulos e São Loukas no tempo em que a Bíblia não havia sido formada, deu início à Linhagem Valentina ou Valentino-marcosiana, também conhecida como Pauliciana ou Marcionita ou Priscilianista (comum na Armênia, no Egito, na França céltico-merovíngia, na Espanha e no Brasil), cujos descendentes foram acusados pela Igreja Católica de heresia, prática ilegal da Bruxaria em conventículos nas colinas espanholas e atos imundos de feitiços (que, esta última acusação, era difamação supersticiosa dos padres irados), outrora condenados pela Igreja cristã por ensinar que:

"O que nos torna livres é o conhecimento: de quem somos, do que nos tornamos, de onde estivemos, de onde fomos lançados, para onde nos dirigimos, do que estamos sendo libertados, do que o nascimento realmente é [isto é, a encarnação ou vinculação à matéria que, entre as Bruxas, Agirtas e Druidas, tal ato alquímico-fisiológico era motivo de tristeza e de luto; ao passo que a passagem de morte era desígnio de paz e felicidade para libertação deste mundo, como diz Socrates, o que, em consequência, assim como os orientais, as Bruxas usavam o branco, enquanto símbolo da paz, em virtude de que sua luta não era contra a passagem de morte física, mas, sim, contra a prisão no materialismo e na corrupção dos mortais], do que o renascimento realmente realmente se é" (EXCERPTA EX THEODOTO; 78, 2).

Outrossim, alguns membros da Linhagem Galileia, em conjunção ao Clã Socrático-platônico, deram origem à Linhagem Montanista ou Borborita do Clã Mitraico; assim como, também, por meio de Yehudhah ou Judas o Apóstolo (que reencarnou como Jeanne D' Arc, Iniciada da Bruxaria Medieval Pentárquica), emergiu a pouco honorável Linhagem Cainita ou Bogomilo-khlysta; através de Manichaeus, surgira a Linhagem Cátara ou Maniqueia; e de Menandros e o descendente Basilides, nasceu a Linhagem Menandriano-basilidiana ou Simoniana. Esmiuçadamente, a Linhagem Cainita ou Khlysta do Clã Mitraico, ao receber influência do Clã Adonista – presente na região da Síria, de Canaã, do Líbano e de Israel e que adorava a Deusa, o Deus e o Filho Divino sob os nomes de Myrrha, Yarikh/Jorah/Iakkhe e Dumuzi – e do Clã Telquino, expandiu-se para o Leste Europeu, a Península Balcânica e a Rússia; contudo, com a destruição do livro dos ensinamentos de Yehudhah (caluniado estereotipadamente pela Igreja Católica como ish-Qeryoth/escariotes ou sicário/feiticeiro, quando, de fato, nunca traiu Jesus Cristos em absolutamente nada e foi um dos mais leais discípulos de Jesus e apóstolos da Era de Peixes), as Arcas de Linhagem Cainita se fragmentaram em dissidência. Tecnicamente, Jeanne D'Arc a Donzela de Orleans, sendo iniciada na Bruxaria Medieval Pentárquica na França, desejou se entregar ao martírio ou sacrifício para redimição ou salvação do povo francês, o que, através do arquitetamento bruxesco da rainha Iolanda de Aragão e de Philippe III da Borgonha (instituidor da Ordem do Tosão de Ouro, cujo seu ex-camareiro fora acusado pela prática ilegal da Bruxaria), Jeanne D'Arc fora entregue às forças reais inglesas, de modo que estas o levasse Jeanne D'Arc para julgamento e condenação pela prática ilegal da Bruxaria – como ouvido vozes de Michael (vide: Mitras/Mica/Michael), de Santa Catarina (vide: Hypatia) e de Santa Margarida – e por hipotéticos (falsos!) atos ilícitos de feitiços ou goétia, aparentemente "coagida" pela própria sentença dos condenadores e carrascos da Inquisição, mas, autenticamente, consistia-se em um rito, o Expiação de Feiticeiro (vide o tópico da galeria: "Diferenças entre Feiticeiros, Curandeiros e Magos"); e por sua maestria, depois, fora declarada santa ou heroína. 


Uma parcela dos sacerdotes da Bruxaria Clássica deram origem, no Egito, aos escritos esotérico-pagãos guardados atualmente na Biblioteca de Nag Hammadi, como "O Discurso Sobre a Ogdóade e a Enéade""A Oração de Ação de Graças""Asclepios" (também presente no texto pós-medieval traduzido por Marsilius Ficinus, "Corpus Hermeticum") e "O Trovão, A Mente Perfeita(vide o tópico da galeria: "O Mito Bruxesco do Trovão, a Mente Perfeita"), descobertos junto com Evangelhos ou Boas Novas do Cristianismo, visto que a Bruxaria influenciou o surgimento deste. Ademais, na Linhagem Galileia deste Clã, o Filho Divino Mitras também era chamado de "Horos", da mesma forma que o Deus Apollon Paion era referido também como Hestos (consorte de Hestia). O termo "Abraxasreferia-se ao Filho Divino Horus/Harpocrates/Abrachaleus enquanto águia altíssima dos céus (ícone utilizado para representar o Sacro Império Romano), do Grande Imanifestável Zeus Hypsistos ou Ammon; ao passo que Sophia/Metis, depois de eclodir da ideia do Altíssimo Zeus a arcanja Atena Pronaia/Parthénos, a "Anima Mundiou "Ruach ha-Qedesh" (a Deusa Qetesh ou Alma Santa) ou Barbelo/Berbeia que, devido ao fato de descer até o mundo inferior ou submundo (para restaurar o que Ares/Ahriman/Seth degenerou), a Linhagem Coliridiana (do Clã Panatenaico da Trácia e Turquia) via Virgem Maria como "divina", pois, não obstante, Virgem Maria era a própria reencarnação da Shekhinah/Ideia do Altíssimo chamada Metis (pois, na língua pérsica, os Reis Magos, séculos antes da encarnação de Virgem Maria, profetizaram de que viria ao mundo uma virgem mãe de Saoshyant/Iasus chamada "Eredat-fedhri"), o que, em consequência, Virgem Maria conviveu junto com o "Presbítero Johannes", dando origem ao "Evangelho dos Oráculos de Maria" e à turca Basílica de Hagia Sophia (onde fora guardada a romana Coroa de Ferro, doada à rainha Theodolinda, que passou à Carlos Magno e, depois de imperadores sacro-romanos, à Napoléon Bonaparte), assim como era reconhecida entre as Bruxas Medievais Pentárquicas e Templários como Metis e que, considerando o fato de ser uma Shekhinah ou Ideia do Altíssimo, ensinava-se que não deveria ser adorada por estar acima de qualquer ato de adoração ou amor proveniente da terra. 

Estes são os motivos pelos quais Lois Bourne conta que as Bruxas genuinamente Tradicionais afirmam que Jesus Cristos havia sido "Bruxo", sendo que Joseph – similarmente como diz o antigo filósofo pagão Celsus – era conhecido em Roma como um soldado, chamado Tiberius Iulius Abdes Pantera (reencarnação de um Bruxo do passado), que nascera numa família céltica/cita dos Pandoura/Panduri (cujo significado é "descendente de Pandora/Tefenet/Persephone/Lilith", em referência à soberana mulher do matriarcado) e que, ao ser Iniciado no Clã Mitraico, tornou-se Sacerdote Vermelho de uma legião romana que fez expedição na região de Bad Kreutznach na Alemanha, onde faleceu aos sessenta e dois anos de idade (reencarnando, depois, como Proclus Lycaeus, Iniciado do Clã Platônico; Emrys Merlin, da Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda; Roger Bacon, monge herético que fora preso pela Igreja Católica e, em aliança com o bruxo e rei Edward I Longshanks, fora dono do filosófico Manuscrito Voynich; Cristoforo Colombo, um Templário que descobriu a Ilha de Vera Cruz, isto é, o Brasil ou "Hy Brasil" dos mitos de Camelot ["Vera Cruz" refere-se à verdadeira Cruz ou Iniciação de que possui a Bruxaria]; e Saint Germain Rakoczy, Bruxo e Magus ou Majestade de Bruxas e Iniciados que ficou famoso por sua nobre e virtuosa distribuição de ouro alquímico-espiritual); além de que Joseph era discípulo do centurião Quiriulius Cornelius (reencarnação de Platon, Iniciado do Clã Socrático-platônico; e do druida Allan Kardec, adepto da Bruxaria junto com Caius Iulius Caesar; e que reencarnou, depois, como Jan Hus, impulsionador da reconfiguração pró-Luterana ou Calvinista ao bruxesco Clã Turlupin ou Amauriciano/Proto-valdense em Igreja Evangélica Hussita/Valdense e que fora queimado pela Inquisição por heresia; e como Hippolyte Léon Denizard Rivail, codificador do Espiritismo Kardecista [vide: a Filosofia antiga]), que residia em Cesareia Marítima, local que, em sua estrada até Haifa, fora construído pelos Templários o "Château Pèlerin" ou Castelo do Peregrino. Por fim, Jesus ou Yeshua Ben Panthera, dito "o Unigênito", fora o mesmo que uma deidade dos mitos bruxesco-pagãos: Adam ou Atum/Aton/Eetion/Prometheus que, por sua revolução ontológica como rei sacrificado na Atlântida, entrou em guerra com o arquiteto do mundo ou demiurgos Tubalcain/Hephaistos e, ao ascensionar-se espiritualmente próximo aos Deuses como herói ou santo, retornou à terra como Iasus/Saoshyant o Carystos ou, na língua hebraica, Joshua/Yehoshua, aquele que dissipou a bárbarie da terra e, por último, retornou como Yeshua Ben Panthera ou Jesus Cristos, para recompensar a Justiça em banir a si mesmo (razão pela qual os Templários, que eram Bruxos disfarçados, acreditavam que Jesus Cristos fora "um Irmão que profanou os Mistérios ou Bruxaria"). Com isso, o Filho Divino Lucifer/Mitras/Michael (que não deve ser confundido com o maligno Ares/Ahriman/Seth o Satã, nem com o arquiteto do mundo ou demiurgos Tubalcain) foi condenado pelo Cristianismo para enaltecer Jesus, porém, alguns Cristãos haviam consciência de que Lucifer é o Filho Divino do discernimento da verdadeira luz oculta captada apenas pelos sensitivos e, em consonância, o Canto Gregoriano da Vigília Pascal, criado pelo Papa Zosimus em 417 d.e.c., afirma:

"Vamos, agora, Hostes de Anjos dos céus: deixem a divina Arte dos Sábios ou Mistérios [que desça à terra]: e a trombeta, pela vitória do tão grande Rei, ressoa a vida. [...] Encontra a sua chama, Lucifer, estrela da manhã: ele, eu digo, ó Lucifer, que não conhece a queda ou acaso. Cristo, seu filho; que, voltando do inferno, serenamente brilhou sobre a raça humana, que vive e reina pelo século dos séculos." ("Exultet iam Angelica Turba caelorum: exultent divina Mysteria: et pro tanti Regis victoria tuba insonet salutaris. [...] Flammas eius lúcifer matutínus invéniat: ille, inquam, lúcifer, qui nescit occásum. Christus Fílius tuus; qui, regréssus ab ínferis, humáno géneri serénus illúxit, et vivit et regnat in sæcula sæculórum"). 

Ou seja, diferentemente da concepção Cristã de que Lucifer seria "Satanás", tal Canto Gregoriano restabelece a concepção de que Lucifer, o Filho Divino das crenças pagãs, trata-se de um ser da luz do alvorecer e do bem comum e, em contraposição, declara que Jesus Cristos (enquanto Prometheus) caiu ontologicamente ao Tártaro ou Inferno e sugere-se que, por este ser "filho de Lucifer", saiu do inferno e restaurou parcialmente a condição de busca pela imortalidade, já que Adam ou Atum/Aton/Eetion/Prometheus (encarnação primitiva de Iasus/Saoshyant ou Joshua/Yehoshua e de Yeshua Ben Panthera/Jesus Cristos), havia 
causado degeneração ou queda ontológica aos espíritos terrenos, isto é, a formação do império da humanidade ou estado de seres mortais; o que, em consequência, Tubalcain/Hephaistos e Enoch/Hermes foram enviados pelo Altíssimo Uno ou Divindade Suprema (Zeus/Jove) à terra, no passado, para levar a julgamento os seres mortais e aprisionar ou acorrentar Adam/Prometheus ao Tártaro ou Inferno (como representado 
na pré-cristã Figura Vermelha do Vaso da Apúlia em que Prometheus se encontra em posição crucífera ou de "crucificado"), de modo que este o pagasse por seus atos malévolos causados até a vinda de Kheiron (o velho Saturnus), o qual, após libertar Prometheus, teve como filho, através de Chariclo 'a Graça Circundante', Cristos ou Carystos, o qual fora representado pelo galo ou águia nos antigos Clãs Telquino e Cábiro (isto é, o reconhecimento do Eu Superior após Prometheus cumprir a punição que recebera por seus pecados ou hamartias terrenas e, assim, a derrota total de Prometheus pelo Eu Superior e a ascensão deste último à iluminação como Iasus/Saoshyant ou, na língua hebraica, Joshua/Yehoshua), ou seja, Iasus/Saoshyant o Carystos renasceu, mais tarde, como Yeshua Ben Panthera/Jesus Cristos e, sendo Prometheus/Atum/Aton parte do Filho Divino Lucifer, passou a receber reverência, ainda na antiguidade, entre as Bruxas e Iniciados de maior parte dos Clãs da Bruxaria Clássica que, possuindo visão espiritual, reconheceram-no como um dos pilares pelos quais a Bruxaria fora fundada (porém, Akhenaton, com fraqueza moral da raça dos répteis, caiu na criação da corrupta religião anti-pagã e anti-bruxesca em Amarna, o Atonismo, do qual, através de Moises, surgiu o Judaísmo e, depois, o Cristianismo).

Também, a citação bíblica da "Estrela de Belém", diferentemente do que afirmam os Cristãos, não se tratou de um fenômeno astronômico meramente físico e, apesar de possuir relação com a estrela Sirius do Filho Divino que é enviado como fênix direto do Deus Cornífero pela vontade da Deusa Mãe em cada era astrológica, refere-se, por outro lado, à um ser misterioso que sabia do advento de Jesus Cristos e da Era de Peixes: o Paráclito da Bruxaria, o Velho Donzel dito 'Rei dos Druidas' que, segundo os antigos mitos bruxescos, com sua foice (curvada) dita Adamas/Adamantos ou Athame fora em busca do fruto crônida ou haoma que produz o Elmo Cornígero do Velocino Dourado de Hermes e que estaria escondido pela Adamanthea/Athamas ou visão terrena sob uma corda suspensa no alto da Árvore de Carvalho entre a terra, o mar e o céu, protegido por touros com sopro de fogo do Dragão, o que, somente através da Amalthea ou visão pura da "Pequena Aegis/Aex/Égide" ou "Cripta/Cubículo/Capela" (cujo uso terminológico advém da Bruxaria, não do Judaísmo), foi possível encontrar o Aur e/ou a Cornucópia, inspirando a fundação da antiga Caldeia e de Roma — e, sendo Profeta do Filho Divino Lucifer/Mitras, fora conhecido entre as Bruxas como El Aion/Uanna/Janus/Kronos o Saturnus (daí o termo "Satyr" aos seus aliados), como Kheíron, como Hyperion/Hiram Abiff e como Deucalion, o Molek Zedek (conhecido nas lendas pérsico-indianas como "Vivahngvant, o Rei dos Thrita/Dwidja" ou "Manu-vaivasvata, o Rei dos Dravidas"), ao passo que, entre os Judeus, ficara conhecido como Noach, o "Malkiy Tzadeq", pois, todas as criaturas devem prestar contas ao "Khronos" —, o protótipo pagão do "Papai Noel/Nicolaos" do Sabá Saturnália e sob o qual, depois de dar vida à Carystos, Jesus Cristo se tornou "alto-sacerdote segundo a ordenação de Malkiy Tzadeq" (EPÍSTOLA DOS HEBREUS). Entretanto, o Paráclito, na antiguidade remota, conferiu o cargo de "Deva" ao rei caldaico de Urim dito Abraham/Oraham, após o próprio Molek Zedek iniciá-lo na Bruxaria que, em contraste com a religião Atonística professada por Moises, ensinou as caldaico-pagãs Sete Formas de Justiça de Noach (Não idolatrar ou adorar estátuas; Não matar; Não roubar; Não ser sexualmente imoral; Não enganar; Não maltratar animais e criaturas em geral; e  Não se coligar à injustiças) e recebeu o encargo de libertar os povos hebreus da ignorância e superstição, surgindo a noção de que estes seriam "o povo escolhido por Deus" depois da prestação abraâmica de honrarias tributárias à Molek Zedek, o "Espírito da Verdade" que, mais tarde, instruiria a construção do "Templo de Salomon" (isto é, a forma real dos Templos Egípcios) na região do Monte Sião. Na antiguidade remota, há cerca de cinco mil anos antes da era cristã, conferiu-se o cargo de "Divus" ou Deva ao rei do Monte Nysa/Sinai conhecido como Pappos Seilenus/Cyllenus ou Bes o Silvanus, que se tornara profeta do Deus Cornífero (Dionysos/Osiris Bakha) e viajara para a Índia indochinesa e para a Céltica/Cítia dos trácios para ensinar a Bruxaria; na antiguidade clássica, o Paráclito, também conferiu o cargo de "Deva" à Daniyyel Beltessazar ou Presbítero Johannes ou Deva Joannes, o "Filho do Relâmpago" de uma terra mitológica do Oriente (os Campos Elíseos ou Báctria, o Reino Dionisíaco de El Aion e dos Bardos/Bruxas e Iniciados que, na língua indiana, chamou-se "Shambhallah", a terra das Sibilas e Agirtas), e seus adeptos, na idade média, foram acusados pela Igreja Cristã de possuir conhecimentos "gnósticos" ou ocultos sobre Jesus Cristos, cujas suas palavras foram recordadas por este Deva n"Apócrifo de Joannes":

“Agora, antes que fosse aprisionado pelos Judeus sem lei – por aqueles que estão sob a Lei da Serpente ilícita 
[isto é, Ares/Ahriman/Seth ou, na língua hebraica, Ha-Shaitan/Satã] – ele [Jesus Cristo] nos reuniu e disse: ‘Antes que eu seja entregue a eles , cantaremos um hino ao Pai e, assim, iremos adiante para o que jaz a frente’. Então, solicitando-nos a fazer como se fosse um anel [um círculo mágico, como se faz na Maçonaria e, principalmente, na Bruxaria], segurando as mãos uns dos outros, mantendo-o no meio, ele disse: ‘Respondam Amém para mim!’. [A palavra “Amém” deriva de “Amoun”, um termo pagão usado como encantamento bruxesco egípcio que, como diz Plutarco ao falar do antigo Clã Isíaco, era usado como Palavra de Poder, do Uno ou Zeus-Hammon, para atrair algo ou materializar preces aos Deuses]. Então, ele começou  a cantar um hino dizendo: ‘Glória a Ti, Pai!’. E nós, enquanto circulávamos em anel, respondíamos a ele: ‘Amém!’. ‘Glória a Ti, Logos!’. ‘Amém!’. ‘Glória a Ti, Kharis!’. ‘Amém!’. ‘Glória a Ti, Daemon [o Espírito Divino ou "Ruach ha-Qadesh", a Alma Santa]! Glória a Ti, Sacratíssimo Uno! Glória a Tua Glória!’. ‘Amém!’. ‘Nós Te louvamos, ó Pai! Nós Te damos Graças ó Luz! Na Qual não habitam Trevas!’. ‘Amém!’. Pelo que damos graças ao Logos [Jesus Cristo disse]: ‘Eu seria salvo e eu salvaria!’. ‘Amém!’. ‘Eu seria liberto e eu libertaria!’. ‘Amém!’. ‘Eu seria dissolvido e eu dissolveria!’. ‘Amém!’. ‘E seria gerado e eu geraria!’. ‘Amém!’. ‘Eu me alimentaria e eu seria alimento!’. ‘Amém!’. ‘Eu ouviria e eu seria ouvido!’. ‘Amém!’. ‘Eu seria compreendido [Nous, o Deus Inteligível Apollon], tudo sendo compreensão [Nous]!’. ‘Amém!’. ‘Eu receberia a purificação e eu purificaria!’. ‘Amém!’. ‘A Kharis [Graça] comanda a Dança! Eu tocaria flauta! Dancem todos vocês!’. ‘Amém!’. ‘Eu tocaria um canto fúnebre, lamentem-se todos vocês!’. ‘Amém!’. ‘A Ogdóade toca conosco!’. ‘Amém!’. ‘Os Doze [os Doze Anjos e Deuses, enquanto emanações olímpicas ou celestiais do Vigésimo Quarto Arcano Zeus/Jove/Yahuh do Altíssimo Uno ou Divindade Única e Suprema, o décimo terceiro de que fala 
uma citação litúrgica do Clã Mitraico: “Pois, Ele {o Altíssimo Uno} é o Oceano, fonte dos Deuses e dos mortais, em maré alta e maré baixa para sempre, ora subindo, ora descendo!”, assim como, também, fazia-se presente nos Clãs da Bruxaria Medieval Pentárquica.] comandam a Dança no Alto!’. ‘Amém!’. 


‘Tudo cuja Natureza seja Dançar!’. ‘Amém!’. ‘Quem não Dança, não Sabe o que está sendo feito!’. ‘Amém!’. ‘Eu fugiria e eu permaneceria!’. ‘Amém!’. ‘Eu embelezaria e seria embelezado!’. ‘Amém!’. ‘Eu seria unificado e eu unificaria!’. ‘Amém!’. ‘Eu não resido e eu possuo residências!’. ‘Amém!’. ‘Eu não tenho lugar e eu possuo lugares!’. ‘Amém!’. ‘Eu não tenho templo e eu possuo templos!’. ‘Amém!’. ‘Eu sou uma Pedra para ti que me Vês!’. ‘Amém!’. ‘Eu sou um Espelho para ti que me Reconheces!’. ‘Amém!’. ‘Eu sou uma Porta para ti que Bates!’. ‘Amém!’. ‘Eu sou um Caminho para ti que Viajas!’. ‘Amém!’. ‘E agora responde ao meu Dançar! Veja a ti mesmo em mim que falo! E vendo o que faço, guarda silêncio sobre meus Mistérios. Dançando compreende o que eu faço! Porque teu é o amor do ser, que eu estou para sofrer. Tu de forma alguma poderias estar consciente daquilo que de fato sofres! Eu sou teu Logos enviado pelo Pai! Vendo o que sofro, tu me vês como sofrimento. E vendo, tu não suportas, mas te comoves inteiramente, comovido para ser Sábio! Tu me tens por um eleito, repousa em mim... Quem eu sou, saberás quando eu me for. O que agora pareço ser [isto é, a persona], isto eu não sou! Tu verás quando vieres. Se tivesses sabido como sofrer, teria o poder de não sofrer. Conhece o sofrimento e terás o poder de não sofrer! Aquilo que tu não sabes, eu próprio te ensinarei. Eu sou a tua deidade, não a do traidor. Eu permaneceria em sintonia com as almas Santas. Em mim conhece tu, o Logos de Sophia [a Deusa Atena/Sophia]! Dize-me novamente: Glória a Ti, Pai; Glória a Ti, Logos; Glória a Ti, Ruach ha-Qedesh [a Deusa Qetesh ou "Anima Mundi", a Sophia ou Alma Santa, traduzido equivocadamente, pela Igreja, como "Espírito Santo"]! Mas, quanto a mim, se tu o soubesses o que fui: em uma palavra, eu sou o Logos que executou todas as coisas e que jamais se envergonhou! Fui eu quem pulou [ou caiu]! Mas, busca compreender tudo e, na compreensão [o Nous], diz: Glória a Ti, Pai!’. ‘Amém!’E tendo dançado todas estas coisas conosco, o bem-venerável, o Senhor, retirou-se. E nós, embora ao lado uns dos outros, como que nos acordamos de um sono, nos dispersamos cada qual por diferentes caminhos”. 

O Presbítero Johannes "escreveu", também, o sibilino "Livro de Daniyyel", em que expõe sua superioridade mágico-espiritual na Babilônia, em oposição aos malfeitores ou feiticeiros e mágicos enganadores, os quais, por sua vez, faziam uso de sofismas para se passarem por Adivinhos, quando, de fato, eram falsários e idólatras de demônios ou espíritos sem vínculo com a hierarquia divina; no entanto, Johannes julgou os Judeus corruptos que haviam condenado à morte uma mulher justa em função de sua feminilidade, o que, em consequência, tal livro fora alterado pelos Judeus, levando Porphyrios o Melech de Tiro (Iniciado do Clã Socrático-platônico) a cogitar que não fora escrito totalmente por Daniyyel ou Johannes. Ainda, o Presbítero Johannes escreveu o 
alquímico "Livro do Apocalipse" que, confrontando outra vez os nicolaítas ou bárbaros e feiticeiros ou malfeitores, abordou as "sete igrejas" ou corporações mundanas, isto é, os Sete Centros de Poder no corpo humano, que eram guiadas por "sete anjos" com "sete candelabros" na companhia de um "livro" com "sete selos", ou seja, os Guardiães da Bruxaria que, para ler os registros etéricos, é necessário desbloquear os Sete Centros de Poder e desenvolver espiritualidade em cada um destes; sendo que, o corrupto Ares/Ahriman/Seth ou Satã/Satanás na língua hebraica, lançou sete pragas e demônios e uma perturbação para ferir o demiurgos Tubalcain (que, em resumo, 333 anjos luciféricos continuaram nos céus, enquanto que 333 titãs, caindo na terra, dividiram-se, isto é, um total de 666 "anjos caídos" ou vespertinos, os quais deram origem à humanidade ou estado de mortal), o que, por fim, Enoch/Hermes necessitou criar sete remédios e anjos e uma graça ("Kharis") para restaurar o estado ontológico original por meio de Saoshyant/Prometheus Carystos ou Jesus Cristo (devoto de Hermes/Hormazd) que, dentre os quatro anjos principais, são os "Hayoth Ha-Kodesh" ou "Quatro Criaturas Santas" que rodeiam o diviníssimo Carneiro ou Cordeiro de Sete Chifres (isto é, os sete raios do Deus Cornífero Dionysos/Osiris ou Anpu/Apollon que são distribuídos no cosmos) com os "comungadores do maná oculto" e "ganhadores da pedra branca com novo e secreto nome", isto é, as Bruxas ou Iniciados que, por característica da Iniciação na Bruxaria, sua alma é purificada e regenerada para receber a Ambrosia ou Néctar dos Deuses e, em consequência, seu corpo é expurgado e dotado de beleza, ganhando um nome secreto (o Nome de Bruxa), por sua morte às coisas profanas e ressurreição no pleroma ou plenitude do Filho Divino. Ao passo que, os "quatro cavaleiros preto, branco, amarelo e vermelho", tratam-se dos quatro estágios alquímicos na guerra dos malévolos Centauros e Lápitas (que expulsaram as Danaides ou membros da "Tuatha-Dé-Danann" e Celtas ou Cito-cimérios) na região da Tessália e de Delfos em que surgiu a sibilina fenda de fumaça do Deus Apollyon/Apollon; porém, o Presbítero Johannes, assim como Jesus Cristo, desconsiderava a importância de Tubalcain depois de o Demiurgos ter sido ferido por Ares/Ahriman/Seth. No entanto, na idade média tardia, o Paráclito, antes de ocorrer a oficial "caça-às-Bruxas", conferiu o cargo de "Deva" à Basilius Valentinus ou "Christian Rosenkreutz", dito "Mestre Desconhecido", o Aesculapios ou Asclepios ou Imhotep entre os povos egípcios e cíticos/célticos que ficara célebre como profeta do Deus Dionysos/Osiris, mais tarde Orpheus ou Aristaios ou Aristeas Epimenides na Céltica/Cítia. Neste aspecto, o magus da Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona e alto-sacerdote do Conventículo de Nova Floresta, George Alexander Sullivan, diz:

"Ele [o Deva representante do Paráclito no Ocidente] veio como viajante do outro lado da Grande Divindade, não reconhecido por muitos, amado por uns poucos. Ele veio como portador de um Grande Segredo. Ele sabia o que estava para morrer, ele sabia como era viver novamente. Ele trouxe uma mensagem de esperança, paz e boa vontade para aqueles que iriam prestar ouvidos para escutá-lo. Ele veio como um homem, um homem que podia sentir dor intensa, amarga angústia, alegria indizível. Como um homem ele era simples, acreditando, culto e de voz suave, com uma tristeza nos olhos ao se falar do conhecimento dos caminhos dos homens, simpatia e compreensão. Para muitos, ele parecia ser 'perigoso', 'um tolo' ou 'um enganador'. Aos poucos, um companheiro simplório, pronto-a-ajudar-e-aconselhar. Às vezes, seus olhos se iluminavam com uma estranha luz. Alguém estava sofrendo e ele estava enviando forças de ajuda: em tais ocasiões ele era um curandeiro. Às vezes, ele tinha um olhar “distante” em seus olhos: ele era então um Mestre se comunicando com os Grandiosos muito além das Montanhas Brancas distantes. Em outros momentos, ele ouviu as vozes do rebelde profanar a Divindade, amaldiçoando a humanidade, um brilho inspirador em seguida surgiu em seus olhos. Nesses momentos, ele era perigoso. [...] Com que finalidade ele veio? Para instaurar uma religião, uma seita, para animar e instruir a Comunidade. Veio ele para desfazer um mal que tinha sido feito [...]. Através de clareiras de árvores variadas, em musgos macios ele vagou; em seguida, ele subiu uma pequena colina. Na colina, ele instruiu. [...] Sua voz levantou-se a um passo que se assemelhava a uma chamada, e o som ecoou pelo espaço. [...] Como? Aqueles que subiram o morro em humildade de espírito, que estão acima da mesquinhez de pequenas coisas, que são leais a si mesmos, bem como com os outros, vão aprender mais rápido. [...] A pessoa que conheceria o Mestre devia subir a colina íngreme sem ajuda, e de costas para o sol olhar para as alas abaixo, de onde ele veio. Ele vai contar doze passos que deve este comprimento e quarenta passos que devem ser curtos. Mas estas etapas devem ser percorridas, tanto mentais como fisicamente, e em humildade de espírito. [...] Desde longe veio uma voz, uma voz que mal falou acima de um sussurro, mas alto o suficiente para dizer – “O Mestre Desconhecido está perto, vigia-o, para com as sombras da noite ele se aproxima, tira-as de você quando menos ele espera. Seja vigilante!”.

Silenciosamente, muito sensatamente, são grandes problemas a serem resolvidos, lenta e seguramente são grandes mistérios sendo desdobrados e em verdade sagrada vem o Mestre Desconhecido, o mistério de seis séculos, para a vida dos homens. [...] Vós todos os que leem isto, procuram seus próprios pensamentos mais íntimos e se perguntem se vocês encontraram a luz. Perguntem a esses pensamentos, se você é leal a si mesmo, assim como aos outros, perguntem-se se vocês condenaram os outros quando vocês mesmos podem ser condenados. [...] Sempre, em todos os momentos, em todos os lugares que ele possa ser encontrado. Ele não se limita a qualquer país ou à um local específico. Ele não pertence a nenhuma raça em particular. Ele é de todas as raças. Ele não favorece um e não o outro. Ele favorece a todos. Ele não faz Iniciados por recomendação. Seus adeptos devem perceber a Iniciação antes que eles possam conhecê-lo como Mestre. Por provação e teste só ele faz Iniciados, para a Iniciação, que significa a travessia do limiar, a reunião e controle do Morador no caminho do crepúsculo da ilusão, e a visão do Magistério em consciência espiritual totalmente desperta. [...] Os verdadeiros adeptos do Mestre são conhecidos pelo progresso que eles fazem, pelo conhecimento que lhes é comunicado de forma mística, pelas suas respostas prontas para as perguntas, propunham a eles sobre os problemas da vida. [...] Saiba, então, vós que leem – vocês que estão dispostos a aprender com palavras simples – que não consignam esta mensagem às chamas, que são sinceras em que desejam alcançar o mais alto, que não difamam seus companheiros – que a sombra do Mestre Desconhecido mudou todo o caminho, e ele, em breve, poderá desempenhar um papel ativo no seu bem-estar espiritual. Seja vigilante, seja sábio, muito sábio; e vós podereis em breve ver a luz. [...] Não é cedo para ocorrer um apocalipse ou fim-de-mundo em várias fraternidades secretas e pode haver outras revelações. Além disso, alguns que não podem suportar a luz do dia; quem sabe salvar aqueles que transgridem. O Mestre Desconhecido tem muitos assistentes ou sacerdotes em todos os tipos de vida do mais alto ao mais baixo, o braço é longo e sua memória é longa. Muitos pensam que conhecem o Mestre Desconhecido, mas eles estão enganados. Eles leram suas obras, mas eles não o conhecem." (SULLIVAN, George A.). 

No entanto, Christian Rosenkreutz, na idade média tardia, decretou que toda Bruxa ou Iniciado deveria exercer a profissão de cura e sem cobrá-la, ao passo que as forças titânicas ou arcônticas que dominam a Igreja Católica levantaram uma perseguição de "caça-às-Bruxas" ou bruxomania na França e, depois, na Alemanha, onde o Paráclito e a família de Christian Rosenkreutz, fugindo de Languedoc até a floresta da Turíngia, foram mortos pela Inquisição, e o Castelo da família, por conter uma "herética" Capela do Espírito da Verdade, fora colocado fogo. Neste aspecto, o magus ou majestade George Alexander Sullivan, ao complementar acerca de Christian Rosenkreutz – considerando que Helena Petrovna Blavatsky, por motivos óbvios às Bruxas e Iniciados, não o descreveu , enfatiza que: "Em triplos números secretos eu declarei; Para aqueles que não se atrevem a correr, antes caminhavam [os seguidores ou animistas, os Cristãos; portanto, estes ensinamentos públicos são dirigidos, não às Bruxas e Iniciados ou àqueles que almejam o heroísmo ou santificação, muito menos aos materialistas ou ignorantes, mas, sobretudo, ao 'despertar do sono de Cristão']. Mas aqueles que caminharam, alguns segredos estranhos tinham compartilhado [a origem bruxesca de Jesus Cristo, que fora ensinado pelos Reis Magos, do Clã Mitraico/Zurvanita]; Enquanto aqueles que correram [os adeptos ou pneumáticos, as Bruxas e Iniciados] foram, de uma Velha Raposa [o Papa ou ocupante do trono de Simon Pedro, abominado pela Bruxaria e Ordem Rosacruz], perseguidos." (SULLIVAN, George A.). Porém, opondo-se à determinados sofistas ou ocultistas que criticavam os fundamentalistas Cristãos e, concomitantemente, continuavam a reproduzir superstições e charlatanismo ao seguirem a Sociedade Teosófica de Helena Petrovna Blavatsky e os preceitos da religião Budista, o Christian Rosenkreutz, em consequência disso, buscou orientar as pessoas para a verdade e o bem comum, de acordo com a Lei do Justo. Desta forma, em 2016 ocorreu a publicação de "As Novas Bodas Alquímicas de Christian Rosenkreutz", em que este diz: "Na qualidade de autor deste Manifesto, e antes que você tome conhecimento dele, eu gostaria de me apresentar. No passado, fui conhecido pelo nome de Christian Rosenkreutz, fundador mítico da Ordem Rosacruz, sociedade secreta cujas origens os historiadores do esoterismo situam no começo do século XVII, mas cuja Tradição é muito mais antiga, pois remonta às Escolas de Mistérios do Egito antigo. [...]. Na minha vida presente, nasci em 13 de dezembro de 1982 em Paris. [...]", desafiando os seguidores de religiões dogmáticas e suas superstições, de modo que os humanos sejam despertados espiritualmente do sono mortal em que se encontram, deixando de lado a idolatria ou adoração externa e, em consonância com a doutrina de Hermes, faz apelo para que as pessoas se voltem ao estudo filosófico ou oculto das leis cósmicas, tanto naturais ou físicas quanto sobrenaturais ou extrafísicas, que promovem o desenvolvimento alquímico-espiritual e a obtenção da verdadeira sabedoria ou ciência divina do cosmos, de modo a desenvolver com maior intensidade o potencial criativo da centelha divina oculta no interior de cada criatura, ao invés da superficial reprodução. Contanto, há alguns anos, uma pessoa familiar, também adepta da Bruxaria, disse que, na Europa da antiguidade tardia:

"Por toda a parte, Deuses e crenças eram atacados, forçando as pessoas a assumirem a contragosto os conceitos religiosos oficiais. Muitas das datas festivas e da mitologia dos ditos povos 'bárbaros' [compreendendo que nem todos os taxados de bárbaros realmente o eram bárbaros de fato] foram absorvidas pela religião oficial, tentando torná-la mais aceitável por aqueles povos. Mas, mesmo assim, houve uma reação. Por todo o império [império romano], diversos grupos foram organizados, tentando criar [ou preservar], cada um por si, um sistema que, no primeiro momento, deveria ser contra o Cristianismo. [...] Tinham como base a crença que a salvação viria do conhecimento, não da fé. Como a religião foi isolada pelo poder romano [imperial cristianizado], a Magia se uniu à Filosofia [ou se tornaram conhecidas conjuntamente, até porque já eram unidas anteriormente] para se contrapor ao poder político do império [quando tornado Cristão]. Os conhecimentos gnósticos eram apresentados por meio de textos que mostravam a conversa entre Deuses e Deusas da antiga religião romana. O personagem principal era Hermes Trismegistos [que fundou a Bruxaria e instituiu o "Magistério da Bruxariaou "Magistério da Arte", com a queda do 
demiurgos Tubalcain], ou 'Três Vezes Grande'.[...] Mas, em 529 o imperador [cristão] Justiniano fechou todas as escolas filosóficas de Atenas. Logo em seguida, seria o fim do império. E todo o conhecimento estruturado se perderia." (PUNTEL, A., p. 64).

Os Iniciados do Clã Mitraico/Mazdeísta, ensinavam que a "deidade" Judaica não era o Altíssimo Uno dos antigos pagãos greco-egípcios e romanos, mas, sim, Uriel/Azrael/Souriel/Ouranos o Caelus/Ya'akov ou Samael/Yaldabaoth, a deidade egípcio-mosaica do Antigo Testamento e de que os pagãos geralmente se recusavam a adorar e, por não ser o incognoscível Altíssimo Uno nem ter a beleza do benéfico Deus Cornífero dos Mistérios e das Bruxas, deveria ser rejeitado e desconsiderado. Também, ensinava-se que o mundo natural havia sido criado por um anjo lucífero que se tornou anjo vigilante, o demiurgos ou arquiteto do mundo Tubalcain/Ptah no período da Atlântida que, com a traição de Ares/Ahriman/Seth ou Satanás, atraiu o antagonismo das forças arcônticas ou titânicas e maléficas com a condensação ou densificação do mundo, o que, em consequência, resultou na guerra atlante ou troiana/hitita contra Tubalcain e, por fim, a ocorrência de sete ferimentos e demônios por obra do maligno Ares/Ahriman/Seth ou Satanás que aliciou Naamah/Ninmah/Niamh/Nemesis a Aphrodite Pandemos/Zerynthia Kale/Sarah Kali. Porém, apesar de Jesus Cristo ter sido iniciado na Bruxaria Clássica e ter sido devoto de Hermes, inverteu a doutrina hermética: enquanto Hermes Trismegistos ensinou a tomada de consciência (a sabedoria da Fênix) para não sofrer demasiadamente no caminho à perfeição, Jesus Cristo ensinou o sofrimento demasiado (o sacrifício do Peixe) para tomada de consciência no caminho à perfeição, assim como, enquanto o "Rei Sábio" promoveu o equilíbrio entre os gêneros feminino e masculino, o "Cristo" defendeu a extinção da feminilidade em prol da falsa noção de que o pecado se originou com a mulher. Contudo, é importante lembrar que a Bruxaria não é Cristã (pois, Bruxaria não é religião de massa e, Jesus Cristos, por sua Iniciação na Bruxaria, assim como Zoroastro e Hippolyte Léon Denizard Rivail, é reconhecido como Irmão), isto é, a Bruxaria é pré-Cristã e religião de segredo que antecede tanto o Zoroastrismo quanto o Cristianismo; pois, enquanto os Cristãos o veem Jesus Cristo como sendo o próprio Deus encarnado, a Bruxaria reconhece que Jesus Cristo não é o Deus encarnado, isto é, Jesus Cristo é visto como sendo uma pessoa que fora adepta da Bruxaria e que, considerando as maldosas façanhas de Jesus em sua encarnação anterior como Yehoshua/Yoshua ou Iasus, que incendiava cidades não-hebraicas para matança das pessoas (vide: Livro de Yoshua, da Bíblia Judaica), alcançou parcialmente a santidade ou heroísmo; assim como, diferindo de religiões de massa que fazem uso de proselitismo ou pregação erística às multidões, a Bruxaria rejeita o proselitismo por acreditar que a verdadeira religião deve partir da profundidade íntima do ser; e não obstante, na Bruxaria, nem a mulher nem o homem são vistos com desprezo um em detrimento do outro, visto que ambos, quando dignamente despertos e justos, possuem a chance de ser Iniciados na Bruxaria como qualquer criatura que almeja a religação com os Deuses e, sobretudo, pode-se alcançar o alto-sacerdócio e a regência fraternal ou clânica; o que, consequentemente, não se pode afirmar o mesmo no Cristianismo, nem no Zoroastrismo, muito menos no Judaísmo, nem sequer no Islamismo, e mesmo que houvesse uma seita que aceitasse a igualdade acerca do papel feminino, a Bruxaria sempre foi, e sempre será, independente de qualquer outra religião que lhe impute opiniões ou ideologias iguais ou diferentes.


- Mysteria Vestal:
Período e local: Na Idade Antiga, no reino de Alba Longa, em Roma.
Descrição: Reconhecida pelas leis civis em Roma e, mais raramente, em algumas regiões da Grécia. 
Este Clã teve origem com o rei e alto-sacerdote Romulus (reencarnação de Telchin, instituidor do Clã Telquino) e com sua mãe, a magistra Rea Silvia, uma princesa da família real de Alba Longa, com descendência até a Virgem das Oliveiras Atena Agoraia/Egeria; mais tarde, reinstaurado pelo rei Numa Pompilius (reencarnação de Serapis, do Clã Menfita ou Serápico, que também reencarnou, depois, como Socrates, do Clã Platônico), que recebeu as Leis diretamente com Atena Agoraia/Egeria, a Virgem das Oliveiras ou Madonna Oriente através da qual Hermes fundara a Bruxaria, para assegurar a prosperidade e a fertilidade da pátria romana por meio do inapagável Fogo Sagrado. Rea Silva ficou conhecida nas lendas romanas por ter sido estuprada, por um Magister do Clã Arval ou do Clã Sálio, em uma floresta, onde deu à luz à Romulus e seu irmão-gêmeo, Remus. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Hestia/Mater e Apollon ou Janus Hestos (também chamado de Ianitos, Iunonius, Iancus, Duonus Cerus ou Quirinus) e seus Nomes Secretos, e a adoração pendia sempre mais para a Deusa Virgem-Mãe. O termo "Janicot", nome que as Bruxas Medievais do país basco davam ao Deus de Chifres, é uma corruptela de Innus ou Janus/Ianitos/Iancus/Iunonius, cuja veneração era comum no Monte Janiculum, em Roma. O período de treinamento sacerdotal de trinta anos não era em vão, pois, as Bruxas do Clã Vestal desenvolviam poderes mágicos acima do comum e Gaius Plinius Secundus, ao discutir sobre a eficácia da magia em sua obra "História Natural", declara a eficiência dos poderes mágicos das bruxas vestais: "Hoje em dia, também, é uma crença comum, que as nossas virgens Vestais têm o poder, proferindo uma determinada prece, para deter a fuga de escravos fugitivos, e para prendê-los para o local, desde que não tenham ido além dos limites da cidade. Se, em seguida, estes pareceres são recebidos como verdade e se admitir que os Deuses não ouvem certas preces, ou são influenciados por definir as formas de palavras ou encantos, somos obrigados a concluir afirmativamente sobre toda a questão" (GAIUS PLINIUS SECUNDUS). Se algum criminoso ou prisioneiro, ao ser levado à prisão, avistasse uma Iniciada deste Clã, automaticamente, era inocentado de seu crime; ou seja, as Bruxas ou Iniciadas Vestais eram vistas com grande respeito e foram consideradas em alta estima como Sorores do Clã Vestal. Antes de realizar a prática expiatória do "Sacrifício do Porco [ou Javali]ou o Churrasco de Carneiro pelos Iniciados dos Clãs Sálio, Lupercal, Arval e Artemisiano, as Iniciadas do Clã Vestal preparavam a "Imolação" ou "Mola Salsa(literalmente "farinha salgada"), uma mistura de sal e farinha de trigo branca em que era moída e torada, para aspergir sobre o animal.


A Iniciação, neste Clã, começava aos sete anos de idade para tornar-se sacerdotisa, estendendo-se o treinamento em um período de trinta anos (pois, os Graus Iniciáticos da Bruxaria no passado duravam vinte e um anos para conquistar, mais um ano de ante-grau e sete anos de magistério ou alto-sacerdócio; então, ao finalizar vinte e nove anos ou ao completar trinta anos, encerava-se o aprendizado iniciático). Porém, no início da oficialização do Cristianismo em Roma, acreditava-se que, com a destituição do sacerdócio das vestais, traria como consequência uma diminuição da fertilidade e aumento das desgraças sobre as colheitas dos campos no decorrer do ano: "As leis de nossos ancestrais previam às virgens Vestais e aos ministros dos Deuses uma preservação equilibrada e privilégios justos. Este dom foi preservado inviolavelmente até o tempo dos degenerados cambistas, que desviaram a manutenção da castidade sagrada para um fundo [monetário] para o pagamento de carregadores de base. A partir deste ato acarretou a fome pública e uma má colheita, decepcionando as esperanças de todas as províncias... era o sacrilégio que levou à um ano estéril, pois era preciso que todos devessem perder o que haviam negado à religião [a antiga religião](QUINTUS AURELIUS SYMMACHUS). Manter o fogo aceso no Templo do Clã Vestal significava não apenas preservar a luz de Roma, mas, também, assegurar a fertilidade e as boas colheitas dos campos, os quais dependiam do poderio vivo da antiga tradição das sacerdotisas da Deusa. Se uma sacerdotisa burlasse alguma das Leis do Clã, era aprisionada, açoitada e entregue ao chefe político do Estado Romano para ser enterrada viva. O escritor latino da antiguidade tardia Valerius Maximus, conta que, no passado, uma Iniciada deste Clã chamada Tuccia fora acusada de prostituição em determinada situação, todavia, a bruxa ou iniciada Tuccia, para provar de que tal acusação era falsa transportou água em uma peneira chamando à Deusa: "Ó Hestia! Se eu sempre trouxe as mãos puras aos seu sacerdócio secreto, demonstra, desta forma, que com esta peneira serei capaz de tirar água do Tibre trazê-la ao seu Templo!", o que, em consequência, fora inocentada da acusação em função de seus poderes miraculosos ou mágicos concedidos pelos Deuses. Com a oficialização do Cristianismo, suas sacerdotisas foram extintas e sua Rainha ou Máxima Vestal, a velha Coelia Concordia, em 380 d.e.c., "se converteu ao Cristianismo" levando à queda desta confraria. 


- Mysteria Arval:
Período e local: Na Idade Antiga, em Alba Longa e em Roma.
Descrição: Reconhecida pelas leis civis dos reis e imperadores em Roma. 
Este Clã teve origem com o rei e alto-sacerdote Romulus (reencarnação de Telchin, instituidor do Clã Telquino), com descendência até a família real de Alba Longa e que, assim como o Clã Vestal, fora instituído em conjunção; mais tarde, reinstaurado pelo rei Numa Pompilius (reencarnação de Serapis, do Clã Menfita ou Serápico, que também reencarnou, depois, como Socrates, do Clã Platônico), ao receber as Leis bruxescas diretamente da Virgem Egeria/Atena Agoraia. Dentre as linhagens principais deste Clã, são: a Romana e a Titiense. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Opis/Fana/Bona Dea ou Dea Dia e Apollon Janus ou Fauno e seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia mais para a Deusa. Priapus era homenageado como o Filho Divino, também denominado de Filho da Prosperidade. No Sabá primaveril, dois lictores ou combatentes  um representando as forças obscuras do maligno Ares/Ahriman/Seth em que atraia os maus espíritos e feiticeiros para dentro de si, e outro representando as forças heroicas do hierofante Enoch/Hermes/Hormazd  entravam em batalha, no intuito de que o Combatente do Bem (vide: "Benandanti" versus "Estriges") conseguisse capturar, com maior facilidade, as criaturas lupinas, demônios e malfeitores. No Clã Arval, de maneira análoga ao Clã Sálio e ao Clã Mitraico, seus iniciados participavam, também, das Legiões Romanas para lutar por justiça social e estabelecimento do pacifismo ou harmonia entre os diversos povoados bárbaros, guerrilheiros e invasores. Na antiguidade tardia, os Bruxos ou Iniciados do Clã Arval e do Clã Sálio se responsabilizaram por trazer a "Pedra Negra" de Pesimonte  também chamada de "Petra Genetrix" ou "Omphalos", que representava o Caldeirão da Deusa ou Santo Graal, também referida simbolicamente como "Número do Cosmos" , da Anatólia ou de Troia, em favor da linhagem Coribante do Clã Metragirta e do Clã Vestal, para Roma. Na modernidade, Doreen Valiente citou que os membros deste Clã se reuniam, assim como a maioria dos demais Clãs da Bruxaria Clássica, em grupos de doze membros e um líder.


- Mysteria Socrática, mais conhecida como Mysteria Socrático-platônica:
Período e local: Na Idade Antiga, na Grécia e em Roma.
Descrição: Reconhecida popularmente na Grécia, no Egito e em Roma. Este clã constituía-se em uma síntese dos ensinamentos místico-bruxescos propagados inicialmente por Socrates e seu Iniciado Platon — cujo seu verdadeiro nome era Aristocles — e, em seguida, pelos membros descendentes, como Asclepigenia, Asclepiodotus de Alexandria, Eudoxus, Numenius, Ammonius Saccas, Ammonius Hermiae, Aedesia, Plotinos (que reencarnou como Paolo Caliari Veronese em Vêneto na Itália, onde realizou obras pagãs, como "Jupiter Expulsando os Vícios", sendo acusado de heresia pela Inquisição), Iamblichus (Iniciado dos Clãs Serápico, Platônico e Pitagórico, além de possuir descendência até a Linhagem Sampsigerama do Clã Dulicieno), Proclus Lycaeus (reencarnação de Platon, que depois reencarnou, também, como Merlin na corte de Camelot, em Somerset, Inglaterra), Porphyrius, Hypatia, Teon, Flavius Claudius Iulianus (Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino, que era reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexander III o Magno, Iniciado do Clã Amonita, e de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; e que reencarnaria, depois, como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), Saturninius Secundus Salustius, Flavius Sallustius (natural da Gália que, juntamente com Flavius Claudius Iulianus, reconfigurou a Bruxaria na corte romana e por toda a Europa sob o formato medieval de Pentarquia ou Cinco Clãs), Maximus de Éfeso, Lucius Apuleios, Hermeias, Damascius, Heliodorus, Isidorus, Ploutarchos de Atenas, Olimpiodorus o Jovem, Marinus, Eulamius, Sopatros/Sopater, Amelius Gentilianus, Polemon, Sosipatra, Aedesius, Crisancios, Antonino, Eunapius, Hegias, Marcus Aurelius Valerius Tullianus Symmachus Phosphorius, Priscianus Lydus, Theophrastus (que descreveu em "Historia Plantarum" ou "História de Plantassobre o uso alquímico e de magia simpática da "erva-de-Cristoforo-Colomboou "Capsicum", comum no continente americano), Lucius Cornelius Alexander (discípulo de Gaius Iulius Hyginus), Origenes o Pagão, Theodorus (acusado injustamente por seus rivais de "ateísmo", mesmo adorando os Deuses pagãos), Aristippus o Ancião, Aristippus o Jovem, Aniceres, Hegesias, Simplicius, Sirianos, Lucius Annaeus Seneca (que, assim como Flavius Sallustius, sintetizou os aspectos bruxesco-filosóficos na reconfiguração dos Clãs da Bruxaria no final da antiguidade; sendo reencarnação de Serapis, instituidor do Clã Serápico; de Numa Pompilius, instituidor do Clã Sálio; e de Socrates, instituidor do Clã Socrático-platônico), Zenon de Cítio, Arete, Chrysippus, Poseidonios, Heraclitus Homericus, Ariston de Quios, Apollodorus de Atenas, Panaetius de Rodes, Diogenes de Selêucia, Aristarchus da Samotrácia, Cleanthes, Caius Musonius Rufus, Eufrates, etc., cujos atos mágicos e encantamentos impressionaram o povo e logo, assim como grande parte dos Clãs da Mysteria tardia, seus Iniciados foram acusados de lançar feitiços e pestilências nas plantações e arruinar as colheitas e, portanto, foi o Clã da Bruxaria Clássica em que seus membros mais foram perseguidos pelos Cristãos. 

O Clã Socrático-platônico possuía sua principal descendência até os Clãs Pitagórico e Menfita. O Clã Socrático-platônico possuía diversas linhagens, como por exemplo: a Ateniense, a Alexandrina, a Carpocraciana ou Adamita, a Romana, a Estoica, a Perata e a 
Cirenaica ou Cirenaico-teodórea. O mestre Socrates (reencarnação de Numa Pompilius, que instituiu o Clã Sálio; e de Serapis, que instituiu o Clã Menfita; que reencarnaria, depois, como Lucius Annaeus Seneca, Iniciado do Clã Mitraico) era um filósofo e alto-sacerdote instituidor do Clã Socrático-platônico, pois, fora Iniciado da sacerdotisa Diotima de Mantineia, além que era um admirador de livros acerca da sacralidade sexual e, não obstante, era um famoso bissexual e poligâmico. Em determinada ocasião, Socrates disse: "Ó Querido Pan e todos os Deuses que permeiam este lugar, dê-me a beleza na alma mais profunda. Que todos os meus bens externos estejam em amistosa harmonia com o meu interior. Posso considerar o sábio, rico; quanto ao ouro, permita-me ter tanto quanto um homem equilibrado pode suportar e carregar consigo". Socrates foi morto por envenenamento forçado pelos legisladores do Estado Greco-Ateniense, como diz sua sentença: "Sócrates é culpado do crime de não reconhecer os deuses reconhecidos pelo Estado e de introduzir deuses novos; ele é ainda culpado de corromper a juventude. Castigo pedido: a morte" (MELETO) e, respeitando calmamente tal acusação falsa, Socrates disse ao povo e aos carrascos: "Eu predigo-vos portanto, a vós juízes, que me fazeis morrer, que tereis de sofrer, logo após a minha morte, um castigo muito mais penoso, por Zeus, que aquele que me infligis matando-me. Acabais de condenar-me na esperança de ficardes livres de dar contas da vossas vida; ora é exatamente o contrário que vos acontecerá, asseguro-vos [...] Pois se vós pensardes que matando as pessoas, impedireis que vos reprovem por viverem mal, estais em erro. Esta forma de se desembaraçarem daqueles que criticam não é nem muito eficaz nem muito honrosa. [...]” (SOCRATES). Em procedência à sua condenação, Socrates declarou que:

“[...] talvez imagineis, senhores, que me perdi por falta de discursos com que vos poderia convencer, se na minha opinião devesse tudo fazer e dizer para escapar à julgamento [de mortais]. Enganais! Perdi-me por falta, não de discursos, mas de atrevimento e descaro, por me recusar a proferir o que mais gostais de ouvir: lamentos e gemidos, fazendo e dizendo uma porção de coisas que declaro indignas a mim, tais como costumais ouvir dos outros. [...] Quer no tribunal, quer na guerra, não devo eu, e não deve ninguém, lançar à mão todo e qualquer recurso para escapar à morte. Com efeito, é evidente quê, nas batalhas, muitas vezes se pode escapar à morte, arrojando as armas e suplicando piedade aos perseguidores; em cada perigo, tem muitos outros meios de escapar à morte quem ousar tudo fazer e dizer. Não se tenha por difícil escapar à morte, porque muito mais difícil é escapar à maldade [e à injustiça]; ela corre mais rápida que a morte. [...] Quanto não se daria, senhores juízes, para sujeitar a exame Aquele que comandou a imensa expedição contra Troia, ou Ulysses, ou Sisyphos – milhares de outros se poderiam nomear, varões e mulheres, com quem seria uma felicidade indizível estar junto, conversando com eles, sujeitando-os a exame! Os de lá absolutamente não matam por uma razão dessas! [...] Bem, é chegada a hora de partirmos, eu para a morte, vós para a vida. Quem segue melhor rumo, se eu, se vós, é segredo para todos, menos para a divindade.” (SOCRATES apud PLATON; In: Defesa de Socrates).

Platon, da mesma forma que seu Magister Socrates, aprendeu e ensinava a 
Antiga Teologia ("Prisca Theologia"), um conjunto de conhecimentos mágicos da Antiga Religião de Segredos (a Bruxaria) que outrora havia se perdido. Socrates acreditava em seu "Daemon" (também um título de Dionysos/Aidoneus, Khronos, Sabazius, etc., como o Senhor do Espírito que produz os frutos sobre a terra, a força máscula de "Agathos Daemon"), que é o nosso próprio Eu Superior. Todavia, antes de ser morto, Socrates fala à um de seus discípulos: "Criton, somos devedores de um galo a Asclepios; pois bem, pagai a minha dívida. Pensai nisso"Além disso, Socrates participou, segundo Platon, da procissão de tochas e do festival Bendideia, para fazer orações à Deusa e adorá-La (vide a obra de Platon: "A República"), porém, para Socrates, a procissão de costume trácio (ou de Linhagem Edônio-céltica) da Deusa era mais bela que a procissão de costume ateniense, o que, por sua vez, sugere que Socrates já teria participado, anteriormente, do festival edônio-cimério do Clã Zamolxiano, sendo possível pressupor que, em algum momento, Socrates esteve presente em uma região em que os costumes edônio-cimérios do Clã Zamolxiano/Órfico eram praticados como na Trácia. A reencarnação ou palingenesia, conforme os ensinamentos platônicos, tende a favorecer o Bom e o Belo, primeiramente, para: 1) os Filósofos ou Heróis ou Santos; decaindo gradativamente, 2) as Majestades ou Reis ou Rainhas; 3) os Justos ou Geômetras ou Políticos que agem conforme a Justiça; 4) os Terapeutas ou Magos que trabalham com a Cura ou Curandeiros; 5) as Bruxas ou pessoas que receberam a Iniciação na Arte dos Sábios; decaindo mais ainda, 6) os Poetas ou Menestréis; 7) os Artesões de objetos ou Construtores Físicos; 8) os Sofistas ou Demagogos ou Mágicos Enganadores; e por fim, 9) os Tiranos ou Molestadores e Malfeitores ou Feiticeiros. Socrates foi um autêntico filósofo e um verdadeiro santo ou herói revolucionador da Arte dos Sábios, o qual tornou-se um exemplo de Magister entre os Clãs da Bruxaria, de Roma imperial até à idade média europeia, onde era relembrado como um grande filósofo, tanto por Bruxas como por Muçulmanos e Cristãos. Platon, na obra Timaeus, é o primeiro a falar sobre a Atlântida ou Civilização Atlante na antiguidade clássica:



"Há no Egito – começou Crítias –, no extremo inferior do Delta, em redor da zona onde se divide a corrente do Nilo, uma região chamada Saiticos; e da maior cidade dessa região, Sais – precisamente de onde era natural o rei Amosis – (…). Dizia Solon que, enquanto por ali andou, era muitíssimo respeitado por eles, e que, a certa altura, ao questionar os sacerdotes mais versados sobre acontecimentos antigos, descobriu que nem ele nem nenhum outro grego sabia, por assim dizer, quase nada sobre aquele assunto. Como ele pretendia induzir os anciãos a conversarem sobre acontecimentos antigos, pôs-se a contar as tradições ancestrais que há entre nós. Falou de Phoroneus, que se diz ter sido o primeiro homem, e de Níobe, de como Deucalion e Pirra sobreviveram ao dilúvio, e discorreu sobre a genealogia dos que lhes sucederam. (…) Então, o sacerdote respondeu o seguinte: 'É sem reserva alguma que to contarei, ó Solon, por consideração a ti e à vossa cidade e, acima de tudo, por gratidão à deusa, a quem coube em sorte a vossa cidade e também esta, que ela criou e educou – primeiro a vossa, mil anos antes da nossa, depois de ter recebido de Gaia e de Hephaistos a semente de onde vós nascestes, e depois esta aqui. De acordo com os números gravados nas escrituras sagradas, a nossa cidade foi organizada há oito mil anos. (…) Os nossos escritos referem como a vossa cidade um dia extinguiu uma potência que marchava insolente em toda a Europa e na Ásia, depois de ter partido do Oceano Atlântico. Em tempos, este mar podia ser atravessado, pois havia uma ilha junto ao estreito a que vós chamais Colunas de Heracles – como vós dizeis; ilha essa que era maior do que a Líbia e a Ásia juntas. (…) Nesta ilha, a Atlântida, havia uma grande confederação de reis com uma autoridade admirável que dominava toda a ilha, bem como várias outras ilhas e algumas partes do continente. (…) Esta potência tentou, toda unida, escravizar com uma só ofensiva toda a vossa região, a nossa e também todos os locais aquém do estreito. (…) Posteriormente, por causa de um sismo incomensurável e de um dilúvio que sobreveio num só dia e numa noite terríveis, toda a vossa classe guerreira foi de uma só vez engolida pela terra, e a ilha da Atlântida desapareceu da mesma maneira, afundada no mar'." (TIMAEUS).
Os Iniciados do Clã Platônico, assim como os Iniciados dos Clãs Metragirta/Gálico e Isíaco-osiriano e da maioria dos demais Clãs, principalmente àqueles de influência céltico-gaulesa, tradicionalmente faziam o sacrifício de uma porca ou leitão ou javali à Deusa Estelar (no chamado "Sacrifício do Porco ou Javali") e, desta forma, privavam-se da alimentação de carne suína por esta conter substâncias nocivas à saúde mágico-espiritual da Bruxa. Os Iniciados e Bruxas do Clã Platônico ensinavam que um verdadeiro Sábio, para alcançar a verdade ou sabedoria antiga, era necessário iniciar a partir do Mundo Sensorial ou dos Sentidos ("mundo sensível" é uma tradução atual equivocada!) ou Mundo Inferior para que fosse possível chegar ao Mundo Inteligível ou Mundo Superior, o que, por sua vez, significava que é por meio da Magia Natural ou Baixa Magia — e, consequentemente, na simplicidade e no contato com a natureza — que chegamos à Teurgia ou Alta Magia. Neste sentido, Gerald Brosseau Gardner ensinava que "É somente através da Deusa que chegamos ao Deus"; pois, na Bruxaria genuína, acredita-se que, embora a Deusa também tenha seu valor, é do Deus Cornífero que vem o Poder Maior, da mesma forma que a Lua reflete a luz da nossa galáxia (advinda de Sirius). Os ensinamentos platônicos substanciais afirmavam que é a partir das inspirações e admirações da "Euforia Divinaou "Frenesi Divino("Theia Mania", de que fala Platon, Plotinus e Gerald Brosseu Gardner; às vezes traduzida erroneamente como "loucura" ou "delírio", por parte dos leigos que não sabem diferir a paranormalidade de anormalidade), características do Mundo das Sensações ou Mundo Inferior, que nos levariam até as "Ideias" — isto é, as associações intuitivas inatas e ante-pessoais ou formas divinas, chamadas na Bruxaria Medieval por "Gnoses" ou "Associações Encadeadas" ou "Associações Correntes de Memória" ("Memory Chain Associations"), como cita Raven Grimassi, portanto, eternas e superiores aos estímulos e instintos — originárias do Mundo Inteligível ou Mundo Superior, era possível chegar à contemplação da Beleza, do Bom (que não é exatamente "o bem", mas, sim, o que nos regozija e nos deleita) e da Justiça, características da Deusa Estelar, a Alma do Mundo ("Anima Mundi" ou "Dianoia"), e do Deus Apollon, o Inteligível ("Nous" ou "Noesis"), o que, portanto, nos levaria à verdadeira Felicidade ou Autorrealização. 

A recordação das "Ideias" ou capacidade de lembrarmos de nosso passado atávico foi chamada, por Platon, de "Anamnésiaou "Anamnese"Socrates costumava falar que: "O Conhecimento está dentro das pessoas; No entanto, posso ajudar para o nascimento deste conhecimento", foi aí que surgiu o método maiêutico, isto é, de 'partodas Ideias, que não constitui especulação em si, mas, sim, de chegar à razão pela sensibilidade, a partir de um processo onde cada pessoa deve recordar-se do conhecimento profundo de sua alma, outrora esquecido. Segundo Platon, as inspirações e admirações da "Euforia Divinaou "Frenesi Divino"  — enquanto dom dos Deuses que leva os mortais, na busca do amor pelo belo ou pela própria beleza, à transcendência da matéria e à quebra dos padrões corruptos da sociedade — só poderiam levar até as "Ideias" uma pessoa que já tenha tido Iniciação na "Mysteria" ou Arte dos Sábios, da mesma forma que ensinava a Bruxaria Medieval (tal como o axioma: "uma Bruxa nasce Bruxa", porque tal inatismo mágico transcende o pensamento dos críticos materialistas). Pois, na Linhagem Estoica em que descendia do filósofo Zenon de Cítio — o qual aprendeu com o sábio Xenocrates e o mestre do Clã Socrático-platônico Polemon — e que fora propagada por Epictetus, ensinava-se que os instintos ou paixões resultavam em erros de julgamento e que, como a justiça ou julgamento da verdade objetivava as virtudes, seria necessário, para estar em conformidade com a natureza divina ou cósmica, desenvolver o senso de livre-pensamento ou pró-heresia ("Prohairesis", o livre-arbítrio) de acordo com a razão ou logos para que pudesse discernir; pois, ao contrário de alguns autores contemporâneos, tal aspecto não se referia à pró-heresia das emoções inferiores ou destrutivas, comuns entre os Sofistas ou Mágicos Enganadores como diz Flavius Claudius Iulianus, mas, referia-se à uma pró-heresia do eu superior. De acordo com Platon, a "Euforia Divinaou "Frenesi Divinocompreende quatro estágios da prática mágico-religiosa: o [1] "Frenesi Místico", a purificação e a íntima relação com os Deuses, que pode levar a ocorrer uma Hierofania (manifestação de um santo ou herói); o [2] "Frenesi Divinatório", o contato com os Deuses, que pode resultar em uma Epifania (manifestação de aparição ou profecia); o [3] "Frenesi Erótico", o amor fascinador e a união com os Deuses, que pode incorrer numa Teofania (manifestação dos Deuses ou incorporação); e o [4] "Frenesi Poético", a inspiração encantatória nos Deuses, que pode resultar na Filosofia ("afeição à sabedoria", obtida por meio da admiração da natureza que conduz à interrogação ou busca interior). 

Nos ensinamentos platônicos, o Amor — diferentemente da concepção vulgarizada como "amor platônico" na modernidade (isto é, como um amor ascético ou incorrespondido) — trata-se de uma expressão da chamada "Euforia Divinaou "Frenesi Divino" e que possui como característica basilar a identificação ou afeição com as formas belas que lhe inspiram no Mundo das Sensações e, aos poucos, essa identificação ou afeição evolui, em um estágio sétuplo, das formas belas para a própria beleza, a qual se origina do Mundo Inteligível ou Mundo Superior. Platon diz: "Eis [...] em que consiste o proceder corretamente no caminho do Amor ou por outro se deixar conduzir: em começar do que aqui é belo e, em vista daquele belo, subir sempre, como que servindo de degraus [...] dos belos corpos para os belos ofícios, e dos ofícios para as belas ciências até que das ciências acabe naquela ciência [a Arte] que de nada mais é senão daquele próprio belo, e conheça em fim o que em si é belo" (PLATON; In: "O BANQUETE"). Conforme os ensinamentos platônicos, o próprio amor sexual, por exemplo, é muito mais vasto que os impulsos e instintos, iniciando do amor imanente e transformando-se para o amor transcendente, da beleza inspiradora pelas formas físicas à beleza intuitiva pelas formas sutis. Platon enfatiza que utilizar-se do amor visando para ganhos egocêntricos, ou utilização do outro para uma gratificação egoísta, trata-se de uma cilada ou um sentimento perigoso, pois, consiste em desequilíbrio e desprezo pela justiça. Portanto, o Amor, diferentemente das visões populares distorcidas acerca do "amor platônico", teria um estágio sétuplo, correspondente aos bruxescos Sete Planos de Existência e às Sete Formas de Beleza e Sete Formas de Purificação, em que iniciaria do amor sexual (físico) e, com o crescimento da pessoa, deveria alcançar o sétimo plano, tornando-se cada vez mais sutil e, consequentemente, mais empoderador. Logo após ao [1] amor sexual pela pessoa bela, há o [2] amor físico por todas as coisas belas (pois o amor vê o cosmos na pessoa amada e a pessoa amada no cosmos), depois o [3] amor pela beleza da mente (independente da forma física), em procedência o [4] amor por todas as práticas belas (isto é, o amor pela justiça e, consequentemente, pela ética), em seguida o [5] amor pela beleza fraternal ou beleza da irmandade ou sociedade, seguindo pelo [6] amor pela sabedoria ou pela ciência dos Deuses e, por fim, o [7] amor pela própria essência da beleza, que transforma o ser mortal em imortal e dota-lhes de asas para voar; e cujos quatro inferiores estágios estão ligados à Pequena Arte ou Pequena Obra e os três superiores estágios estão relacionados à Grande Obra ou Grande Arte, conforme ensinado pela sacerdotisa de Socrates, Diotima. 

Os ensinamentos platônicos dizem que o ser humano procura pela imortalidade na pessoa amada (vide: lendas do Santo Graal ou Caldeirão da Inspiração) e que, porém, amar uma única pessoa é permanecer parado ou estagnado, ou seja, vivendo apenas o primeiro estágio do amor, em comparação a tudo o que o ser humano pode vir a ser. Tais ensinamentos platônicos afirmavam, também, que no amor genuíno não há egoísmo, porque o verdadeiro amor busca proporcionar à pessoa amada o melhor que pode dar e exaltando-a mais que a si mesmo. Platon diz que, quando amamos a pessoa amada, estamos adorando, concomitantemente, o próprio cosmos em si e vice-versa, pois, para os ensinamentos platônicos o amor "é uma euforia que é dádiva divina, fonte das principais bênçãos concedidas aos homens" (PLATON; In: "O BANQUETE"). Para os ensinamentos de Platon, a morte – diferentemente do conceito negativo e satanizado presente na cultura mosaico-amarniana – é vista, entre os Clãs da "Mysteria", como uma passagem de transformação, felicidade e libertação do plano físico, o que, por sua vez, na Bruxaria Medieval esta passagem é sinônimo de comemoração e paz, motivo pelo qual as Bruxas não ficam "em luto" e, portanto, não usam a cor preta no período de morte de um ente querido, mas, sim, usam a cor branca, para expressar a paz e a harmonia que estabelecem com os ciclos da natureza (como menciona Caius Iulius Caesar [reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre o Magno, Iniciado
 dos Clãs Amonita e Artemisiano, e que reencarnou, depois, como Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e que instituiu os Cinco Clãs Medievais Pentárquicos; como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola], após sua expedição à Gália e aprendizado com o bruxo e druida Divitiacus, conjuntamente com Allan Kardec).

Porphyrius, assim como Orpheus e outros anciãos da Arte dos Sábios, descreveram que a natureza era composta de Cinco Estágios de Desenvolvimento, indiretamente associados às bruxesco-rosacruzes Cinco Causas das Doenças (Princípio Astral, Princípio Venéreo, Princípio Espiritual, Princípio Natural e Princípio Angélico ou Divino), que são: o Corpo, de aspecto mineral ou físico; a Substância, de aspecto elemental; o Vivente, de aspecto vegetal; o Animal, de aspecto das forças; e o Racional, de aspecto hominal. 
É interessante lembrar que, a chamada Alegoria da Biga, contada por Platon em sua obra "O Fedro", possui origem no Clã Menfita ou Serápico, do Antigo Egito. Tubalcain/Hephaistos, o fundador da Bruxaria, defendia como princípio a lei de justiça e seu revolucionário preceito harmônico-pacifista, neste sentido Platon propôs que o "reinado dos Sábios" – ou seja, a liturgicamente chamada por "Colmeia de Rainhas [e Reis Santificados]" – devesse restabelecer, por meio da sabedoria ("Noscere", saber), da coragem ("Velle", desejar), da prática da justiça ("Audere", ousar) e da prudência ("Tacere", silenciar), o comunitarismo social entre as classes (filósofos, militares, produtores) para libertar as pessoas da escravidão e ignorância, banindo o imperialismo e a opressão causada pelos políticos do Estado. Não obstante, depois de ser expulso da corte de Siracusa, instituiu um Templo dedicado ao Deus Apollon, chamado por "Hekademea" (em homenagem aos antigos alto-sacerdotes "Dioscuros", dos antigos Clãs da Mysteria), dividido entre Aprendizes e Iniciados, com um bosque sagrado de oliveiras onde realizavam-se os rituais platônicos durante a noite à Deusa Athena (e ao Deus Apollon, ao alvorecer ou, mais raramente, ao meio-dia) em procissões de Iniciados com tochas de fogo. Plutarco associa o nome "Athena" com Isis, que trata-se de uma variação de Tana ou Isis-Tana, um título da Deusa Isis e de Tanit ou Anat (como refere-se uma inscrição greco-cipriota), a Diana de Cartago. No entanto, na entrada deste Templo-colégio havia uma frase escrita: "Que ninguém entre aqui se não for Geômetra!", isto é, a entrada ao Templo-colégio platônico era restrito às pessoas que 'conhecessem a medida das coisas e soubessem aplicá-la sabiamente', ou seja, pessoas que haviam aprendido o pré-estágio da Lei de Hermes Trismegistos (filho-irmão de Tubalcain), que é o equilíbrio, e a sua Justiça e que, portanto, eram virtuosas ou com excelência em suas ações, pois, conforme a Filosofia antiga, a geometria constitui um dos sete ou oito saberes que deve ser aprendido no período pré-iniciático da Arte dos Sábios ou Bruxaria. 

Neste Templo-colégio, o "Hekademea", também ocorria, além de culto aos Deuses, o estudo da magia e dos segredos da natureza, incluindo os talentos e habilidades das Musas ou Mênades, isto é, almas de imortais que inspiram a sabedoria do Mundo Inteligível e a eloquência do Mundo Sensorial (geralmente associadas ao Deus Duo Cornífero na face de Dionysos, àquelas que inspiram a euforia, ou na face de Apollon, àquelas que inspiram a sabedoria: ou seja, dois ritmos alquímicos, a anábase ou ascensão e a catábase ou descensão, que constituem todo movimento cósmico). Os aprendizes deste Templo-colégio contam que, em Atenas, ensinava-se "práticas mágicas". Os ensinamentos platônicos afirmavam que, embora o Mundo Sensorial ou das Sensações seja a chave para a Magia, o Mundo Inteligível ou Superior e consequentemente a razão 
– a qual eleva o Sábio para a dimensão acima do plano astral, isto é, para o plano mental – constitui a fechadura que deve ser aberta, para adentrar em procedência na espiritualidade e, conforme a evolução gradativa, acessar o plano heroico ou sexta dimensão, permitindo a prática da divinação ou contato com os Deuses, caso contrário uma pessoa jamais poderá efetivamente incorporar ou contatar Deuses. Neste sentido, a Ciência dos Deuses ou Teosofia fora dada o nome de "Filosofia" em função de que, semanticamente, somente conhecendo a Verdade ou Sabedoria da Realidade que podemos chegar ao Belo ou Beleza em sua forma mais refinada. A Iniciação no Clã Platônico estava subdividida, assim como nos demais, entre um período ante-grau de aprendiz, e Três Graus tradicionais, chamados, por sequência, de "Terceiro Grau""Segundo Grau" e, o último a ser conquistado, "Primeiro Grau", da mesma forma que na Bruxaria Medieval. Ammonios Saccas, após reaprender com o Clã Menfita ou com o Clã Amonita, no Egito, a Alta Magia para manifestação dos Deuses (Teurgia), não apenas incorporava os Deuses nas cerimonias como, também, materializava-os fisicamente, assim como as Bruxas medievais foram acusadas de participar do Sabá bruxesco onde a Deusa se manifestava fisicamente em cima de uma carroça para os membros do culto. O povo romano ficava pasmo com os poderes mágicos de seus Bruxos, assim como os Padres Cristãos da idade média ficavam assombrados com as Bruxas. A Divinação ou Astrologia, uma das quatro ciências ou saberes quadrívios da Filosofia, compreende a manifestação dos Deuses ou Teurgia que, de acordo com Iamblicus: 

"A Teurgia é a execução religiosa de ações inefáveis das quais os efeitos ultrapassam toda a intelecção, assim como o poder dos símbolos mudos, entendidos pelos Deuses apenas, que operam a união teúrgica. É por isso que não é o nosso pensamento que opera estes atos; porque então a sua eficácia seria intelectual e dependeria de nós; ora nem um nem o outro é verdadeiro. Sem que nós pensemos, com efeito os próprios sinais, por eles mesmos, operam a sua obra própria e o inefável poder dos Deuses que estes sinais concentram; [...] sem ter necessidade de ser despertado pela atividade do nosso pensamento, com efeito, não está na ordem que o recipiendário seja posto em movimento pelo conteúdo, o perfeito pelo imperfeito, o todo pelas partes. Os nossos pensamentos não provocam pois, evitando-as, as causas divinas de se exercerem; mas elas devem, com todas as disposições excelentes da alma, com a nossa pureza, preexistir como causas auxiliares; o que acorda propriamente o querer divino, esses são os próprios signos; e assim o divino é determinado pelo divino e não recebe de nenhum dos seres inferiores um qualquer princípio da sua própria ação". (IAMBLICUS; MISTÉRIOS EGíPCIOS).

Gerald Brosseau Gardner cita, em "A Bruxaria Hoje", as palavras de Iamblichus: “Se a pessoa souber como, pode pôr em movimento forças misteriosas que são capazes de contatar a vontade de outra; direcionar suas emoções como o operador desejar; isso pode ser feito com a palavra falada. As cerimônias propriamente realizadas, ou que procedem de um objeto propriamente carregado de poder, chamamos de magia”. No Clã Socrático-platônico, o Uno ou Grande Imanifestável possuía vários nomes, muitos dos quais de origem egípcia abstrata. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Isis/Cybele e Osiris ou Apollon (às vezes chamados, filosoficamente, sob os títulos de "Anima Mundi" ou "Dianoia" "Nous" ou "Noesis", isto é, a Deusa como sendo a Alma do Mundo em que surge o conceito de "Mãe Natureza", e o Deus como o Intelecto ou parte Intelectível) e os seus Nomes Secretos, sendo que a adoração pendia mais para o Deus. Deste clã, tem origem a citação: "Todas as Deusas são uma Deusa, e todos os Deuses são um Deus", ensinada na Bruxaria Clássica, na Bruxaria Medieval e na Bruxaria Gardneriana. Eros ou Horus era homenageado como o Filho Divino ou Grande Herói. Tubalcain/Hephaestos, juntamente com a Virgem Atena, eram lembrados enquanto Égides sob as quais Hermes Trismegistos fundara a Arte dos Sábios. Conta-se que, em determinada ocasião, Platon chamou Hephaestos: "Vulcanus, vem! Platon precisa de ti!". Socrates e Platon consideravam que o Deus Dionysos e o Deus Apollon eram faces duais de um mesmo Deus, pois, o mito de que o Deus Apollon (e a Deusa Diana) era adorado no período do verão e, como no período do inverno dirigia-se à terra dos hiperbóreos, isto é, ao Mundo Inferior, o Deus Dionysos recebia culto (assim como há o mito de que, no outono, a Deusa Abundia/Demeter a Ariadna descia ao Submundo para encontrar seus filhos, no sentido de reencontrar seus adoradores para resgatá-los). N
o início da era de peixes, os discípulos de Linhagem Cirenaico-teodórea deste Clã foram estereotipados, em função de que o êxtase ou prazer cósmico e a dor ou doença eram ensinados com maior frequência pelo santo ou filósofo Theodorus o Ancião, o qual, nas superstições populares, foi associado ao São Theodorus; sendo que, na antiguidade tardia, através de Eufrates, Iniciado de Linhagem Estoica e que possuía ligação com o bruxo deste Clã e filósofo galo-romano Lucius Annaeus Seneca e com a celticizada Maria Madalena do Clã Mitraico, estabeleceu a Linhagem Perata, do Clã Socrático, em Roma e na Síria.

Este Clã era, radicalmente, contra o Cristianismo e, mais precisamente, contra os Cristãos Gnósticos, principalmente pelo fato de os Cristãos acreditarem que o cosmos era constituído inteiramente por seres malignos e que, assim, o universo seria de natureza maléfica, além de os Cristãos serem descritos, pelos membros deste Clã, como ateístas aos Deuses, arrogantes em caráter e "mágicos" (no sentido de feiticeiros ou envenenadores por meio de sofismas ou engôdos e ateístas, como diz Platon) inventores de uma nova religião ou seita. Embora, na atualidade, alguns Cristãos Gnósticos admirem o conhecimento de Plotinos, vale destacar que a Mysteria Platônica nunca foi Cristã e, sobretudo, era contra os Cristãos Gnósticos e os Cristãos em geral (como observa-se nos primeiros escritos dos Iniciados do Clã, em Roma). O rei Flavius Claudius Iulianus (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexander III o Magno, Iniciado do Clã Amonita, e que reencarnou, posteriormente, como Caius Iulius Caesar, do Clã Lupercal; como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica; como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola), taxado de "Apostata" pelos Cristãos, pertencia ao Clã Platônico (assim como, também, ao Clã Eleusino) que, por sua vez, escreveu um livro chamado "Contra os Galileus ou Cristãos" (vide o tópico da galeria: "'Contra os Galileus ou Cristãos' por Flavius Claudius Iulianus"), onde indaga: "Porque adorar uma deidade vinda do deserto semita, se os Deuses sempre nos serviram bem?" e, no entanto, trouxe a harmonia entre os Cristãos e as Bruxas ou Iniciados em um período em que Roma estava sendo cristianizada e, com a reunião em Roma dos Clãs da Bruxaria Clássica que ainda restavam, foi um dos principais iniciados que instituiu os Clãs bruxescos sobreviventes em "Quinque Provinciae" dos "Vicarii" ou Cinco Clãs dos Vices ou Vigários, isto é, a Bruxaria Medieval Pentárquica, que se baseou no sistema de governo pagão Tetrárquico do antigo Império Romano ao adicionar mais uma corte entre as quatro, referidas, mais tarde, como "ducados-tronco" no Sacro Império Romano. Sopater ou Sopatros, um membro do Clã Platônico, foi detido através das maquinações do oficial romano Flavius Ablabius pela prática proibida da magia e, em consequência, fora assassinado em 325 d.e.c. pelo imperador Cristão, Flavius Valerius Aurelius Constantinus Augustus. 

No Egito, em cerca de 360 d.e.c., de modo semelhante, uma dama chamada Hypatia, que era Magistra do Clã Platônico em Alexandria, foi assassinada por uma multidão descontrolada de Cristãos motivados pelo bispo Cristão Católico de Alexandria, os quais despiram Hypatia e a arrastaram pela cidade nua até uma Igreja, onde espancaram-na e, depois de esfolá-la viva a sua carne com ostras afiadas até sair sua pele, desmembraram-na e queimaram seu corpo, o que levou, em 1843, Soldan e Heppe lembrarem de Hypatia, em 
"História dos Julgamentos de Bruxaria" ("History of the Witchcraft Trials"), como uma das primeiras Bruxas que foram perseguidas pelo Cristianismo. O bispo cristão João de Nikiû, diz: "E naqueles dias, apareceu em Alexandria uma filósofa do sexo feminino, uma pagã chamada Hypatia, e ela foi dedicada em todos os momentos à Magia, Astrolábios e outros instrumentos de Música, e ela enganou muitas pessoas através de suas artimanhas de Satanás. Uma multidão de crentes em Deus surgiu sob a orientação de Pedro, o magistrado, e passaram a procurar a mulher pagã que enganou o povo da cidade e o prefeito através de seus encantamentos. E quando souberam o lugar onde ela estava, eles procuraram por ela e encontraram-na, que arrastaram à longa distância até que a trouxeram para a grande Igreja, chamada Caesareum. Agora, neste dia de jejum. E eles arrancaram as roupas dela e arrastaram-na pelas ruas da cidade até que ela morreu. E eles levaram-a para um lugar chamado Cinaron [ou para o "Har Sinai", Monte Sinai], e queimaram seu corpo com fogo" (JOÃO DE NIKIÛ). Todavia, Hypatia ensinava: "Todas as religiões formalmente dogmáticas são falaciosas e nunca devem ser aceitas por pessoas com autonomia ou autoconsciência como finalidades a serem praticadas", o que, por fim, levou à ser arrastada nua pela cidade de Alexandria, legando como símbolo a "roda" que teria se quebrado por obra de seus dons mágico-espirituais, e após ser morta pela multidão de Cristãos, uma minoria dos Iniciados que eram de Linhagem Alexandrina deste Clã, com o ensino de São Marcos do Clã Mitraico ao alto-sacerdote Carpocrates, deu-se origem à Linhagem Carpocraciana deste Clã e que, posteriormente, tais Bruxas e Iniciados foram responsáveis pela santificação de Hypatia sob o nome de "Santa Catarina de Alexandria", isto é, a santa ou heroína pura, pois, era uma dama que não lhe permitia que homens quaisquer a possuíssem como mercadoria da opressão patriarcal. Atualmente, há um sacerdote estadunidense da Tradição Gardneriana, Donald Hudson Frew, que estuda a semelhança litúrgicas entre os ensinamentos da Tradição Gardneriana, da Bruxaria Moderna, e os ensinamentos dos Clãs Pitagórico e Platônico, da Bruxaria Clássica, apesar de não ser um tanto preciso em suas alegações. 


{Observação: Favor não confundir os Clãs Pitagórico e Socrático-platônico da Bruxaria Clássica com as escolas de Sofismo, como a Epicurista, a Cinista, a Pirronista, a Ceticista, a Niilista e a Peripatética, que se caracterizavam por universidades de Sofistas que estudavam as ciências da natureza ou física — de maneira análoga às escolas de Medicina antiga, como a Metódica, Empírica, Dogmática ou Hipocrática, Eclética, Pneumática e Epissintética — que, evidentemente, eram grupos totalmente diferentes e distintos do que acontecia dentro dos Clãs da "Mysteria" ou Bruxaria Clássica e, além de divergentes da Arte dos Sábios, as escolas de Sofistas eram contra uma parcela dos ensinamentos mágico-religiosos da "Mysteria" em decorrência da aversão sofística à magia, à religião antiga e à um determinado ateísmo quanto a crença politeísta, embora houvessem, também, pessoas que participavam tanto das escolas de Sofismo quanto dos Clãs da Bruxaria concomitantemente. Os maiores expoentes do Sofismo foram: Hippias, Prodicus, Xenophanes, Epicuros, Clearchus, Athenaeus Mechanicus, Antisthenes, Onesicritus, Crates, Metrocles, Hipparchia, Cleomenes, Bion de Boristene, Sotades, Menippus, Anaxarcus, Philiscus de Aegina, Pyrrho, Chrysippus, Isocrates, Herakleitos de Éfeso, Herakleitos de Constantinopla, Sextus Empiricus, Protagoras, Gorgias, Democritus, Demonax, Critolaus, Theophrastus de Lesbos, Monimus de Siracusa, Erymneus, Straton de Lampsacus, Lykon de Trôade, Hieronymus de Rodes, Sosikrates, Demetrius de Corinto, Agathobulus, Secundus Silent, Antipater, Peregrinus Proteus, Theagenes, Critolaus, Carneades, Pancrates, Crescens, Diodoros de Tiro, Kerkidas, Teles de Megara, Meleager de Gadara, Aristoxenus, Dicaearchus, Diogenes Laertius, etc., cuja característica principal é a rejeição das antigas religiões pagãs e a primazia da crença monoteísta entre os gregos e que eram contra a prática em si da magia. Todavia, utilizavam-se de engôdos e encorajavam as pregações e convencimentos ao povo em praças públicas, analogamente como faziam os Judeus, mas, no entanto, para aliciar a prática da não-justiça social e a persuasão erístico-opressora como meta a ser atingida. Tais escolas influenciaram significativamente o surgimento das seitas do Gnosticismo propriamente dito. Ao passo que a filosofia mágico-religiosa de Pythagoras e de Socrates e Platon pautava-se na essência da Filosofia trazida do Egito e da Caldeia, enquanto "afeição à sabedoria" obtida através da contemplação da natureza que conduz à interrogação ou busca interior, no sentido de traduzir o conhecimento esotérico da Mitologia — outrora deturpada e tornada-a fanaticamente literal — e restituir seu lugar nos Clãs da Bruxaria Clássica greco-romana; a demagogia dos Sofistas, diferentemente da filosofia místico-socrática, visava o discurso persuasivo erístico, não se importando se suas próprias habilidades não constituíam-se algo justo, verdadeiro ou ético ao bem comum, além de combaterem a magia e a alquimia e serem, em grande parte, contra a crença e adoração aos antigos Deuses pagãos, acusando-os de "espíritos" ou "demônios", mais tarde repetido pelos Judeus, Cristãos e Muçulmanos}. 




- Mysteria Paflagônia, também conhecida por Mysteria Ionopolitana:
Período e local: Na Idade Antiga, principalmente na Paflagônia, depois no Danúbio, em Roma e na Síria.


Descrição: Reconhecida popularmente na Paflagônia e, parcialmente, em Roma. O Magister do Clã, Alexandre de Paflagônia, na época começou a vender amuletos, panaceias medicinais e fazer adivinhação para o povo, tornando-se famoso popularmente à uma parcela da população. No entanto, neste período havia em Roma um movimento de Cristãos e de Sofistas Epicuristas que estavam se rebelando contra as antigas religiões pagãs, incluindo a Bruxaria. Desta forma, não demorou muito para que Alexandre fosse taxado como enganador e feiticeiro, não apenas por ser pagão, mas, também, por comercializar a religião e enganar uma grande massa de pessoas. A profanação da Bruxaria sempre ocorreu em todos os tempos, tanto na antiguidade quanto na idade média. Este Clã, em Roma, costumava militar contra o Cristianismo e contra o Sofismo Epicurista, e caso alguma pessoa desejasse se tornar adepta do Clã e que, ao mesmo tempo tivesse algum traço ou característica de Cristianismo ou de Sofismo Epicurista, era rejeitada ou banida do próprio clã. A Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Soi/Sai e Apollon. "Soi" é um antigo título atribuído à Deusa Mãe pelos antigos Povos Medos da Dinastia Danaide ou "Dinastia de Danaansou "Tuatha Dé Danann", o lendário "Povo das Fadas" em que preservou a Bruxaria e que convivia com os Povos Celtas ou Cito-cimérios. Glycon era homenageado como o Filho Divino, o "novo-Asclepios" a encarnar no início da Era de Peixes, como Herói enviado pelos Deuses à Terra, da mesma forma que a Fênix. Através de sua magia, Alexandre também ressuscitava os mortos, porém, Alexandre era uma mistura antagônica entre bruxo e louco, pois, ao mesmo tempo que possuía poderes sobrenaturais elevados sob o seu comando, enganava as pessoas e se comportava indecentemente como profano ou homem comum.


- Mysteria Lupercal, conhecida, às vezes, como Mysteria Panisca:
Período e local: Na Idade Antiga, na Grécia, como Arcádia e Peloponeso; em Cesareia de Filipe; em Roma na Itália, assim como, também, na Gália, na Alemanha, em Calaedicus na Espanha, em Mogiae na Panônia e em Thetford, na Inglaterra. 
Descrição: Reconhecida popularmente na Grécia, em Roma e, mais raramente, no Oriente Médio. O Clã, possuindo descendência bruxesca através da família real de Romulus em Alba Longa, fora instituído pelo rei Evandros da Arcádia, o filho da bruxa Carmenta ou Herophile Taraxandra (referida como "Carman" ou "Carmun" nas lendas picto-celtas), a velha cimério-celta que, ao vender os "Livros Sibilinos" para o rei de Roma, instalou um oráculo próximo ao Lago Averno e de Cumas ou atual Nápoles, onde ficou conhecida como "Vidente de Cumas" ou "Sibila de Cumas". Neste Clã, dentre as principais linhagens, estavam: a Arcadiana ou Perimelíade, a Quintiliana, a Fabiana e a Juliana. O Clã era liderado por uma Rainha dos Ritos Sagrados e suas cerimonias eram realizados na casa das matronas, onde o Clã Vestal era convidado a participar. Pompeia Sula, uma Bruxa de Linhagem Quintiliana, era Rainha deste Clã e, como seu companheiro Magus ou Majestade, elegeu-se Caius Iulius Caesar (reencarnação de Salomon o Azazel/Azizos, Iniciado dos Clãs Adonista e Amonita e que recebia honrarias entre os povos hebreus; de Alexandre o Magno, Iniciado dos Clãs Amonita e Artemisiano, que reencarnaria, em seguida, como Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e que instituiu a Bruxaria Medieval Pentárquica; como Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; e como Napoléon Bonaparte, co-instituidor da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim, formalizador de base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém e que aboliu a Inquisição Espanhola). No entanto, Caius Iulius Caesar disfarçou-se de mulher, em cerca de 63 a.e.c., para se infiltrar em uma reunião secreta da Linhagem Quintiliana do Clã Lupercal (pois, Caius Iulius Caesar era da Linhagem Juliana), o que era proibido e, portanto, constituía-se um sacrilégio. Além disso, Caius Iulius Caesar, em aproximadamente 58 a.e.c., passou a estabelecer contato com as Bruxas e Druidas da Gália e, assim como no passado Alexandre o Magno fora discípulo do bruxo e filósofo Aristoteles na Grécia e Macedônia, nesta presente encarnação, Caius Iulius Caesar, fora discípulo do bruxo e druida Divitiacus na Gália (assim como, depois, enquanto Napoléon Bonaparte fora auxiliado novamente pelo seu mestre e filósofo Saint Germain Rakoczy; ao passo que, o filósofo Hippolyte Léon Denizard Rivail, outrora bruxo e druida, tanto como Allan Kardec no tempo de Divitiacus e Caius Iulius Caesar na Gália quanto como Platon no tempo de Socrates e Alexandre o Magno na Grécia e Macedônia, tornou-se fundador do Espiritismo, pois, a Filosofia antiga não se tratava de mero Cientificismo exotérico-irreligioso como se compreende hoje, mas, sim, o que conhecemos atualmente por Ocultismo ou estudo das Ciências Ocultas em sua forma mais pura e autêntica, como a fisiologia ou metafísica e os saberes trívios e a metalurgia ou alquimia e os saberes quadrívios). Contanto, o arcebispo medieval e filósofo sevilhano Santo Isidorus Hispalensis (560-636), ao mencionar o Deus Cornífero Pan, em sua obra "Etimologia", ressalta que:

"Pan, o Deus dos gregos é chamado de Silvanus pelos latinos. É o Deus dos campos, que idealizaram os antigos à semelhança da natureza e, por isso, chama-se Pan, que significa 'tudo', pois, está formado por todos os elementos da natureza. Tem chifres por semelhança dos raios da Lua e do Sol [não exatamente o sol físico, mas, o "Sol Oculto", Sirius]. Sua pele tem pintas, como assim o é os céus estrelados; o ar resplandece em sua face e possui uma flauta de sete tubos devido à harmonia dos céus, que tem sete sons e sete diferenças acústicas. Possui pelos, pois, a terra está assim vestida e agitada pelos ventos; sua parte inferior é escandalosa e disforme, assim como as árvores e as ferras e animais selvagens. Os pés são de bode, para simbolizar a firmeza da terra; o veneram como Deus da natureza e de todas as coisas" (ETYMOLOGIAE; Livro 8, Capítulo XI, p. 81-83).

Os Magisteres deste Clã vestiam pele de cabra e era comum sacrificar, para alimentação ritualística no Banquete Simples, uma cabra ou dois bodes; e um lobo, em substituição do porco ou javali, para expiação do feitiço ou contágio que poderia acarretar as plantações e vilarejos impuros; ambos sob a responsabilidade do Clã Vestal. Pois, Rea Silva, a alta-sacerdotisa que instituiu o Clã Vestal em Alba Longa, teve dois filhos gêmeos após o coito com um Magister Arval ou Sálio em uma floresta de Alba Longa, cujos filhos foram amamentados por uma loba: a Lupa Capitolina, cujo festival principal ocorria no período da metade do inverno no Monte Palatino, onde operavam as Bruxas do Clã Sálio de Linhagem Palatina. Após estes sacrifícios ritualísticos da alimentação, havia o rito de Expiação de Feiticeiros (também presente nos Clãs Órfico, Zurvanita e etc), em que dois cavalheiros do Clã Lupercal
 eram escolhidos: um desses Iniciados deveria representar o "Feiticeiro", isto é, o "cavalheiro mau" a ser afugentado da comunidade (veja mais detalhes no tópico da galeria: "Diferenças entre Feiticeiro, Curandeiro e Mago") ou que doava seu corpo para possessão dos espíritos maléficos e feiticeiros ou malfeitores que estivessem perturbando em tempos de crise, ao passo que, o outro cavalheiro dito bom, deveria representar o "Bruxo" que, enquanto isso, capturava os espíritos maléficos que entravam em possessão no corpo do outro cavalheiro dito mau, numa "batalha de bruxa" contra as forças das trevas para a fertilidade e o bem comum; sendo ambos levados ao altar e embebido um pedaço de lã no sangue sacrificial e no leite de cabra e ungidas as suas testas; assim, depois de o "Feiticeiro" se mascarar a caráter de lobo — transformando-se em lobisomem para atrair os espíritos de vampiros ou lâmias e de feiticeiros ou malfeitores que pudessem estar assolando os vilarejos e plantações  e de o "Bruxo" se vestir e incorporar o caráter de Deus-bode (origem das lendas alpinas do "Belo Cavalheiro ou Perchten" e do "Cavalheiro ou Perchten Feio" ou "Krsnik", que reivindicavam descendência babilônica), ambos iniciavam uma procissão pelos vilarejos e províncias de modo a banir conjuntamente o miasma ou feitiço ou o "Feiticeiro" ser banido junto com o miasma ou feitiço; ao passo que os locais dos vilarejos e florestas eram purificados, pelas Bruxas e pelo Bom Cavalheiro, da presença de maus espíritos e de vampiros ou lâmias (tais espíritos maus, além de "Perchten", também eram descritos como "Kukeri" ou "Kallikantzaros", e apareciam em épocas sazonais entre o Sabá dos ancestrais e o Sabá invernal ou natalino, devido à sutilidade de interação com o outro mundo). As mulheres grávidas e donzelas podiam acompanhar as Bruxas, onde eram espancadas com açoites, erva de giesta ou com couro de animais, em nudez ritualística, para trazer magicamente a fertilidade aos campos e a prosperidade dos frutos da terra e bons auspícios. Quem não participasse dessas cerimônias de Sabá acreditava-se que ficaria passível de receber maldições durante o ano. Doreen Valiente fala deste Clã em seu livro "Enciclopédia da Bruxaria" e cita Cooper: 

"Virgilius fala das danças em Sali dos Lupercos 
[os iniciados do Clã Lupercal] nus, e os comentaristas explicam que esses dois últimos homens que, por meio de solenidades específicas [isto é, rituais], costumavam se despir ficando totalmente desnudos, e que corriam pelas estradas, carregando faixas de couro de bode [um tipo de Açoite ritualístico, o Diamastigose ou "Diamastigosis"em suas mãos, com as quais eles batiam nas mulheres que cruzavam seus caminhos. E as mulheres não fugiam deles; ao contrário, elas de vontade própria apresentavam-lhes suas palmas das mãos para receber as batidas, imaginando que esses açoites fossem aplicados nas mãos ou em outras partes de seu corpo e tinham o poder [através de Magia Simpática] de lhes conceder frutos ou de lhes proporcionar um parto sem complicações. Os Lupercos eram, nos tempos passados, formados em duas corporações, e que tinham seus nomes herdados das mais ilustres famílias de Roma: Quintilianos e Fabianos; e a essas fora posteriormente acrescentado uma terceira corporação, chamada Juliana, de Iulius Caesar. Marcus Antonius não se exitava em correr [participar da procissão de iniciados e mulheres] como um dos Lupercos [...]. Membros das famílias nobres correram por muito tempo entre os Lupercos, e uma melhoria muito grande aconteceu na cerimônia. As senhoras, não mais satisfeitas ao serem atingidas nas palmas das mãos, como era o costume de antigamente, começaram a despir-se também, com a intenção de oferecerem algo completo aos Lupercos, e para permitir que eles pudessem mostrar seu vigor e agilidade de seu braço. Com maldade, diz-se que as senhoras com o passar do tempo tornaram-se completamente fascinadas com esse tipo de 'festim', e que a cerimônia sendo levada para um grau de perfeição era, sem dúvida, bem aproveitada por ambas as partes, e que existiram por muito tempo depois dos outros ritos pagãos serem proibidos; e quando o papa Gelasius com o tempo colocou fim nele, teve tanta oposição que se sentiu obrigado a escrever uma carta de justificativa" (COOPER, W. M.; In: "A Flagelação e os Flagelados: uma história da varinha em todos os países dos tempos mais antigos até os tempos presentes", 1868 apud VALIENTE, Doreen). 


No Clã Lupercal, a Deusa Estelar e o Deus de Chifres eram adorados sob os nomes de Fortuna/Fana/Bona Dea e Pan/Silvanus/Inuus/Faunus Lupercos e seus Nomes Secretos, e a adoração em alguns momentos pendia mais para a Deusa e, em outros momentos, pendia majoritariamente para o Deus Cornífero. O termo Pan deriva de "Peon" ou "Pean" (também usado para referir-se ao Deus Apollon) entrou para a mitologia romana como "Phaunos", transformando-se, assim, na palavra "Faunos" que, assim como a denominação Silvanus (ou "Shiva", na língua indiana), constituem-se nomes pelos quais era chamado o Deus Cornífero Faunus Lupercos (literalmente "Faunus o afastador dos lobos", isto é, refere-se ao dote de afugentar as criaturas lupinas ou imundas) têm sido adorado em rituais de pedidos de proteção, prosperidade dos rebanhos, crescimento da vegetação, magia de cura, aumento dos poderes da natureza e no despertar da consciência, o "pânico". Em resumo, a característica mais marcante neste Clã é o ênfase dado à Magia Naturística ou Magia Simpática de caráter herbológico, além de que a transformação de forma era prática comum neste Clã para banir os maus espíritos e purificar os vilarejos e províncias da presença de espíritos maléficos e feiticeiros. Os sacerdotes Cristãos, no início da Era Cristã, acusaram as Bruxas e Iniciados deste Clã de se sacrificarem, não em nome do Deus Cristão, mas, sim, em nome do "Demônio", isto é, do Deus Cornífero Pan ou Dionysos (visto que os títulos "Daemon" e "Agathos Daimon" já eram utilizados pelas Bruxas e Iniciados, na antiguidade, para o Deus Dionysos) e, ademais, tal sacrifício referido se trata da prática de açoitamento ritualístico, mais conhecida, na linguagem bruxesca, como "Diamastigose" ou "Diamastigosis", enquanto método de purificação áurica e/ou obtenção de determinada tintura alquímica. Jerome Cardan afirma que: "Elas [as Bruxas] adoram a Ludi Dominam [Signora del Gioco, a Senhora do Jogo] e se sacrificam à Ela como um deus [ou como uma Deusa](JEROME CARDAN, Basle, 1557). Bensozia e Abundia/Richella foram títulos pelos quais as Bruxas da Itália, deste Clã, foram acusadas de adorarem a Deusa ou Senhora da Lua e, através desta adoração e magia, ficaram famosas por ressuscitarem miraculosamente os mortos, o que, em consequência, levou à acusação de prática ilegal da Bruxaria e, posteriormente, à morte na fogueira da Inquisição, pela Igreja Católica. Atualmente, há a chamada "Tradição da Lua", um clã tradicional que opera na região de Portugal, que busca reviver alguns costumes do antigo Clã Lupercal e, de forma genérica, os demais Clãs da Bruxaria Clássica e também os Clãs da Bruxaria Medieval Pentárquica.


***

Esses são os Clãs bruxescos clássicos, que constituíam-se sedes fechadas e iniciáticas, da Bruxaria ou Arte dos Sábios na antiguidade, com direito à Templos, geralmente em montes ou colinas, que podiam incluir o Átrio ou Loja ou Vestíbulo (literalmente "pórtico", chamado na antiga Creta de "Loggia" e na Grécia de "Stoa"), parte do pórtico da entrada, geralmente com dois ou mais pilares; o Santuário ou Ágora ou Órgão ou Aedes (literalmente "lugar de canto e contemplação", "local das bruxas ou bardos/aedos" ou "lugar de santificação" que, na língua grega, fora chamado de "Agyrmos" ou "Orgeones" ou "Agora", a reunião em torno da "Agios/Aegis/Aex/Égide" ou "Paládio" e, na língua pérsica, de "Agiyari"), espaço do templo com ou, geralmente, sem cobertura, ou seja, onde os rituais sagrados são realizados sob a condução da Magistra e do Magister do conventículo; a Basílica ou Abadia ou Ádito, referida respeitosamente como "Casa dos Senhores", que trata-se da sala existente entre o Aedes e o Pastofório e que ficam o arquidruida chamado Magus ou Majestade e a Rainha das Bruxas sentados sob dois tronos (pois, Abadias pagãs já existiam em tempos pré-cristãos que, derivado do termo greco-egípcio "Abatos" ou "Abaton", era descrita como a parte do templo em que apenas os alto-sacerdotes da Bruxaria  que iriam manifestar a Deusa e o Deus  possuíam acesso; motivo pelo qual este espaço era "inacessível" às Bruxas e Iniciados que não fossem do alto-sacerdócio ou magistério); o Pastofório ou Episcópio ou Opistódomo, que trata-se de uma sala ou câmara de iniciações, geralmente situada em uma elevação após a Basílica (dando acesso à uma camada secreta ou discreta no subterrâneo: Cubículo ou Covil ou Cripta ou Capela oCúpula ou Mastaba [que, na língua céltico-meda e greco-romana antiga, significa "casa da divindade", sobrevivente em dialeto tâmil], a sala oculta ou cela de reflexão acerca do processo de morte iniciática ou maçonaria, geralmente com uma fonte de ablução ou grande copa ritualística imitativa do caldeirão, e que, com a proibição cristã aos templos pagão-bruxescos, tal câmara fora substituída pelos "Erdstall" ou Túneis ligados às abadias nos velhos costumes medievais carolíngios; analogamente mantido em Templos da Ordem Maçônica Anglo-escocesa); e o Períbolo ou "Paradeisos" ou Paraíso (do grego e do meda, significa literalmente "área circunscrita, parede ou jardim"), às vezes visto como sinônimo de Têmenos e que, por sua vez, antecede o uso entre as religiões amarniano-mosaicas), que compreende a área circular do Templo. Além do Átrio (5), da Ágora (4), da Basílica (3), do Pastofório (2), da Cripta (1) e do Períbolo (6) , há, também, o (7) chamado Têmenos ou Nematon que, por sua vez, trata-se de uma demarcação sagrada do pago ou campesinato (envolvendo riachos, lagos, florestas etc) em que fica o Templo. 

Também, os nomes dos altos-sacerdotes, como da Magistra, do Magister, da Rainha das Bruxas e do Maguseram proibidos de serem ditos e, enquanto representantes dos Deuses, foram referidos intimamente por "Senhora" e por "Senhor" ("Mater" ou "Matrona" e "Patronus" ou "Pater" na Língua Latina que, por desempenhar a função de líder de uma patronagem  isto é, de uma Confraria/Fraternidade ou Clã da Bruxaria — em que estava centrada cada qual em seu Campesinato/Pago ou "Pátria", eram designados, no sentido genérico e honorífico, de "Fratres" ou "Pretores" e "Sorores", aqueles que exercem a Maestria na Bruxaria). Após a Iniciação ou após os ritos, havia (e ainda há) um registro ou ata, o chamado "Álbum do Sacerdócioou "Álbum Santo", onde cada Bruxa assinava seu nome, de modo que a Magistra possuísse provas físicas que atestassem concordância ou participação de cada Iniciado nos ritos do conventículo, quando necessário prestar contas à própria Rainha das Bruxas. Como cita Doreen Valiente, a Bruxaria nos tempos antigos e medievais sempre fora aclassista, isto é, sempre acolheu pessoas de todas as classes sociais, do pobre ao mais rico, de modo a ensinar à todos o enobrecimento espiritual, onde as diferenças sociais, no conventículo, desaparecem e todas as Bruxas e Iniciados se veem como irmãos que são, pois, todos espiritualmente são constituídos da mesma essência e sangue. À todas as Bruxas ou Iniciados ensinava-se que os mesmos eram "Filhos da Serpente" ("Ophiogeneis"), o hierofante Hermes Trismegistos. Os antigos mitos pagãos falam que a "Serpente", signo do arcanjo Hermes Trismegistos, trata-se de uma serpente íntima da iluminação alquímico-espiritual, a Ladon, que habita um jardim florido, o Jardim de Ladon, com uma árvore de Maçãs de Ouro, os Pomos (nome bruxesco para os centros energéticos ou chakras), e produz um Elixir da Longa Vida, por meio da sacralidade sexual; mas, para que isso ocorra, primeiro a "serpente antiga" (Apophis/Python ou Vesper, o Eu Inferior) deve ser morta para, depois, ressuscitá-la ouroboricamente em forma de "serpente nova" (Wadjet ou Lucifer, o Eu Superior), ou seja, pura e maior em potencial; em outras palavras, deixa de ser réptil e ganha a liberdade de voar, tornando, assim, uma heroína ou, na língua latina, um santo: a escalada de todo mago ou sacerdotisa que conquistar os Três Graus iniciáticos da Bruxaria. Além do mais, no julgamento italiano das Bruxas de Benevento, as Bruxas foram acusadas pela Inquisição de prestar honrarias ou devoções ao Magus/Majestade e à Rainha das Bruxas (também descrita nas lendas como "Rainha das Fadas"), enquanto Devas ou representantes dos Deuses, ao invés de venerar o Vigésimo Quarto Arcano do Altíssimo e a Virgem Maria e seus "santos" Católicos (visto que, pelo distanciamento entre as hierarquias de criaturas e a esfera absoluta, o Vigésimo Quarto Arcano desmaterializa e destrói o sistema nervoso das criaturas quando estas vibram Aquele; ao passo que, quanto aos "santos" Cristãos, muitos dos quais eram pessoas malvadas, partidaristas e opressoras que mais perseguiram as Bruxas, o que, por si só, demonstra que uma parcela sequer o foi Santo ou Herói senão fundamentalistas e psicologicamente insanos que mais aprenderam a vibrar a energia do corrupto Ares/Ahriman/Seth ou Satanás do que da divindade e dos princípios divinos; além de que a adoração em si é prestada apenas aos Deuses), como enfatiza o documento inquisitorial:



"Uma terra chamada Benevento [anteriormente, célebre pela presença do Clã Isíaco, da Bruxaria Clássica, neste local], que pertence ao Papa e situa-se no reino de Nápoles. Houve um campo e em seu centro uma plataforma com duas cadeiras [da abadessa Rainha das Bruxas e do seu companheiro arquidruida, o Magus ou Majestade]. Em uma, estava um jovem vermelho e, na outra, uma bela mulher, a quem fora chamada de Rainha, e o homem era o Rei. A primeira vez que ela foi lá, ela foi com oito [pessoas], o "estandarte" [o símbolo do conventículo com a bandeira do Clã que integra] e as outras mulheres em sua companhia disse que ela [a bruxa que estava sendo julgada] devia ajoelhar-se e adorar o Rei e a Rainha e todos eles declararam que poderiam ajudá-la e dar-lhe riquezas, beleza e jovens para fazer amor. E eles lhe disseram para não adorar a Deus [o Vigésimo Quarto Arcano — por sua desagregação! — do Altíssimo Uno] ou a Santa Virgem. O insigne a fez jurar sobre um Livro [o 'Livro do Sair Para a Luz' ou 'Livro da Serenidade', vulgarmente chamado de "Livro das Sombras" ou "Livro Negro" porque nunca deve ser mostrado à qualquer pessoa comum] com letras grandes que ela iria adorar à dois outros. O Rei como se ele fosse seu Deus e a Rainha como se ela fosse sua santa Virgem, e entregou-lhe a eles de corpo e alma... E depois que ela tinha adorado-Os, eles colocaram as mesas e comeram e beberam e, posteriormente, os homens tiveram relações sexuais com as mulheres e, com ela, muitas vezes, em um curto período de tempo. Tudo isso parece para ela como se fosse um sonho, pois quando ela acordou, ela fez isso em sua cama, nua como se ela tivesse ido para descansar. Mas, às vezes, eles haviam chamado antes que ela tinha ido para a cama de modo que seu marido e filhos não fossem notar, e sem ter ido dormir antes [tanto quanto ela poderia dizer], ela saiu e chegou completamente vestida. Ela alegou, ainda, que na época não sabia que a tornaria 'pecadora' [sarcasmo de Cristão!] antes que seu confessor o tinha abrido os olhos e disse-lhe que era 'Satanás' e que ela não estava autorizada a fazê-lo ainda mais, mas, ela ainda continuou entre eles, até dois meses atrás. E ela deixou cheia de felicidade e de alegria que ela recebeu dele... e porque [o Magus e a Rainha das Bruxas] deu-lhe meios para curar um doente, para que ela pudesse ganhar alguma recompensa, porque ela sempre tinha sido pobre" (RELATO INQUISITORIAL DE BENEVENTO).


Pois, cada Clã bruxesco estava ligado aos demais, por uma organização religiosa e sacerdotal de irmandade, liderados por uma abadessa chamada Rainha das Bruxas, a ponto de manterem o costume de se reunirem regularmente para celebrar os Sabás ou Festivais bruxescos sazonais. Também, cada Clã havia um séquito de conventículos ou órgãos que os descendiam e estavam ligados à fraternidade-sede ou conventículo-matriz. Com a degradação e extinção dos seus Templos físicos, a diminuição de adeptos e o descrédito popular no final da Idade Antiga, os Clãs que permaneceram vivos se reuniram todos em Roma para assegurar a sobrevivência da tradição de segredos da Bruxaria, reorganizando-os sob o formato dos medievais Cinco Clãs ou Pentarquia: o Clã do Touro, que operava na região da França e principalmente Península Ibérica; o Clã do Veado, que operava nas Ilhas Britânicas e principalmente na Escócia, que Robert Cochrane citou distorcidamente como "Roebuck"; o Clã do Bode, que operava na região da França e parte da Península Ibérica e da Alemanha; o Clã do Carneiro, que operava na região da Península Balcânica e parte da Áustria e da Alemanha e norte da Itália; e o Clã do Búfalo, que operava na Polônia, Escandinávia e parte da região da Alemanha e dos Países Baixos; presentes por toda a Europa e que, a partir das "Quinque Provinciae" dos "Vicarii" ou Cinco Províncias dos Vices ou Vigários (a "Dioecesis" ou Diocese de Novempópula, a Diocese de Aquitânia, a Diocese de Narbonense, a Diocese de Vienense e a Diocese de Alpes-marítimos: vide imagem abaixo dos Magus ou Majestades em "Assembleia dos Deuses", do Códice Vergilius Romanus) do imperador romano Flavius Claudius Iulianus ou "Divus Iulianus", evoluíram para os Ducados ou Jurisdições do Sacro Império Romano de Carlos Magno, expandindo-se da Austrásia ou Frância, da Nêustria, da Aquitânia, da Itália e da Burgúndia, e posteriormente reintegrada a Turíngia, terra franco-templária da Ordem Rosacruz. Contudo, os padres e teólogos do Cristianismo, ao mesmo tempo que levantavam calúnias e difamações contra a Bruxaria, participavam de seus Sabás e festivais noturnos, pois, muitos deles eram iniciados na Bruxaria e, desta forma, desenvolveram os rituais e as práticas litúrgicas da Igreja Católica com base nos cerimoniais bruxescos ou místicos (como fala Helena Blavatsky, em "A Origem do Ritual na Igreja e na Maçonaria") e, quando as Bruxas não mais atendiam aos seus interesses, os padres passaram a instruir o povo a maltratá-las e dar ordens reais de perseguição, a partir da influência imperialista de Roma. A Bruxaria, no passado, foi uma organização secreta que possuía fama, ao mesmo tempo que era vista com medo pelo povo, era, em determinados tempos, aliada às cortes reais, pois muitos membros reais eram iniciados e todos a reconheciam naquele tempo enquanto instituição que objetiva a magia, o autoconhecimento e o desenvolvimento alquímico-espiritual, cujo seu valor contribuiu  assim como a Maçonaria na modernidade  para o progresso humano e, não, como a descrevem os charlatães, "uma prática mágica de vovó"

Ademais, a partir da metade da Idade Média, lá por 1095, surgiu o Templo Negro, sob o disfarce cristão de "Ordem dos Pobres Cavalheiros de Cristo do Templo de Salomão" (falamos mais sobre a Ordem na galeria: "A Bruxaria e os Registros Históricos") aliado aos tradicionais Cinco Clãs da Bruxaria, que se desfez no final da Idade Média, após a intensa perseguição de "caça-às-Bruxas". No entanto, com os tempos conturbados de guerra e perseguição Cristã, ocorreu a queda de maior parte da organização secreta das Bruxas na Europa. Em consequência disso, surgiu por toda a Europa, para a sobrevivência da Bruxaria, o Clã Caricio-familista, instituído em 1540 pelo bruxo alemão Hendrik Nicholis que, com as acusações de heresia pela Igreja Católica, utilizou-se de disfarces Cristãos ao mesmo tempo em que adoravam os antigos Deuses bruxescos, como já faziam os iniciados da Ordem do Templo, e declaravam que a Bíblia havia sido formada a partir da Linhagem Estoica do Clã Socrático-platônico (vide: Lucius Annaeus Seneca, reencarnação de Socrates, do Clã Platônico) e que, juntamente com os Clãs Guglielmita ou Joaquimita (de Santa Guglielma, e cujos descendentes se reuniam na Toscana) e Turlupin ou Amauriciano/Proto-valdense (de Amaury de Bène e de Pierre Valdès [que não deve ser confundido com os Valdenses ou seguidores pós-Calvinistas, após o Sínodo Valdense em que abolira tradições não-evangélicas e "heresias"], na França) e a Ordem do Templo, constituiu-se uma forma de reformismo religioso na idade média tardia à Bruxaria Medieval Pentárquica. Na transição da idade média para a modernidade, um dos iniciados do Clã Caricio-familista ou Hoffmannita, o bruxo Reginald Scot, temendo que a Bruxaria fosse descoberta nas Ilhas Britânicas, publicou o livro "A Descoberta da Bruxaria" ("The Discoverie of Witchcraft"), onde arquitetou o ceticismo do povo quanto à existência ou não da Bruxaria, de modo a dissipar e levar ao esquecimento das crenças malévolas e falsos estereótipos que a Igreja Católica havia atribuído às Bruxas e sua poderosa organização que colocava em cheque ou em descrença pública o poderio eclesiástico, de que cita e Gerald Brosseau Gardner. Além da Ordem do Templo, surgiram outras Ordens Militares, fundadas pelas Bruxas que haviam mais poder sociopolítico na época, com o objetivo de que fossem extensões dos próprios ideais e propósitos da Bruxaria (citamos as Ordens Militares no tópico: "Ordens de Cavalaria da Bruxaria na Idade Média e Modernidade"). Desta maneira, considerando que a Bruxaria possui caráter secreto ou de segredos, fora necessário instituir ordens de cavalaria ou infantaria para militar e sindicar pelos direitos na sociedade, principalmente naquele tempo cuja autoridade maior que suplantava muitas vezes até reis era a Igreja Católica: religiosa, fundamentalista, pretensiosa e, além disso, torturadora e matadora de infiéis e pagãos. 

No caso do Clã Turlupin ou Alumbrado ou Amauriciano/Proto-valdense (instituído por Amaury de Bène), uma de suas alto-sacerdotisas fora a dama francesa Jeanne Daubenton (queimada por heresia e prática ilegal da Bruxaria), ao passo que, o Clã Fraticelo-guglielmita ou Joaquimita ou Dolciniano (instituído pela santa bruxa Chiara Offreduccio, a bela peregrina "Aradia"), teve como primeiras alto-sacerdotisas Santa Guglielma (discípula da bela peregrina) e a beguina Mayfreda Visconti de Pirovano; os quais, ambos, buscavam propagar os ensinamentos bruxescos ao povo com uma justificativa bíblica (para não serem queimados na fogueira e dizimados novamente), no intento de que a sociedade da época se libertasse das amarras da Igreja Católica e do materialismo arcôntico que dissemina superstições. Algumas táticas utilizadas pelos discípulos do Clã Fraticelo-guglielmita era roubar dos ricos para distribuir aos pobres (como faziam as Bandas de Justos e Foliões ligadas à Bruxaria) e, sob o grito de "Poenitentiam Agite" ou "Penitenziagite", banir os maldosos e traidores: neste caso, principalmente os padres Cristãos (pois, como dizia Jesus Cristo, há pessoas que, devido à sua ignorância, somente nascendo novamente para aprender). Porém, tanto Jeanne Daubenton quanto Mayfreda Visconti de Pirovano foram queimadas na fogueira e, assim como Jeanne D' Arc, posteriormente foram vistas como mulheres batalhadoras, amazonas, fazedoras de milagres e heroínas ou santas (sendo que a palavra 'Santa', embora tenha sido apropriada pelo Cristianismo, trata-se de um termo pagão latino, de "Sancti" ou "Sanctus", para referir à quem professava a Virtude Heroica dentro dos limites de um Templo ou Santuário, isto é, uma tradução latina para um 'Herói' ou uma 'Heroína'). Por fim, deve-se lembrar que o desejo indisciplinado das pessoas comuns em buscar as origens das Bruxas na "Inquisição" é, analogicamente, a mesma coisa que querer encontrar as origens do Judaísmo a partir da perseguição nazista, feita por Adolf Hitler aos Judeus da Alemanha: isto é, "astúcias científicas" mutuamente imprecisas quanto; pois, quem possui conhecimento autêntico acerca da Bruxaria igualmente possui consciência desta e, portanto, não cria especulações e superstições próprias de pessoas comuns ou profanas, como bem enfatizou a bruxa Helena Petrovna Blavatsky, em sua obra "Isis Sem Véu", ao afirmar que: "Aquele que é capaz de compreender não necessita de explicações e, quaisquer que sejam estas, não se tornam suficientes para aqueles que não estejam aptos a compreender", ou seja, cada pessoa digere o que consegue conceber e compreender, mas, aquela que não se esforça em conceber e compreender, jamais digerirá e, em consequência, será engolfada pela maré de lodo deste mundo e da qual se entorpecem as pessoas comuns e indignas.






_______________________________________________________________________

¹ O termo "Mysteria" é o nome em Latim para a Bruxaria ou "Arte dos Sábios", o qual descende do Grego Antigo, na palavra "Mystíria". Às vezes, no Português, é traduzido por "Mistérios", porém, nesta língua e noutras possui uma conotação restrita de "segredos" e sua terminologia faz alusão à um evento ou fenômeno, não à "Orgia" ou "Arte", desta forma, quando usado nesta tradução linguística não traduz o verdadeiro significado semântico de "Mystíria" e é atribuída à diferentes coisas, sem relação alguma. Neste sentido, já que a Bruxaria faz uso do Latim em determinados ritos, preferiu-se manter o termo latino, traduzindo melhor, assim, a semântica de "Mystíria" e a palavra metafórica "Orgia" ('Órgia') ou "Arte" ('Érga'), visto que ambos estão intimamente associados.
² O termo "Clã" trata-se de uma tradução da palavra "Clan", em línguas britânicas, em que constitui uma variação linguística de "Clann" que, na língua escocesa antiga, designava às descendências ou filiações dentro da antiga sociedade pagã picto-escocesa ou caledônia (que se diferenciavam do uso moderno às genealogias familiares), cuja origem clássica está no termo "Cliens", da Língua Latina, em que, não obstante, se referia às patronagens ou clientelas de congregações bruxescas ou do Estado Romano — no sentido similar à "Freguesia" ou "Filius Ecclesiae" ou "Filigresia" da Igreja Cristã, mais conhecida como "Paroquia", em que estão divididos administrativamente os participantes de uma Igreja do Cristianismo , ou seja, as confrarias que eram descendentes dos Povos Danaides ou Síntios e que, nos tempos antigos, eram conhecidas como "Phyle" ou "Phratría", isto é, as descendências ou filiações ou fraternidades da Bruxaria. Tais termos, na língua portuguesa, pode ser traduzido tanto por "clã" ou "filial" quanto por "fraternidade" ou "confraria", apesar de as palavras 'filial' e 'fraternidade' possuírem um significado mais abstrato semanticamente à uma congregação (apesar de que também podem ser usadas) e, por outro lado, as palavras 'clã' e 'confraria' são mais claras e compreensivamente precisas; todavia, a palavra 'clã', de forma assertiva, conota semanticamente às descendências ou filiações cívico-religiosas de alguns povos que viveram nas Ilhas Britânicas (como os maneses e os pictos das Terras Altas, os quais, muitos destes, eram adeptos da Bruxaria), o que, por sua vez, a palavra 'clã' trata-se de um termo mais diretivo e apropriado, além de seu uso histórico corrente de maior ininterruptibilidade na tradição da Bruxaria. Entretanto, sabemos, também, que na antiguidade essas confrarias descendentes dos Povos Danaides e Egípcio-aqueus ou Hicsos eram, com determinada frequência, chamadas externamente de "cultos", isto é, no sentido de que cada Clã possuía uma forma peculiar de culto ou adoração dos Deuses conforme cada região geográfica ou lugar; porém, cada um dos Clãs não possuía apenas culto ou adoração aos Deuses, mas, também, a prática de magia e de ciências ocultas que eram protegidas pela manutenção dos segredos iniciáticos, pois, os antigos povos (incluindo os gregos incultos e os romanos supersticiosos, assim como os povos hebreus ignaros) eram contra toda e qualquer forma de magia e, em consequência, a pessoa que fosse pega praticando magia ou fosse acusada da prática de "magia"/feitiço era, socialmente, vista com menosprezo e banalidade e, devido à longa tradição de expiação de feiticeiros ou malfeitores, tanto os "magos" ou praticantes de "magia", tanto no sentido positivo e justo quanto no sentido de feitiços e malfazejos (bem como os mágicos enganadores), eram facilmente perseguidos e mortos. Desta forma, era uma necessidade, entre as confrarias descendentes dos Povos Danaides e Egípcio-aqueus, que estas fossem vistas externamente apenas como "cultos" ou "latrias", para manter-se vivas tais confrarias e, jamais sendo confundidas com magia maligna ou feitiço, obter o apoio e reconhecimento oficial do próprio Estado greco-romano e egípcio e das cidades árabes e da região clássica do Oriente Médio. As Bruxas e Iniciados antigos, originalmente, faziam uso do termo "Música" ou "Ofício dos Inspirados" (a, mais tarde, chamada Música das Esferas) ou, sob a noção genérica, de "Filosofia" ou Ciência dos Deuses ("Theosophia" nos Templos Egípcios), para referir-se ao saber positivo e digno que, atualmente, muitas pessoas chamam de "magia". Por fim, deve-se lembrar que cada um desses clãs era  assim como os reminiscentes ou sobreviventes continuam sendo na contemporaneidade  liderado por um arquidruida companheiro e patrono (comumente político ou prefeito da própria cidade ou província), geralmente chamado de Magus ou Majestade, e uma abadessa ou rainha dos ritos sagrados, a Rainha das Bruxas.


_____________________________
Ao benemérito St. Prior J.'.E.'.C.'.S.'.
Pela divindade do Uno, do Deus e da Deusa,
Ao Filho Divino, Vida, Saúde, Força e União!

Três Vezes Abençoado.