sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

-Ordens de Cavalaria da Bruxaria

{As onze principais Ordens de Cavalaria, ligadas à Bruxaria, tanto da antiguidade e da idade média quanto do início da modernidade... muitas delas ainda existem intocavelmente, outras se modernizaram ou se transformaram, outras ainda, deixaram apenas vestígios do que um dia foram no passado}.


- Egrégio Têmide ou Dicastério Tríade (tratava-se de uma Ordem da antiguidade com formato de tribunal dicastério tripartido de Bruxas
, nos tempos da Grécia Antiga, cujo comando era ministrado pelos Iniciados do antigo Clã Dodônide, em que as Heliastas e Justiceiros, juntamente com as Praxídicas ou Executores referidos como "Têmaros" ou "Tômaros", conduziam as pessoas acusadas de injustiças sociais até os Dicastas ou Juízes-Livres, conhecidos como "Eríneas" ou "Furiae" ou "Dirae" e "Prítanes" [
chamados de "Brehon" ou "Brithem" ou "Brigantes" pelos Celtas], os quais julgavam por meios visionários de uso de um vaso de cobre e da utilização do hidromel; sendo que, na transição entre a antiguidade e a idade média, subdividiu-se no que ficou conhecido como Liga da Corte Sagrada ou Santa Veeme, chamado também de Helieia, cujo comando ficou a cargo das Bruxas do Clã Telquino, as quais ficaram famosas, sob denominações lendárias de "Fadas""Os Bons Vizinhos""Fiandeiras" e "Eumênides" ou "Boas Mênades", ficaram famosas por presidirem tribunais dicastérios tripartidos em segredo, chamadas de "Liga da Corte Sagradaou "Santa Veeme"onde os acusados de injustiças passavam pelo ritual do "Julgamento da Espadapor sentenças dos "Franco-Juízesou "Juízes-Livres[chamados de "Dicastas" as Dirae/Fúrias ou "Prítanes" no Clã Dodônide] em que formavam o Concelho de Anciãos ou Conciliábulo Druídico da Santa Veeme, para punir os crimes cometidos socialmente e como uma extensão dos ideais de Justiça de Hermes, segundo as ordens da Magistra e/ou do Magister de cada conventículo e subordinados à Rainha das Bruxas e/ou ao Magus de seu Clã da Bruxaria, acompanhado de Sacerdotes Vermelhos, Sacerdotes Negros e Escribas; Todos os membros da Santa Veeme eram, antes disso, Bruxas e Iniciados da Bruxaria e, portanto, portadores da Bolline ou Athame com o código bruxesco "SSGG", sendo que os julgamentos das Santas Veemes se pautavam nas antigas Leis da Bruxaria [cuja base é as Quarenta e Duas Confissões de Justiça e a Lei dos Gentios ou Gregos do Sacro Império Romano], calcadas na Justiça, preceito defendido por Hermes Trismegistos; Quando a Santa Veeme tomava nota de criminosos e feiticeiros ou malfeitores de uma província ou condado, os Heliastas ou Justiceiros do[s] Sacerdote[s] Negro[s], por meio da espionagem, pregavam secretamente a temível placa da sentença na casa do acusado e, dentro de três dias, os Praxídicas ou Presidentes mascarados do[s] Sacerdote[s] Vermelho[s] eram enviados à meia noite para raptar secretamente o acusado, de modo a levá-lo para o Dicastério secreto onde ocorria a sentença, geralmente nas terças-feiras ou Dias de Marte [para as "Batalhas de Bruxas" contra feiticeiros e forças caóticas de Ares/Ahriman] e nas quintas-feiras ou Dias de Jupiter [para a restauração da Lei das Leis], ao passo que, na transição entre o sábado ou Dia de Saturno e o domingo ou Dia do Senhor/Sirius, era dedicado à lunar Missa das Bruxas [ou, quando em temporada, ao Sabá]; Assim, caso o acusado fosse declarado como parcialmente culpado e merecedor de expulsão, o cálice era quebrado; ao passo que se fosse declarado totalmente culpado e merecedor de castigo, a espada era quebrada [atos derivados do velho costume grego de quebrar pratos]; Entretanto, como as Santas Veemes eram Ordens da "Colmeia de Rainhasda Bruxaria, as damas, com tal poderio, passaram a negligenciar a sentença dos Franco-juízes, o que levou ao ódio entre os Cristãos e, em consequência, motivou a criação da InquisiçãoTal é o motivo pelo qual a Ordem Rosacruz, no passado, renunciava a autoridade do Papado da Igreja Católica e de qualquer outro imperador sob a terra que não fosse o soberano do bruxesco Sacro Império Romano, o qual havia sido "criado" ou restaurado por ninguém mais que o próprio instituidor da Bruxaria Medieval Pentárquica: o misterioso Carlos Magno, "Pai da Europa" e "Christus Domini", um Magus ou Majestade de Bruxas que deu origem à dinastia real carolíngia ao receber a coroa real do antigo Império Romano pelo próprio Papado iludido e que, através da dinastia real merovíngia, possuía descendência até Maria Madalena, que era Iniciada do Clã Mitraico [vide o tópico da galeria: "Os Clãs da Bruxaria na Antiguidade"].).


Bandas de Justos e Foliões (aqui entra diversas facções, cujos seus membros eram cavaleiros que roubavam dos ricos para distribuir aos pobres, uma "forma de justiça" da Bruxaria do passado, além de passar fome e frio, ter desafios de sobrevivência, educação severa, etc; Dentre os famosos membros das Bandas de Justos e Foliões, estão: o britânico Robin Hood com sua esposa donzela Marian, o eslovaco-polonês Juraj Janosik, e o francês Johannes Buckler; Na Espanha, as Bandas de Justos e Foliões ficaram conhecidas, na idade média, como Gardunha ou "Garduña"; sendo que tais bandas existiam ainda nos tempos antigos, onde eram conhecidas entre os lacedemônios ou espartanos como Criptia ou "Krypteia", em decorrência de que os seus companheiros ou lecionantes usavam capas de encobrimento e/ou esconderijos em estradas de florestas e, entrando em detalhes, Platon, em sua obra "Leis", declara que as Criptias:  "[...] é o treinamento amplamente predominante entre nós, de perseverança e resistência à dor, através tanto de jogos manuais quanto de roubos realizados sob o risco de surras, além disso, [...] oferece uma formação maravilhosamente severa para a coragem, já que os homens ficam descalços no inverno, dormem sem cobertores e não têm servos, mas cuidam-se de si mesmos e perambulam por toda a zona rural, tanto de noite quanto de dia" [Cap. I, p. 633]; Geralmente, as Bandas de Justos e Foliões, na Bruxaria ficavam sob a liderança conventicular do Sacerdote Vermelho, encarregado da segurança militar dos membros do conventículo e de promover as "Batalhas-de-Bruxas" pela fertilidade da terra. {Nos relatos das bruxas julgadas pela Inquisição do Santo Ofício, afirmava-se com determinada frequência que o "diabo"  isto é, o Magister ou o Magus  em cada uma das reuniões buscava tomar conhecimento de quais foram as práticas "maldosas" ou travessuras realizadas pelos membros do conventículo durante a temporada e, caso não tenha realizado nenhuma, corria-se o risco de ser açoitado ou batido pelo próprio "diabo" ou Magister, como forma terapêutica de educar um Bruxo ou um Iniciante à Lei de Justiça}. Estas Bandas de Justos e Foliões culminou em seu revivalismo moderno na Inglaterra, onde deu origem à Ordem de Cavalaria Artes da Matainstituída por Ernest Westlake, ao norte de Nova Floresta, em 1916, com o objetivo de reviver as milícias da mata ou escotismo dentro dos antigos valores gregos de virtudes, respeito, conservação e naturismo, buscando a sobrevivência em condições selvagens e ambientes silvestres, sendo frequentada tanto por Cristãos quanto por adeptos de religiões pagãs que, juntamente com o instituidor da Ordem, adoravam os Deuses das Bruxas: o Deus de Chifres, a Deusa da Lua e o Filho Divino, sob os nomes de Pan, Arthemis e Dionísio, calcados na concepção de que as mulheres eram encarnações divinas para serem "adoradas em espírito e em verdade"; Tais membros reverenciavam Jack O Verde ["Jack-in-the-Green"] do folclore britânico como sendo o mesmo do Deus Dionísio, dos gregos, e realizavam adoração fálica, naturismo, misticismo e possuíam crenças animistas, juntamente com ideias sincréticas, de Ernest Westlake, entre as antigas religiões pagãs e o Cristianismo original, onde defendia que "é preciso ser um bom pagão antes que se possa ser um bom Cristão", enfatizando que, após a ressurreição de Jesus, teria Cristo dissolvido-se à natureza e que era preciso reconhecer a deidade presente imanentemente na natureza para que, somente assim, fosse possível chegar ao Cristo — palavra originalmente pagã greco-egípcia, "Kharistos" ou "Eucaristos", utilizada em tempos antigos pelos faraós egípcios ; sendo que celebravam festivais sazonais como o festival pagão, Lammas, com o fogo sagrado aceso ao meio e com quatro representantes vestindo a cor do elemento natural correlacionado de cada trimestre e saudando-os de norte à oeste [movimento habitual correspondente ao velho costume da Bruxaria Medieval], realizando rituais complexos ao estilo dos rituais bruxescos ou maçônicos).

Ordem dos Cavaleiros da Távola Redonda (Ordem instituída pelo príncipe Arthur Pendragon, segundo o encargo de Merlin, cujos Iniciados, da mesma forma que no Clã Mitraico da Bruxaria Clássica, atuavam como cavaleiros para proteger sua pátria e trazer o comunitarismo, o harmônico-pacifismo e a justiça social  preceitos de Hermes Poimandres , na corte de Camelot/Camalet, no atual condado de Somerset, Inglaterra; cujo seu código cavaleiresco era: 1) buscar a perfeição humana [fraternidade], 2) obter a retidão nas ações [honestidade], 3) respeitar os outros [respeito], 4) amar os familiares [amor], 5) ter piedade com os doentes [solidariedade], 6) ser doce com as mulheres e crianças [paciência] e 7) ser justo e forte na guerra e leal na paz [esperança]; a descendência da Ordem remontava ao Clã Mitraico da Bruxaria Clássica e à bruxa Rowena, heroína dos ingleses).


Ordem do Templo, também conhecida externamente por "Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo do Templo de Salomão" (conhecida internamente como Templo Negro, fundada durante a idade média por Hugues de Payens, descendente dos condes de Troyes, para ocupação do Oriente Médio em um plano secreto para busca pelo antigo conhecimento bruxesco, com a desculpa ao papado de proteger os Cristãos nas peregrinações à Jerusalém, no entanto, ao chegar em Jerusalém mataram tanto árabes, enquanto descendentes do imperialismo hitita/atlante, quanto Cristãos que lá estavam, em vista disso, ao retornar à Europa, em pouco tempo foram acusados de heresia e prática ilegal da Bruxaria e, para preservação dos conhecimentos da Ordem do Templo, que constituía-se em um sexto Clã de Bruxas, com a perseguição de "caça-às-Bruxas", os cavaleiros foram acusados e sua Ordem foi dissolvida pelo papado, levando à fundação da Maçonaria ou Franco-Maçonaria [gostando ou não, seus Graus superiores possuem uma parcela dos conhecimentos da Ordem do Templo e da Bruxaria Medieval] e, mais tarde, inúmeras Ordens Neotemplárias surgiram, como a Ordem do Tosão de Ouro, a qual visava destituir o poder político da Igreja Católica na sociedade europeia e instaurar a Maçonaria e/ou a Bruxaria para o avanço das ciências e da razão ao invés da superstição Cristã que, dentre os integrantes europeus, foi Saint Germain Rakoczy [reencarnação de Emrys Merlin, de Proclus Lycaeus e de Aristoteles], adepto da co-Maçônica Bruxaria de Mênfis-Misraim [vide o Clã Menfita no tópico da galeria: "Os Clãs da Bruxaria na Antiguidade"), que ocupava o cargo de Sacerdote Vermelho e que por onde andou distribuiu ouro e pedras preciosas e, com a mesma honra que o arcanjo hierofante Hermes Trismegistos, tornou-se um mago hábil e alquimicamente fazedor de maravilhas, o que, por sua vez, veio a ser Mestre dos bruxos ou iniciados Alessandro di Cagliostro [acusado pela Igreja Católica da prática ilegal da Bruxaria] e Napoléon Bonaparte [reencarnação de Alexandre o Magno, Iniciado do Clã Amonita; de Caius Iulius Caesar, Iniciado do Clã Lupercal; de Flavius Claudius Iulianus, Iniciado dos Clãs Platônico e Eleusino e instituidor dos Cinco Clãs Medievais Pentárquicos; e de Carlos Magno, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e instituidor do Sacro Império Romano; e como São Louis o Magnus Lyon Christianissimus, Iniciado da Bruxaria Medieval Pentárquica e aliado da Ordem do Templo], o qual, este último, da mesma forma que no passado Alexandre o Magno fora discípulo do bruxo e filósofo Aristoteles na Grécia e Macedônia e Caius Iulius Caesar fora discípulo do bruxo e druida Divitiacus na Gália, nesta presente encarnação, Napoléon Bonaparte, sendo auxiliado novamente pelo seu mestre e filósofo Saint Germain Rakoczy, um Magus ou Majestade de Bruxas e Iniciados, fora formalizador da base da neotemplária Ordem Militar Suprema do Templo de Jerusalém; ao passo que, o filósofo Hippolyte Léon Denizard Rivail, bruxo e druida tanto como Allan Kardec no tempo de Divitiacus e Caius Iulius Caesar na Gália quanto como Platon no tempo de Socrates e Alexandre o Magno na Grécia e Macedônia, tornou-se fundador do Espiritismo [pois, a Filosofia antiga não se tratava de mero Cientificismo exotérico-irreligioso contemporâneo, mas, sim, o que conhecemos atualmente por Ocultismo ou estudo das Ciências Ocultas em sua forma mais pura e autêntica, como a fisiologia ou metafísica e os saberes trívios e a metalurgia ou alquimia e os saberes quadrívios]; Sobre a relação entre as Ordens genuinamente Neotemplárias e o Caminho de Santiago de Compostela ou Costa da Morte rumo ao Farol Prítane, o centro oeste da Torre de Hercules, indica-se a leitura das páginas 238 à 258 do livro "O Código Secreto das Catedrais", de Tim Wallace Murphy).


Ordem Humilhada ou Ordem dos Humilhados (Ordem destinada aos membros masculinos do Clã Guglielmita, da Bruxaria Medieval Reformada, na Itália, onde atuavam ao mesmo tempo como uma Banda de Justos e Foliões, cujo objetivo era "fazer Justiça": roubar dos ricos para distribuir aos pobres e vingar-se do clero Cristão Católico, recorrendo, em seu ideal, à prática de feitiços ou assassinatos aos sacerdotes Cristãos; A Igreja Católica ficou aterrorizada e, portanto, caçou os membros e queimou-os na fogueira da Inquisição).


- Ordem Rosacruz (Ordem que surgiu a partir da ideia de criar uma fraternidade oculta destinada apenas àqueles que, mesmo sendo perseguidos pela Inquisição do Santo Ofício, fossem justos no uso das forças ocultas. Foi aí que Pythagoras, reencarnado como Heinrich Cornelius Agrippa e, mais tarde, como Francis Bacon, encabeçou a Ordem e que, na contemporaneidade, reencarnou como o líder do Conventículo de Nova Floresta em que Gerald Brosseau Gardner foi iniciado, George Alexander Sullivan. Em sua origem, a Ordem Rosacruz era pagã disfarçada e adorava os Deuses pagãos das Bruxas, bem como honrava Hermes, como um dos primeiros sacerdotes que transmitiu os Mistérios, assim como os Templários que se revestiram de "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão" mesmo possuindo muita riqueza. No entanto, no decorrer do tempo a Ordem Rosacruz foi se cristianizando para ganhar maior aceitação e adeptos na Europa, embora que em facções mais tradicionalistas da Ordem Rosacruz ainda permanece, não apenas o conhecimento esotérico da Bruxaria Medieval e dos Templários, mas, também, ocultadamente o próprio Selo da Bruxaria [vide o tópico da galeria: "Ordem Rosacruz Irmandade de Crotona e seu Conventículo de Nova Floresta"]).


Cavaleiros Calusari (Ordem de cavalaria, da Romênia medieval, remanescente do antigo Clã Sálio [vide o Clã Sálio no tópico da galeria: "Os Clãs da Bruxaria na Antiguidade"], da região de domínio do antigo Império Romano).


Ordem do Dragão (Ordem romena fundada, em 1408, pelo rei transilvano Zsigmond, imperador do Sacro Império Romano de Nação Germânica, e seu filho Ioan de Hunedoara Corvino o Cavaleiro Branco — que teoricamente concederam o título de "Drácula" ou "Dragão" e a admissão da família dos Vlads valáquios à Ordem, no entanto, o rei transilvano e seu filho eram opositores rivais da família dos Vlads valáquios, já que, estes últimos, eram, em sua maioria, temíveis feiticeiros ou malfeitores, com fama de vampirismo e práticas criminosas horrendas que contrariavam os princípios tanto da Bruxaria quanto do Cristianismo , para lutar contra os turcos e as expansões do imperialismo turco pelos países da Europa medieval).

-
 Mais Antiga e Venerável Ordem do Cardo-selvagem (uma Ordem de cavalaria honorária instituída na Escócia, no período medieval em que alguns cavaleiros escoceses, juntamente com iniciados da Bruxaria Medieval Pentárquica, reuniram-se na corte do bruxo e rei franco Carlos Magno; sendo que, mais tarde, passou por reformas políticas, assim como, também, deu origem à Palavra dos Moleiros, Ordem agrária escocesa de sindicância bruxesca, isto é, dedicada à busca por justiça na fabricação e venda de produtos agrícolas por parte dos agricultores moleiros do nordeste da Escócia, no início do século 19; posteriormente, houve uma dissidência ou subdivisão desta Ordem na Inglaterra destinada à domadores de cavalos, a Sociedade dos Homens-Sapos, constituída de cavaleiros que eram aceitos por meio de uma simpatia com as propriedades de sapos, e a Sociedade dos Cavaleiros ou Sociedade da Palavra do Cavaleiro, de cavaleiros militantes que buscavam prosperar por meio de magia e culto ao Deus Cornífero; cuja tradição deu origem à diversas outras Ordens modernas, como à britânica Antiga Ordem dos Irmãos Ímpares em 1730, à anglo-londrina Antiga Ordem dos Druidas em 1780, a inglesa Antiga Ordem dos Amigos Silvicultores em 1834 e à britânica Ordem Leal dos Antigos Amigos Pastores em 1992).


Ordem da Liga ou Ordem da Jarreteira, também conhecida como Ordem dos Cavaleiros de São Jorge (Ordem fundada pelo rei Edward III  neto do Magister de um conventículo bruxesco medieval, o rei Edward I Longshanks — após uma dama da nobreza derrubar a sua "Liga de Bruxa", uma espécie de coleira de seda utilizada na coxa de uma Bruxa para diferenciar quem fazia parte da Bruxaria e quem não, o que, em consequência, o rei Edward III, ao notar, aproximou-se desta dama, ajuntou a Liga e declarou: "Senhores, envergonhe-se quem vê maldade nisso! Os que riem nesta hora ficarão um dia honradíssimos por usar uma igual, porque esta Liga será posta em tal destaque que mesmo os trocistas a procurarão com avidez" ["Messieurs, honni soit qui mal y pense! Ceux qui rient en ce moment seront un jour très honorés d'en porter une semblable, car ce ruban sera mis en tel honneur que les railleurs eux-mêmes le rechercheront avec empressement"]; "São Jorge" foi o santo/herói escolhido meticulosamente como o padroeiro das Ordens de Cavalaria, ligadas à Bruxaria, que disfarçavam-se de defensoras do Cristianismo, em função da perseguição religiosa; O nome "Jorge" deriva de um termo, no Grego Antigo, "Georgios", que significa 'agricultor' ou 'obreiro da terra'; Neste sentido, nos tempos pré-Cristãos havia a crença pagã em Bellorophontis ou Habel ou Belus, também citado nas escrituras das religiões abraâmicas, que foi, segundo os mitos pagãos, um agricultor matador do monstro Khimaira, Caineus, Hayk ou Qayin, seu irmão; Esse mito pagão, presente na Bruxaria, refere-se à um estágio inicial do desenvolvimento alquímico-espiritual, onde o aspirante à iniciação [o "cowan" ou conventicular] é desafiado a matar seu Eu Inferior, em prol de algo maior: o Eu Profundo ou Superior; Em outras palavras, esse "São Jorge" não é o São Jorge defensor dos Cristãos e, sim, Belus/Habel/Bellerophontis, ou seja, temos aqui dois São Jorges: um Herói pagão e das bruxas e um Santo cristão, ambos um tanto distintos e, ao mesmo tempo, com similitudes).


Clube Fogo do Inferno ou Ordem dos Fratres de São Francisco de Wycombe também conhecida como Ordem dos Cavaleiros do Oeste de Wycombe (essa Ordem foi fundada no início da modernidade e seu nome é decorrente do fato que os seus membros realizavam os ritos bruxescos de adoração aos Deuses em uma Ermida subterrânea inglesa, a Caverna Fogo do Inferno de Wycombe, onde Francis Dashwood presidia os ritos aos doze membros da nobreza da Grã-Bretanha e Irlanda, portanto, por ser o alto-sacerdote da Ordem foi considerado um santo ou herói e, embora realmente não o fosse, fora acusado de satanismo, prática de feitiços e libertinagem por seus oponentes; A Ermida subterrânea se estendia a cerca de 500 metros no subsolo e cujos labirintos iniciáticos foram construídos com base nos modelos da Grécia e Roma Antiga).




_____________________________

Ao benemérito St. Prior J.'.E.'.C.'.S.'.
Pela divindade do Uno, do Deus e da Deusa,
Ao Filho Divino, Vida, Saúde, Força e União!

Três Vezes Abençoado.