sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

-Cânticos e Orações da Bruxaria

{Digitação e articulação realizados pela Nadia Bertolazzi}.

The Wiccan Rede

Bide the Wiccan laws ye must
In perfect love and perfect trust.

Live and let live 
Fairly take and fairly give.

Cast the circle thrice about
To keep the evil spirits out.

To bind the spell every time
Let the spell be spake in rhyme.

Soft of eye and light of touch
Speak ye little, listen much.

Deosil go by the Waxing Moon
Sing and dance the Wiccan Rune.

[É uma música, também chamada Witche's Rune]

Widdershins go when the Moon doth wane
And the werewolf howls by the dread wolfsbane.

When the Lady's Moon is new,
Kiss the hand to Her times two.

[Isso deve ser feito com a mão esquerda]

When the Moon rides at Her peak,
Then your heart's desire seek.

When the North wind's mighty gale
Look the door and drop the sail.

When the winds come from the South,
Love will kiss the on the mouth.

When the West winds blows o'er,
The departed spirits restless be.

Nine woods in the cauldron go,
Burn them quick and burn them slow.

[cf o texto "Das Madeiras" no tópico sobre a fogueira de Beltane]

Elder be ye Lady's tree
Burn it not or cursed ye'll be.

["Elder" significa "Sabugueiro", e não uma árvore velha]

When the wheel begins to turn,
Let the Beltane fires burn.

When the wheel turns to Yule, 
Light the log and let Pan rule.

Heed ye flower, bush, and tree
By the Lady blessed be.

When the rippling waters go, 
Cast a stone and truth ye'll know.

When ye are in dire need,
Hearken not to other's greed.

With the fool no season spend,
Or be counted as his friend.

Mind the treefold law ye should
Three times bad and three times good.

When misfortune is enow,
Wear the blue star on thy brow.

[Três palavras sobre isso: "memory chain associations"_ E mais não digo]

True in love ever be,
Unless thy lover's false to thee.

Eight words the Wiccan Rede fulfill,
An ye harm none, do what ye will."


([Significa seguir a vontade do seu eu superior, e não fazer qualquer coisa que der na telha.] O Wiccan Rede parece meio bobinho, à primeira vista, mas isso é só disfarce. Verdadeiras jóias estão ocultas sob esse disfarce bobinho. É uma ótima oportunidade pra treinar seu inglês, e sua memória, decorando isso. Agora, vamos ao "The Call of Nine". É uma rima usada para dar poder ao athame. Obrigatória, não é, mas é bem legal ^_^)


The Call of Nine

"Gracious Goddess
Holy and Divine
Answer to the Call of Nine
One- I stand before Thy Throne
Two- I invoke Thee alone
Three- I hold aloft my Blade
Four- Descent! as the spell is made
Five- Lend Thy Power to give it Life
Six- Thy Power! into my Knife
Seven- On Earth, in sky, and shinning sea,
O Gracious Goddess, be with me
Eight- Come now! the call is made,
Nine- Give Thy Power unto my Blade!

The Witches' Rune
Darksome Night and shinning Moon,
Harken to the Witches' Rune
East, then South, West, then North,
Hear! Come! I call the forth.

By all the powers of Land and Sea, 
Be obedient unto me.
Wand, and Pentacle, and Sword,
Harken ye unto my word.

Cords, and Censer, Scourge and Knife,
Waken all into life.
Powers of the Witches' Blade,
Come ye as the charge is made.

Queen of Heaven, Queen of Hell, 
Send your aid unto this spell.
Horned Hunter of the night, 
Work my will by magic rite.

By all the powers of Land and Sea,
As I do say, "so mote it be".
By all the might of Moon and Sun,
As I do will, it shall be done."

[("mote" era uma corte reunida para julgamento. Quando você diz "So mote it be", está dizendo que as coisas são da maneira como você está jurando perante o mote. Ou seja, você jura que é verdade.)
Resumindo, quando você diz "So mote it be", é como se você estivesse diante de um tribunal, jurando dizer "Só a verdade, nada mais do que a verdade". "So mote it be" costuma ser traduzido como "Assim seja", mas o verdadeiro sentido é "Assim é, e juro que é" ^_^

O Witches' Rune é pra ser dançado em roda, homens e mulheres alternados e uma criatura tocando Tabor (o nome Wiccan do tambor). Mão esquerda em cima, mão direita embaixo. Segura-se pelo pulso, e não pela palma. "Heaven", na música, significa o Reino dos Deuses, não o Paraíso cristão. "Hell", na música, significa o Reino dos Mortos, não o Inferno cristão. Somando-se a isso o mundo em que vivemos, obtemos os Três Reinos Místicos dos celtas (ver "Os Mistérios Wiccanos", para maiores informações). 

Algumas pessoas acrescentam o Canto de Azarak e Zomelak, e a Encantação Bagahi, ao Witches' Rune, mas eles não fazem parte da letra original. Aliás, Azarak e Zomelak entraram por engano na Wicca, alguém que ouviu o canto e achou bonitinho resolveu usar o canto, sem nem saber o que significava. Uma atitude extremamente imprudente. Azarak e Zomelak são demônios da magia judaica. Quanto à Encantação Bagahi, ela provém de uma peça de teatro de Ruteboeuf, e até hoje ninguém sabe se era um canto legítimo que ele ouviu ou se era só uma patacoada que ele inventou. Continuamos agora com algumas orações Wiccans, para a hora de comer, de dormir, etc.]

A Wiccan Grace


"Mother!
Darksome and Divine
Bless my food, 
Bless my wine.
Give me Health,
Wealth and Wisdom,
The Divine Three.
And as I will,
So mote it be!"

Ancient Wiccan Grace
"Answer us, O Ancient Horned One,
Provender and power are Thine.
Hear and answer, Gracious Goddess, 
Grant us laughter, wit and wine,
Descent on us, O Thou of blessings,
Come among us, make us glad.
Since Thou art Chief of our creation,
Why, O Why should we be sad?
Beam on us, O joyous Bacchus,
Banish heavy-hearted hate.
Accept our Craft, O Greatest Mother,
Let cheerful brightness be our fate.
So mote it be!"

Invocação para Obter Auxílio


"Vosso amor e compaixão têm me fortalecido, 
Tríplice-coroada Deusa de todo o Universo.
Vosso governo tem sido o propósito de uma fortaleza
de granito no pico de uma montanha.
Vossa Lei sagrada da Vida tem sido uma muralha,
feita de chamas que me protegem.
Agora, neste momento e neste lugar, 
Preciso de vossa benéfica e reconfortante presença,
Deusa amada de todas as coisas que existem.
Estai comigo, no meio das minhas presentes dificuldades.
Com o poder da vossa mão, misericordiosa e
compassiva Deusa de todo o Bem,
Guiai-me para que eu possa remover com vossa ajuda 
as penas e aflições que agora me rodeiam.
Concedei-me a proteção da espada santificada 
de vossa verdade,
Deusa adorada da primeira sabedoria original.
Convosco eu me torno poderoso e confiante.
Vós sois meu auxílio e meu socorro, Deusa Tripla.
Sede abençoada, Deusa Suprema,
Em todos os vossos diversos nomes, 
E múltiplos atributos!"

Invocação pela Unidade de Espírito


"Vossa generosidade presente,
Iluminada Deusa de infinita luz,
Começa com Vossa renovada e repetida revelação
De Vós mesma,
Diante dos povos e nações da Terra!
Vossa misericórdia e compaixão foram manifestadas
diante daqueles que completaram o circuito completo
de Vida, Morte e Renascimento, 
aos quais Vós tínheis selecionado para abrir 
Vossos portões do conhecimento.
Vós tínheis tocado as almas de algumas mulheres e homens
com a centelha do primitivo reconhecimento disto,
o começo da idade.
Esses poucos proclamaram a Vós como Deusa Eterna
e Transcendente de todas as coisas!
Esses poucos declararam, comprovaram e testemunharam
que esta Terra é como uma nação e seus povos
são todos Vossos filhos, desde antes de tudo começar,
até depois que tudo se acabar!
Suprema Criadora,
Fortalecei as almas daqueles que Vos conhecem,
e abençoai aqueles que abertamente Vos proclamam
diante de todos como a Deusa definitiva.
Sede abençoada, Suprema Deusa,
em todos os seus nomes e múltiplos atributos!"


Prece da Purificação

"Salve, Mãe Divina!
Eu Te invoco com todo o fervor e veneração.
Escuta-me!
Nesta hora que se abre à minha frente,
Inunda-me com Teus raios de luz e sabedoria.
Tu és a Rainha dos Mistérios.
Compreender-Te é compreender toda a natureza.
Acolhe-me em Teus braços.
Aconchega-me em Teu seio.
Dá-me a graça de receber uma fagulha de Tua Luz.
Abra-me Teu livro sagrado 
e faz-me partícipe de Tua sabedoria.
Eu que sou Teu filho, Mãe Divina.
E, latentes no íntimo do meu ser,
Encontram-se todas as forças e poderes,
Manifestados em Ti...
Impulsiona as rodas do meu desenvolvimento, 
para que esses poderes despertem e se manifestem,
ajudando a Tua obra.
Nesta preparação tenho necessidade da Tua ajuda.
Não me desampares, Mãe Divina.
Bafeja-me com Teu hálito de Vida.
Envia-me a Tua força.
Ilumina-me com a Tua Sabedoria, e 
não me deixes nas trevas nem no esquecimento.
Eu imploro Teu auxílio, Divina Deusa!
Que, neste dia, amparado pela Tua graça, 
só pratique boas obras,
e tudo o que estiver de acordo com a Tua vontade.
Sob o Teu Amor, nada receio.
Tu me guardas como coisa Tua,
e ai daquele que atentar contra a minha vida!
Sua própria força será a sua destruição!
Em Ti confio.
Em Ti espero.
E por Ti, Mãe Divina,
Hei de alcançar a Divina Luz!"


Oração do Sono

"Mãe Divina!
Nesta hora em que a barca dourada navega 
pelas regiões subterrâneas,
e a Terra se encontra em expectativa e escuridão,
eu venho a Ti, Divina Deusa!
E, purificado, penetro em Teu lugar sagrado.
Que eu irradie Tua irradiação!
Que vibre com Tuas vibrações de amor!
Que a harmonia e o equilíbrio 
se restabeleçam em todo o meu ser!
Coloca a justiça em meu coração, 
acolhe-me em Teus divinos braços,
e desperta-me, consciente, para um novo dia!"


Prece da Sabedoria

"Bondosa Deusa da Luz infinita,
Une os corações e almas de Tuas 
crianças com Teu espírito.
Dá-lhes a força para cumprir Tua vontade
segundo as sagradas leis da vida.
Faze-nos como as pétalas de uma flor
dentro do jardim de Tua Universal sabedoria.
Socorre-nos, Deusa Tripla, quando nos
esforçamos em chamar-Te,
e não nos volte nunca a face de Tua sabedoria.
Tu vês quando nenhum outro o faz.
Tua arte é compassiva, justa, misericordiosa,
fonte de toda a sabedoria.
Em eras passadas Tu conduzias o homem
das trevas para a Luz.
Tu não deixavas Teus seguidores 
ficarem na ignorância.
Abençoada sejas, Suprema Deusa, 
em todos os Teus inúmeros nomes e múltiplos atributos."

[Passemos agora a um grande sucesso musical das Bruxas, a Maldição das Bruxas de Berwick, um clássico! (Se a maldição funcionou ou não, são outros quinhentos). Foi lançada contra o rei James da Escócia. O inglês está esquisito, porque, além de antigo, tem sotaque escocês! Como é uma maldição, é dançada widdershins.]

A Maldição das Bruxas de Berwick
 
Esta é uma música popular na época de Shakespeare, que a adicionou à sua peça "MacBeth", assim como seu contemporâneo Thomas Middleton a adicionou à peça "Witch". Supõe-se que seja uma invocação autêntica de Bruxas. Sinistrógira, mas autêntica.


"Espíritos brancos e negros,
Espíritos vermelhos e cinzas,
Misturem-se, misturem-se, misturem-se,
Vocês que podem misturar-se!

Firedrake, Pucky,
Tragam sorte.
Liard, Robin,

Vocês devem sacudir-se.
Girem, rodopiem, rodopiem, 
Subam, subam!
Todo o mal adentre-se, 
Todo o bem afaste-se!"


Apenas pra vocês saberem, o verdadeiro nome de Pucky é Dubh (pronuncia-se Duv), Liard é Liath, e Robin é Ruadh. São os nomes das cores em gaélico, porque estes são os Airts gaélicos, as direções das Bruxas escocesas. Só não consegui encontrar o verdadeiro nome de Firedrake, mas devia ser algo relacionado à cor branca.

Invocação do Círculo
("Parente por parente, sangue por sangue")

"Pela estaca e pelo caldeirão, pela taça e pela faca,
Pelo direito de oficiante que ocupo,
Vós, antigos poderes da vida e da morte,
Reuni-vos na proteção do círculo.

Parente por parente, sangue por sangue,
Pelo vento noturno selvagem e pelo céu estrelado,
Pela cor castanha da urze e pela madeira escura,
Representeis a noite para este círculo.

À semelhança de um marco de pedra,
Mantendes a guarda em torno do anel do círculo, 
Enquanto surgis atravessando a escuridão.
No Leste está a obscura pedra de Hele.

Eu convoco diante de mim a matilha do Reino das Fadas,
De dentes pontiagudos, pêlo branco e orelhas vermelhas,
Para rondar além das fronteiras do círculo.
E amedrontar o coração dos intrusos.

Poderes ancestrais deste nosso sangue,
Somos o vosso povo, guardai-nos bem,
Pela terra e pelo ar, pelo fogo e pela água, 
Pela mímica mágica e pelo encanto pronunciado.

Eu invoco a nossa Deusa da Arte,
E os Antigos da montanha e da colina.
Com o fogo flamejante e a fumaça flutuante.
Eu dedico os limites deste círculo.

Por três vezes o três,
Que assim seja!"

A Carga do Deus Cornífero

"Escute as palavras do Deus Cornífero, 
o Guardião de todas as coisas selvagens e livres, 
o Guardião dos portais da Morte a cujo chamado todos devem responder."

"Sou o fogo dentro do teu coração... o desejo da tua Alma. 
Sou o Caçador do Conhecimento e Instigador da Indagação Sagrada. 
Eu, que estou na escuridão da luz, sou Aquele que você chama de Morte. 
Eu, o Consorte e Companheiro Dela que nós adoramos, chamo-te diante de Mim. 

Atenda ao meu chamado de amor, venha até mim e aprenda os segredos da morte e da paz. 
Sou o trigo da colheita e a fruta das árvores. 
Sou Ele que o conduz à casa. 
Açoite e chama, lâmina e sangue são Meus, e os presenteio a ti. 
Chame por Mim na floresta selvagem e no topo das montanhas, 
e busque a Mim na Escuridão Luminosa. 

Eu, que tenho sido chamado Pan, Apolo, Dionisos e Acteon, falo para ti e procuro por ti. 
Venha, dance e cante; venha vivo e sorria para observar. 
Essa é a Minha adoração. 
Vocês são as Minhas crianças e Eu sou seu Pai. 
Em asas, rápidas, de noite sou Eu que os ponho no colo da Mãe, 
para renascer e retornar novamente. 

Tu, que pensas Me buscar, saibas que sou o vento indomado, 
a fúria da tempestade e a paixão da tua Alma. 
Busca-Me com orgulho e humildade, mas busca-Me melhor com carinho e força, 
pois este é o Meu caminho, e não amo o fraco e o temeroso. 
Ouça o meu chamado nas longas noites do Inverno,
e juntos guardaremos a Terra Dela enquanto Ela dorme."

Invocação ao Deus Astado (Cornífero)

"Pela chama que brilha, Ó Cornífero!
Chamamos seu nome na noite, Ó Antigo!

Nós o invocamos, pelo mar influenciado pela Lua,
Pela pedra erguida e pela árvore retorcida.
Nós o invocamos onde se encontre, 
Pelo templo sem nome, esquecido e solitário.

Venha para onde se tece a malha da dança,
Chifre e pata do Deus com pés de bode!
Por prados enluarados, em colinas brumosas, 
Quando os espíritos dos bosques jazem em silêncio,

Venha ao encanto dos cânticos devotados,
Enquanto a Lua encanta o ar da meia-noite.
Invoque os poderes que jorram poderosos
Em torrente cintilante e maré misteriosa.

Em chama flamejante, à luz pálida das estrelas,
Pelo anfitrião obscuro que cavalga os ventos,
E pelos urzais encantados
Dos bosques silvestres e pelas florestas assombradas.

Venha! Venha!
Ao bater dos tambores!
Venha a nós, que nos reunimos
Quando a plena Lua alba se ergue lentamente

Pelas estrelas, às alturas do firmamento,
Ouvimos seus cascos no vento da noite!
Enquanto os galhos negros balançam e murmuram, 
Por amor e terror nós o conhecemos.

Declamamos o encantamento que libera o poder.
No solstício, no Sabbat e no Equinócio."

O Encargo da Deusa
(Versão em verso.)

"Diana, Ariadne, 
Amante do Deus Cornífero,
Poderosa Rainha da Bruxaria e da noite, 
Selene, Hecate
Sou eu, há muito nomeada pelo homem,
Senhora Obscura do Inferno, Rainha do Paraíso.
Você que de mim pede um canto,
ou pediria uma benesse,
Encontre-me em alguma clareira secreta,
Dance em meu círculo sob a sombra dos bosques,
À luz da Lua Cheia.
Num local silvestre e ermo,
Dance ao redor de meu altar de pedras.
Desvende meu sacro segredo.
Você que é sensível à magia,
Eu lhe trago segredos ainda ocultos.
Não mais conhecerá escravidão,
Aquele que a mim dedica sincero culto.
Vocês que tecem meu círculo em noite de Sabbat, 
Compareçam nus ao rito, 
Como sinal de sua perfeita liberdade.
Ensino-lhes o mistério do renascimento, 
Desvendem meus mistérios em alegria.
Coração unido a coração, lábio a lábio,
Cinco são os pontos da companhia, [Ela se refere ao Beijo Quíntuplo]

Que lhes trazem êxtase sobre a terra, 
Pois eu sou o círculo do renascimento.
Não peço sacrifício, mas que se curvem,
À lei do amor, a única que conheço,
Por nada além de amor devo ser conhecida.
Todas as formas de vida são minhas,
De mim vêm, a mim devem retornar."


As 9 Madeiras da Fogueira de Beltane

"Nove madeiras no caldeirão vão,
Queimem rápido ou não.

Ao fogo a bétula irá, 
Para representar o que a Senhora saberá.

Na floresta o carvalho torre pode ser, 
No fogo trará do Deus o saber.

A sorveira é a árvore do poder, 
Fazendo vida e magia florescer.

O salgueiro tem sempre água à mão,
Para conduzir à Terra do Verão.

O espinheiro branco queima-se para purificar,
E encanto em seus olhos lançar.

Aveleira, árvore de aprendizado e sabedoria,
Junta sua força ao fogo que queima e brilha.

Branca são as flores da macieira, 
E da fertilidade são os frutos da sua madeira.

Uvas que crescem na vinha 
Trazem consigo vinho e alegria.

O abeto marca o verde permanente,
Que a imortalidade nunca vista represente.

O sabugueiro será a árvore da Senhora,
Queimá-lo não se deve, ou se amaldiçoará."


[Citando Grimassi: "Na tradição oculta, dizem que a bétula tem o poder de bloquear ou banir os espíritos malignos. O carvalho é relacionado com o poder da proteção. A sorveira brava é descrita por possuir o poder para invocar os espíritos do Otherworld. Dizem que o salgueiro é um caminho para o Underworld. A lenda afirma que o espinheiro é o guardião das entradas para o Reino das Fadas. Acredita-se que a aveleira seja uma entrada ou passagem para o Otherworld. A macieira é relacionada com o Ramo de Prata [nota: o Ramo de Prata é o mesmo que o cordão de prata da projeção astral, e as maçãs simbolizam os chackras para os celtas.] ou o Bosque das Fadas de Avalon e a chave que abre a entrada do Otherworld. Na tradição oculta o abeto tem o poder de invocar visões, e acredita-se que a videira seja capaz de invocar os poderes oraculares.

Se reunirmos a tradição das nove madeiras sagradas, a seguinte seqüência vai surgir: Um guardião (espinheiro) fica em pé diante da entrada do Otherworld/ Underworld/ Mundo das Fadas. Uma chave (a maçã) abre a passagem para o Otherworld (a aveleira). O caminho (salgueiro) para entrar e sair do reino oculto dessa forma é acessado. A partir do reino oculto, os espíritos são chamados (sorveira brava) e as visões (abeto) aparecem. O oráculo (videira) é desse modo ouvido e recebido. A proteção (carvalho) deve ser colocada no lugar certo durante esse trabalho, e os espíritos malignos devem ser afugentados e banidos (bétula), a fim de que não entrem no mundo material."

Óbvio que ele está falando do círculo mágico e de projeção astral. Mas não é só reunir as madeiras e tocar fogo. As madeiras precisavam ser reunidas por nove pessoas (nove homens, no País de Gales), que tivessem retirado todo o metal de seus corpos. Um tein-eigin, um fogo de atrito (que é mais mágico do que um fogo comum), deveria ser então aceso, usando uma placa de carvalho com uma concavidade, um galho de carvalho pontiagudo e agárico, retirado de bétulas velhas. Pra quê o agárico? Porque é um material que pega fogo com facilidade. Sem ele, suas mãos pegariam fogo antes do carvalho... Na visão antiga, o fogo morava dentro da madeira e, quando esta era atritada, o fogo que estava dentro da madeira era puxado pra fora. A divindade também morava dentro da árvore, dentro da madeira, e o fogo era manifestação física da divindade que morava dentro da madeira.]


A Tree Song: Oak, Ash and Thorn 
(utilizada também dentro de algumas Ordens ocultistas ou maçônica.)

"Of all the trees that grow so fair,
Old England to adorn,
Greater are none beneath the Sun,
Than Oak, Ash and Thorn.
Sing Oak and Ash and Thorn, good Sirs
(All of a Midsummer morn)!
Surely we sing no little thing, 
In Oak and Ash and Thorn!

Oak of the Clay lived many a day,
Or ever Aeneas began;
Ash of the Loam was a Lady at home,
When Brut was an outlaw man;
Thorn of the Down saw New Troy Town
(Form which was London born);
Witness hereby the ancientry
Of Oak and Ash and Thorn!

Yew taht is old in churchyard mould,
He breedeth a mighty bow;
Alder for shoes do wise men choose,
And beech for cups also.
But when ye have killed, and your bowl is spilled,
And your shoes are clean outworn,
Back ye must speed for all that ye need,
To Oak, and Ash and Thorn!

Ellum she hateth mankind, and waiteth
Till every gust be laid,
To drop a limb on the head of him
That anyway trusts her shade:
But whether a lad be sober or sad,
Or mellow with ale from the horn,
He will take no wrong when he lieth along
'Neath Oak and Ash and Thorn!

Oh, do not tell the Priest our plight,
Or he would call it a sin;
But_ we have been out in the woods all night,
A-conjuring Summer in!
And we bring you good news for cattle and corn_
Now is the Sun come up from the South,
With Oak and Ash and Thorn!

Sing Oak and Ash and Thorn, good Sirs,
(All of a Midsummer morn)!
England shall bide till Judgement Tide,
By Oak and Ash and Thorn!"